Tintas

Loja de Tintas Sorocaba Loja de Tintas ITU Tinta



Loja de Tintas Sorocaba Loja de Tintas ITU Tinta



Loja de Tintas Sorocaba Loja de Tintas ITU Tinta



Loja de Tintas Sorocaba Loja de Tintas ITU Tinta



Notícias

RSS Feed - Notícias - Mantenha-se Informado


26/02 - O que é ano bissexto? Por que teremos o dia 29 de fevereiro em 2024?
De quatro em quatro anos (salvo algumas exceções), o mês de fevereiro ganha um dia extra. Isso se deve ao tempo que a Terra leva para dar uma volta ao redor do Sol, que é de cerca de 365 dias e, veja só, 6 horas. Entenda por que existem os anos bissextos, como 2024 Aos 20 anos, Arthur Oliveira, de São Paulo, ouvia dos amigos que tinha, na verdade, 5 anos. 🤔 E não era pela aparência (nem por uma suposta infantilidade) — é que o jovem nasceu em 29 de fevereiro, data que só existe no calendário de quatro em quatro anos (salvo algumas exceções, que você entenderá mais abaixo). "Cresci a vida inteira comemorando no dia 28 mesmo", conta. Em 2024, a festa vai poder acontecer no dia certinho, já que é um ano bissexto (ou seja, teremos 29/02 na agenda)! Mas, afinal, por que o ditador Júlio Cesar, que governou Roma de 49 a 44 a.C., inventou de esticar esse mês de quando em quando? Veja abaixo. 🌍Por que existe o ano bissexto? O que define um ano, no nosso calendário civil, é o tempo que a Terra leva para dar uma volta inteira ao redor do Sol (movimento de translação). Só que esse processo, no calendário solar, não leva exatamente 365 dias — existe aí um arredondamento, para facilitar as contas. Na verdade, segundo os astrônomos, o nosso planeta demora cerca de 365 dias e 6 horas para completar a "rota". Se juntarmos essas 6 horas que "sobram" a cada ano, em 4 anos, teremos 24 horas extras (6 + 6 + 6 + 6 = 24). Ou seja: um dia a mais, fixado em 29 de fevereiro. 🌍Qual seria o problema de não existir o 29/02 nos anos bissextos? Pode parecer bobagem, mas não compensar, a cada quatro anos, essas "horas extras" bagunçaria até a nossa economia. "Aconteceria uma desconexão entre as datas do ano civil e as estações do ano", explica Rui Calares, coordenador do Cursinho da Poli (SP) e professor de geografia. "Isso atrapalharia a agricultura, por exemplo, e as datas de plantio e colheita." Dois fatores determinam se é primavera, verão, outono ou inverno em determinado hemisfério: o eixo de inclinação da Terra e a posição do planeta em relação ao Sol. Se as 6 horas "extras" de cada ano não fossem corrigidas, nosso calendário começaria a ficar atrasado em relação às quatro estações. "Ficaríamos defasados em relação à natureza. Depois de algum tempo, a primavera começaria só em dezembro no hemisfério sul, por exemplo", afirma Thiago Caraviello, professor de astronomia do Curso Etapa (SP). 🌍Como posso saber se um ano é bissexto ou não? A regra básica é: anos bissextos são divisíveis por 4 (ou seja, números que, quando divididos por 4, dão resultados inteiros, sem casas decimais). É o caso de 2024 -> 2024 ÷ 4 = 56 -> número inteiro. ❗Só que anos que terminam em "00" necessitam de mais atenção. Se acabar em 00 e for divisível por 400, é bissexto. Exemplo: 2000 (2000 ÷ 4 = 5 -> número inteiro). Se acabar em 00 e não for divisível por 400, NÃO é bissexto. É exceção! Exemplo: 1900 (1900 ÷ 4 = 4,75 -> não é número inteiro). ➡️Por quê? É que o tempo de translação da Terra não é de exatamente 365 dias e 6 horas. Na verdade, o planeta leva cerca de 365 dias, 5 horas, 48 minutos e 48 segundos para dar a volta completa ao redor do Sol (diferença de 11 minutos e 12 segundos). E aí, com o tempo, esses 11 minutos e 12 segundos "emprestados" vão se acumulando e precisam ser descontados do calendário. Por isso que, quando o número termina em "00" e não é divisível por 400, o ano deixa de ser bissexto e fica com os usuais 28 dias em fevereiro. A última vez que isso aconteceu foi em 1900, e a próxima será em 2100. 🌍Quem inventou os anos bissextos? Conciliar o calendário lunar (que levava em conta as fases da Lua) com o solar já era uma missão antiga. "No Egito, por exemplo, os povos sabiam que, quando uma estrela 'X' aparecia no céu, o rio ficaria cheio e seria uma boa época para plantações. Só que isso acontecia, vamos supor, em 1º de setembro em um ano. Depois, caía em 2, 3 ou 4 de setembro. Eles perceberam que precisavam fazer, então, uma correção no calendário, para sincronizar os fenômenos astronômicos com a vida humana", explica o astrônomo Caraviello. Foi assim que, tempos depois, os anos bissextos foram incorporados pelo imperador Júlio César, que governou Roma de 49 a 44 a.C.. "O calendário juliano promoveu uma grande reforma. Criou o ano de 365 dias/12 meses e acrescentou um dia a cada 4 anos", diz Thomas Wisiak, professor de história do Curso Etapa. Nossa organização atual do tempo é baseada no calendário gregoriano, que substituiu o juliano em 1582, por iniciativa do papa Gregório XIII. A nova versão ficou mais precisa e corrigiu atrasos em relação às estações do ano. Foi aí que surgiu aquela regrinha da divisão por 400, que o g1 explicou mais acima. Vídeos
Veja Mais

26/02 - Jovem entra na Ufes com cota racial para Farmácia, mas matrícula para Medicina é negada; 'Sou a mesma pessoa'
Bruno Nascimento tem 25 anos e entrou na Ufes com o sistema de cota racial em 2018. Em 2024 passou para medicina mas teve a matrícula negada após passar novamente por banca julgadora que afirmou que ele não tem características que o identifiquem como pessoa negra. Bruno Nascimento, é estudante de farmácia e entrou pelo sistema de cotas em 2018 mas agora teve a matrícula negada para cursar medicina em 2024 Reprodução/Acervo pessoal Bruno Nascimento entrou em 2018 no curso de Farmácia na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) a partir do sistema de cotas raciais. O sonho do estudante era cursar medicina, e depois de três tentativas, conseguiu passar para a Ufes e quando foi se inscrever realizando o mesmo processo a partir do sistema de cotas, teve a matrícula negada. Compartilhe no WhatsApp Compartilhe no Telegram Em 2018, Bruno entrou pelo sistema de cotas, baixa renda e PPI (pretos, pardos e indígenas). No edital de 2018 da Ufes, consta que existem três etapas para utilizar o sistema de cota racial: Entrega de fotografia acompanhada de autodeclaração impressa e assinada em algum dos campi. Análise da documentação enviada. Após análise, os candidatos que a banca julgar necessário serão convocados por meio de listagem para participar de uma entrevista. A entrevista é gravada e feita de forma individual com membros da comissão de verificação e o candidato assume a veracidade das declarações prestadas e sanções em caso de declaração falsa. O edital de 2018 também reforça que a avaliação feita pela Comissão levará em conta única e exclusivamente característica fenotípicas do candidato, jamais a ascendência. 📲 Clique aqui para seguir o canal do g1 ES no WhatsApp O estudante começou a cursar o curso, mas seu sonho sempre foi fazer medicina. Então em 2021 ele voltou a estudar para tentar seguir com o desejo. E conseguiu ao passar no curso no Enem de 2023. Mas, Bruno se surpreendeu ao ver que passou pelo mesmo processo, realizou a entrevista mas negaram a matrícula. Em 2024, a própria universidade atestou que o estudante seguia na universidade em farmácia, como cotista (veja documento abaixo). Ufes atesta em 2024 que o estudante é cotista Reprodução/Acervo pessoal Bruno teve a matrícula negada esse ano após passar pela entrevista da banca racial. O edital da universidade em 2024 para a utilização de cotas seguia trazendo a Comissão de Verificação de autodeclaração à demanda social de cotas raciais e reforçou os mesmos quesitos, conforme documento abaixo. Edital da Ufes para aprovação de cota racial Reprodução Após a resposta, o estudante recorreu à Pró-Reitoria de Graduação da Ufes para resolver, e foi orientado a aguardar novas avaliações da universidade, sem prazo para a decisão e teve a resposta negada porque "não foram encontradas características que o identifiquem como pessoa negra". Depois disso, Bruno entrou com recurso para o presidente da comissão, e o conselho universitário. "Eu fiquei indignado com tudo isso. Eu meio que tinha ideia que poderiam ficar com dúvida esse ano, porque a banca até chegou a ter da outra vez. Mas concluíram que eu era apto. Eu sou a mesma pessoa", disse o estudante. Agora, Bruno precisa esperar a resposta do presidente da Comissão de Avaliação de Autodeclaração e do Conselho Universitário, sem data prevista. O que diz a Ufes Ufes negou matrícula de estudante e disse que "não foi encontrado características que o identifiquem como pessoa negra" Reprodução/Acervo pessoal A equipe da Pró-Reitoria de Graduação (Prograd) da Ufes disse que, enquanto o processo do Sisu 2024 estiver em andamento, não vai se manifestar sobre este ou qualquer outro caso específico do processo seletivo. No entanto, a Prograd informa que, desde a implementação do sistema de reserva de vagas, a Ufes, assim como as demais universidades, vem aperfeiçoando o trabalho de reserva de vagas. Se antes bastava a autodeclaração, agora existe um processo misto de heteroidentificação, em que a autodeclaração é validada ou não por uma comissão avaliadora. Atualmente, a avaliação étnica-racial para candidatos pretos e pardos é realizada de maneira presencial pela Comissão de Verificação de Autodeclaração, considerando única e exclusivamente o fenótipo negro (preto ou pardo): predominantemente a cor da pele, a textura do cabelo e os aspectos faciais que, combinados ou não, permitem validar ou invalidar a autodeclaração. Esse processo visa a coibir eventual destinação de vagas reservadas para quem não é alvo da política social, considerando possíveis fraudes, bem como declarações equivocadas devido a ausência de compreensão das questões raciais. VÍDEOS: tudo sobre o Espírito Santo Veja o plantão de últimas notícias do g1 Espírito Santo
Veja Mais

26/02 - Em seis anos, procura por cursos de licenciatura cai 74% em universidades públicas do Paraná
Levantamento exclusivo do g1 analisou número de inscritos em vestibulares para os cursos de Matemática e Letras de 2017 a 2023. Cai procura por cursos de licenciatura no PR O interesse em cursos de licenciatura caiu 74% nos últimos seis anos nas universidades públicas do Paraná. O dado considera a quantidade de candidatos inscrita nos vestibulares e no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) nos cursos de Matemática e Letras, de 2017 a 2023. A formação é obrigatória para quem quer dar aulas na Educação Básica. Em 2017, o número total de inscritos para os dois cursos nos processos seletivos analisados foi 13.574. Seis anos depois, em 2023, a quantidade despencou para 3.540. ✅ Siga o canal do g1 PR no WhatsApp ✅ Siga o canal do g1 PR no Telegram Docente com mais de 30 anos de atuação ouvida pelo g1 cita entre os motivos que têm afastado os jovens da carreira de professor estão os baixos salário e as condições de trabalho. Entenda mais abaixo. "A remuneração não atrai. Os jovens não enxergam como uma perspectiva de futuro", afirma Sandra Garcia que atua no Departamento de Educação da Universidade Estadual de Londrina (UEL). O que os números mostram Levantamento exclusivo do g1 analisou dados das 11 universidades públicas do Paraná – federais e estaduais localizadas em todas as regiões do estado. São elas: Universidade Estadual de Londrina (UEL) Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) Universidade Estadual de Maringá (UEM) Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP) Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro) Universidade Estadual do Paraná (Unespar) Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila) Instituto Federal do Paraná (IFPR) Universidade Federal do Paraná (UFPR) Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) Evolução da procura por cursos de licenciatura no PR Matheus Cavalheiro/Arte RPC Se considerado apenas o curso de licenciatura em Matemática, a queda foi ainda maior, de 76%, passando de 5.980 candidatos em 2017 para 1.436 no ano passado. Veja a variação por universidade: No caso do curso de Letras, foram consideradas todas as habilitações que incluíam Português, como Português/Italiano ou Português/Alemão. A queda na área nos seis anos analisados foi de 72%, com o número de interessados caindo de 7.594 para 2.104. Veja a variação por universidade: LEIA TAMBÉM: Ciência: pesquisadores da UFPR descobrem besouro que podem ajudar a solucionar crimes Combate à dengue: idosa se recusa a descartar água parada e polícia é chamada Oportunidades: confira concursos com inscrições abertas no Paraná 'Entrei com 50 pessoas e hoje deve ter uns 15' Prestes a concluir Matemática na Universidade Estadual de Maringá (UEM), o estudante Vinícius Pinto da Fonseca conta que começou o curso com uma turma de cerca de 50 alunos. Logo no primeiro ano, ele viu a sala de aula ficar cada vez mais vazia. Veja o relato abaixo. Estudante da UEM fala da queda de inscritos no curso de matemática "Dos 50 que entraram, hoje têm uns 15, no máximo. E nem todos vão se formar agora. Acho que muita gente desistiu pela falsa ilusão do que vai estudar em Matemática. Quando chega no curso, você encontra matérias que não encontra no ensino básico. O baque é muito grande. Quem não está preparado ou não almejava isso para o futuro, desiste ali mesmo." Essa foi a realidade também enfrentada por Natália Beraldo, que está na segunda licenciatura. Ela se formou em Ciências Sociais e está no primeiro ano de Letras/Português na Universidade Estadual de Londrina (UEL). Licenciatura é obrigatória para quem quer dar aulas na Educação Básica Lucar Fermin/Seed-PR Inspirada pela mãe professora e por professores durante o Ensino Médio, Natália começou a faculdade em 2018 com aproximadamente outros 50 alunos. Entre o início e fim do curso, a turma foi reduzida pela metade. "Cerca de 20 pessoas se formaram comigo. Como a Sociologia não é mais uma matéria obrigatória, o desinteresse aumentou muito. Além disso, acredito que a procura vem diminuindo pela desvalorização salarial do professor. Quando há oportunidade, como um concurso público, o recém-formado disputa a vaga com quem tem especialização, mestrado, doutorado. É muito difícil", lamenta. Risco de 'apagão' de professores Professora há 34 anos do Departamento de Educação e atual coordenadora do vestibular da UEL, Sandra Garcia elenca alguns motivos que podem explicar o afastamento do jovem da carreira de professor. "Primeiro, a carreira não é atrativa. Os países que fizeram essa mudança viram o número de interessados crescer. A imagem do professor tem sido muito desgastada, principalmente nos últimos anos. A remuneração não atrai. Os jovens não enxergam como uma perspectiva de futuro. As condições de trabalho, ainda mais no setor público, não são boas. E, além disso, tem a formação, que hoje está focada na educação à distância." Coordenadora de Processos Seletivos da UEL fala sobre pouca adesão nas licenciaturas Com o desinteresse cada vez mais elevado, Sandra teme que a falta de professores no mercado de trabalho vire realidade. "A gente pode correr o risco de um 'apagão' de professores. Isso vem se construindo há algum tempo, principalmente em algumas disciplinas. Hoje criam plataformas e conteúdos que não são base da formação do professor, quando, na verdade, isso representa uma desvalorização do profissional", avalia. Buscando alternativas Para a analista de políticas educacionais do Todos pela Educação – organização sem fins lucrativos dedicada à garantir a qualidade da educação básica –, Natália Fregonesi, a queda de inscrições em vestibulares para cursos de licenciatura nas universidades públicas no Paraná reflete uma realidade nacional. No entanto, ela acredita que a baixa procura não significa, necessariamente, que menos professores estão se formando. "Por outro lado, as matrículas em licenciatura têm aumentado em instituições na modalidade a distância (EAD). Geralmente são cursos mais flexíveis e com preços mais atrativos. Essa é a principal estratégia de formação de professores, o que é um absurdo. Esses cursos exigem a presencialidade por conta da prática que eles precisam ter", alerta. Especialista diz que procura por cursos de licenciatura aumentou na modalidade EAD Na opinião da especialista, o governo federal deve frear a expansão da modalidade a distância registrada nos últimos anos, ao mesmo tempo em que capacite o professor que está se formando nessas condições. Apesar do cenário desafiador, quem decidiu pela carreira de professor conta como foi inspirado a seguir este caminho. "Eu acho que a profissão de professor é muito nobre. Minha mãe é professora e sempre gostei da minha relação com meus professores. Sempre admirei todos. Isso me incentivou a escolher a licenciatura", conclui Vinícius Fonseca. *Esta reportagem contou com a colaboração de Maria Pohler, estagiária do g1. Mais assistidos do g1 PR Leia mais em g1 Norte e Noroeste.
Veja Mais

24/02 - Trend do palavrão: você gravaria seu filho falando p*#&@, m&*#@ e postaria no TikTok? Entenda os riscos
Divulgação de conteúdos com crianças nas redes sociais pode afetar saúde mental, além dar margem para riscos à segurança dos pequenos. Trend do palavrão viralizou nas redes sociais. Reprodução/Internet Uma nova trend que envolve pais e filhos ganhou destaque nas redes sociais em fevereiro. Nos vídeos, os responsáveis propõem um desafio, que funciona assim: Primeiro, levam a criança para um banheiro, quarto, sala, algum cômodo específico da casa. Neste ambiente, explicam para a criança que, enquanto estiver ali, sozinha, e por um determinado tempo, ela pode xingar e falar os palavrões que conhece. Depois, com um celular gravando, os adultos saem de cena e a criança pode começar a fazer o que foi proposto. Os vídeos deste desafio foram amplamente publicados em redes sociais como TikTok e Instagram, e circularam também pelas demais plataformas. Pelas filmagens, é possível perceber que algumas crianças ficam confusas e parecem não conhecer palavrões para falar naquela ocasião. Outras se mostram bem munidas de xingamentos e aproveitam a oportunidade de reproduzir os termos. Enquanto muitos internautas deram boas risadas com as gravações e os pais não viram problemas na exposição do conteúdo, especialistas ouvidas pelo g1 destacam alguns sinais de alerta diante da proliferação de conteúdos como estes na internet. Criança pode falar palavrão? Segundo psicólogas ouvidas pela reportagem, o palavrão é uma forma de expressão usada pelas pessoas como forma de extravasar algum sentimento ou sensação de angústia, frustração, raiva ou até medo. Mas, quando se trata das crianças, essas palavras são ditas, na maioria das vezes, como reprodução de algo que ouviram adultos falando, sem significado atrelado. “Fala palavrão a criança que vê o pai, a mãe ou algum adulto de referência falando. Se os pais não falam palavrão, dificilmente a criança vai falar”, explica Renata Bento, psicóloga especialista em família. Para Carla Maia, especialista em desenvolvimento emocional e saúde mental de mulheres, crianças e adolescentes, a criança pode ser ensinada sobre palavrão, especialmente para entender os sentimentos relacionados e o contexto no qual as palavras são usadas. “O palavrão é uma expressão muito mais da ordem privada. Eu sempre oriento [os pais] a ensinarem para os filhos que o palavrão é como um pum, que não pode soltar em qualquer lugar”, explica. LEIA TAMBÉM: Faltar com a verdade é algo que se aprende em casa; saiba por que crianças mentem e o que fazer Dualidade das orientações Apesar disso, as especialistas entendem que há problemas evidentes na proposta do desafio que circula nas redes sociais. Um primeiro ponto de atenção é a confusão que pode acontecer na mente da criança diante da permissão de falar palavrões. “Muitos pais ensinam os filhos a não xingar ou falar o que consideram palavras feias, e aí, do nada, não só permitem que a criança fale, como expõem para outras pessoas”, lembra Renata Bento. Isso, segundo a especialista, pode levar a criança a fazer sérios questionamentos sobre as orientações que recebem dos pais, além de deixá-las sem saber quando o não é, de fato, não. Espaço de confiança Outro aspecto preocupante, segundo a especialista em família, diz respeito ao falso espaço de confiança que é criado neste cenário. Apesar da presença do celular, a criança entende que está sozinha e que o que fizer ali, ficará ali, porque é isso que a explicação do adulto presente dá a entender. Quando o responsável filma aquele momento e compartilha na internet, quebra o espaço seguro que afirmou ter criado para a criança. O problema pode acontecer quando a criança se der conta de que sua reação diante do pedido do adulto não foi mantida privada. “Se essa criança vê alguém reagindo àquela gravação, pode entender que fez algo vexatório, vergonhoso, quando, na verdade, só fez o que o adulto responsável naquela situação pediu. Ela dificilmente vai entender por que algumas pessoas acham aquilo engraçado", completa Renata. Isso, por si só, pode deixar marcas na psique da criança, como: dificuldade de confiar; dificuldade de ser leal ou entender lealdade; medo de traição; medo de exposição; timidez; e repressão emocional. “[As crianças] merecem respeito, segurança, cuidado e proteção, coisas que são desconsideradas em situações como essa. Este tipo de exposição não traz benefício nenhum para a criança”, defende Carla Maia. Lavar a louça e arrumar a cama: quando a criança deve começar a ajudar nas tarefas de casa
Veja Mais

22/02 - SP tem 57% de professores não concursados na rede estadual de ensino, aponta Censo Escolar 2023
Levantamento anual traz dados sobre as escolas, os professores, os gestores e os alunos das redes pública e privada do Brasil. Secretaria Estadual de Educação diz que desde o período de coleta das informações, docentes concursados se tornaram maioria no estado. Alunos de escola estadual de SP Kalel Rodrigues de Souza/Arquivo pessoal A rede estadual de ensino de São Paulo é composta, em sua maioria, por professores temporários, não concursados. De acordo com o Censo Escolar 2023, divulgado pelo Ministério da Educação (MEC) nesta quinta-feira (22), eles representam 57,1% dos docentes do estado. Em comparação, a categoria representa 81% dos professores de Minas Gerais. Já no Rio de Janeiro, estado com maior percentual de docentes concursados no país, os temporários são cerca de 5%. O Censo é um levantamento anual realizado pelo Inep, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Ele traz dados sobre as escolas, os professores, os gestores e os alunos das redes pública e privada do Brasil. Em 2023, os dados foram coletados entre os meses de maio e julho. Segundo a Secretaria Estadual da Educação (Seduc), desde o período de coleta das informações, o quadro sofreu uma alteração e os professores concursados passaram a representar 52% do total da rede, enquanto o número de temporários caiu para 48%. Concursados em fev/24: 164 mil professores Temporários em fev/24: 149 mil professores Ainda de acordo com a Seduc, 15 mil professores concursados serão contratados no segundo semestre de 2024, visando tornar a categoria 60% dos docentes do estado. Outros dados do Censo O levantamento apresentado nesta quinta mostrou ainda que 500 mil alunos deixaram o ensino público em 2023. Enquanto isso, a rede pública ganhou 423 mil estudantes. Para o ministro da Educação, Camilo Santana, a situação pode estar relacionada à retomada econômica do país após os períodos mais severos da pandemia. São Paulo também foi apontado como um dos estados com menos taxa de distorção idade-série, com 5,9%. Ou seja, 94,1% dos estudantes estão na série adequada para suas faixas etárias ou então com atraso de menos de dois anos.
Veja Mais

22/02 - Quase 9 milhões de brasileiros de 18 a 29 anos não concluíram a escola, apontam dados divulgados pelo MEC
Dados referentes a 2023 foram apresentados nesta quarta-feira (22). Ministro Camilo Santana e o presidente do Inep, Manuel Palacios, em apresentação dos dados do Censo Escolar 2023 Ana Clara Alves/g1 O Ministério da Educação (MEC) divulgou nesta quarta-feira (22) os dados mais recentes sobre o ensino básico no país. O panorama dos desafios para esta etapa da formação dos estudantes brasileiros foi desenhado pelo "Censo Escolar da Educação Básica 2023" e contou ainda com dados da "Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua 2016-2023 (PNAD)", realizada pelo IBGE. Os dados mostram que 8,8 milhões de brasileiros de 18 a 29 anos não terminaram o ensino médio e não frequentam nenhuma instituição de educação básica, segundo informações coletas pela PNAD Contínua. Considerando todas as faixas etárias, são 68.036.330 cidadãos sem a escolarização básica no país. Segundo resultados do Censo Escolar, os seguintes fatores sinalizam um alerta para que brasileiros continuem fora da escola: ✏️Na EJA, o número de adultos matriculados caiu 7% de 2022 a 2023. ✏️O ensino médio é "campeão" de evasão escolar, afirma o ministro da Educação, Camilo Santana. De acordo com o Censo, de 2020 a 2021, 7% dos alunos do 1º ano desistiram dos estudos e 4,1% foram reprovados. ✏️Segundo os especialistas, a reprovação é um dos fatores que levam o aluno a abandonar a educação básica. Em 2022, após o fim das políticas de aprovação automática adotadas por estados na pandemia, os índices de retenção voltaram a crescer. Nos anos finais do ensino fundamental (5º ao 9º ano), 7,9% dos estudantes foram reprovados, e no ensino médio, 13,4%. ✏️Em 2023, no 6º ano do ensino fundamental, 15,8% dos estudantes não tinham a idade adequada (porque foram reprovados, por exemplo, ou porque abandonaram o colégio em algum período). Esse é mais um fator que pode aumentar o risco de, futuramente, o jovem interromper os estudos. "Não queremos deixar ninguém para trás. Queremos reverter a tendência de o jovem precisar ir para a EJA lá na frente", diz Santana. Ele reforçou que esse é o objetivo do Programa Pé-de-Meia, que dará um incentivo financeiro para os alunos de baixa renda que estiverem matriculados no colégio. Para Ivan Gontijo, gerente de políticas educacionais da ONG Todos Pela Educação, a necessidade de ingressar no mercado de trabalho, a estrutura defasada do "antigo" ensino médio e as lacunas de aprendizagem são outros fatores que levam o jovem a sair precocemente da escola. "A discussão de por que abandonaram os estudos tem muita a ver com a experiência que tiveram no colégio. As taxas de evasão são maiores no 1º ano, exatamente quando o aluno começa outro ciclo e encontra mais disciplinas, mais professores e um currículo muito grande", afirma Gontijo. "O novo ensino médio [já em vigor] tem muitos problemas e precisa ser 'reformado', mas é importante que essa flexibilidade curricular seja mantida." Por outro lado, há números que apresentam uma perspectiva de redução na evasão escolar: 🧑‍🏫A educação em tempo integral, uma das apostas do governo Lula para diminuir os índices de desistência, registrou um aumento no percentual de matrículas no ensino médio: de 20,4% para 21,9% na rede pública e de 9,1% para 11% na rede privada. Na média geral, 1 a cada 5 alunos brasileiros do ensino médio estuda em tempo integral. "Todos os estudos e evidências já mostraram que uma escola de tempo integral que amplie o projeto de vida do aluno -- que tenha apoio psicológico e na área esportiva -- é uma escola que diminui abandono e evasão", afirma o ministro. 🧑‍🏫O ensino técnico, seja nos colégios ou após a formação da educação básica, cresceu significativamente: em um ano, as matrículas saltaram 12% e chegaram a 2.413.825. É mais uma tentativa de atrair o jovem para os estudos. 🧑‍🏫Considerando apenas o ensino técnico integrado ao ensino médio (ou seja, oferecido pela escola), há 782.129 alunos matriculados. Camilo Santana anunciou também que pretende promover um programa que una a EJA e o ensino técnico: adultos e idosos poderão retomar os estudos com uma modalidade escolar que seja profissionalizante. Para Gontijo, do Todos Pela Educação, outra iniciativa importante seria pagar quantias maiores no Pé-de-Meia para os alunos de tempo integral. "Muita gente de baixa renda acaba não se matriculando nessas escolas, porque precisa trabalhar. Na periferia, as vagas nos colégios integrais ficam mais ociosas. Seria interessante dar valores maiores para esses alunos", afirma. Veja mais destaques abaixo: Creches retomaram crescimento, mas meta segue distante Uma das metas do Plano Nacional de Educação (PNE) era atingir o índice de, no mínimo, 50% das crianças de 0 a 3 anos matriculadas em creches em 2024. A etapa, apesar de não ser obrigatória, traz benefícios para o desenvolvimento infantil e oferece a oportunidade de as mães voltarem ao mercado de trabalho após a gestação. Segundo os números do Censo, o Brasil ainda está distante do objetivo, apesar de registrar uma melhora: em 2022, 36% dos alunos dessa faixa etária estavam na escola; em 2023, o patamar saltou para cerca de 41%. "Foi a etapa que mais sofreu na pandemia", afirma Carlos Moreno, diretor de estatísticas educacionais do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). "Agora, voltamos a crescer, e de forma bastante expressiva. Ultrapassamos os 4,1 milhões de alunos na creche." Mariana Luz, CEO da Fundação Maria Cecilia Souto Vidigal, explica que a creche é um direito da criança previsto na Constituição de 1988. O ideal seria, portanto, prever não só a meta dos 50%, e sim uma realidade em que toda família que queira matricular o aluno encontre uma vaga. "Cada município tem um contexto diferente. Nos grandes centros urbanos, provavelmente [o índice de] 50% das crianças na creche não seria suficiente, pois a demanda é muito maior do que isso", diz a especialista. ➡️A estrutura das escolas de educação infantil (creches e pré-escolas) também necessita de investimentos, mostra o Censo: menos da metade (41,8%) tem materiais para atividades artísticas; 57,7% oferecem banheiros adequados para as crianças; apenas 6,7% têm quadra de esportes. "Como garantir a qualidade da educação e o consequente desenvolvimento infantil se há falhas em ambientes básicos, como banheiros, quadras e materiais adequados? Não basta expandir, é preciso qualificar", afirma Luz. Distorção idade-série: quantos alunos estão na etapa correta? Como dito no início da reportagem, em 2023, no 6º ano do ensino fundamental, 15,8% dos estudantes não tinham a idade adequada (porque foram reprovados, por exemplo, ou porque abandonaram o colégio em algum período). O maior percentual da distorção idade-série foi identificado entre alunos do 6º ano da educação indígena: 39,1%. Em seguida, estão a educação especial (36,4%) e a quilombola (28,4%). A menor taxa de inadequação estava entre os estudantes brancos (9,6%). Entre os estados, Amapá (32,4%), Pará (31,7%) e Rio Grande do Norte (29,6%) apresentaram os maiores índices de distorção. Já aqueles com as menores taxas foram São Paulo (5,9%), Ceará (7,4%) e Mato Grosso (8,3%). Escolas públicas perderam 500 mil alunos em um ano, enquanto rede privada cresceu Em relação a 2022, houve uma ampliação de 4,7% das matrículas em escolas privadas (cerca de 423 mil novos alunos). Já a rede pública encolheu: houve uma redução de mais de 500 mil alunos nesse período. Provavelmente, segundo Gontijo, o que aconteceu foi o seguinte: esses estudantes que entraram nas escolas particulares em 2023 tinham migrado para as públicas em 2020-2021, durante a crise financeira na pandemia de Covid-19. Agora, os familiares voltaram a poder pagar as mensalidades. Para Anna Helena Altenfelder, presidente do Conselho de Administração do Cenpec (ONG que atua com projetos focados na educação pública), a retomada do crescimento da rede privada de educação só reforça a importância da educação pública de qualidade. “A escola pública tem qualidade, o grande desafio é fazer com que essa qualidade seja igual para todo mundo.” Veja os dados abaixo: Vídeos
Veja Mais

22/02 - VÍDEO: Alunos suecos usam livros impressos pela primeira vez na sala de aula
Após anos com a educação 100% digital, a Suécia vem redescobrindo a importância dos livros físicos. Crianças suecas estão vendo livro pela primeira vez na sala de aula O ensino digital tem predominado nas escolas da Suécia. No entanto, está havendo atualmente um redescobrimento da importância dos livros físicos. 👉 Essa iniciativa foi promovida pelo governo sueco, que demonstra preocupação com as implicações da ampla digitalização e o impacto da exposição precoce das crianças às telas. No vídeo acima, as crianças suecas estão vendo um livro pela primeira vez na sala de aula. "Hoje vocês estão recebendo, pela primeira vez, um livro de matemática de verdade. Emocionante, não é?", diz uma professora para os alunos. O ensino digital é a norma em escolas suecas há anos. Mas, agora, elas têm reconsiderado o uso dos livros impressos. Os alunos leem mais devagar, possuem um vocabulário menor e também compreendem menos o que leem. Atribuímos isso à dependência excessiva de métodos digitais. Os livros parecem ser bem recebidos também pelos alunos. "Há mais explicações. Não tínhamos isso no laptop", afirma a aluna Ines. "A vantagem é que um livro não desliga como um computador", conta o aluno Mio. Essa ideia foi introduzida pelo governo sueco. O país está preocupado com as consequências da digitalização extensiva e também com a exposição precoce às telas. "O futuro é digital. Temos que ensinar às crianças sobre este mundo e orientá-las no caminho certo. Se eu pudesse escolher novamente, escolheria uma combinação", completa a professora Jeanette. Material didático digital x livros físicos: 5 pontos para serem considerados
Veja Mais

21/02 - Unesp 2024: lista de aprovados em quinta chamada é divulgada; veja como consultar
Aprovados devem fazer a matrícula virtual até as 16h desta quinta (22). Nomes dos convocados para as vagas olímpicas também serão divulgados. Campus da Unesp em Rosana (SP) Reprodução/Unesp A Universidade Estadual Paulista (Unesp) divulgou nesta quarta-feira (21), a quinta lista de aprovados no Vestibular 2024. Na região, a instituição pública soma 1.257 vagas para novos estudantes, em Araraquara, Rio Claro e São João da Boa Vista (SP). CONSULTE AQUI A 5ª CHAMADA DE APROVADOS DA UNESP 2024 A lista dos aprovados em 5ª chamada pelas vagas olímpicas também foi divulgada. Consulte aqui. Os candidatos aprovados precisam fazer a matrícula virtual para garantir a vaga pelo site da Vunesp ou diretamente pelo Sistema de Graduação da Unesp (Sisgrad). O sistema ficará disponível a partir das 16h desta quarta (21) até as 18h da quinta-feira (22). Nesta etapa, os estudantes devem preencher um formulário on-line e enviar os documentos solicitados para matrícula. Vagas oferecidas pela Unesp Campus Unesp de Bauru Paola Patriarca/ g1 A Unesp tem outros campi além dos da região. Os cursos também são oferecidos em Araçatuba, Assis, Bauru, Botucatu, Dracena, Franca, Guaratinguetá, Ilha Solteira, Itapeva, Jaboticabal, Marília, Ourinhos, Presidente Prudente, Registro, Rosana, São José do Rio Preto, São José dos Campos, São Paulo, São Vicente, Sorocaba e Tupã. Ao todo, a instituição oferta de 6.596 vagas em 24 cidades. O Sistema de Reserva de Vagas para Educação Básica Pública (SRVEBP) destina 50% das vagas de cada curso de graduação da Unesp para alunos que tenham feito todo o Ensino Médio em escola pública, sendo que 35% das vagas desse sistema são destinadas aos candidatos que se autodeclararem pretos, pardos ou indígenas. A somatória inclui 934 vagas do Provão Paulista destinadas exclusivamente para alunos do ensino público. Este sistema tem garantido maioria de ingressantes vindos de escolas públicas desde o Vestibular Unesp 2017. Campus da Unesp de Araraquara Rodrigo Sargaço/EPTV Outra forma de ingresso na Unesp é o preenchimento de eventuais vagas remanescentes do Vestibular 2024 para todos os candidatos do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2022 ou 2023, sem necessidade de o candidato estar inscrito no Vestibular Unesp. O período para estes candidatos declararem interesse e participarem das chamadas seguintes para matrícula vai de 29 de fevereiro a 5 de março, após a apuração da sétima chamada do Vestibular Unesp. O cadastramento será feito gratuitamente pelo site da Vunesp. 📅 Próximas chamadas da Unesp 6ª chamada: 23 de fevereiro - Matrícula Virtual – das 16h do dia 23/2 até às 18h de 26/2 7ª chamada: 27 de fevereiro - Matrícula Virtual – das 16h do dia 27/2 até às 18h de 28/2 8ª chamada: 29 de fevereiro - Matrícula Virtual – das 16h do dia 29/2 até às 18h de 5/3 9ª chamada: 6 de março - Matrícula Virtual – das 16h do dia 6/3 até às 18h de 8/3 10ª chamada: 11 de março - Matrícula Virtual – das 16h do dia 11/3 até às 18h de 12/3 REVEJA VÍDEOS DA EPTV: Veja mais notícias da região no g1 São Carlos e Araraquara
Veja Mais

21/02 - UFSCar 2024: segunda chamada de convocados para manifestar interesse por vaga é divulgada; veja
Candidato terá que fazer a manifestação virtual de interesse por vaga. Depois será necessário fazer o requerimento virtual de matrícula; veja todas as datas. Campus da UFSCar em São Carlos 2020 Gabrielle Chagas/G1 A Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) divulga, nesta quarta-feira (21), a segunda chamada para manifestação de interesse por vaga nos cursos de gradução em 2024. VEJA AQUI A LISTA DE CONVOCADOS PARA MANIFESTAR INTERESSE POR VAGA As pessoas convocadas devem fazer a manifestação virtual de interesse por vaga. A lista também está disponível nas páginas www.ufscar.br e www.ingresso.ufscar.br 📲 Participe do canal do g1 São Carlos e Araraquara no WhatsApp São convocados apenas quem está na lista de espera divulgada na segunda-feira (19). A universidade ainda terá a 3ª chamada (8 de março) e a 4ª chamada (26 de março). (Correção: ao publicar esta reportagem, o g1 errou ao afirmar que a 2ª chamada é de aprovados. O correto é 2ª chamada de convocados para manifestação de interesse por vaga. A convocação para a manifestação de interesse tem uma quantidade maior de pessoas do que de vagas disponíveis. O texto foi corrigido às 14h36 do dia 21/2/2024). LEIA TAMBÉM: Unesp 2024: quarta chamada de aprovados é divulgada; saiba como consultar A UFSCar oferta anualmente 2,9 mil vagas para ingresso em 66 opções de curso de graduação presenciais, divididas em quatro campi - São Carlos, Araras, Sorocaba e Lagoa do Sino. UFSCar 2024: lista de espera é divulgada; consulte Veja o edital completo para ingresso na UFSCar em 2024 Manifestação de interesse pela vaga e matrícula UFSCar em Araras UFSCar/Divulgação Se o nome do candidato estiver na lista de 2ª chamada, ele terá de 23 a 25 de fevereiro para fazer a manifestação virtual de interesse por vaga. O procedimento deve ser feito no endereço eletrônico: https://sistemas.ufscar.br/siga/candidato/login.xhtml Depois, de 28 a 29 de fevereiro, o estudante aprovado deverá fazer o requerimento virtual de matrícula no endereço: https://sistemas.ufscar.br/siga/candidato/login.xhtml Convocação para manifestação de interesse por vaga garante a existência da vaga? Não, porque a UFSCar convoca para a manifestação de interesse uma quantidade maior de pessoas do que de vagas disponíveis naquele momento, com base nos índices de comparecimento para requerimento de matrícula em anos anteriores. Assim, é elaborada uma lista de interessados em permanecer no processo seletivo, agilizando as novas convocações. Após o término do prazo para manifestar o interesse, e a partir dessa lista de interessados, a UFSCar convoca para o requerimento da matrícula as pessoas candidatas com melhor classificação por nota final do processo seletivo e por modalidade de concorrência, até o limite das vagas disponíveis. Se você for convocado para requerer a matrícula, existe a vaga disponível. A próxima etapa, então, é comprovar que você cumpre os requisitos da sua modalidade de ingresso, sendo necessário o envio da documentação para comprovar a situação, dentro do prazo estipulado. Lista de espera ❓ É a partir dessa Lista de Espera atualizada que a UFSCar vai fazer as próximas chamadas? Sim. A UFSCar convocará nas chamadas seguintes apenas pessoas cujos nomes constem nesta lista. ❓ Continua valendo a reserva de vagas da Lei nº 12.711/2012 (alterada pela Lei nº 13.409/2016 e pela Lei nº 14.723/2023)? Nessas convocações, continuarão sendo observados se os percentuais mínimos destinados à reserva de vagas estabelecida pela Lei nº 12.711/2012 (alterada pela Lei nº 13.409/2016 e pela Lei nº 14.723/2023) foram completados. ❓ Depois de ter visto meu nome da Lista de Espera, o que tenho que fazer? Após conferir seu nome na lista de espera atualizada, você só tem que aguardar a divulgação da lista das pessoas convocadas para a manifestação virtual de interesse nas chamadas seguintes (2ª, 3ª e 4ª) de acordo com os calendários de chamadas. ❓ Como funciona a reserva de vagas da Lei nº 12.711/2012 (alterada pela Lei nº 13.409/2016 e pela Lei nº 14.723/2023) em cada chamada da UFSCar? No processamento de cada uma das chamadas, são observados, para cada curso, se o percentual mínimo para cada uma das “modalidades de reserva de vagas” já foi completado (Grupos 1B, 2B, 3B, 4B, 1I, 2I, 3I, 4I). Caso não tenham sido, são convocadas as pessoas mais bem classificadas que tenham optado pelo ingresso por reserva de vagas em cada modalidade, até que se completem os respectivos percentuais. Em seguida, as demais vagas são preenchidas pelas próximas pessoas, ordenadas sequencialmente por nota final no curso, de acordo com o que determina o edital. Não existe reserva de vagas para o GRUPO 5, ou seja, essas vagas são de Ampla Concorrência. ❓ Se depois da última chamada ainda houver vagas não preenchidas a UFSCar fará outras convocações? Segundo a UFSCar, as chamadas estabelecidas no calendário normalmente já são suficientes para o preenchimento das vagas ofertadas, mesmo para repor as vagas que surgem por cancelamento de matrícula. Os processos de Transferências Interna e Externa da UFSCar são utilizados para preencher vagas que surgem após a última chamada. ❓ Como acontecerão as chamadas seguintes? As próximas chamadas serão feitas totalmente por meio de formulário eletrônico conforme as informações contidas tanto no Edital ProGrad nº 020, de 8 de janeiro de 2024, quanto na página de orientações específicas para as matrículas. 3ª chamada: 8 de março 4ª chamada: 26 de março 4ª chamada suplentes: 3 de abril REVEJA VÍDEOS DA EPTV: Veja mais notícias da região no g1 São Carlos e Araraquara.
Veja Mais

21/02 - Garoto de 14 anos viraliza no TikTok resolvendo questões de exatas do ITA, vestibular mais difícil do país
Gustavo Viana, da Paraíba, consegue simplificar questões de matemática avançada ao explicar os conteúdos para os seguidores. 'Reencarnação de Pitágoras', brincam os fãs. Menino de 14 anos que resolve questões do ITA dá ‘aula’ para leitores do g1 Qual é a fórmula do sucesso para um adolescente viralizar no TikTok? Dancinhas dos hits do momento? Esquetes de humor? Para Gustavo Viana, de 14 anos, é algo como V = λ. f ou E = d.V.g. Em um quartinho improvisado em Araçagi, município com 17 mil habitantes no interior da Paraíba, o menino grava vídeos com resoluções de problemas de exatas. Monta a lousa branca, prepara a câmera do celular e pronto, mostra como responder a uma pergunta do vestibular mais difícil do país, o do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). "Você entraria em desespero vendo essa questão? Mas é facinho, 'vapo'! Vou te mostrar, fica até o final", diz Gustavo, no início de um vídeo que já passou de 3,5 milhões de visualizações (assista mais abaixo). E é assim, com gírias entre uma expressão algébrica e outra, que as "Dicas do Guga" viralizaram nas redes sociais no início de fevereiro. Os seguidores ficam impressionados com a habilidade que o jovem tem de simplificar amontoados de números e incógnitas. "O que me trouxe notoriedade foi a minha didática. Eu escolho a questão, vou interagindo com o telespectador e ensinando as pessoas com dificuldade em matemática", conta Gustavo. 👏Nos comentários dos posts, não faltam fãs: os que agradecem aos céus pela existência de Gustavo ("você é um divo, obrigada!!"), os que choram por não terem conhecido o menino antes ("se esse garoto tivesse sido meu professor, eu estaria na Nasa hoje!") e os que ficam chocados de ver um adolescente de 14 anos resolvendo logaritmos ("esse menino nasceu ensinando log para o médico"; "reencarnação de Pitágoras"). A inspiração de Guga é sua mãe, que faleceu em 2022 — ela também postava vídeos com dicas de estudo, só que na área de língua portuguesa. "Foi quem me estimulou. Aprendi a ver a educação como uma arma poderosa para o meu futuro", conta o menino, que atualmente mora com a avó. Aos 14 anos, paraibano viraliza ao corrigir questão do vestibular mais difícil do país 🤔Mas como um adolescente de 14 anos sabe conteúdos avançados de exatas? Gustavo, de 14 anos, usa uma lousa branca na dispensa de casa para ajudar pessoas com dificuldade em matemática Arquivo pessoal Aluno do 1º ano do ensino médio da rede privada, Gustavo conta que sempre teve facilidade na escola: tirou nota 10 de média em todas as disciplinas no último boletim; foi medalhista da Olimpíada Brasileira de Astronomia em 2023; e é monitor de estudos dos colegas da turma em matemática, ciências, história, inglês e geografia. Aos poucos, ele foi se interessando por conteúdos mais avançados de exatas, ensinados apenas na universidade. "Passei a estudar por fora, porque quero seguir o caminho da engenharia, e as matérias que ensinam na escola não caem nos concursos em que quero passar. No colégio, é como se fosse sempre o básico do básico", diz. Ele, então, vê videoaulas e resoluções de questões mais difíceis na internet, para entender o conteúdo e conseguir explicá-lo aos seguidores de maneira simplificada. "Meu hobby é estudar. Quando estou focado, estudo sem pausas das 6h às 11h e fico pensando em como vou abordar os temas no meu canal", diz. "Olho para a prova do ITA e penso: não é impossível para mim. É complexo, não vou mentir, mas, se eu tiver bons professores e bons materiais, vai dar certo de estudar engenharia lá." 🎡Enquanto o vestibular não chega, Guga brinca de construir miniaturas de parques. A partir de materiais recicláveis, como palito de picolé e fios descartados, ele monta projetos e faz maquetes funcionais. E não pense que são simples, viu? Elas têm até barco viking motorizado (veja abaixo). Além de postar as ‘Dicas do Guga’, menino de 14 anos também constrói maquetes "É um trabalho árduo, porque produzo toda a estrutura. Algumas [miniaturas] levam um mês para ficarem prontas", diz. "Vou me aprimorar, porque quero seguir nessa área de projeção e de mecânica. Estudando no ITA, vejo a chance de produzir foguetes no futuro." Vídeos
Veja Mais

19/02 - UFSCar 2024: lista de espera é divulgada; consulte
No documento, já foram excluídos os nomes dos candidatos que foram convocados e não acessaram o sistema SiGA durante o procedimento virtual de matrícula na primeira chamada. Campus da UFSCar em São Carlos 2020 Gabrielle Chagas/G1 A Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) divulgou, nesta segunda-feira (19), a lista de espera dos candidatos que buscam uma vaga na instituição em 2024. CONSULTE AQUI A LISTA DE ESPERA DA UFSCAR 2024 De acordo com a universidade, a lista contém a relação das pessoas que confirmaram o interesse na vaga até o dia 7 de fevereiro, por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). A lista também está no site da UFSCar. (veja abaixo as dúvidas sobre a lista). 📲 Participe do canal do g1 São Carlos e Araraquara no WhatsApp No documento, já foram excluídos os nomes dos candidatos que foram convocados e não acessaram o sistema Sistema Integrado de Gestão Acadêmica (SiGA) durante o procedimento virtual de matrícula na primeira chamada. LEIA TAMBÉM: Unesp 2024: quarta chamada de aprovados é divulgada; saiba como consultar A lista de espera está organizada nos termos do edital por ordem de nota final no curso. A UFSCar oferta anualmente 2,9 mil vagas para ingresso em 66 opções de curso de graduação presenciais, divididas em quatro campi - São Carlos, Araras, Sorocaba e Lagoa do Sino. Você sabe qual foi a nota de corte dos ingressantes em 2023? Confira aqui! Veja o edital completo para ingresso na UFSCar em 2024 Dúvidas sobre a lista de espera e chamadas UFSCar em Araras UFSCar/Divulgação ❓ É a partir dessa Lista de Espera atualizada que a UFSCar vai fazer as próximas chamadas? Sim. A UFSCar convocará nas chamadas seguintes apenas pessoas cujos nomes constem nesta lista. ❓ Continua valendo a reserva de vagas da Lei nº 12.711/2012 (alterada pela Lei nº 13.409/2016 e pela Lei nº 14.723/2023)? Nessas convocações, continuarão sendo observados se os percentuais mínimos destinados à reserva de vagas estabelecida pela Lei nº 12.711/2012 (alterada pela Lei nº 13.409/2016 e pela Lei nº 14.723/2023) foram completados. ❓ Depois de ter visto meu nome da Lista de Espera, o que tenho que fazer? Após conferir seu nome na lista de espera atualizada, você só tem que aguardar a divulgação da lista das pessoas convocadas para a manifestação virtual de interesse nas chamadas seguintes (2ª, 3ª e 4ª) de acordo com os calendários de chamadas. ❓ Como funciona a reserva de vagas da Lei nº 12.711/2012 (alterada pela Lei nº 13.409/2016 e pela Lei nº 14.723/2023) em cada chamada da UFSCar? No processamento de cada uma das chamadas, são observados, para cada curso, se o percentual mínimo para cada uma das “modalidades de reserva de vagas” já foi completado (Grupos 1B, 2B, 3B, 4B, 1I, 2I, 3I, 4I). Caso não tenham sido, são convocadas as pessoas mais bem classificadas que tenham optado pelo ingresso por reserva de vagas em cada modalidade, até que se completem os respectivos percentuais. Em seguida, as demais vagas são preenchidas pelas próximas pessoas, ordenadas sequencialmente por nota final no curso, de acordo com o que determina o edital. Não existe reserva de vagas para o GRUPO 5, ou seja, essas vagas são de Ampla Concorrência. ❓ Se depois da última chamada ainda houver vagas não preenchidas a UFSCar fará outras convocações? Segundo a UFSCar, as chamadas estabelecidas no calendário normalmente já são suficientes para o preenchimento das vagas ofertadas, mesmo para repor as vagas que surgem por cancelamento de matrícula. Os processos de Transferências Interna e Externa da UFSCar são utilizados para preencher vagas que surgem após a última chamada. ❓ Como acontecerão as chamadas seguintes? As próximas chamadas serão feitas totalmente por meio de formulário eletrônico conforme as informações contidas tanto no Edital ProGrad nº 020, de 8 de janeiro de 2024, quanto na página de orientações específicas para as matrículas. 2ª chamada: 21 de fevereiro 3ª chamada: 8 de março 4ª chamada: 26 de março 4ª chamada suplentes: 3 de abril Veja mais notícias da região no g1 São Carlos e Araraquara.
Veja Mais

19/02 - Unesp 2024: quarta chamada de aprovados é divulgada; saiba como consultar
Também será divulgada a 4ª chamada das vagas olímpicas. Universidade oferece 6.596 vagas em 24 cidades. Chamadas para matrículas ocorrem até 11 de março. Campus da Unesp em Franca, SP Valdinei Malaguti/EPTV A Universidade Estadual Paulista (Unesp) divulga, a partir das 16h desta segunda-feira (19), a quarta chamada do Vestibular 2024, com oferta de 6.596 vagas em 24 cidades. CONSULTE AQUI A LISTA DE 4ª CHAMADA DE APROVADOS NA UNESP 2024 A matrícula em quarta chamada será realizada nesta segunda e na terça-feira (20), de forma virtual, pelo site da Vunesp ou diretamente pelo Sistema de Graduação da Unesp (Sisgrad). Também foi divulgada a 4ª chamada das vagas olímpicas. CONSULTE AQUI LEIA TAMBÉM: UFSCar 2024: lista de espera é divulgada; consulte Vagas olímpicas 📲 Participe do canal do g1 São Carlos e Araraquara no WhatsApp Também de forma virtual pelo Sisgrad e no mesmo período do Vestibular Unesp 2024, em 19 e 20 de fevereiro, serão feitas as matrículas em quarta chamada do Processo Seletivo “Olimpíadas Científicas Unesp 2024”, com 457 vagas adicionais em cursos de graduação destinadas a participantes e medalhistas de olimpíadas do conhecimento. A consulta dos convocados estará disponível nos sites da Unesp e da Vunesp. Ainda nesta segunda, termina o prazo de inscrições para o Processo Seletivo Olimpíadas Científicas Unesp 2024.2, com oferta de 153 vagas adicionais em cursos de graduação destinadas a participantes e medalhistas de olimpíadas do conhecimento. Os interessados não precisam estar inscritos no Vestibular Unesp 2024 e deverão se cadastrar de forma gratuita pelo site da Vunesp. LEIA MAIS: Não passou no Sisu e deu ruim no Prouni? Saiba como avaliar se dá para pagar a faculdade sem travar a renda familiar Matrículas Entrada da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Unesp de Araraquara Rodrigo Sargaço/EPTV Os cursos do Vestibular Unesp 2024 são oferecidos nas seguintes cidades: Araçatuba (126 vagas), Araraquara (764), Assis (352), Bauru (992), Botucatu (538), Dracena (70), Franca (369), Guaratinguetá (274), Ilha Solteira (265), Itapeva (66), Jaboticabal (252), Marília (400), Ourinhos (54), Presidente Prudente (529), Registro (64), Rio Claro (423), Rosana (58), São João da Boa Vista (70), São José do Rio Preto (391), São José dos Campos (108), São Paulo (185), São Vicente (72), Sorocaba (72) e Tupã (102). O Sistema de Reserva de Vagas para Educação Básica Pública (SRVEBP) destina 50% das vagas de cada curso de graduação da Unesp para alunos que tenham feito todo o ensino médio em escola pública, sendo que 35% das vagas desse sistema são destinadas aos candidatos que se autodeclararem pretos, pardos ou indígenas. Tal somatória inclui as 934 vagas do Provão Paulista destinadas exclusivamente para alunos do ensino público. Este sistema tem garantido maioria de ingressantes vindos de escolas públicas desde o Vestibular Unesp 2017. Outra forma de ingresso na Unesp é o preenchimento de eventuais vagas remanescentes do Vestibular 2024 para todos os candidatos do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2022 ou 2023, sem necessidade de o candidato estar inscrito no Vestibular Unesp. O período para estes candidatos declararem interesse e participarem das chamadas seguintes para matrícula vai de 29 de fevereiro a 5 de março, após a apuração da sétima chamada do Vestibular Unesp. O cadastramento será feito gratuitamente pelo site da Vunesp. O calendário completo de matrículas na Unesp, considerando Vestibular, ingresso pelas notas do Enem e Processo Seletivo Olimpíadas Científicas Unesp, prevê chamadas para matrículas até 11 de março, além das matrículas da relação adicional feitas posteriormente. Veja datas das próximas chamadas da Unesp 2024: 5ª chamada: 21 de fevereiro - Matrícula Virtual – das 16h do dia 21/2 até às 18h de 22/2 6ª chamada: 23 de fevereiro - Matrícula Virtual – das 16h do dia 23/2 até às 18h de 26/2 7ª chamada: 27 de fevereiro - Matrícula Virtual – das 16h do dia 27/2 até às 18h de 28/2 8ª chamada: 29 de fevereiro - Matrícula Virtual – das 16h do dia 29/2 até às 18h de 5/3 9ª chamada: 6 de março - Matrícula Virtual – das 16h do dia 6/3 até às 18h de 8/3 10ª chamada: 11 de março - Matrícula Virtual – das 16h do dia 11/3 até às 18h de 12/3 REVEJA VÍDEOS DA EPTV: Veja mais notícias da região no g1 São Carlos e Araraquara
Veja Mais

17/02 - Entre os alunos mais pobres, só 3% têm conhecimentos adequados de matemática no Brasil, mostra Pisa
Levantamento exclusivo mostra que, entre os mais ricos, esse índice é de 33%. Prova internacional avalia estudantes de 15 anos em leitura, matemática e ciências. Desigualdade entre ricos e pobres é refletida nos dados do Pisa Valdinei Malaguti/EPTV 📟 No Brasil, quantos alunos pobres, de 15 anos, conseguem resolver problemas simples de matemática, com frações, porcentagem e números decimais? Entre aqueles de menor renda que participaram da mais recente edição do Pisa (sigla em inglês para Programa Internacional de Avaliação de Estudantes), em 2022, apenas 3% demonstraram ter esse conhecimento básico. Já no grupo dos mais ricos, a taxa é bem mais alta, apesar de também ser insatisfatória: 33%. É o que indica uma análise exclusiva obtida pelo g1, formulada pelo centro de pesquisas Iede (Interdisciplinaridade e Evidências no Debate Educacional), a partir de microdados dos resultados da principal avaliação de aprendizado do mundo. Os números gerais do Pisa, divulgados em dezembro de 2023 pela OCDE (Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico), ainda não consideravam os aspectos de renda, mas já mostravam que 7 em cada 10 alunos brasileiros não sabiam converter moedas ou comparar distâncias. Nesta reportagem, entenda: Por que o nosso desempenho é tão ruim? E por que a desigualdade é tão alta? Quais as consequências do desempenho fraco na educação? Como melhorar no Pisa? Desigualdade: abismo também existe em ciências e leitura Para analisar o desempenho do país no Pisa, o Iede separou os 10.798 brasileiros que fizeram a prova em três grupos, de acordo com a renda, e comparou as notas dos dois extremos: da "fatia" dos 33% mais ricos com a "fatia" dos 33% mais pobres. Veja o infográfico abaixo: Observação: Os resultados do Pisa vão do nível 1 (conhecimentos mais básicos) ao nível 5 (mais elaborados). O levantamento considerou como "adequado" o nível 3. “Não dá para dizer que as escolas mais ricas estejam tendo resultados excepcionais. Mas esses dados mostram que o nível socioeconômico continua muito determinante para a aprendizagem dos alunos no país. A educação deveria ser justamente uma ferramenta para diminuir essa desigualdade”, afirma Ivan Gontijo, gerente de políticas educacionais da ONG Todos Pela Educação. Entre as cinco regiões, também há diferenças acentuadas: 🔢 No Norte, por exemplo, apenas 1,5% dos mais pobres atingiram o patamar adequado em matemática. Já no Sul, 3,9%. 📖 Entre os mais ricos do país, cerca de metade consegue desempenhar as principais tarefas em leitura. Mesmo nesse grupo mais favorecido economicamente, considerando só a região Norte, o índice cai para 36,1%. 🧪 E em ciências, levando em conta todos os perfis socioeconômicos, 23,1% chegaram ao nível 3 do Pisa na região Sudeste. No Norte, foram 10,6%. “Há casos que estão avançando, como no Ceará e em Alagoas, mas são poucos exemplos. É preciso pensar em uma melhor distribuição de recursos para as regiões Norte e Nordeste”, explica Ernesto Faria, diretor-executivo do Iede. “O ensino de qualidade não pode depender do CEP de onde a pessoa nasceu.” Émerson de Pietri, professor da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP), lembra que as desigualdades existem também dentro do mesmo município e da mesma rede (pública e particular). “Há condições muito insatisfatórias até em escolas particulares de cidades pobres. É fundamental pensar nessa heterogeneidade”, diz. 🔔 Atenção: a desigualdade de aprendizado não é observada só no Brasil. Países desenvolvidos, como os Estados Unidos, apresentam abismos ainda maiores entre o desempenho de pobres e de ricos na escola. A diferença é que, no caso brasileiro, as médias são muito insatisfatórias, mesmo entre as classes favorecidas economicamente. “No mundo, em poucos casos, essa diferença social diminuiu [nos últimos anos]. Isso significa que algo está falhando nos sistemas educativos”, afirma Tiago Caliço, analista da OCDE. CAUSAS: Por que o nosso desempenho é tão ruim? E por que a desigualdade é tão alta? Em primeiro lugar, é preciso fazer uma ressalva. Quando os primeiros dados do Pisa 2022 foram divulgados, em dezembro do ano passado, ficou claro que o Brasil estava estagnado – as notas variaram pouquíssimo em dez anos. Nem mesmo a pandemia provocou mudanças no desempenho. Levantou-se, então, uma hipótese: será que o nível de qualidade das escolas é tão baixo que tanto faz se elas estiverem abertas ou fechadas (como no período da Covid)? Caliço, da OCDE, descarta essa ideia. Ele explica que a estagnação pode estar relacionada a outro fator: uma maior participação de alunos vulneráveis no Pisa. Em 2003, quase metade (45%) dos estudantes não era representada na prova. Em 2022, a porcentagem de excluídos caiu para 24%. “Nós sabemos que as populações menos favorecidas vão ter desempenhos mais fracos, e elas passaram a ser mais representadas no Pisa. Se as notas ficaram estagnadas mesmo assim, está implícito aí que houve algum ‘sucesso’ educativo”, afirma Caliço. A seguir, veja um resumo das principais dificuldades encontradas pelo Brasil para melhorar a média geral no Pisa: 🧑‍🏫 BAIXA ATRATIVIDADE: A carreira de professor não é atrativa no país, em geral, pela baixa remuneração e pelas condições de trabalho. Nos cursos de licenciatura em matemática, então, a procura por vagas é baixíssima, e a evasão é alta. Quando um aluno tem bom desempenho em cálculo, acaba migrando para carreiras com melhores perspectivas de mercado de trabalho, como economia, engenharia e ciências da computação. “Existe um gargalo de formação. Os professores [que se formam] em matemática não costumam ter uma bagagem tão robusta, porque não puderam desenvolver essas habilidades quando eram alunos”, afirma Ernesto. E mais: com os baixos salários, o mesmo professor precisa dar aula em mais de uma escola. O ideal seria que ele ganhasse o suficiente para poder se dedicar integralmente somente a um colégio. ❌ QUALIDADE RUIM EM FACULDADES: Émerson, da USP, explica que o crescimento desenfreado do ensino à distância (EAD) foi um retrocesso na educação: está rebaixando o nível de formação de professores. Em geral, são graduações formuladas a baixo custo, com aulas gravadas e reproduzidas para um número ilimitado de alunos. Nº de professores formados em EAD na rede privada dobra em 10 anos, chega a 60% e acende alerta no MEC ⚖️ DESEQUILÍBRIO NA DISTRIBUIÇÃO DE PROFESSORES: Forma-se um ciclo. Os estudantes aprovados nas faculdades privadas entram, em geral, com uma defasagem nos conhecimentos básicos, provavelmente pela baixa qualidade do ensino médio público. ➡️ Têm acesso a um curso superior fraco. ➡️Após a formatura, enfrentam maior dificuldade para passar nos concursos públicos mais concorridos.➡️ São contratados como professores temporários, em escolas de pior estrutura.➡️ Ensinam alunos que já são mais socialmente vulneráveis e que, por tabela, continuarão recebendo uma formação escolar pior que a dos mais ricos. Ivan, do Todos Pela Educação, acrescenta mais um detalhe: no sistema de concursos públicos, os professores efetivos com mais experiência adquirem o direito de escolher a região onde trabalharão. Por buscarem melhores condições de infraestrutura, transporte e segurança, por exemplo, acabam optando, em geral, por escolas mais centrais, que já têm melhores desempenhos. “No bairro vulnerável, fica o docente temporário [e menos experiente], que dá aula em três colégios diferentes”, diz o especialista. ✏️ PASTEURIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO: Neide Noffs, professora de pós-graduação em educação na PUC-SP, diz que é preciso pensar em estratégias de ensino-aprendizagem voltadas para a realidade de determinada escola ou região. “Não faz sentido padronizar os alunos, se os recursos não são padronizados. Precisamos respeitar o contexto das crianças e propor situações para que elas aprendam dentro da realidade delas”, diz. 💰 DESIGUALDADE ECONÔMICA: Entram aqui nos três aspectos, explica Emerson de Pietri. Veja abaixo: O processo de educação formal no Brasil é recente. “A escolarização básica, no sistema público, passou a ser acessível para a maior parte da população após a década de 1970, gradualmente. Foi só na década de 1990 que a maioria chegou ao ensino fundamental 2”, diz. “A cultura escrita é muito mais recente aqui do que em outros países.” Ou seja: partimos de um ponto diferente da média da OCDE. Por quase 400 anos, o Brasil viveu um sistema escravocrata, “que deixou uma estrutura social difícil de ser superada”. “No cotidiano escolar, recebemos alunos que vêm de situações socioeconômicas muito difíceis. São crianças que precisam se preocupar antes com a sobrevivência. Ela tem o que comer? O que vestir? Pode tomar banho? É um conjunto de fatores para que ela tenha condições de aprender”, explica o professor. A escolarização dos adultos que convivem com o aluno também influencia na facilidade de aprendizagem. “Se as crianças não têm como comprar livros ou se vivem em um grupo social no qual a escrita não faz parte do cotidiano, elas provavelmente terão menos facilidade do que as demais [na alfabetização]”, diz o professor. CONSEQUÊNCIAS: O que acontece a partir do desempenho fraco na educação? As consequências vão além das dificuldades de se chegar ao ensino superior ou de ocupar funções reconhecidas no mercado de trabalho: O jovem tem suas possibilidades de escolha reduzidas. “Em geral, ele vai querer fazer um curso na área em que tenha menos dificuldade. Se ele tiver uma boa base [de conhecimentos], vai [ter um leque maior e] poder tomar uma decisão considerando o que realmente quer para sua vida”, afirma Ernesto, do Iede. Ter uma formação ruim prejudica o exercício da cidadania: dificulta que o aluno controle seus gastos, calcule troco, faça contas simples, leia sobre seus direitos e entenda os princípios da democracia. A escola, além disso, ensina a tolerar os colegas, a dividir o espaço com um grupo e a lidar com a diversidade. Bons conhecimentos em matemática, por exemplo, são importantes para a capacidade de resolver conflitos. “Você é o entregador de bolo e está com as duas mãos ocupadas, segurando a caixa. Como fazer para tocar a campainha? A escola deve propor esse tipo de desafio para que o aluno desenvolva o raciocínio lógico diante de situações cotidianas”, afirma Neide. Um país com educação prejudicada sofre impactos na produtividade econômica e na formação de mão de obra qualificada. Como melhorar? Tiago, da OCDE, reforça que as análises do Pisa devem sempre levar em conta o desempenho do país por um período mais extenso. Não faz sentido, segundo ele, olhar apenas para duas edições do exame e tirar alguma conclusão sobre determinada política educacional. E mais: rankings não são apropriados. Os países têm diferentes realidades econômicas e sociais, dimensões territoriais, organização política, tamanhos de população… Tendo isso em mente, os especialistas entrevistados nesta reportagem apontam como estratégias de melhoria: fortalecer os esquemas de gestão da educação, em todos os níveis (desde o ministério até a coordenação de uma escola); elaborar políticas públicas que não mudem a cada governo (o ideal é sejam adaptadas de acordo com os resultados que aparecerem); valorizar a formação dos professores e melhorar as condições de trabalho deles; olhar para exemplos de sucesso dentro do Brasil e tentar adaptá-los em outras regiões, respeitando os diferentes contextos; proporcionar financiamento adequado às necessidades das redes de ensino. “Equidade não é dar a mesma coisa para todos, e sim ver as necessidades de cada um e customizar o sistema”, diz Ivan Gontijo. Vídeos Brasil no vermelho em matemática: a formação dos professores
Veja Mais

17/02 - Uneb abre quase 200 vagas em licenciaturas para estudantes indígenas
Vagas são para cursos das Licenciaturas Intercultural em Educação Escolar Indígena e em Pedagogia Intercultural em Educação Escolar Indígena 72 vagas para o Departamento de Educação (DEDC) do Campus X, em Teixeira de Freitas, no extremo sul do estado. Movimento Estudantil/Uneb A Universidade do Estado da Bahia (Uneb) abriu, nesta sexta-feira (16), as inscrições para o Processo Seletivo Especial Indígena 2024. As vagas são para os cursos das Licenciaturas Intercultural em Educação Escolar Indígena (Liceei) e em Pedagogia Intercultural em Educação Escolar Indígena (PIEEI). 📱 NOTÍCIAS: faça parte do canal do g1BA no WhatsApp A seleção oferta 172 vagas, sendo 100 oportunidades para o Departamento de Educação (DEDC) do Campus VII, em Paulo Afonso, no norte da Bahia. Outras 72 vagas para o Departamento de Educação (DEDC) do Campus X, em Teixeira de Freitas, no extremo sul do estado. As oportunidades são destinadas à formação de professores indígenas em exercício da Bahia, e aos demais indígenas pertencentes aos povos e comunidades identificadas no estado que tenham concluído o Ensino Médio ou curso equivalente. As vagas disponíveis podem ser ocupadas aos membros das etnias e comunidades localizadas, prioritariamente, nas regiões norte, oeste, sul e extremo sul da Bahia. Os interessados devem preencher formulário de inscrição disponível no site da Uneb, até o dia 23 de fevereiro. Segundo o edital, no processo seletivo serão utilizados como mecanismo de aprovação a utilização dos resultados do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) ou do desempenho do candidato ao longo de todo o Ensino Médio, por meio do histórico escolar. O resultado final da seleção será divulgado no dia 25 de março. A data de matrícula será divulgada posteriormente. Veja mais notícias do estado no g1 Bahia. Assista aos vídeos do g1 e TV Bahia 💻
Veja Mais

16/02 - USP é a única da América Latina entre as 100 universidades com melhor reputação no mundo, aponta pesquisa
Estudo realizado pela Times Higher Education foi divulgado na terça-feira (13). Acadêmicos de 166 países analisaram tanto a área de Pesquisa quanto de Ensino. Vista aérea da Praça do Relógio, na Cidade Universitária da USP, na Zona Oeste de São Paulo. Cecília Bastos/USP Imagem l A Universidade de São Paulo (USP) é a única instituição de ensino superior da América Latina que está entre as 100 melhores do mundo no quesito reputação. O dado é de uma pesquisa realizada pela Times Higher Education entre outubro de 2022 e janeiro de 2023, divulgada na terça-feira (13). As classificações foram obtidas com base nas respostas de 38,7 mil acadêmicos de 166 países. Somente aqueles que publicaram artigos em revistas acadêmicas nos últimos cinco anos ou foram citados por outros pesquisadores (em artigos) puderam participar. O ranking levou em conta tanto a parte de ensino quanto de pesquisa. A USP ficou entre a 81ª e 90ª posição. No Academic Reputation Ranking, apenas as 50 primeiras colocadas são posicionadas individualmente (1º, 2º, 3º, ...). A partir do 51º lugar, as universidades são classificadas em grupos de 10. Segundo o Escritório de Gestão de Indicadores de Desempenho Acadêmico da USP, isso acontece porque "a partir da 50ª colocada as diferenças entre as pontuações obtidas pelas instituições passam a ser menos significativas, dificultando o posicionamento hierárquico individualizado. Assim, as universidades passam a ser classificadas em 'blocos', entre os quais é possível verificar uma maior diferenciação em relação ao desempenho". Confira abaixo as universidades que aparecem nas 10 primeiras colocações. No início deste ano, a USP completou 90 anos de existência, período no qual contribuiu diversas vezes com a produção de conhecimento científico no Brasil e no mundo. USP 90 anos: 3 vezes que pesquisadores em Ribeirão Preto contribuíram com a ciência no mundo USP completa 90 anos de ensino e pesquisa Top 10 Harvard University — Estados Unidos Massachusetts Institute of Technology — Estados Unidos Stanford University — Estados Unidos University of Oxford — Reino Unido University of Cambridge — Reino Unido University of California Berkeley — Estados Unidos Princeton University — Estados Unidos Tsinghua University — China Yale University — Estados Unidos The University of Tokyo — Japão Pontuações semelhantes a da USP Australian National University — Austrália Brown University — Estados Unidos University of Colorado Boulder — Estados Unidos Leiden University — Holanda Monash University — Austrália RWTH Aachen University — Alemanha Texas A&M University — Estados Unidos Utrecht University — Holanda
Veja Mais

16/02 - Fies Social: MEC lança programa para alunos de baixa renda financiarem até 100% das mensalidades de faculdades particulares
Até então, Fies concedia 'empréstimo' que cobria apenas uma parte dos encargos educacionais. Estudantes afirmam que estava inviável pagar a parte não coberta pelo financiamento. Regras passarão a valer a partir do 2º semestre de 2024. Nova modalidade do Fies quer facilitar o acesso de estudantes de baixa renda ao programa Reprodução/RBS TV O Ministério da Educação (MEC) anunciou, nesta sexta-feira (16), o lançamento do Fies Social, que dará condições especiais de financiamento para alunos de baixa renda estudarem em faculdades particulares. A partir do segundo semestre de 2024, os cadastrados no CadÚnico que tenham renda familiar per capita de até meio salário mínimo poderão pagar 100% dos gastos com a universidade só depois da formatura. ➡️Como era antes? Desde 2016, o programa havia deixado de fornecer empréstimos que cobriam integralmente os encargos educacionais. Quanto menor o salário médio da família, maior era a fatia da mensalidade que poderia ser paga só depois da formatura -- mas era impossível alcançar os 100% de financiamento. Exemplo: na mesma faculdade, que custava R$ 10 mil por mês, um estudante com renda familiar per capita de 1,5 salário mínimo poderia conseguir cerca de 85% de financiamento (e não 100%). Com 3 salários mínimos (o máximo permitido para o programa), seriam só 58% financiados. Diante disso, alunos diziam que estava insustentável continuar na universidade: pagar a parte não financiada tornava-se cada mais difícil, ainda mais para quem estudava em cursos integrais e não poderia trabalhar. ➡️O que mudou? A partir de agora, com o Fies Social, os alunos mais pobres poderão chegar aos 100% de financiamento. Terão acesso a essas condições especiais de empréstimo os candidatos que: estejam inscritos no Cadastro Único (CadÚnico); tenham renda familiar per capita de até meio salário mínimo (R$ 706). 🔔Mas, atenção: os "tetos" do Fies continuam valendo para todos, inclusive aos beneficiários do novo Fies Social. Isso significa que o programa não vai financiar mais do que R$ 42,9 mil por semestre (no caso de medicina, o limite é de R$ 60 mil). O valor que exceder essa quantia deverá ser pago a cada mês pelo estudante. Celso Niskier, diretor-presidente da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (Abmes), afirma que as mudanças nas regras tornam o Fies mais conectado à faixa de público que realmente precisava dos 100% de financiamento. "Foi um passo importante para resgatar o Fies como um programa de inclusão social", diz. Ele afirma também que a intenção do MEC é aumentar gradativamente a faixa de renda contemplada pelo benefício. Quantas vagas terá o Fies Social? O MEC não informou o total de alunos beneficiados pelo programa. O que foi determinado, por enquanto, é que pelo menos metade das vagas de cada processo seletivo seja direcionada para o Fies Social. O Comitê Gestor do Fies decidiu também que haja uma reserva de vagas para estudantes com deficiência e/ou autodeclarados pretos, pardos, indígenas e quilombolas. As regras publicadas no Diário Oficial da União, nesta sexta-feira (16), passarão a valer a partir do processo seletivo referente ao 2º semestre de 2024. Os cronogramas ainda não haviam sido divulgados até a última atualização desta reportagem. Não passou no Sisu e deu ruim no Prouni? Saiba como avaliar se dá para pagar a faculdade sem travar a renda familiar VÍDEOS: notícias de Educação
Veja Mais

15/02 - Unesp 2024: terceira chamada de aprovados é divulgada; veja lista
Também foi divulgada a 3ª chamada das vagas olímpicas. Universidade oferece 6.596 vagas em 24 cidades. Chamadas para matrículas ocorrem até 11 de março. Entrada da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Unesp de Araraquara Rodrigo Sargaço/EPTV A Universidade Estadual Paulista (Unesp) divulgou, nesta quinta-feira (15), a terceira chamada do Vestibular 2024, com oferta de 6.596 vagas em 24 cidades. CONSULTE AQUI A LISTA DA 3ª CHAMADA DA UNESP 2024 A matrícula em terceira chamada será realizada nesta quinta e sexta-feira (16), de forma virtual, pelo site da Vunesp ou diretamente pelo Sistema de Graduação da Unesp (Sisgrad). 📲 Participe do canal do g1 São Carlos e Araraquara no WhatsApp Também foi divulgada a terceira chamada das vagas olímpicas. Clique aqui para consultar. 'Unesp 2024': terceira chamada de aprovados é divulgada nesta quinta-feira Vagas olímpicas As matrículas das vagas olímpicas também serão nesta quinta e sexta, com 457 vagas adicionais em cursos de graduação destinadas a participantes e medalhistas de olimpíadas do conhecimento. O Processo Seletivo Olimpíadas Científicas Unesp 2024 está com inscrições abertas para 153 vagas adicionais em cursos de graduação destinadas a participantes e medalhistas de olimpíadas do conhecimento. Os interessados não precisam estar inscritos no Vestibular Unesp 2024 e deverão se cadastrar até segunda-feira (19), de forma gratuita, pelo site da Vunesp. LEIA MAIS: Não passou no Sisu e deu ruim no Prouni? Saiba como avaliar se dá para pagar a faculdade sem travar a renda familiar Matrículas Campus da Unesp em Franca, SP Valdinei Malaguti/EPTV Os cursos do Vestibular Unesp 2024 são oferecidos nas seguintes cidades: Araçatuba (126 vagas), Araraquara (764), Assis (352), Bauru (992), Botucatu (538), Dracena (70), Franca (369), Guaratinguetá (274), Ilha Solteira (265), Itapeva (66), Jaboticabal (252), Marília (400), Ourinhos (54), Presidente Prudente (529), Registro (64), Rio Claro (423), Rosana (58), São João da Boa Vista (70), São José do Rio Preto (391), São José dos Campos (108), São Paulo (185), São Vicente (72), Sorocaba (72) e Tupã (102). O Sistema de Reserva de Vagas para Educação Básica Pública (SRVEBP) destina 50% das vagas de cada curso de graduação da Unesp para alunos que tenham feito todo o ensino médio em escola pública, sendo que 35% das vagas desse sistema são destinadas aos candidatos que se autodeclararem pretos, pardos ou indígenas. Tal somatória inclui as 934 vagas do Provão Paulista destinadas exclusivamente para alunos do ensino público. Este sistema tem garantido maioria de ingressantes vindos de escolas públicas desde o Vestibular Unesp 2017. Outra forma de ingresso na Unesp é o preenchimento de eventuais vagas remanescentes do Vestibular 2024 para todos os candidatos do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2022 ou 2023, sem necessidade de o candidato estar inscrito no Vestibular Unesp. O período para estes candidatos declararem interesse e participarem das chamadas seguintes para matrícula vai de 29 de fevereiro a 5 de março, após a apuração da sétima chamada do Vestibular Unesp. O cadastramento será feito gratuitamente pelo site da Vunesp. O calendário completo de matrículas na Unesp, considerando Vestibular, ingresso pelas notas do Enem e Processo Seletivo Olimpíadas Científicas Unesp, prevê chamadas para matrículas até 11 de março, além das matrículas da relação adicional feitas posteriormente. Veja datas das próximas chamadas da Unesp 2024: 4ª chamada: 19 de fevereiro - Matrícula Virtual – das 16h do dia 19/2 até às 18h de 20/2 5ª chamada: 21 de fevereiro - Matrícula Virtual – das 16 h do dia 21/2 até às 18h de 22/2 6ª chamada: 23 de fevereiro - Matrícula Virtual – das 16h do dia 23/2 até às 18h de 26/2 7ª chamada: 27 de fevereiro - Matrícula Virtual – das 16h do dia 27/2 até às 18h de 28/2 8ª chamada: 29 de fevereiro - Matrícula Virtual – das 16h do dia 29/2 até às 18h de 5/3 9ª chamada: 6 de março - Matrícula Virtual – das 16h do dia 6/3 até às 18h de 8/3 10ª chamada: 11 de março - Matrícula Virtual – das 16h do dia 11/3 até às 18h de 12/3 REVEJA VÍDEOS DA EPTV: Veja mais notícias da região no g1 São Carlos e Araraquara
Veja Mais

14/02 - O homem por trás do quebra-cabeça que só 1% das pessoas consegue resolver
A história por trás de uma ferramenta de ensino engenhosa que se tornou um fenômeno global. Em 1975, o acadêmico húngaro Ernő Rubik depositou a patente da sua invenção que se tornaria um fenômeno mundial. Getty Images/BBC Design clássico e brilhante que transcende idiomas, idades e níveis educacionais. Não precisa nem mesmo de instruções. E ainda é portátil e pode ser resolvido de inúmeras formas. Por tudo isso, não surpreende que o cubo mágico, ou cubo de Rubik, tenha se tornado um fenômeno de vendas em todo o mundo. Mas seu criador, o acadêmico húngaro Ernő Rubik, não percebeu inicialmente o que ele tinha nas mãos quando inventou seu genial quebra-cabeça confuso e colorido. Ele nem mesmo imaginava se o cubo que imortalizaria o seu nome teria sucesso, segundo declarou em 1986 ao apresentador de TV Terry Wogan (1938-2016), da BBC. Eu não me preocupei porque nunca decidi fazer aquilo, não era nada que eu estivesse buscando. Originalmente, ele não idealizou o cubo como um brinquedo, mas como uma ferramenta de ensino para os seus alunos. Em 1974, Rubik trabalhava como professor de arquitetura no Colégio de Artes Aplicadas de Budapeste, na Hungria. Ele acreditava que a melhor forma de ensinar algo para os seus alunos era mostrar para eles. E quis criar algo com que eles pudessem brincar para pensar de forma criativa em formas geométricas e relações espaciais. Rubik criou o cubo para estimular seus alunos a pensar de forma criativa Getty Images/BBC As restrições de fabricação impostas na Hungria da era comunista fizeram com que a invenção de Ernő Rubik só fosse produzida em massa no início dos anos 1980. 👉 Seu objetivo era fazer algo tátil e móvel, que fosse suficientemente simples para que seus alunos entendessem, mas contivesse algum tipo de problema para ser solucionado. E, o mais importante, que os desafiasse a perseverar quando encontrassem um quebra-cabeça complexo e frustrante. "Em primeiro lugar, você precisa ser paciente, é muito útil para resolver um problema", afirmou Rubik à BBC. "Depois, você precisa de alguma memória espacial, memória tridimensional." "Para memorizar qual formação você tem, onde estão as peças e assim por diante... Se fecharmos nossos olhos, nós sabemos, lembramos, não apenas uma imagem, mas o significado da imagem." O protótipo de Rubik era um cubo de madeira com seis lados compostos de cubos menores. Inicialmente, ele tentou perfurar os cubos para conectá-los com faixas de borracha, mas eles não paravam de se soltar. Por isso, ele projetou um mecanismo oculto que mantivesse o cubo no lugar, permitindo que os cubos individuais menores girassem. E acrescentou uma cor sólida a cada lado do cubo, para tornar o movimento visível. Ele então girava, misturando as cores, e tentava restaurar o cubo para o seu estado original, com cada face mostrando uma única cor. Na primeira vez, ele levou quase um mês para conseguir – e se tornou a primeira pessoa a resolver o cubo mágico. Estima-se que apenas 1% das pessoas consiga resolver o quebra-cabeça sem ajuda. Ernő Rubik criou a mania do cubo mágico, que dominou os anos 1980 Getty Images/BBC Rubik confessou à BBC em 1986 que já não era tão rápido quanto antigamente. "Não sou muito rápido", declarou ele. "Quando estou com prática, consigo fazer em cerca de um minuto, mas não estou praticando agora. Há alguns anos, eu era muito mais rápido. Não estou em boas condições." É aqui que o cubo mágico atrai as pessoas. Ele é de uma simplicidade ilusória, incrivelmente viciante e enlouquecedoramente frustrante. Rubik experimentou o protótipo com seus alunos, deixando que eles desenvolvessem suas próprias soluções. Eles adoraram. E, seguindo sua popularidade entre os alunos, Rubik decidiu depositar na Hungria um pedido de patente do seu "Cubo Mágico", em janeiro de 1975. Em 1975, Rubik decidiu solicitar a patente de seu "Cubo Mágico" Getty Images/BBC Por restrições de fabricação na economia planejada da Hungria na era comunista, os principais entusiastas do quebra-cabeça nos seus primeiros anos eram os designers, arquitetos e matemáticos do país. Isso durou até 1979, quando o cubo mágico foi apresentado na Feira de Brinquedos de Nuremberg, na Alemanha. O fabricante americano Ideal Toy Corporation adotou o brinquedo e ele finalmente decolou. Em 1980, o cubo mágico começou a ser vendido internacionalmente com o nome de "Cubo de Rubik", pegando o mercado de surpresa e cativando pessoas de todas as idades. Desafio global A notícia do novo brinquedo se espalhou rapidamente. Milhões de pessoas em todo o mundo aceitaram o desafio, que logo gerou uma imensidade de livros contando às pessoas como resolver o quebra-cabeça. O cubo mágico começou a aparecer em todos os lugares. Surgiram competições internacionais, que trouxeram a mania de tentar resolver o brinquedo com cada vez mais rapidez. O encanto se mantém até hoje. Estima-se que, somente até 1982, já tivessem sido vendidos mais de 100 milhões de cubos mágicos, sem contar as versões não oficiais que inundaram o mercado para atender à demanda do público pelo brinquedo. 🎯 No auge da popularidade, no início dos anos 1980, ninguém parecia estar livre da mania dos cubos mágicos. Eles adornavam camisetas e pôsteres e eram mencionados em músicas. O cubo chegou a ter seu próprio desenho animado na TV americana – Rubik, the Amazing Cube ("Rubik, o cubo incrível", em tradução livre) – estrelado por uma versão do brinquedo que falava e voava. Em 1983, "Rubik's Cube" entrou no Dicionário Oxford da Língua Inglesa e o cubo ganhou um local de exibição permanente no Museu de Arte Moderna de Nova York, nos Estados Unidos. Atualmente, o famoso quebra-cabeça não é mais a mania global de décadas atrás. Mas seu sólido apelo e seu impacto sobre a cultura popular permanecem. O cubo mágico continua a ser objeto de arte e esculturas. Ele pode ser visto em filmes e animações, como Quero Ser John Malkovich (1999), WALL-E (2008) e Homem-Aranha no Aranhaverso (2018). O brinquedo também já foi Doodle do buscador Google e apareceu no vídeo da música Viva Forever, das Spice Girls. O cubo é mencionado em séries de TV que variam de Uma Família da Pesada até Law and Order e The Big Bang Theory. E existe até um documentário na Netflix, Magos do Cubo (2020), sobre a amizade entre dois astros do mundo das competições de cubos mágicos. Cálculos estimam um total de 400 milhões de cubos vendidos no mundo Getty Images/BBC O cubo mágico é vendido até hoje. Ele mantém fãs dedicados que estabelecem novos recordes a todo tempo, resolvendo o quebra-cabeça de olhos vendados, embaixo d'água, pulando de paraquedas e até fazendo malabarismo. Devido à quantidade de versões extraoficiais lançadas ao longo dos anos, fica difícil saber os números exatos de cubos mágicos vendidos em todo o mundo até hoje. Há estimativas de mais de 400 milhões de unidades. Ernő Rubik criou uma fundação de apoio a jovens promissores no campo das invenções na Hungria. E formou seu próprio estúdio de design de móveis e jogos, como a Cobra de Rubik. Mas nada que ele tenha criado se tornou um fenômeno parecido com o cubo. Mas este não era o seu objetivo. Ele disse à BBC que ainda era conduzido pelo mesmo impulso que o fez criar seu grande sucesso de vendas. "Gosto de fazer sempre o melhor como designer e resolver problemas de design é o melhor que faço. Por isso, não depende do tamanho do sucesso." Leia a versão original desta reportagem (em inglês) no site BBC Culture. Por que um copo plástico cheio de água não derrete no fogo?
Veja Mais

12/02 - Número de detentos aprovados no Enem PPL em Piracicaba e Limeira cresce até 90%: 'ressocialização só com educação', diz pesquisadora
De acordo com a SAP, 67 reeducandos foram aprovados no Enem PPL nas unidades prisionais da região em 2023. Entenda como funciona o exame. Presídio de Piracicaba oferece oficina de leitura para reintegrar detentos Divulgação/CDP de Piracicaba O número de detentos aprovados no último Exame Nacional do Ensino Médio para Pessoas Privadas de Liberdade (Enem PPL), realizado em 2023, aumentou em até 90% nas unidades prisionais de Piracicaba (SP) e Limeira (SP) quando comparado aos resultados das últimas edições da prova. Os dados foram divulgados pela Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) a pedido do g1 nesta sexta-feira (9). - 👇Entenda mais, abaixo, como funcionam os critérios de avaliação do exame. 📲 Receba no WhatsApp notícias da região de Piracicaba De acordo com a Secretaria de Administração Penitenciária, 67 reeducandos foram aprovados no Enem PPL nas unidades prisionais da região, sendo 50 detentos em Limeira e 17 em Piracicaba. Em 2021, por exemplo, o número total de detentos que atingiram nota exigida para a inscrição na disputa por vagas no Ensino Superior foi de 35 presos. A marca representa aumento de 90% em relação ao número de aprovados. O g1 conversou com a pesquisadora em educação prisional, Jussara Jussara Rosolen. A especialista ressalta o papel essencial da formação acadêmica no processo de ressocialização e transformação das pessoas privadas de liberdade, especialmente quando atinge o ensino superior. "Não existe ressocialização sem educação”. [...] Não há inclusão verdadeira sem a oportunidade de se reeducar, voltar a ter o sentimento de pertencimento em sua comunidade. O reeducando tem a oportunidade e o direito de escolha para retornar à sociedade por meio da educação e de melhores oportunidades de trabalho”, reforça. Edições anteriores A Secretaria de Administração penitenciária informa que, em 2020, nove reeducandos de Piracicaba e 33 de Limeira tiraram notas igual ou maior que 450 em cada uma das áreas de conhecimento e não tiraram nota zero na redação do Enem PPL. Em 2021, foram 3 e 32, respectivamente e em 2022, 11 em Piracicaba e 52 em Limeira. “Até o momento, não há informações sobre o acesso ao Ensino Superior por parte desses reeducandos através do Sisu ou Prouni, os quais requerem procuração”, aponta a SAP. A autorização é concedida por meio de decisão judicial, possibilitando ao preso do regime semiaberto frequentar as aulas no ensino superior, momento em que a unidade prisional provê as condições necessárias para essa oportunidade. Reeducandos Aprovados no Enem PPL na região de Piracicaba Entenda como funciona o Enem PPL A aprovação no Enem ocorre a partir dos seguintes critérios: nota final acima de 450 pontos e não zerar na redação. Essas condições são os requisitos mínimos adotados pelo Programa Universidade Para Todos (Prouni) e Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) para a inscrição na disputa por vagas no Ensino Superior. No caso do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), apesar de não determinar nota mínima no Enem, é exigida uma pontuação maior que zero na redação e, boa parte das instituições aderentes estipula notas superiores aos 450 pontos para disputar alguma vaga. De acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o nível de dificuldade do Enem PPL é o mesmo do exame regular. LEIA MAIS 278 presos de Araraquara fazem Enem PPL: 'educação é importante para transformação', diz detento Tema da redação na reaplicação do Enem 2023 é sobre população em situação de rua Como é o exame? Embora seja uma prova direcionada a esse público-alvo, o Enem PPL cobra o mesmo conteúdo que o Enem regular exige de todos os estudantes que já terminaram o ensino médio, tendo o mesmo grau de dificuldade. O Enem PPL é formado por quatro provas que totalizam 180 questões objetivas de Linguagens e Códigos, Ciências Humanas, Ciências da Natureza e Matemática. Além disso, os candidatos fazem uma redação em língua portuguesa, geralmente como tema diferente da aplicação regular. A avaliação promove o acesso à universidade e também contribui para análise da educação como um todo. São dois dias de provas 1º dia: as pessoas privadas de liberdade respondem as questões de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias e Ciências Humanas e suas Tecnologias, além de escrever a redação 2º dia: já no segundo dia, os PPLs respondem questões de Ciências da Natureza e suas Tecnologias e Matemática e suas Tecnologias. Detentos encaram fazer o Enem como uma oportunidade de mudar de vida SAP/Divulgação Impactos positivos da educação prisional A pedagoga, mestre pela Universidade Federal de São Carlos (UFscar) e doutoranda em Educação pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Jussara Rosolen, enfatiza que a educação superior desempenha um papel crucial na ressocialização de reeducandos, proporcionando benefícios significativos para a reintegração social. A especialista elenca alguns pontos principais de reflexão a respeito do tema. Em sua pesquisa de mestrado sobre educação prisional, destaca que a educação superior dos reeducandos no desenvolvimento de habilidades visando mais chances de conseguir recolocação profissional quando em liberdade; além de contribuir com o menores índices de reincidência em delitos e também com a quebra do ciclo de criminalidade. Desenvolvimento de Habilidades: “A educação superior equipa os reeducandos com habilidades acadêmicas e profissionais, aumentando suas chances de empregabilidade após a liberação”, aponta Redução da Recidiva: “Estudos indicam que a participação em programas educacionais durante o cumprimento da pena está associada a taxas mais baixas de reincidência criminal, evidenciando o impacto positivo da educação na prevenção de novos delitos”, acrescenta. Empoderamento Individual: “A educação superior promove o empoderamento individual, fornecendo aos reeducandos ferramentas para quebrar o ciclo da criminalidade, transformando suas vidas de maneira significativa”, reforça. Integração Social: “A obtenção de um diploma de ensino superior facilita a reintegração e reforça o sentimento de pertencimento dos reeducandos na sociedade, assim como indivíduos contribuintes, por meio do trabalho, reduzindo estigmas e promovendo uma imagem mais positiva”, conclui Jussara. VÍDEOS: Tudo sobre Piracicaba e região Veja mais notícias no g1 Piracicaba
Veja Mais

09/02 - Servidora é demitida, e Unicamp apura desvio de verbas destinadas para pesquisa
Possível fraude foi identificada no Instituto de Biologia. Valor movimentado não foi revelado, mas universidade classificou quantia como 'vultosa'. Unicamp investiga desvio de verbas destinadas para pesquisa no Instituto de Biologia A Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) apura um possível desvio de recursos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) destinados a 28 pesquisadores que atuam no Instituto de Biologia (IB). O valor desviado não foi revelado pela universidade, mas a quantia foi classificada como “vultosa”. Uma servidora da Fundação de Desenvolvimento da Unicamp (Funcamp) foi demitida durante as investigações. A Funcamp é uma fundação de direito privado mantida com recursos próprios. 📲 Participe do canal do g1 Campinas no WhatsApp ➡️ Como o possível desvio foi descoberto? Em nota oficial enviada aos servidores, a diretoria do IB detalhou que, durante os meses de dezembro de 2023 e janeiro de 2024, foram identificadas “inconsistências” no trabalho de uma servidora, que era lotada na Funcamp. Segundo a diretoria do instituto, a funcionária da Funcamp possuía uma empresa de prestação de serviços desde 2018 e, por isso, foi demitida por justa causa em 18 de janeiro deste ano; A servidora incluía notas fiscais da própria empresa e de duas outras, além de recibos forjados, nas prestações de contas dos docentes; Além disso, a servidora fazia transferência de valores para a própria conta. ➡️ O que será feito? Ainda segundo a diretoria do IB, houve um pedido para abertura de um inquérito na Polícia Civil. Além disso, a Fapesp informou que “segua analisando as prestações de contas já realizadas por parte dos pesquisadores em questão” (leia, abaixo, o posicionamento na íntegra). A Secretaria de Segurança Pública (SSP-SP) afirmou, também em nota, que o caso foi apresentado no 7º Distrito Policial de Campinas no dia 1º de fevereiro, mas foram solicitadas informações adicionais para “viabilizar o registro do crime e dar direcionamento às investigações”. Vista aérea da Unicamp, em Campinas Antoninho Perri/Ascom/Unicamp O que dizem a Fapesp e a Unicamp? Em nota enviada ao g1 nesta sexta-feira (9), a Unicamp confirmou a apuração do caso e afirmou que, “tendo em vista que a apuração dos fatos está em curso, qualquer informação ou divulgação de detalhes à imprensa poderá ser prejudicial às investigações”. Já a Fapesp declarou que, caso eventuais irregularidades nas prestações de contas sejam verificadas, cobrará dos pesquisadores a devolução dos recursos. Além disso, a fundação afirmou que vai acompanhar as providências legais que estão sendo tomadas. 👇 Leia a nota da Fapesp na íntegra: "1) No ano passado, a auditoria da FAPESP detectou possíveis irregularidades num processo de prestação de contas de um pesquisador e, ao fazer pedidos de esclarecimentos, chamou atenção deste e dos outros pesquisadores para o que, posteriormente, foi identificado como um problema pela direção do IB-Unicamp. A FAPESP segue analisando as prestações de contas já realizadas por parte dos pesquisadores em questão. 2) As providências que incumbem à FAPESP consistem em apontar aos pesquisadores possíveis irregularidades nas prestações de contas. Caso eventuais irregularidades se comprovem e não sejam sanadas, a FAPESP cobrará dos pesquisadores a devolução dos recursos. Ao mesmo tempo, a FAPESP vai acompanhar as providências legais que os pesquisadores e a instituição de pesquisa à qual estão vinculados estão tomando, enquanto vítimas do apontado crime. 3) Todos os pesquisadores que recebem recursos da FAPESP devem prestar contas, segundo regras estritas constantes das normas da FAPESP. Cabe aos pesquisadores fazer a gestão financeira dos recursos que recebem e prestar contas à FAPESP sobre o uso dos recursos e sobre os resultados das pesquisas. Os pesquisadores, para executar os projetos de pesquisa, podem contar com apoio administrativo das instituições de pesquisa à qual estão vinculados, inclusive, como no caso, fundação de apoio da instituição de pesquisa. Se a instituição de pesquisa, ou sua fundação de apoio, por meio de seus servidores ou empregados, descumprem seus compromissos em relação ao combinado com os pesquisadores, naturalmente surge uma relação de responsabilidade dessas instituições para com o pesquisador". VÍDEOS: tudo sobre Campinas e região Veja mais notícias da região no g1 Campinas
Veja Mais

08/02 - Não passou no Sisu e deu ruim no Prouni? Saiba como avaliar se dá para pagar a faculdade sem travar a renda familiar
Em 2022, 1,3 milhão de alunos recorreu ao Prouni, Fies ou outro financiamento. Veja dicas de como fazer as contas e garantir o sonho do diploma sem cair em cilada. Veja dicas de como organizar as finanças antes de escolher o curso superior privado. Antony Trivet/Pexels O motoboy Marcos Brito, de 21 anos, é morador de Itaquera, na Zona Leste de São Paulo, e sonha em cursar administração pública, mas não sabe ainda se será possível por causa da questão financeira. A realidade dele é a de milhões pelo Brasil. 💰💰💰 Se você não conseguiu uma vaga em faculdade pública pelo Sisu e vai tentar uma vaga em faculdade privada, saber a renda familiar líquida e botar no papel os custos todos são os primeiros passos para fazer a graduação caber no bolso, segundo especialistas ouvidos pelo g1. Se ainda assim a conta não fechar, bolsas de estudo e financiamentos podem ser um caminho, mas é preciso ficar atento às condições. (Veja mais abaixo.) Em casa, Marcos tem feito os cálculos. Desde que terminou o ensino médio, em 2018, ele trabalha em tempo integral. O irmão dele também trabalha e complementa a renda da família, composta ainda pela sobrinha de 4 anos. O motoboy chegou a fazer o Enem 2023, mas não conseguiu uma vaga em universidade pública pelo Sisu. Apesar dos dois salários em casa, ele avalia que seria difícil pagar as mensalidades em uma faculdade privada. Por isso, considera tentar uma bolsa ou financiamento. Consegui [pré-aprovação] no Prouni para uma bolsa parcial. Vou ter que ver direitinho porque [a faculdade] tem outros gastos além da mensalidade. Ainda não sei se vou conseguir me matricular. Em último caso, tento financiar o restante no Fies, mas também posso tentar de novo no segundo semestre. Nada está decidido. 'Me formar virou um pesadelo': os brasileiros endividados com o Fies A preocupação dele também é a de muitas famílias. Em 2022, por exemplo, a renda domiciliar per capita média era de R$ 1.625, segundo dados mais recentes do IBGE. Com isso, a prioridade é entrar no mercado de trabalho, e a busca pelo ensino superior vem só depois. E essa ginástica financeira para conseguir fazer uma faculdade é parte da rotina de muita gente. Em 2022, das quase 9,5 milhões de matrículas em cursos de graduação no país, 78% foram realizadas em instituições de ensino privadas. Dos ingressantes, quase 1,3 milhão solicitou bolsa do ProUni (parcial ou integral), auxílio do Fies ou outro financiamento para acessar o ensino superior. Cálculos Segundo Carol Stange, educadora e consultora financeira, não é comum no Brasil que os gastos todos com faculdade sejam considerados, o que pode comprometer a etapa de ensino. Apesar disso, a especialista explica que existe, sim, um cálculo possível, inclusive para famílias com renda limitada. Muitas famílias deixam de realizar sonhos por falta de condições financeiras, mas existem opções que podem ajudá-las a se planejar para fazer o curso. Abaixo, veja o que considerar na hora de calcular e quanto da verba familiar investir em uma graduação. Composição e divisão da renda familiar Como a renda familiar é composta Freepik Antes de tudo, é preciso entender como a renda familiar é composta. Imagine uma família de cinco pessoas, formada pelos pais, um irmão mais velho e dois mais novos. Renda familiar líquida: é calculada somando os ganhos dos membros da família. Por exemplo: salários dos pais e do filho mais velho. Renda familiar per capita: é calculada somando os ganhos dos membros da família e dividindo pelo número de pessoas na família. Por exemplo: salário dos pais e do filho mais velho, divididos pelos cinco membros da família. Saber a renda familiar líquida e a renda per capita é importante para ter uma ideia de como e quanto da renda mensal deve ser gasta. O planejamento financeiro que envolve as despesas é algo extremamente pessoal. Não existe uma receita de bolo. Cada família vai refletir sobre suas determinadas necessidades e prioridades. Apesar disso, ela explica que é possível fazer a seguinte divisão se a renda familiar permitir: 50% da renda para despesas fixas (contas de água, luz, telefone, aluguel, condomínio e mensalidade escolar). 30% para gastos variáveis (gastos que mudam de um mês para outro ou são ocasionais, emergências pontuais). 20% para investimentos. “Não há regra. A depender da estrutura familiar, a divisão pode ser de 60%-20%-20%, ou mesmo 40%-30%-30%. O importante é que esteja dentro da realidade daquela família”, diz a especialista. Alunos de medicina do Fies cogitam largar curso por causa de teto do financiamento e alta de mensalidades Fatia da renda para faculdade Quando se trata da faculdade, a educadora financeira diz que tende a considerar que 5% da renda familiar é uma boa fatia. Esse valor estaria incluso nas despesas fixas. “Daria até para pensar em 10%, mas seria uma forma de tentar simplificar algo que não é simples”, diz. Não há uma fórmula universal, pois algumas variáveis podem impactar esse cálculo: Uma delas é o nível de prioridade que o curso superior tem para a família naquele momento. Outra variável é o próprio curso, que pode ter mensalidades mais em conta ou mais caras a depender da área. Cursos da área de saúde podem ser bem mais caros que cursos da área de linguística, por exemplo. “Se um membro da família quer cursar medicina, pode fazer sentido comprometer o custo como se fosse um aluguel, de 20% a 30% da renda familiar, por um período de curto a médio prazo, porque depois o retorno financeiro pode acontecer, como um investimento mesmo”, explica Stange. No entanto, esse cálculo é quase impossível para aquelas famílias limitadas à renda per capita de R$ 1.625. Em uma família de 5 pessoas, isso representa uma renda bruta de R$ 8.125. O cenário mudaria se o curso de interesse fosse ciências contábeis. Neste caso, talvez o cálculo de 5% a 10% da renda fique mais próximo da realidade. O que torna essa matemática difícil é saber que o curso superior é um sonho para muitos estudantes, e sonhos não estão limitados à lógica financeira familiar — e nem deveriam estar. Mas é importante conversar e refletir sobre isso e, claro, adequar as dicas à realidade de cada um. Mensalidades e custos extras Outro elemento que pode impactar a verba familiar são os custos extras relacionados ao curso superior. Além da mensalidade, é preciso considerar também os gastos com equipamentos, material escolar, viagens e eventos da área - variáveis que, por si só, vão depender do curso escolhido. Alguns cursos teóricos podem exigir do estudante participações regulares em eventos que discutam temas relacionados à graduação. Em contrapartida, cursos práticos podem carecer de equipamentos, alguns muito específicos, que demandem certo investimento financeiro. Gostaria de dizer que existe uma fórmula mágica para todos, mas não é bem assim. O gasto extra pode ser de até 50% em alguns casos, superar essa porcentagem em outros, ou até ser menor. É preciso avaliar caso a caso e decidir com base na realidade daquela família. Como usar a nota do Enem para concorrer a vagas em faculdades no Brasil e no exterior Alternativas financeiras No Brasil, existe uma gama de opções que podem ser consideradas pelos alunos e suas famílias quando se trata de acesso ao ensino superior. Algumas delas são simples e diretas, enquanto outras podem ser mais complexas e exigir certo comprometimento financeiro a médio prazo. No âmbito do governo federal, existem três programas que auxiliam nesta etapa: Sisu: o Sistema de Seleção Unificada é aberto a participantes do Enem que concluíram o ensino médio e buscam vagas em universidades públicas. A edição única de 2024 já divulgou os aprovados. Prouni: o Programa Universidade Para Todos concede bolsas (descontos) parciais e integrais em universidades privadas. O candidato deve ter concluído o ensino médio e se encaixar em alguns critérios financeiros e sociais. A lista de pré-selecionados no primeiro semestre foi disponibilizada na terça-feira (6). O resultado da segunda chamada sairá em 27 de fevereiro. Fies: o Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior é, como o nome diz, um financiamento a estudantes que querem cursar o ensino superior em instituições privadas. As mensalidades são parciais ou integralmente cobertas pelo financiamento e os alunos devem devolver o valor aos poucos ao final do curso. O edital da edição do primeiro semestre ainda não foi divulgado. Além dos programas do governo, existem ainda outras opções oferecidas pelas próprias universidades ou por instituições financeiras, como: Descontos e bolsas das instituições: Algumas faculdades privadas oferecem descontos ou bolsas a novos alunos que fizeram o Enem. O processo é feito internamente e varia de instituição para instituição. Em geral, os descontos levam em conta a pontuação do estudante no exame. No entanto, é preciso estar atento às condições de manutenção do desconto ou da bolsa, que muitas vezes estão atreladas às notas e assiduidade do aluno. Financiamento privado: Muitos bancos e instituições financeiras oferecem financiamento privado, com condições próprias, para alunos de ensino superior. Em geral, o valor das mensalidades é parcialmente coberto pelo financiamento, e o aluno deve devolver o valor com os juros contratados ao final do curso. Empréstimo: o empréstimo oferecido por instituições financeiras é outra possibilidade que não necessariamente precisa estar atrelada ao ensino superior. No entanto, os prazos para pagar e juros podem ser menos flexíveis se comparados com o financiamento privado. A alternativa também pode exigir um compromisso financeiro a longo prazo. 🚨 Atenção: pesquise todas as condições das alternativas listadas acima antes de contratar uma delas.
Veja Mais

08/02 - Pé-de-meia: MEC publica regras e calendário de pagamento da bolsa para alunos do ensino médio; confira
Governo fará poupança de até R$ 9,2 mil para estudantes que concluírem os três anos do ensino médio e fizerem o Enem. Primeiro incentivo será pago até 7 de abril. Governo anuncia valores de programa que cria bolsa contra evasão escolar no ensino médio O Ministério da Educação (MEC) divulgou as regras e o calendário de pagamento do programa "Pé-de-meia", que irá fornecer incentivo financeiro para estudantes do ensino médio. Duas portarias com o assunto foram publicadas na edição do Diário Oficial da União desta quinta-feira (8). Entre os objetivos do programa estão combater a evasão escolar no ensino médio e diminuir a desigualdade no acesso à universidade e ao mercado de trabalho. Pelo programa, o governo irá pagar até R$ 9,2 mil para os estudantes que concluírem os estudos. Segundo o MEC, a expectativa é a de que o programa atenda cerca de 2,5 milhões de alunos. Nesta reportagem você vai ver: Quem pode participar do 'Pé-de-meia' Como se inscrever no programa Quais valores serão pagos Quais são as regras do programa Como será o calendário de pagamento 🧑‍🎓 Quem pode participar do 'Pé-de-meia' De acordo com a portaria, podem participar do programa os estudantes matriculados em escolas públicas e que estejam cursando o ensino médio ou o programa para Educação de Jovens e Adultos (EJA). Além disso, é necessário: ter entre 14 e 24 anos; fazer parte de família inscrita no Cadastro Único (CadÚnico). Segundo MEC, terão prioridade para receber o benefício os estudantes que integrem famílias que recebem o Bolsa Família. Por outro lado, alunos cadastrados como família unipessoal no Bolsa Família não têm direito ao programa. 🗒️ Como se inscrever no programa O MEC informou que será responsável por definir quais alunos terão direito a receber o programa. Para isso, as escolas deverão enviar os dados dos estudantes para o governo. Após o recebimento dos dados, o MEC fará o cruzamento de informações com o Cadastro Único e abrirá as contas bancárias para os alunos. O governo informou que é necessário que os estudantes tenham CPF e estejam inscritos no CadÚnico. Para este ano, segundo a portaria do MEC, o governo irá analisar as informações contidas no CadÚnico no dia 10 de fevereiro de 2024. Além disso, estarão aptas as matrículas de estudantes no ensino médio transmitidas pelas instituições de ensino até 8 de março de 2024. ▶️ EMISSÃO DO CPF Para emitir o CPF, basta preencher um formulário da Receita Federal. Veja a seguir como fazer: Para cidadão brasileiro residente no país, clique aqui. Para cidadão brasileiro residente no exterior, clique aqui. Para cidadão estrangeiro, clique aqui. ⚠️ O cartão físico do CPF – aquele de plástico azul – não é mais emitido. Os comprovantes de inscrição impressos e o CPF Digital têm o mesmo valor jurídico. Leia aqui outras orientações para emissão do CPF. ▶️ INSCRIÇÃO NO CADÚNICO Para se inscrever no CadÚnico, um membro da família do estudante, com 16 anos ou mais, deve ir diretamente até o Centro de Referência de Assistência Social (Cras) da cidade onde mora ou posto de atendimento munido dos documentos. Clique aqui para mais informações sobre o CadÚnico. No momento da inscrição, o representante deve apresentar pelo menos um documento da lista a seguir para cada pessoa da família: Certidão de Nascimento; Certidão de Casamento; CPF; Carteira de Identidade – RG; Carteira de Trabalho; Título de Eleitor; Registro Administrativo de Nascimento Indígena (RANI) – somente se a pessoa for indígena. 💰 Quais valores serão pagos O MEC informou que o benefício será pago por etapas, da seguinte forma: incentivo para matrícula, no valor anual de R$ 200; incentivo de frequência, no valor anual de R$ 1.800; incentivo para conclusão do ano, no valor anual de R$ 1.000; incentivo para o Enem, em parcela única de R$ 200. No caso do incentivo de frequência, o valor total de R$ 1.800 será pago em nove parcelas ao longo do ano. A exceção será para este ano, quando o benefício será pago em oito parcelas, totalizando R$ 1.600. ✅ Quais são as regras do programa O MEC informou que vai exigir uma série de dados sobre a vida escolar do estudante para que o benefício seja pago regularmente. Confira a seguir: Incentivo de matrícula: é necessária que a inscrição no ano escolar seja feita até dois meses após o início do ano letivo. Incentivo de frequência: o aluno terá de ter frequência de pelo menos 80% das horas letivas. Caberá às instituições de ensino comunicar ao governo, todos os meses, a frequência escolar dos estudantes. Incentivo de conclusão: o estudante deverá passar de ano para receber o valor anual. Além disso, se for o caso, o aluno terá de ter a participação comprovada em exames de avaliação, como o do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb). Incentivo do Enem: o valor só será pago aos alunos que concluírem o ensino médio e estiverem presentes nos dois dias de provas. Em caso de retorno após abandono ou reprovação, o governo informou que só pagará o benefício uma única vez para cada série do ensino médio. ❌ Serão desligados do programa os alunos que: optarem por abandonar o "Pé-de-meia" voluntariamente; que não estiverem mais dentro dos critérios de elegibilidade, como idade e inscrição no CadÚnico; que reprovarem de ano duas vezes consecutivas; que abandonarem os estudos por mais de dois anos; que cometerem qualquer tipo de fraude ou irregularidade. 🗓️ Como será o calendário de pagamento O incentivo matrícula, no valor de R$ 200, será pago entre os dias 26 de março e 7 de abril. Caso algum aluno não receba o benefício por alguma atualização nos dados do governo, o pagamento será feito até 1º de julho. Para o incentivo de frequência, no valor de R$ 1.600, o pagamento será feito em oito parcelas. Veja os prazos na tabela a seguir: Pagamento do inventivo de frequência Já em relação ao incentivo de conclusão, no valor de R$ 1.000, o depósito na poupança estudantil será feito entre 24 de fevereiro de 2025 e 3 de março de 2025. Caso algum aluno não receba o benefício por alguma atualização nos dados do governo, o pagamento será feito até 5 de maio de 2025. Por fim, o incentivo para o Enem, de R$ 200, será depositado entre 23 de dezembro de 2024 e 3 de janeiro de 2025. VÍDEOS: notícias de Educação
Veja Mais

07/02 - Unesp 2024: segunda chamada de aprovados é divulgada; veja lista
Matrícula deverá ser feita de forma on-line no site da Vunesp ou da Sigrad. Entrada da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Unesp de Araraquara Rodrigo Sargaço/EPTV A Universidade Estadual Paulista (Unesp) divulgou nesta quarta-feira (7) a lista de aprovados em segunda chamada do Vestibular 2024. CONSULTE AQUI A LISTA DE SEGUNDA CHAMADA DA UNESP Os candidatos também podem fazer a consulta nos sites da Unesp e da Fundação Vunesp. Quando será e como fazer a matrícula na Unesp? A matrícula da 2ª chamada será realizada de 7 a 9 de fevereiro, de forma virtual, pelo site da Vunesp ou diretamente pelo Sistema de Graduação da Unesp (Sigrad), no endereço http://sistemas.unesp.br/calouros. No mesmo período, também de 7 a 9 de fevereiro, serão feitas as matrículas dos aprovados na 2ª chamada da 'Olimpíadas Científicas Unesp 2024'. Os cursos do Vestibular Unesp 2024 são oferecidos nas seguintes cidades: Araçatuba - 126 vagas; Araraquara - 764 vagas; Assis- 352 vagas; Bauru- 992 vagas; Botucatu - 538 vagas; Dracena - 70 vagas Franca - 369 vagas; Guaratinguetá - 274 vagas; Ilha Solteira - 265 vagas; Itapeva - 66 - vagas; Jaboticabal - 252 vagas; Marília - 400 vagas; Ourinhos - 54 vagas; Presidente Prudente - 529 vagas; Registro - 64 vagas; Rio Claro - 423 vagas; Rosana - 58 vagas; São João da Boa Vista - 70 vagas; São José do Rio Preto - 391 vagas; São José dos Campos - 108 vagas; São Paulo - 185 vagas; São Vicente - 72 vagas; Sorocaba - 72 vagas; Tupã - 102 vagas. Calendário de chamadas da Unesp 🗓️ 2ª Chamada: 7 de fevereiro Matrícula 2ª Chamada: das 16h do dia 7 até às 18h do dia 9 de fevereiro Período para inclusão de curso de 2ª opção: de 7 a 14 de fevereiro, os candidatos classificados e não matriculados poderão se inscrever para uma segunda opção de curso. Exclusivamente pela internet no endereço eletrônico www.vunesp.com.br. 3ª Chamada: 15 de fevereiro Matrícula 3ª Chamada: das 16h do dia 15 até às 18h do dia 16 de fevereiro 4ª Chamada: 19 de fevereiro Matrícula 4ª Chamada: das 16h do dia 19 até às 18h do dia 20 de fevereiro 5ª Chamada: 21 de fevereiro Matrícula 5ª Chamada: das 16h do dia 21 até às 18h do dia 22 de fevereiro 6ª Chamada: 23 de fevereiro Matrícula 6ª Chamada: das 16h do dia 23 até às 18h do dia 26 de fevereiro 7ª Chamada: 27 de fevereiro Matrícula 7ª Chamada: das 16h do dia 27 até às 18h do dia 28 de fevereiro 8ª Chamada: 29 de fevereiro Matrícula 8ª Chamada: das 16h do dia 29 de fevereiro até às 18h do dia 5 de março Preenchimento de vagas remanescentes pelas notas do Enem: de 29 de fevereiro a 5 de março, interessados podem declarar interesse em vagas remanescentes utilizando as notas obtidas no Enem. A seleção será tratada em um edital que ainda será publicado. 9ª Chamada: 6 de março Matrícula 9ª Chamada: das 16h do dia 6 até às 18h do dia 8 de março 10ª Chamada: 11 de março Matrícula 10ª Chamada: das 16h do dia 11 até às 18h do dia 12 de março Vagas remanescentes Candidatos que fizeram o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2022 ou 2023 também podem tentar pleitear uma vaga na Unesp por meio das vagas remanescentes. Nessa modalidade, o candidato não precisa ter feito o vestibular da Unesp. O período para os interessados declararem interesse e participarem das chamadas seguintes vai de 29 de fevereiro a 5 de março, após a sétima chamada regular do Vestibular Unesp. O cadastramento será feito pelo site da Vunesp. A Unesp Campus Unesp de Bauru. Paola Patriarca/ g1 A Unesp é uma universidade pública e gratuita que está entre as maiores e melhores do país e da América Latina. Presente em 24 cidades do Estado de São Paulo, com 34 unidades universitárias, desenvolve atividades de ensino, pesquisa e extensão universitária em todas as grandes áreas do conhecimento. Criada em 1976, a Universidade tem aproximadamente 54 mil estudantes, entre alunos de graduação e pós-graduação (stricto sensu). Oferece ainda cursos pré-vestibulares gratuitos e mantém programas de extensão abertos para a comunidade. Três escolas de ensino médio/técnico também são mantidas pela Unesp, que possui cerca de 1.900 laboratórios e 33 bibliotecas, além de cinco fazendas de ensino e pesquisa e três hospitais veterinários. REVEJA VÍDEOS DA EPTV: Veja mais notícias da região no g1 São Carlos e Araraquara.
Veja Mais

07/02 - Sisu 2024: prazo para participar da lista de espera termina nesta quarta
Pela primeira vez, programa terá apenas uma edição no ano. Candidatos que não foram aprovados na 1ª chamada e ainda desejam participar do processo seletivo precisam manifestar interesse na vaga pelo site. Página do MEC mostra a lista de selecionados na chamada regular do SISU 2024. Reprodução Os inscritos no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) 2024 que não foram aprovados em nenhuma das opções de curso na primeira chamada, divulgada (com atraso) em 31 de janeiro, têm até esta quarta-feira (7) para participar da lista de espera, afirma o Ministério da Educação (MEC). ✏️Como fazer? É preciso entrar em https://acessounico.mec.gov.br/sisu, digitar os dados de login e manifestar interesse em concorrer a uma vaga na 1ª OU na 2ª opção de curso marcada na inscrição. ✏️Quando sairão os resultados? O calendário depende de cada universidade. E são as próprias instituições de ensino que ficam encarregadas de divulgar o resultado da lista de espera. ✏️Para que serve o Sisu? Por meio da nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), o Sisu seleciona candidatos para universidades públicas do país. A publicação deveria ter sido feita na tarde de terça-feira (30), mas acabou adiada por problemas técnicos. Turbulências na 1ª chamada: lista errada e frustração de candidatos O MEC admitiu, na última sexta-feira (2), que os resultados do Sisu foram divulgados "de maneira indevida" na manhã de 30 de janeiro. Durante 25 minutos, as listas de aprovados que apareceram no site não estavam corretas, afirmou a pasta ao g1. A página do Sisu saiu do ar logo em seguida e foi republicada em 31 de janeiro, com as classificações definitivas e diferentes das já exibidas na véspera. Com isso, candidatos que chegaram a comemorar a aprovação na universidade descobriram que "perderam" a vaga. "O que houve foi uma divulgação indevida de resultados provisórios, ainda não homologados, durante 25 minutos da manhã do dia 30 de janeiro. A ocorrência está sendo rigorosamente apurada", disse o MEC. LEIA TAMBÉM: 'JÁ TINHA COMEMORADO NAS REDES': Após falha no site do Sisu, aprovados 'perdem' vaga no dia seguinte LISTA ERRADA DO SISU: MEC não havia terminado de analisar todas as categorias de cotas Mudanças no Sisu 2024 📊 Neste ano, o programa trouxe duas mudanças importantes: Apenas uma edição: haverá uma edição no ano, só agora em janeiro. Não ocorrerá mais o processo seletivo que era realizado no meio do ano. As regras para a adesão por meio de cotas também mudaram (veja mais abaixo). 5 cuidados para tomar ao se inscrever no Sisu 🗓️ Datas do Sisu Pela primeira vez, o Sistema de Seleção Unificada terá uma edição única. Com isso, a seleção de candidatos para o segundo semestre letivo de 2024 vai acontecer nas mesmas datas da seleção para o primeiro semestre. Portanto, para todos que quiserem se candidatar a vagas em universidades públicas pelo Sisu neste ano, o cronograma será o seguinte: Resultados da 1ª chamada: inicialmente previsto para 30 de janeiro de 2024, foi adiado para 31 de janeiro Matrículas: 2 a 7 de fevereiro de 2024 Participação na lista de espera: manifestar interesse entre 31 de janeiro e 7 de fevereiro de 2024 Resultado das listas de espera: datas serão definidas por cada universidade ➡️ Quem está apto a participar? Alunos que tenham feito o Enem 2023 e tirado nota acima de zero na redação. Treineiros não serão aceitos. ➡️ Posso escolher em qual semestre vou entrar na faculdade? Não. Caberá à universidade, por meio da ordem da lista de classificação de candidatos, selecionar quem estudará em cada semestre. 📝 Mudança nas cotas O Sisu oferece vagas via Lei de Cotas para pretos, pardos, indígenas, quilombolas e pessoas com deficiência. Mas, neste ano, foram anunciadas algumas mudanças para a candidatura a essas vagas: Todos os candidatos concorrerão, primeiramente, às vagas de ampla concorrência. Caso não alcancem as notas nesta modalidade e façam parte de algum dos grupos de cotas (os critérios são de raça e de renda), aí, sim, entrarão na disputa pelo benefício. Com isso, se uma pessoa autodeclarada preta, por exemplo, tirar uma nota mais alta que a exigida na ampla concorrência, será aprovada na "lista geral" e não tirará a vaga de um cotista com desempenho mais baixo. Até o Sisu 2023, quem tinha direito às cotas já participava, desde o início, de uma classificação à parte, separada da ampla concorrência. 📌 Total de vagas do Sisu Neste ano, o Sisu contará com 264.181 vagas, distribuídas entre 6.827 cursos de 127 instituições de educação superior. A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) lidera a lista com 9.240 vagas. Quantitativo de vagas por instituição Vídeos Sisu: Após candidatos perderem vaga, MEC admite 'divulgação indevida de resultados' Neste ano, o r terá apenas uma edição — só em janeiro, sem o processo seletivo que usualmente ocorre no meio do ano.
Veja Mais

06/02 - Prouni 2024: resultados com listas de pré-selecionados são divulgados
Programa oferece bolsas de estudo integrais e parciais em instituições particulares de ensino superior. Período de inscrição terminaria em 1º de fevereiro, mas foi prorrogado em um dia. Resultados do Prouni 2024 estão liberados Reprodução Os resultados do Programa Universidade para Todos (Prouni) foram divulgados nesta terça-feira (6), no site https://acessounico.mec.gov.br/prouni e nas páginas das instituições de ensino participantes. É preciso utilizar o login da conta "gov.br" com CPF e senha. Às 15h05, cerca de cinco minutos após a publicação das listas de pré-selecionados, o site saiu do ar para a maior parte dos candidatos. O g1 questionou o Ministério da Educação (MEC), mas a pasta não se posicionou sobre o problema e não deu informações sobre abrangência e duração. Nas redes sociais, candidatos relatavam que, no começo da noite, conseguiam acessar os resultados sem interrupções no acesso. 📈 O que é o Prouni? Por meio das notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), alunos de baixa renda podem pleitear bolsas de estudo parciais e integrais em instituições de ensino superior privadas. 📈 Quando as inscrições terminaram? O processo foi adiado em um dia e encerrou-se em 2 de fevereiro, por causa de problemas no sistema de inscrição e do atraso nos resultados do Sisu 2024. 📈 O que significa ser "pré-selecionado"? Não estranhe: o sistema do Prouni não chama ninguém de "aprovado" logo de cara. A nomenclatura usada é "pré-selecionado", porque ainda haverá as etapas de: verificação de documentos, para comprovar o que foi informado no ato da inscrição, como renda familiar (aliás, fique atento aos prazos da instituição); provas adicionais (apenas em universidades que implementam essa fase extra, com a exigência de que informem aos alunos os detalhes do processo em no máximo 24 horas após a divulgação dos resultados); formação de turmas (é preciso que haja um número mínimo de matriculados no curso para que a turma exista). Se não isso acontecer, o candidato do Prouni será reprovado. 📈 Quem não foi pré-selecionado ainda tem chance? Sim. Ainda será publicada uma segunda chamada em 27 de fevereiro. Caso o aluno novamente seja reprovado, ele pode manifestar interesse em concorrer à lista de espera, na qual as instituições de ensino convocam candidatos para preencher bolsas não ocupadas. Prouni: espera pelos resultados e instabilidade do site geram memes nas redes sociais 📅 Datas do ProUni 2024 Inscrições: de 29 de janeiro a 2 de fevereiro Resultado da primeira chamada: 6 de fevereiro Resultado da segunda chamada: 27 de fevereiro Manifestação de interesse na lista de espera: 14 e 15 de março Resultado da lista de espera: 18 de março 📚 Quem pôde se inscrever Pôde se inscrever o candidato que realizou o Enem 2022 ou 2023 e obteve média mínima de 450 pontos nas áreas de conhecimento e nota superior a zero na redação. Além disso, era preciso atender a pelo menos um dos pontos abaixo: Ter cursado o ensino médio em escola pública ou privada, sem diploma de educação superior; ou Ser uma pessoa com deficiência, na forma prevista na legislação, também sem ter feito graduação; ou Exercer a função de professor da rede pública de ensino (exclusivamente para quem busca cursos de licenciatura e pedagogia, destinados à formação do magistério da educação básica). 💰 Renda Para concorrer às bolsas integrais, o estudante deve ter renda familiar bruta mensal per capita de até um salário mínimo e meio (R$ 2.118 por pessoa). Para as bolsas parciais, o limite da renda familiar bruta mensal per capita é de três salários mínimos (R$ 4.236 por pessoa). 👉🏾 Como calcular a renda familiar bruta mensal por pessoa? Para saber se o aluno se encaixa nos critérios de renda, deve somar os salários de todos os que moram com ele e, depois, dividir pelo número de componentes do grupo. Por exemplo: pai (R$ 2,3 mil por mês), mãe (R$ 1,7 mil por mês), candidato do Prouni (sem renda) e irmão mais novo (sem renda). Somando os valores, chega-se ao total mensal de R$ 4 mil. Depois, dividindo pelos 4 membros da família, o resultado é R$ 1 mil. Esse é o valor que deve ser tomado como referência pelo Prouni. Como está abaixo de 1,5 salário mínimo per capita (R$ 2.118), o candidato poderá concorrer à bolsa de estudos integral. Vídeo Abaixo, veja um resumo do erro do MEC na divulgação dos resultados do Sisu: Sisu: Após candidatos perderem vaga, MEC admite 'divulgação indevida de resultados'
Veja Mais

06/02 - Prouni 2024: espera pelos resultados e instabilidade do site geram memes nas redes sociais
Lista de aprovados foi divulgada às 15h desta terça, mas a página saiu do ar poucos minutos depois. Programa oferece bolsas de estudo integrais e parciais em instituições particulares de ensino superior. Candidato mostra prova do 2º dia do Enem Érico Andrade/g1 Os candidatos do Programa Universidade para Todos (Prouni) enfrentam aquela situação clássica de quem busca uma vaga no ensino superior: dão "enter" no teclado a cada segundo, aguardam (desesperadamente) a divulgação da lista de aprovados, encontram instabilidade no site e manifestam o sofrimento por meio de... memes. Os resultados foram publicados às 15h desta terça-feira (6), mas, cerca de cinco minutos depois, a provável sobrecarga de acessos já havia tirado a página do ar. O g1 questionou o Ministério da Educação (MEC) sobre a previsão de normalização do acesso, mas não havia obtido resposta até a última atualização desta notícia. Veja abaixo uma seleção de memes nota mil: Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text 📈 O que é o Prouni? Por meio das notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), alunos de baixa renda podem pleitear bolsas de estudo parciais e integrais em instituições de ensino superior privadas. 📈Quando as inscrições terminaram? O processo foi adiado em um dia e encerrou-se em 2 de fevereiro, por causa de problemas no sistema de inscrição e do atraso nos resultados do Sisu 2024. 📈O que significa ser "pré-selecionado"? Não estranhe: o sistema do Prouni não chama ninguém de "aprovado" logo de cara. A nomenclatura usada é "pré-selecionado", porque ainda haverá as etapas de: verificação de documentos, para comprovar o que foi informado no ato da inscrição (como renda familiar); provas adicionais (apenas em universidades que implementam essa fase extra, com a exigência de que informem aos alunos os detalhes do processo em no máximo 24 horas após a divulgação dos resultados); formação de turmas (é preciso que haja um número mínimo de matriculados no curso para que a turma exista). Se não isso acontecer, o candidato do Prouni será reprovado. 📈Quem não foi pré-selecionado ainda tem chance? Sim. Ainda será publicada uma segunda chamada em 27 de fevereiro. Caso o aluno novamente seja reprovado, ele pode manifestar interesse em concorrer à lista de espera, na qual as instituições de ensino convocam candidatos para preencher bolsas não ocupadas. 📅 Datas do ProUni 2024 Inscrições: de 29 de janeiro a 2 de fevereiro Resultado da primeira chamada: 6 de fevereiro Resultado da segunda chamada: 27 de fevereiro Manifestação de interesse na lista de espera: 14 e 15 de março Resultado da lista de espera: 18 de março 📚 Quem pôde se inscrever Pôde se inscrever o candidato que realizou o Enem 2022 ou 2023 e obteve média mínima de 450 pontos nas áreas de conhecimento e nota superior a zero na redação. Além disso, era preciso atender a pelo menos um dos pontos abaixo: Ter cursado o ensino médio em escola pública ou privada, sem diploma de educação superior; ou Ser uma pessoa com deficiência, na forma prevista na legislação, também sem ter feito graduação; ou Exercer a função de professor da rede pública de ensino (exclusivamente para quem busca cursos de licenciatura e pedagogia, destinados à formação do magistério da educação básica). 💰 Renda Para concorrer às bolsas integrais, o estudante deve ter renda familiar bruta mensal per capita de até um salário mínimo e meio (R$ 2.118 por pessoa). Para as bolsas parciais, o limite da renda familiar bruta mensal per capita é de três salários mínimos (R$ 4.236 por pessoa). 👉🏾 Como calcular a renda familiar bruta mensal por pessoa? Para saber se o aluno se encaixa nos critérios de renda, deve somar os salários de todos os que moram com ele e, depois, dividir pelo número de componentes do grupo. Por exemplo: pai (R$ 2,3 mil por mês), mãe (R$ 1,7 mil por mês), candidato do Prouni (sem renda) e irmão mais novo (sem renda). Somando os valores, chega-se ao total mensal de R$ 4 mil. Depois, dividindo pelos 4 membros da família, o resultado é R$ 1 mil. Esse é o valor que deve ser tomado como referência pelo Prouni. Como está abaixo de 1,5 salário mínimo per capita (R$ 2.118), o candidato poderá concorrer à bolsa de estudos integral. Vídeo Abaixo, veja um resumo do erro do MEC na divulgação dos resultados do Sisu: Sisu: Após candidatos perderem vaga, MEC admite 'divulgação indevida de resultados'
Veja Mais

06/02 - Prouni 2024: resultados serão divulgados nesta terça
Programa oferece bolsas de estudo integrais e parciais em instituições particulares de ensino superior. Período de inscrição terminaria em 1º de fevereiro, mas foi prorrogado em um dia. Resultados do Prouni serão divulgados nesta terça-feira Reprodução Os resultados do Programa Universidade para Todos (Prouni) serão divulgados nesta terça-feira (6), no site https://acessounico.mec.gov.br/prouni e nas páginas das instituições de ensino participantes. É preciso utilizar o login da conta "gov.br" com CPF e senha. 📈 O que é o Prouni? Por meio das notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), alunos de baixa renda podem pleitear bolsas de estudo parciais e integrais em instituições de ensino superior privadas. 📈Quando as inscrições terminaram? O processo foi adiado em um dia e encerrou-se em 2 de fevereiro, por causa de problemas no sistema de inscrição e do atraso nos resultados do Sisu 2024. 📈O que significa ser "pré-selecionado"? Não estranhe: o sistema do Prouni não chama ninguém de "aprovado" logo de cara. A nomenclatura usada é "pré-selecionado", porque ainda haverá as etapas de: verificação de documentos, para comprovar o que foi informado no ato da inscrição (como renda familiar); provas adicionais (apenas em universidades que implementam essa fase extra, com a exigência de que informem aos alunos os detalhes do processo em no máximo 24 horas após a divulgação dos resultados); formação de turmas (é preciso que haja um número mínimo de matriculados no curso para que a turma exista). Se não isso acontecer, o candidato do Prouni será reprovado. 📈Quem não foi pré-selecionado ainda tem chance? Sim. Ainda será publicada uma segunda chamada em 27 de fevereiro. Caso o aluno novamente seja reprovado, ele pode manifestar interesse em concorrer à lista de espera, na qual as instituições de ensino convocam candidatos para preencher bolsas não ocupadas. 📅 Datas do ProUni 2024 Inscrições: de 29 de janeiro a 2 de fevereiro Resultado da primeira chamada: 6 de fevereiro Resultado da segunda chamada: 27 de fevereiro Manifestação de interesse na lista de espera: 14 e 15 de março Resultado da lista de espera: 18 de março 📚 Quem pôde se inscrever Pôde se inscrever o candidato que realizou o Enem 2022 ou 2023 e obteve média mínima de 450 pontos nas áreas de conhecimento e nota superior a zero na redação. Além disso, era preciso atender a pelo menos um dos pontos abaixo: Ter cursado o ensino médio em escola pública ou privada, sem diploma de educação superior; ou Ser uma pessoa com deficiência, na forma prevista na legislação, também sem ter feito graduação; ou Exercer a função de professor da rede pública de ensino (exclusivamente para quem busca cursos de licenciatura e pedagogia, destinados à formação do magistério da educação básica). 💰 Renda Para concorrer às bolsas integrais, o estudante deve ter renda familiar bruta mensal per capita de até um salário mínimo e meio (R$ 2.118 por pessoa). Para as bolsas parciais, o limite da renda familiar bruta mensal per capita é de três salários mínimos (R$ 4.236 por pessoa). 👉🏾 Como calcular a renda familiar bruta mensal por pessoa? Para saber se o aluno se encaixa nos critérios de renda, deve somar os salários de todos os que moram com ele e, depois, dividir pelo número de componentes do grupo. Por exemplo: pai (R$ 2,3 mil por mês), mãe (R$ 1,7 mil por mês), candidato do Prouni (sem renda) e irmão mais novo (sem renda). Somando os valores, chega-se ao total mensal de R$ 4 mil. Depois, dividindo pelos 4 membros da família, o resultado é R$ 1 mil. Esse é o valor que deve ser tomado como referência pelo Prouni. Como está abaixo de 1,5 salário mínimo per capita (R$ 2.118), o candidato poderá concorrer à bolsa de estudos integral. Vídeo Abaixo, veja um resumo do erro do MEC na divulgação dos resultados do Sisu: Sisu: Após candidatos perderem vaga, MEC admite 'divulgação indevida de resultados'
Veja Mais

05/02 - UnB divulga lista dos aprovados no PAS para 1º semestre de 2024; confira
Lista está disponível no site do Cebraspe ou presencialmente, no campus da Asa Norte. Início das aulas está previsto para 18 de março. Alunos comemoram com colegas de curso aprovação no PAS. O Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe) divulgou, nesta segunda-feira (5), a lista dos aprovados em primeira chamada no Programa de Avaliação Seriada da Universidade de Brasília (PAS-UnB).A lista está disponível no site do Cebraspe ou presencialmente, no campus da UnB, na Asa Norte. ✅ Clique aqui para seguir o canal do g1 DF no WhatsApp. O PAS ofertou 2.118 vagas para 112 cursos. Foram convocados 1.774 estudantes, e o início das aulas está previsto para 18 de março. 👉 Para garantir a vaga, os selecionados devem fazer o registro acadêmico entre os dias de 6 a 8 de fevereiro na Universidade de Brasília. Confira neste link se você foi selecionado. Cursos mais procurados Estudantes que passaram no PAS comemorando com amigos e família na UnB. Um total de 10.220 estudantes se inscreveram no PAS. Os cursos mais concorridos foram: Medicina: 39 candidatos por vaga 📚 Ciência da Computação: 23 candidatos por vaga 📚 Psicologia: 22 candidatos por vaga 📚 O que é o PAS? O Programa de Avaliação Seriada (PAS) é um processo seletivo da Universidade de Brasília (UnB). Ele é feito durante os três anos do ensino médio por meio de provas interdisciplinares. Segundo o Cebraspe, atualmente, metade das vagas em todos os cursos são destinados aos aprovados no programa. Confira abaixo a distribuição das vagas ao longo do ano: Primeiro semestre: vestibular tradicional e PAS Segundo semestre: Enem e PAS LEIA TAMBÉM: LENTIDÃO NO METRÔ: trens do metrô operam com lentidão na manhã desta segunda-feira no DF CURSOS GRATUITOS: mais de 1 mil vagas estão abertas no DF; aulas começam em março Leia mais notícias sobre a região no g1 DF.
Veja Mais

05/02 - Filha de gari e vigia passa em medicina após estudar com livros doados: 'Minhas maiores motivações'
Mãe de Angélica comprava uma borracha todos os dias e apagava as respostas escritas pelo antigo dono dos livros para que filha pudesse estudar. Angélica Oton e os pais comemorando a aprovação dela em Medicina na UFPB Angélica Oton/Arquivo pessoal Todos os dias na volta do trabalho exaustivo de gari, Maria do Rosário comprava uma borracha. Em casa, ela apagava todas as respostas escritas pelo antigo dono dos livros doados para a filha dela, Angélica Oton. Assim, a jovem de 20 anos, construía novas repostas e estudava para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Com a nota da prova, ela foi aprovada pelo Sisu 2024 para o curso de medicina, na Universidade Federal da Paraíba (UFPB). "Fiquei muito feliz quando eu vi o meu nome. Deu uma sensação de alívio e de dever cumprido. Corri e abracei meu pai. Corri e abracei minha mãe. Os vizinhos chegando. Todo mundo tava torcendo por isso, e a gente ficou muito feliz", lembrou. 📱Compartilhe esta notícia pelo Whatsapp Mas antes de realizar esse sonho coletivo, um longo caminho precisou ser percorrido pela jovem sertaneja, que mora em Boa Ventura. Ela foi bolsista em uma escola localizada na cidade vizinha, Itaporanga. Acordava antes do sol nascer, ainda na madrugada. Para que ela pudesse assistir às aulas, os pais pagavam uma taxa de cerca de R$ 150 com o transporte em um ônibus. Isso já pesava no orçamento da família. 📱Compartilhe esta notícia pelo Telegram Quando terminou o ensino médio, a aprovação não veio na primeira tentativa. Nem na segunda. Na terceira, todo o esforço de Angélica e da família dela foram recompensados. Só que até isso acontecer, foram dias e mais dias de estudos. Em alguns deles, ela chegou a passar até 11 horas na frente dos livros, apostilas e provas. "Todos os dias não eram iguais. Estudava até 11 horas, mas variava. Teve dia que de tão cansada estudei 40 minutos. Mas no meu plano de estudos, devia fechar as 10 horas por dia", explicou. LEIA TAMBÉM: Jovem passa em medicina na UFCG após oito tentativas: 'Essa era a minha última' Estudante com autismo que passou em medicina conciliou estudos e trabalho Como os cursinhos eram caros, a estudante não conseguiu contratar nenhum. Os livros e apostilas recebidos por meio de doação se tornaram a principal estratégia de estudos de Angélica, que se identifica com dedicação à teoria. "Minha mãe ia apagando as repostas e eu ia estudando", recordou. Espaço onde Angélica Oton, aprovada em Medicina, estudou em casa por dois anos Angélica Oton/Arquivo pessoal As aulas eram acompanhadas pelo Youtube. Além da teoria, ainda houve espaço para a prática com a resolução de questões, produção de resumos e revisões semanais. A agora "fera" em medicina também dividiu a mensalidade de uma assinatura de plataforma de correção de redações com uma amiga. Encher as paredes de pedaços de papel colorido também teve o seu valor. Com o que estudou a distância de um piscar de olhos, a jovem revisava de forma mais rápida o que era mais pontual. A ótima memória fotográfica ajudou na hora da prova. Tudo isso fez com que ela alcançasse uma média de 877,55 no Sisu, na modalidade ampla concorrência com bônus regional. Jovem passa em medicina na UFCG após oito tentativas: 'Essa era a minha última' 'Nossa casa praticamente não tem móveis porque minha mãe tava investindo na minha educação' Muitas coisas motivaram Angélica na escolha da profissão que deve seguir pelo resto da vida. "Sempre gostei muito de servir as pessoas, de cuidar. Eu quero ajudar pessoas como fui ajudada de alguma forma", destacou. Mas um incentivo foi o maior de todos: proporcionar uma vida melhor para os pais, que ela considera essenciais na conquista da vaga na universidade. "Uma das minhas maiores motivações sempre foi ver eles ali trabalhando, se esforçando. Sempre arrumavam outros empregos pra completar a renda da família. Muita gente falava 'por que não compra isso? Por que não compra aquilo?'. Porque nossa casa casa praticamente não tem móveis porque minha mãe tava investindo na minha educação. Eles [os pais] foram essenciais. Sem eles eu não teria como conseguir", reforçou. Enquanto a mãe de Angélica deixava os livros prontos para ela estudar, o pai pedia autorização para imprimir provas antigas do Enem e simulados no segundo emprego, em uma secretaria de escola. "Meu pai sempre disse que o sonho dele era ter uma fazenda. E desde pequena eu digo que vou arrumar um emprego pra realizar. Sempre pensei em tirar minha mãe do trabalho dela, que é muito cansativo. Não tem como retribuir a um pai e uma mãe, mas ajudar eles a mudar de vida. E a minha família como um todo. Dar qualidade de vida para eles, uma casa melhor para morar", sonhou. Filha de gari e vigia, Angélica Oton passa para medicina em casa com livros doados Angélica Oton/Arquivo pessoal 'Estar focado no que você quer muda tudo' Para quem vai encarar a maratona de estudos para o Enem, Angélica diz que "estar focado no que você quer muda tudo" e outros três fatores são fundamentais: Escolher o método de estudo que mais funcione para cada um; Selecionar um bom material para estudar; Não desistir. "O processo é solitário por mais que tenha gente ao redor. Algumas pessoas acham que não são capazes de fazer determinado curso, mas os estudos são o que tornam isso palpável. Eu não imaginava passar em medicina vindo da realidade que eu tenho. Mas o estudo torna isso possível", concluiu. Único aprovado em ciências de dados na USP pelo Enem 2023 estudava 10 horas por dia Vídeos mais assistidos do g1 Paraíba
Veja Mais

04/02 - Guerra na Ucrânia: as escolas que mudaram para o subterrâneo para continuar funcionando
Com a guerra da Rússia contra a Ucrânia entrando em seu terceiro ano, salas de aula foram construídas junto às plataformas do metrô, no subsolo de Kharkiv. Nika, de seis anos, agora frequenta o jardim de infância subterrâneo BBC A guerra da Rússia transformou tudo na cidade de Kharkiv, incluindo a forma de viver a infância. Mísseis são disparados contra a segunda principal cidade da Ucrânia desde o outro lado da fronteira russa, que está tão perto que há poucos segundos para detê-los. Se eles forem direcionados para Kharkiv, a probabilidade de caírem é grande - e são poucas as chances de alcançar um abrigo em tempo. Os prédios das escolas e dos jardins de infância estão fechados há quase dois anos por medida de segurança, e os playgrounds estão vazios. Agora, à medida que a guerra em grande escala se aproxima de seu terceiro ano, partes da vida em Kharkiv estão migrando para o subsolo. No fundo do metrô, salas de aula foram construídas de forma paralela às plataformas em cinco estações. Autoridades locais começaram a oferecer as aulas subterrâneas há vários meses. Mais recentemente, adicionaram horários para crianças da pré-escola nos fins de semana. A história de Nika Para Nika Bondarenko, de 6 anos, é uma oportunidade de estar com outras crianças novamente. Depois de dois anos estudando on-line, ela vai saltitante para sua estação de metrô vestindo galochas cor-de-rosa. O trajeto passa pelas ruínas bombardeadas de escritórios militares, destruídos no início da invasão e localizados em frente à sua casa. Há vidros quebrados e prédios despedaçados por toda parte. Mas quando Nika está no trem, indo para a aula, sua mãe pode parar de se preocupar. Os pais podem ter certeza de que nada vai acontecer com seus filhos e que uma criança pode continuar sua vida mais ou menos normal. "O inimigo não pode nos pegar aqui." Ela diz que Nika sentiu muita falta do jardim de infância. "É tão importante. Do contrário, uma criança não consegue ver nenhuma outra, porque não há qualquer criança nas ruas e (há) sirenes de ataque aéreo o tempo todo." Kharkiv agora oferece cerca de 700 vagas de jardim de infância no subsolo para crianças de até 6 anos. O total de alunos que frequenta aulas escolares no mesmo espaço é três vezes esse. Alguns perderam os pais na luta, ou viveram em áreas sob fogo pesado, e precisam de apoio extra dos psicólogos junto aos professores. No dia em que visitamos, há música, movimento e muitas risadas. Um grupo pré-escolar está vestido como médicos e enfermeiros; outros estão cantando e brincando com tijolos de plástico. Tentando ser normal A equipe fez de tudo para tornar as coisas o mais normal possível. Nas paredes, ao lado de imagens coloridas de flores e lagartas gigantes, há cartazes sobre o perigo das minas. Mas quando as sirenes tocam alertando para mísseis, ninguém precisa se mexer. A família Bondarenko fugiu de sua cidade no início da guerra, quando as tropas russas estavam pressionando para tomar Kharkiv e o bombardeio era constante. Milhares de famílias estavam vivendo no metrô naquela época. Em março de 2022, a equipe da BBC reportou a presença de senhoras idosas dormindo em vagões de trem e bebês nas plataformas com seus pais. Quando as forças russas foram forçadas a recuar, em setembro, a cidade voltou a respirar mais aliviada e Olha e seus filhos voltaram para casa. O marido dela está no Exército. Para ela, estar em Kharkiv significava ficar perto dele. Quando pergunto à irmã de Nika se ela tem medo dos ataques aéreos, Viktoria balança a cabeça. "A sirene significa que um míssil pode atingir, ou não. É 50-50. Você só precisa acreditar que tudo ficará bem." Ela tem 11 anos. Os planos O maior problema de Kharkiv é a localização: a fronteira russa fica a apenas 40 quilômetros. "Precisamos de sistemas modernos de defesa aérea. Se os mísseis estão atingindo agora, isso significa que não temos o suficiente", argumenta o prefeito Ihor Terekhov. Mas mesmo os sistemas ocidentais mais atualizados teriam dificuldades com tamanha proximidade. A intensidade dos ataques aéreos aumentou desde dezembro e a escola no metrô está enchendo de crianças. Com a guerra chegando ao seu terceiro ano, Kharkiv construi escolas subterrâneas mais permanentes BBC Assim, a cidade começou a preparar estruturas subterrâneas mais permanentes. No distrito de Industrialny, gravemente danificado por ataques de mísseis, uma nova escola inteira ganha forma debaixo de uma quadra esportiva. As salas de aula serão instaladas cinco metros abaixo da superfície, com capacidade para 900 alunos em dois turnos. Por enquanto, é uma estrutura que ainda passar por reforma, com construtores soldando, rebocando e martelando por todos os lados. O chefe da construção me contou que, antes da invasão, sua empresa construiu um novo zoológico e redesenhou um parque central. "Agora estamos fazendo isso", diz, dando de ombros. 👉 A construção da escola subterrânea o lembra dos bunkers nucleares construídos nas fábricas soviéticas durante a Guerra Fria. "Eu realmente não quero que nos mudemos para o subsolo. Essa é uma medida de segurança forçada", explica o prefeito, durante uma inspeção no local. A escola deve estar pronta até o final de março, embora o prazo pareça otimista. O prefeito planeja estruturas semelhantes em todos os distritos. É um grande investimento. "Os mísseis usados com mais frequência para arruinar nossa cidade levam 40 segundos para chegar aqui", aponta Terekhov. Não é tempo suficiente para evacuar uma escola normal. Esta guerra vai acabar quando vencermos. Mas, enquanto isso, as crianças têm o direito de estudar. Então estamos construindo essas escolas. A história de Maryna Pouco antes de viajarmos para Kharkiv, uma enxurrada de mísseis atingiu áreas residenciais da cidade. Onze pessoas foram mortas. Um míssil atingiu o conjunto de prédios de Maryna Ovcharenko, destruindo todos os apartamentos da seção final. A jovem de 18 anos e seus pais haviam saído de casa apenas dois minutos antes. Maryna diz que viu o míssil chegando. Ela foi arremessada pela onda de choque, mas não se machucou. A adolescente ainda não consegue acreditar que está viva quando tantos de seus vizinhos morreram, incluindo uma criança. Procurando pelas ruínas de seu próprio apartamento, Maryna tenta recuperar pertences pessoais. Ela encontrou sua certidão de nascimento. Sua mãe, Anastasia, encontrou uma mala contendo vestidos de festa. De alguma forma, a família ainda está sorrindo. "Nós temos um ao outro, estamos vivos - e não estamos feridos!", diz Anastasia, puxando sua filha para perto. "É um milagre." No dia seguinte ao ataque de míssil, o pai de Maryna subiu nas ruínas do prédio e colocou uma bandeira ucraniana no telhado. "Estamos aqui e seguimos, não importa o que a Rússia faça conosco. Eles podem nos matar e assassinar, mas estamos de pé", diz Maryna. "Nós seguimos em frente." Os professores Do outro lado da cidade, na escola no metrô, Olha Bondarenko também fala muito sobre desafio e resiliência. Eles chamam Kharkiv de "cidade inquebrável". "Em Kharkiv acontece um ataque aéreo, você se estressa um pouco, depois enxuga suas lágrimas e continua. É assim que todo mundo vive aqui", diz a mãe de dois filhos. Mas a diferença entre a vida e a morte pode ser uma questão de segundos ou metros. Olha tem pesadelos em que fica presa sob as ruínas de sua casa com os filhos. "Tenho muito medo disso. Eu tenho ataques de pânico de estar debaixo dos escombros." As escolas subterrâneas contam uma história de adaptação - e sobrevivência. "Claro que é estranho, mas o que mais podemos fazer? Queremos que nossos filhos cresçam em nosso país. Na Ucrânia", me diz Natalia Bilohryshchenko. O prefeito de Kharkiv planeja estruturas semelhantes em todos os distritos BBC Ela dirige o departamento de educação pré-escolar no conselho da cidade e diz que os professores estavam "pulando de alegria" por voltarem ao trabalho. "Os olhos deles brilhavam. Eles sentiram falta das crianças." De repente, Natalia começa a chorar. "Quando houver paz, venha visitar e mostraremos nossos jardins de infância normais", ela me diz, em lágrimas. "É tudo tão triste... Mas está tudo bem. Tudo ficará bem." Com pesquisas e reportagem adicional de Hanna Chornous, Paul Pradier e Anastasia Levchenko. Moradores de Kiev ficam presos em estação de metrô durante bombardeio russo na cidade
Veja Mais

03/02 - Sisu: MEC divulgou lista errada de aprovados porque não havia terminado de analisar todas as categorias de cotas
Classificações erradas foram divulgadas na terça-feira (30), antes de o site do Sisu sair do ar. MEC alegou "falha técnica" e adiou a publicação. No dia seguinte, alunos que achavam que tinham passado ficaram de fora da lista final. Maria Eduarda perdeu a vaga em engenharia ambiental e sanitária Arquivo pessoal/Reprodução/MEC Fontes ligadas ao Ministério da Educação (MEC) afirmaram ao g1, neste sábado (3), que as primeiras listas de aprovados do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), divulgadas em 30 de janeiro, estavam erradas porque não haviam sido finalizadas pela pasta. Os resultados ainda estavam "rodando" internamente, para que todas as regras de cotas fossem aplicadas, quando o site do Sisu passou a exibir as classificações precocemente (veja mais abaixo). Depois de cerca de 25 minutos, a página com as informações equivocadas foi tirada do ar. No dia seguinte, os resultados definitivos e corretos foram divulgados, e alunos que já haviam comemorado a aprovação na universidade descobriram que estavam fora da lista de classificados. Publicamente, o MEC admitiu apenas que houve "uma divulgação indevida de resultados provisórios, ainda não homologados". Segundo a pasta, o episódio está sendo rigorosamente investigado. A seguir, entenda os detalhes do erro, que explicam também por que algumas pessoas foram "mudadas de modalidade de cota" entre a inscrição e os resultados: No meio do cálculo das cotas, a lista foi publicada Em 2024, pela primeira vez, o Sisu passou a seguir um novo critério na distribuição de vagas: ➡️Todos os candidatos concorreram, primeiramente, às vagas de ampla concorrência (mesmo aqueles inscritos como cotistas). Se a universidade X ofereceu 10 vagas nessa modalidade, os 10 alunos com notas mais altas já foram selecionados aqui. ➡️Os cotistas que não conseguiram se classificar na ampla concorrência passaram, aí sim, a ser considerados para as vagas de políticas afirmativas. 🪜Entra aqui uma "escadinha" de tipos de cotas: primeiro, todos os inscritos (sejam cotistas por renda, por raça ou por escola pública) foram avaliados para as vagas de "alunos que estudaram integralmente em escola pública, independentemente da renda". Eram 10 vagas? Então, os dez candidatos com notas mais altas já ficaram garantidos aqui, mesmo que tivessem se inscrito na modalidade de quilombolas, de indígenas ou de pessoas com renda menor do que 1 salário mínimo, por exemplo. ➡️Quem ficou de fora desse primeiro "degrau" passa para o segundo: pessoas que tenham estudado "integralmente em escola pública, independentemente de renda, e que tenha uma deficiência". O candidato se encaixa nesse critério? Sua nota está entre as mais altas? Ele já é classificado aqui. ➡️Depois, o terceiro degrau: vêm os alunos que estudaram "integralmente em escola pública, independentemente de renda, e que se autodeclaram pretos, pardos ou indígenas". Eram 5 vagas? Ficam as 5 maiores notas aqui, mesmo que os alunos tivessem se inscrito em modalidades mais específicas de cota, como pretos, pardos e indígenas E de baixa renda. São, ao todo, 8 "degraus" considerados (veja mais abaixo a lista completa). A cada vez que o sistema analisa uma nova categoria de cotas, a lista de aprovados é modificada, e os candidatos são remanejados. O que aconteceu: o MEC divulgou a relação de classificados no meio do processo, antes de chegar ao último degrau. Emanuely foi aprovada em medicina, mas o sistema mudou sua categoria de cota Arquivo pessoal Um exemplo real: em Camaçari (BA), Emanuely Varjão, de 21 anos, havia se inscrito na modalidade de alunos pretos, pardos e indígenas com renda menor do que 1 salário mínimo. Só que ela foi aprovada em medicina, na categoria de "integralmente em escola pública, independentemente de renda, e que se autodeclaram pretos, pardos ou indígenas". "Eu fiquei sem entender nada. Na cota em que me inscrevi, de baixa renda, eu passaria em 1º lugar. Mas me aprovaram em 19º na modalidade de independentemente da renda'". ➡️Por quê? É que o desempenho dela já era suficiente para esse "terceiro degrau". Se ela não tivesse nota capaz de entrar na categoria de "independentemente da renda", continuaria "descendo a escada" para o: 4º degrau: integralmente em escola pública, independentemente de renda, que se autodeclarem pretos, pardos ou indígenas; 5º degrau: integralmente em escola pública, com renda familiar bruta igual ou inferior a 1 (um) salário-mínimo per capita; 6º degrau: integralmente em escola pública, com renda familiar bruta igual ou inferior a 1 (um) salário-mínimo per capita, que sejam pessoas com deficiência; 7º degrau: integralmente em escola pública, com renda familiar bruta igual ou inferior a 1 (um) salário-mínimo per capita, que se autodeclarem quilombolas; e 8º degrau: integralmente em escola pública, com renda familiar bruta igual ou inferior a 1 (um) salário-mínimo per capita, que se autodeclarem pretos, pardos ou indígenas." Para que há a nova regra de cotas? Até 2023, os candidatos só eram considerados para a categoria de cotas no qual haviam se inscrito, sem esse remanejamento. A ideia da nova política de ações afirmativas, definida pela portaria nº 2.027, de 16 de novembro de 2023, é possibilitar o acesso à universidade a mais cotistas. Uma pessoa autodeclarada preta, por exemplo, que tirar uma nota mais alta do que a exigida na ampla concorrência, será aprovada na "lista geral" e não tirará a vaga de um cotista com desempenho mais baixo. Emanuely, citada mais acima, ao ser deslocada para uma cota de ex-alunos de escola pública, abriu espaço para que outro candidato, também de escola pública e de baixa renda, mas com nota menor, pudesse ser aprovado. Linha do tempo: os erros do Sisu 2024 Sisu: Após candidatos perderem vaga, MEC admite 'divulgação indevida de resultados' O resultado do Sisu, segundo o edital, estava marcado para sair em 30 de janeiro. Alguns estudantes conseguiram visualizar a lista de aprovados na manhã daquele dia, até que a página ficou instável e saiu do ar. Às 20h da mesma data, sem dar detalhes, o MEC informou que "identificou problemas técnicos no sistema e reiniciou os protocolos de homologação", adiando a divulgação dos resultados para quarta-feira (31). Quando, na quarta, as listas definitivas finalmente foram divulgadas, a classificação estava diferente da exibida no dia 30. Estudantes aprovados na véspera — e que chegaram a pintar o rosto com tinta, em comemoração, e a dividir a notícia com os amigos e familiares — caíram posições e descobriram que não haviam conquistado a vaga na universidade. Em 2 de fevereiro, o MEC admitiu que houve foi uma divulgação indevida de resultados provisórios "O que houve foi uma divulgação indevida de resultados provisórios, ainda não homologados, durante 25 minutos da manhã do dia 30 de janeiro. A ocorrência está sendo rigorosamente apurada", disse o MEC. A pasta não respondeu se algo será feito para reparar a frustração desses alunos -- declarou apenas que eles, como todos os que não foram aprovados, podem manifestar interesse em participar da lista de espera até 7 de fevereiro. "O sistema é seguro, e os resultados oficiais não serão modificados", afirmou a pasta. Veja, abaixo, histórias de quem se frustrou com a mudança de resultados e perdeu a vaga na universidade: 'Meu mundo caiu', diz aluna que chegou a comemorar aprovação Khauany chegou a postar no Instagram que havia sido aprovada. No dia seguinte, seu nome saiu da lista de classificados. Arquivo pessoal/Reprodução/MEC Na manhã de terça-feira (30), Khauany Freitas, de 18 anos, entrou no site do Sisu e viu a mensagem com que tanto sonhava: "Parabéns, você foi selecionada na chamada regular". Ela postou no Instagram: "Caloura da UFF [Universidade Federal Fluminense]!!!! Obrigada a Deus e a todas as pessoas que me ajudaram!". Nos braços, escreveu "ciências biológicas" com tinta (nome do curso em que havia sido aprovada na modalidade de cotas). Até que houve uma reviravolta: assim como outros candidatos, por um erro do MEC, Khauany "perdeu" a vaga no dia seguinte. "O site mostrou que eu não tinha passado na faculdade. Fiquei muito frustrada, tive uma crise de ansiedade e só consegui controlar por meio de remédios", conta. A mesma frustração de perder a vaga foi sentida por Maria Eduarda Xavier, de 19 anos, que, de um dia para o outro, viu seu nome "desaparecer" da lista de aprovados em engenharia ambiental no Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (Cefet-MG). "Eu era a 3ª colocada de 3 vagas de cota [para alunos de escola pública]. Saí para comemorar com a família, mandei mensagem para as minhas melhores amigas, minha mãe postou nas redes... Minha avó [a entrevistada chora ao lembrar] ficou muito feliz de ver a última neta na faculdade. Até que, no dia seguinte, vi que não tinha passado", diz Maria Eduarda. "Meu mundo caiu." Maria Eduarda perdeu a vaga em engenharia ambiental e sanitária Arquivo pessoal/Reprodução/MEC 'Estou sem caminho', diz aluna que pensou ter sido aprovada Sisu: Após candidatos perderem vaga, MEC admite 'divulgação indevida de resultados' No município de Lagarto (SE), Kamilly Giovanna, de 19 anos, ainda não teve coragem de contar para a mãe que, na verdade, não foi aprovada em estatística na Universidade Federal de Sergipe (UFS). No resultado de 30 de janeiro, o nome da jovem estava na 1ª colocação na modalidade de cotas. A página saiu do ar, mas Kamilly acreditou que estivesse tudo correto. No dia seguinte, no entanto, o site do Sisu passou a exibir a seguinte mensagem: "Você não foi selecionada na chamada regular". "Acabou meu dia. Estou péssima, muito angustiada. Estou sem caminho, sem direcionamento, não sei se volto a estudar ou se acredito na chance da lista de espera", diz, chorando. Kamilly pensou que tivesse passado em estatística na UFS Arquivo pessoal/Reprodução/MEC 'Obrigada por ser um lixo, Sisu, obrigada pelo sonho estragado', escreve candidata Em 30 de janeiro, Clara Letícia, de 18 anos, estava comemorando, no cursinho, a conquista da vaga em direito na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Foi nesse momento que descobriu que o site do Sisu estava fora do ar e que a lista de aprovados só voltaria a ser publicada no dia seguinte. Estudante tem nome retirado de lista de aprovados no Sisu no RN Quando, em 31 de janeiro, o MEC divulgou o resultado definitivo, Clara não estava mais classificada para sua 1ª opção — e nem tinha a possibilidade de tentar concorrer na lista de espera, porque havia sido selecionada na 2ª opção (relações internacionais). ➡️Pelas regras do Sisu, só pode concorrer à lista de espera quem não for aprovado em nenhuma das duas opções de curso marcadas na inscrição. "Eu me senti impotente e iludida. Não quis acreditar que aquilo estava acontecendo comigo", conta ao g1. Nas redes sociais, ela escreveu: "Obrigada por ser um lixo, SISU, obrigada pelo sonho estragado! Sonhei com minha aprovação À TOA. Tô devastada!". Clara Letícia havia até comemorado no cursinho sua aprovação em direito Arquivo pessoal/Reprodução/MEC 'Não tenho coragem de contar para as pessoas que, na verdade, não passei' Duas candidatas preferiram não ser identificadas na reportagem. "Não quero falar que sou eu. Eu já tinha postado e comemorado minha aprovação", diz uma das jovens, que ocupava, no dia 30, a última vaga de medicina de uma universidade federal. Em 31 de janeiro, o site do Sisu passou a mostrar que ela só terá chance se for convocada na lista de espera (ou seja, se algum dos classificados na 1ª chamada não fizer a matrícula). "Sempre participei do Sisu, e isso nunca tinha acontecido", conta. A outra estudante, de 17 anos, estava feliz com a aprovação em um curso de ciência e tecnologia no Rio Grande do Norte. Quando o MEC informou que os resultados "definitivos" sairiam só no dia seguinte, ela nem cogitou a possibilidade de ficar de fora. "Minha nota estava alta. Não me preocupei. Postei no Instagram e comecei a planejar minha mudança de cidade", diz. "Até que descobri, em 31 de janeiro, que meu nome não estava mais entre os aprovados. Chorei a noite toda. Agora, vou focar no Enem de novo." Na lista de espera, alunos caíram posições Em Macaé (RJ), Pedro Lora, de 19 anos, passou a manhã do dia 30 de janeiro atualizando a página do Sisu. Quando o resultado apareceu, ele descobriu que estava em primeiro lugar na reclassificação (ou seja, se alguém desistisse, ele seria o primeiro a ser chamado pela universidade). Chegou até a enviar uma mensagem para o pai: "Sou o 21º de 20. Uma única unidade de pessoa [na minha frente]". Só que, quando Pedro entrou novamente no site no dia seguinte, sua posição havia caído para 27º lugar. "Minhas chances diminuíram exponencialmente. A lista de engenharia elétrica não costuma 'rodar' tanto. Dá um sentimento de frustração: recebi uma injeção de expectativa e depois perdi tudo", afirma. Pedro Lora caiu posições na lista de espera para engenharia elétrica no Sisu Arquivo pessoal/Reprodução/MEC Vídeos
Veja Mais

03/02 - Como resolver o 'enigma de Einstein' que supostamente só 2% das pessoas conseguem solucionar
O chamado "enigma de Einstein" — aquele que, supostamente, apenas 2% da população pode resolver — está rodeado de outros enigmas. GETTY IMAGES via BBC O chamado "enigma de Einstein" — aquele que, supostamente, apenas 2% da população pode resolver — está rodeado de outros enigmas. Não existem fontes confiáveis, nem estudos científicos, nada que possa comprovar se foi realmente Einstein quem propôs a charada e que 98% da humanidade não é capaz de resolvê-la. O certo é que o enigma e todas as suas variações espalharam-se rapidamente pela internet e pelos meios de comunicação. O problema chegou até a ser mencionado pela Universidade Stanford, nos Estados Unidos. O que diz o enigma? O enunciado da questão fornece 15 pistas sobre uma rua onde há cinco casas. Cada casa é de uma cor, cada morador tem uma nacionalidade, um animal de estimação, uma bebida e uma marca de cigarro — todos, diferentes. 🧐🗝️🧠 O objetivo é descobrir quem é o dono do peixe, sabendo que: O britânico vive na casa vermelha. O sueco tem um cachorro. O dinamarquês toma chá. O norueguês mora na primeira casa. O alemão fuma Prince. A casa verde fica ao lado da branca, à esquerda. O morador da casa verde toma café. Quem fuma Pall Mall tem pássaros. O morador da casa amarela fuma Dunhill. O morador da casa central toma leite. Quem fuma Blends mora ao lado de quem tem um gato. Quem tem um cavalo mora ao lado de quem fuma Dunhill. Quem fuma Bluemaster toma cerveja. Quem fuma Blends mora ao lado de quem toma água. O norueguês mora ao lado da casa azul. O mito dos 2% Preciso abrir um parêntese neste artigo e aproveito para incentivar você a deixar de ler e tentar resolver a charada: não é verdade que apenas 2% da humanidade consegue chegar à solução. Com esta informação e se você achar oportuno, coloque este artigo de lado por algum tempo, pegue um lápis e papel e tente achar a resposta. Dito isto, prosseguimos rumo à solução. Existe uma forma gráfica de resolver o enigma... usando o PowerPoint! Se você já começou a resolver o problema, talvez tenha imaginado que é preciso preencher um quadro, usando as pistas até descobrir, afinal, quem é o dono do peixe. Este é um bom caminho. Mas, em vez de quadro, permita-me chamá-lo de tabuleiro. No texto abaixo, existe uma explicação passo a passo sobre como resolver o problema. Confira no vídeo como funciona essa solução. 📝 Vamos primeiro inserir retângulos em uma folha em branco do PowerPoint. BBC Em seguida, colocamos todas as “cartas” disponíveis. A ordem, por enquanto, não importa – vamos incluindo simplesmente conforme elas aparecem. ⚠️Teremos então algo assim (atenção: esta não é a solução; recomendo copiar o tabuleiro em branco em outro slide do PowerPoint, para ir preenchendo posteriormente): BBC Agora, vem o X da questão. 🎥Veja no vídeo acima como resolver o problema com ajuda do PowerPoint. Vamos usar a função Agrupar do PowerPoint para entrelaçar as cartas com as pistas que já temos. Quando duas figuras são agrupadas, elas se fundem e se movem como se fossem uma só. Uso a tecla Control para selecionar as duas. 🕵️ Assim, agrupamos as células sabendo que a pista 1 diz: “o britânico vive na casa vermelha” e separamos essas cartas do tabuleiro. Prosseguimos com as pistas 2 e 3, movendo as cartas para mantê-las na fila e na coluna correspondentes (observe que a opção Trazer para a Frente, do PowerPoint, também pode ajudar). O sueco tem um cachorro e o dinamarquês toma chá. A pista 4 – “o norueguês mora na primeira casa” – é ainda mais fácil. Podemos incorporá-la diretamente ao tabuleiro final da solução. Vamos repetindo a operação Agrupar com as pistas 5, 6, 7, 8 e 9. A pista 10 – “o morador da casa central toma leite” – passa diretamente para o tabuleiro final. BBC Com a pista 11 (“quem fuma Blends mora ao lado de um gato”), é preciso ter mais cuidado: “gato” vai ao lado de “Blends”, mas de qual lado? Precisamos deixar as duas opções disponíveis (esquerda ou direita) no tabuleiro. 🟨 E, para não esquecer que as duas opções são da mesma combinação, deixamos com fundo amarelo. O mesmo acontece com a pista 12 (o cavalo ao lado de Dunhill). O fato de que Dunhill já esteja agrupado com a casa amarela não chega a ser um problema – o cigarro é devolvido ao tabuleiro para manter as distâncias. A esta altura, já não é preciso muito esforço para incluir a pista 13, que indica que Bluemaster vai com a cerveja. Mas é preciso prestar atenção na pista 14: “quem fuma Blends mora ao lado de quem toma água”. Com “Blends”, já tínhamos duas opções no quadro amarelo. Quem toma água pode ficar de um lado ou do outro e, por isso, surgem quatro possibilidades. E, por último, vem a pista 15 – “o norueguês mora ao lado da casa azul”. Esta passa diretamente para o tabuleiro final. Depois de analisadas todas as pistas (o peixe, por sinal, não aparece em nenhuma delas), passamos a jogar para ver onde entra cada uma elas. Para isso, trazemos o tabuleiro final para o primeiro slide (ou o contrário, não serei eu a dizer como jogar). Agora, vamos tentar. Primeiro, vamos incluir as palavras que têm apenas uma opção. Por exemplo, os grupos “Pall Mall – pássaros” e “britânico – vermelha” cabem em vários locais, mas “verde – branca – café” só se encaixa em um. BBC O que nos deixa apenas uma opção para o grupo “britânico – vermelha”. Vamos colocar! O espaço vazio na linha das cores só pode ser “amarela”, que tinha duas opções de inclusão no tabuleiro. Como não pode haver nada à esquerda, será a opção de cima. BBC A partir de agora, tudo se complica, principalmente para quem tentou resolver com lápis e papel. Isso porque todos os grupos têm várias opções. Nossa única alternativa é o conhecido “azar de goleiro” – ou seja, fazer suposições, como se estivéssemos resolvendo um sudoku. Vamos supor, por exemplo, que o grupo “cerveja – Bluemaster” entre na casa azul. LEIA TAMBÉM: Após candidatos perderem vaga no Sisu, MEC admite 'divulgação indevida de resultados provisórios' por 25 minutos Como escrita à mão beneficia o cérebro e ganha nova chance em escolas Brasil pode ter milhares de superdotados que não sabem de seu alto QI Com isso, ficamos apenas com as opções “dinamarquês – chá” na casa branca e “alemão – café”, na verde. Mas atenção! Agora, não temos onde colocar o grupo “sueco – cachorro”. Por isso, a hipótese “cerveja – Bluemaster” na casa azul está errada. Ela deve ir para a casa branca. É preciso desfazer tudo... Agora, sim. Podemos começar a preencher novamente. BBC 🟢🔎E atenção! Habemus dono do peixe! Bingo! BBC Afinal, quem é o dono do peixe? A conclusão é que o dono do peixe é um alemão que mora em uma casa verde, toma café e fuma Prince. Viva! Espero que tenha sido interessante e incentivo você a desafiar seus amigos a tentar resolver o problema. Receba um abraço enigmático! * José María Manzano Crespo é professor de sistemas e automação da Universidade Loyola Andaluzia, na Espanha. Este artigo foi publicado originalmente no site de notícias acadêmicas The Conversation e republicado sob licença Creative Commons. Leia aqui a versão original em espanhol. VÍDEO: Brasileiro que estuda em Genebra explica o ‘enigma da vitória régia’ Brasileiro que estuda em Genebra explica o ‘enigma da vitória régia’
Veja Mais

02/02 - Após desistir de doutorado, sergipana que tirou nota máxima na redação do Enem 2023 é aprovada em medicina
Estudante de 31 anos se dedicou aos estudos durante sete anos até chegar ao resultado almejado. Após desistir de doutorado, Indira foi aprovada em medicina Arquivo pessoal A estudante Indira Morgana de Araújo Silva, de 31 anos, uma dos três sergipanos que alcançaram a pontuação máxima na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2023, foi aprovada em 2º lugar em medicina da Universidade Federal de Sergipe. Ela chegou a desistir do doutorado para se dedicar às tentativas de passar no curso que almejava desde a adolescência. ✅ Clique aqui para seguir o canal do g1 SE no WhatsApp Em 2010, a sergipana tentou cursar medicina, mas logo desistiu, acreditando que não seria aprovada, e foi cursar agronomia, profissão na qual possui mestrado. Em 2017, foi aprovada no doutorado em duas universidades, sendo uma delas a Federal de Viçosa (UFV), mas o sonho a impediu de sair de Sergipe para Minas Gerais. “Medicina é uma profissão nobre, que se dedica a cuidar do outro. A estabilidade financeira também foi uma das minhas motivações”, disse. De acordo com Indira, se não fosse aprovada no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) de 2024, publicado nessa quinta-feira (2), começaria a estudar para concursos e desistiria da mudança de carreira, após sete anos de estudos. “Eu nem acreditei. A ficha só caiu quando eu comecei a receber mensagens dos amigos e familiares parabenizando pela aprovação”. Indira durante estudos para o Enem Arquivo pessoal Indira irá cursar medicina no campus da UFS em Lagarto, que fica a cerca de 30 minutos da sua cidade, Simão Dias, onde mora com os pais. Urologia é uma das possíveis especializações que pretende seguir, após a graduação, que dura cerca de seis anos. Redação nota mil Em todo o país, 60 pessoas conseguiram tirar nota máxima. "Desafios para o enfrentamento da invisibilidade do trabalho de cuidado realizado pela mulher no Brasil” foi o tema da redação. 65.542 pessoas se inscreveram para fazer o Enem em Sergipe. Enem 2023: sergipana que tirou nota mil na redação diz que estudou nas horas vagas do trabalho ‘Foquei nos detalhes’, diz sergipano nota mil na redação Três candidatos de Sergipe tiraram nota mil na redação Enem
Veja Mais

02/02 - Aulas vão retornar e mais de 500 mil estudantes não tomaram vacina da Covid-19 no ES
Meta vacinal é de 90% de cobertura com o esquema primário, mas, sobretudo no caso das crianças capixabas, a realidade está muito aquém do esperado Mais de 500 mil estudantes não tomaram vacina da Covid-19 Mesmo com a circulação de novas variantes da doença, mais de 500 mil crianças e adolescentes ainda não foram vacinadas contra a Covid-19 no Espírito Santo. As aulas da rede municipal e estadual retornam na segunda-feira (5). Municípios da Grande Vitória têm opções com agendamento e por livre demanda. Compartilhe no WhatsApp Compartilhe no Telegram Segundo dados da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) do Espírito Santo, 526.246 crianças e adolescentes ainda não foram vacinadas contra a Covid-19 no estado. Confira, por grupo de idade, quantos ainda não se vacinaram (esquema primário): 6 meses a 2 anos: 147.632 pessoas 3 a 4 anos: 96.472 pessoas 5 a 11 anos: 199.611 pessoas 12 a 17 anos: 82.531 pessoas 📲 Clique aqui para seguir o canal do g1 ES no WhatsApp A Sesa explicou que a vacina contra a Covid-19 foi incorporada pelo Ministério da Saúde, em 2024, ao Calendário Nacional de Vacinação para crianças de seis meses a 4 anos e 11 meses, e que o esquema vacinal é composto por três doses (D1, D2 e D3), sendo que, entre a D1 e a D2, a aplicação deve ocorrer com intervalo de quatro semanas. Já entre a D2 e a D3, esse espaço deve ser de oito semanas. Crianças estão com cartão vacinal incompleto Freepik/Divulgação/Prefeitura de Cubatão Para as demais pessoas acima dos 5 anos de idade e que não pertençam aos grupos prioritários, é facultativa a vacinação para aqueles que ainda não iniciaram o esquema ou estão com esquema vacinal primário incompleto (D1 e D2). Mesmo sendo opcional, a Sesa orienta que crianças e adolescentes acima dos 5 anos, sobretudo os pertencentes aos grupos prioritários, sejam vacinados. LEIA TAMBÉM ES disponibiliza 2ª dose de reforço de vacina bivalente contra Covid-19; veja quem pode tomar ES tem aumento de casos de Covid-19 após o carnaval e risco de nova onda A meta vacinal para Covid-19 é de 90% de cobertura com o esquema primário. Mas, sobretudo no caso das crianças capixabas, a realidade continua muito aquém do esperado. 6 meses a 2 anos: 2,94% 3 a 4 anos: 5,51% 5 a 11 anos: 43,41% 12 a 17 anos: 72,57% Diante da situação, a Sesa reforçou que mmanter crianças e adolescentes imunizados diminui o risco de agravamento dos casos, que podem levar à hospitalização e morte. VÍDEOS: tudo sobre o Espírito Santo Veja o plantão de últimas notícias do g1 Espírito Santo
Veja Mais

02/02 - Após candidatos perderem vaga no Sisu, MEC admite 'divulgação indevida de resultados provisórios' por 25 minutos
Classificações erradas foram divulgadas na terça-feira (30), antes de o site do Sisu sair do ar. MEC alegou "falha técnica" e adiou a publicação. No dia seguinte, alunos que achavam que tinham passado ficaram de fora da lista final. MEC admitiu que os resultados do Sisu foram divulgados "de maneira indevida" O Ministério da Educação (MEC) admitiu, nesta sexta-feira (2), que os resultados do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) foram divulgados "de maneira indevida" na manhã de 30 de janeiro. Durante 25 minutos, as listas de aprovados que apareceram no site não estavam corretas, afirmou a pasta ao g1. A página do Sisu saiu do ar logo em seguida e foi republicada em 31 de janeiro, com as classificações definitivas e diferentes das já exibidas na véspera. Com isso, candidatos que chegaram a comemorar a aprovação na universidade descobriram que "perderam" a vaga. "O que houve foi uma divulgação indevida de resultados provisórios, ainda não homologados, durante 25 minutos da manhã do dia 30 de janeiro. A ocorrência está sendo rigorosamente apurada", disse o MEC. A pasta não respondeu se algo será feito para reparar a frustração desses alunos -- declarou apenas que eles, como todos os que não foram aprovados, podem manifestar interesse em participar da lista de espera até 7 de fevereiro. "O sistema é seguro, e os resultados oficiais não serão modificados", afirmou a pasta. Veja, em resumo, o que aconteceu: O resultado do Sisu, segundo o edital, estava marcado para sair em 30 de janeiro. Alguns estudantes conseguiram visualizar a lista de aprovados na manhã daquele dia, até que a página ficou instável e saiu do ar. Às 20h da mesma data, sem dar detalhes, o MEC informou que "identificou problemas técnicos no sistema e reiniciou os protocolos de homologação", adiando a divulgação dos resultados para quarta-feira (31). Quando, na quarta, as listas definitivas finalmente foram divulgadas, a classificação estava diferente da exibida no dia 30. Estudantes aprovados na véspera — e que chegaram a pintar o rosto com tinta, em comemoração, e a dividir a notícia com os amigos e familiares — caíram posições e descobriram que não haviam conquistado a vaga na universidade. Em 2 de fevereiro, o MEC admitiu que houve foi uma divulgação indevida de resultados provisórios. 'Meu mundo caiu', diz aluna que chegou a comemorar aprovação Khauany chegou a postar no Instagram que havia sido aprovada. No dia seguinte, seu nome saiu da lista de classificados. Arquivo pessoal/Reprodução/MEC Na manhã de terça-feira (30), Khauany Freitas, de 18 anos, entrou no site do Sisu e viu a mensagem com que tanto sonhava: "Parabéns, você foi selecionada na chamada regular". Ela postou no Instagram: "Caloura da UFF [Universidade Federal Fluminense]!!!! Obrigada a Deus e a todas as pessoas que me ajudaram!". Nos braços, escreveu "ciências biológicas" com tinta (nome do curso em que havia sido aprovada na modalidade de cotas). Até que houve uma reviravolta: assim como outros candidatos, por um erro do MEC, Khauany "perdeu" a vaga no dia seguinte. "O site mostrou que eu não tinha passado na faculdade. Fiquei muito frustrada, tive uma crise de ansiedade e só consegui controlar por meio de remédios", conta. A mesma frustração de perder a vaga foi sentida por Maria Eduarda Xavier, de 19 anos, que, de um dia para o outro, viu seu nome "desaparecer" da lista de aprovados em engenharia ambiental no Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (Cefet-MG). "Eu era a 3ª colocada de 3 vagas de cota [para alunos de escola pública]. Saí para comemorar com a família, mandei mensagem para as minhas melhores amigas, minha mãe postou nas redes... Minha avó [a entrevistada chora ao lembrar] ficou muito feliz de ver a última neta na faculdade. Até que, no dia seguinte, vi que não tinha passado", diz Maria Eduarda. "Meu mundo caiu." Maria Eduarda perdeu a vaga em engenharia ambiental e sanitária Arquivo pessoal/Reprodução/MEC 'Estou sem caminho', diz aluna que pensou ter sido aprovada Sisu: Após candidatos perderem vaga, MEC admite 'divulgação indevida de resultados' No município de Lagarto (SE), Kamilly Giovanna, de 19 anos, ainda não teve coragem de contar para a mãe que, na verdade, não foi aprovada em estatística na Universidade Federal de Sergipe (UFS). No resultado de 30 de janeiro, o nome da jovem estava na 1ª colocação na modalidade de cotas. A página saiu do ar, mas Kamilly acreditou que estivesse tudo correto. No dia seguinte, no entanto, o site do Sisu passou a exibir a seguinte mensagem: "Você não foi selecionada na chamada regular". "Acabou meu dia. Estou péssima, muito angustiada. Estou sem caminho, sem direcionamento, não sei se volto a estudar ou se acredito na chance da lista de espera", diz, chorando. Kamilly pensou que tivesse passado em estatística na UFS Arquivo pessoal/Reprodução/MEC 'Obrigada por ser um lixo, Sisu, obrigada pelo sonho estragado', escreve candidata Em 30 de janeiro, Clara Letícia, de 18 anos, estava comemorando, no cursinho, a conquista da vaga em direito na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Foi nesse momento que descobriu que o site do Sisu estava fora do ar e que a lista de aprovados só voltaria a ser publicada no dia seguinte. Estudante tem nome retirado de lista de aprovados no Sisu no RN Quando, em 31 de janeiro, o MEC divulgou o resultado definitivo, Clara não estava mais classificada para sua 1ª opção — e nem tinha a possibilidade de tentar concorrer na lista de espera, porque havia sido selecionada na 2ª opção (relações internacionais). ➡️Pelas regras do Sisu, só pode concorrer à lista de espera quem não for aprovado em nenhuma das duas opções de curso marcadas na inscrição. "Eu me senti impotente e iludida. Não quis acreditar que aquilo estava acontecendo comigo", conta ao g1. Nas redes sociais, ela escreveu: "Obrigada por ser um lixo, SISU, obrigada pelo sonho estragado! Sonhei com minha aprovação À TOA. Tô devastada!". Clara Letícia havia até comemorado no cursinho sua aprovação em direito Arquivo pessoal/Reprodução/MEC 'Não tenho coragem de contar para as pessoas que, na verdade, não passei' Duas candidatas preferiram não ser identificadas na reportagem. "Não quero falar que sou eu. Eu já tinha postado e comemorado minha aprovação", diz uma das jovens, que ocupava, no dia 30, a última vaga de medicina de uma universidade federal. Em 31 de janeiro, o site do Sisu passou a mostrar que ela só terá chance se for convocada na lista de espera (ou seja, se algum dos classificados na 1ª chamada não fizer a matrícula). "Sempre participei do Sisu, e isso nunca tinha acontecido", conta. A outra estudante, de 17 anos, estava feliz com a aprovação em um curso de ciência e tecnologia no Rio Grande do Norte. Quando o MEC informou que os resultados "definitivos" sairiam só no dia seguinte, ela nem cogitou a possibilidade de ficar de fora. "Minha nota estava alta. Não me preocupei. Postei no Instagram e comecei a planejar minha mudança de cidade", diz. "Até que descobri, em 31 de janeiro, que meu nome não estava mais entre os aprovados. Chorei a noite toda. Agora, vou focar no Enem de novo." Na lista de espera, alunos caíram posições Em Macaé (RJ), Pedro Lora, de 19 anos, passou a manhã do dia 30 de janeiro atualizando a página do Sisu. Quando o resultado apareceu, ele descobriu que estava em primeiro lugar na reclassificação (ou seja, se alguém desistisse, ele seria o primeiro a ser chamado pela universidade). Chegou até a enviar uma mensagem para o pai: "Sou o 21º de 20. Uma única unidade de pessoa [na minha frente]". Só que, quando Pedro entrou novamente no site no dia seguinte, sua posição havia caído para 27º lugar. "Minhas chances diminuíram exponencialmente. A lista de engenharia elétrica não costuma 'rodar' tanto. Dá um sentimento de frustração: recebi uma injeção de expectativa e depois perdi tudo", afirma. Pedro Lora caiu posições na lista de espera para engenharia elétrica no Sisu Arquivo pessoal/Reprodução/MEC Vídeos
Veja Mais

02/02 - Estudante com autismo que passou em medicina na UFPB conciliou estudos e trabalho e se preparou por três anos em casa
Luanna fez um cursinho pela internet e também usou material gratuito. Ela precisou conciliar o trabalho como fisioterapeuta com os estudos para o Enem. Luanna Barbosa, aprovada em medicina na UFPB Luanna Barbosa/Arquivo pessoal Três anos foi tempo que durou a preparação de Luanna Barbosa, que é uma pessoa autista de 32 anos, rumo à aprovação em medicina, na Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Para passar no curso dos sonhos, ela estudou em casa com um cursinho online e também usou materiais gratuitos disponibilizados na internet. “Foi necessário pra manter meu foco, sem distrações”, justificou. A paraibana, de Campina Grande, já é formada em fisioterapia e também precisou conciliar o trabalho, com uma carga horária de 20 horas semanais, e as 10 horas de estudos por dia. Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp Compartilhe esta notícia pelo Telegram “Sempre persisti, mesmo com minhas dificuldades. Em alguns dias dava um desânimo, mas quando se tem um objetivo, temos que continuar, independente da idade ou classe social”, destacou. Cursar medicina, por outro lado, é um sonho antigo, que foi adiado por conta das condições financeiras da família de Luanna. Após anos como ambulante, a mãe dela agora possui um comércio de lanches. Já o pai é operador de máquinas. “Depois da pandemia se intensificou a vontade de fazer medicina. Sendo que sempre foi um sonho de infância. Porém, eu vim de uma família de baixa renda na época e o objetivo ficou um pouco distante”, contou. LEIA TAMBÉM: Jovem passa em medicina na UFCG após oito tentativas: 'Essa era a minha última' A fisioterapeuta vai seguir com as atividades profissionais até o começo das aulas, quando terá que se mudar para João Pessoa. Já na capital paraibana, Luanna vai contar com o apoio de familiares, que devem auxiliá-la com o que for necessário, com tudo que a possibilite viver com qualidade. “Como sou uma pessoa autista, preciso de um suporte, nem que seja mínimo. Eu tenho ansiedade social. Não consigo ir em um supermercado sozinha, por exemplo, porque posso ter crises sensoriais, não consigo falar por ligação, às vezes tenho que ser lembrada que tenho que comer”, explicou. Luanna Barbosa é pessoa com autismo e passou para medicina na UFPB Luanna Barbosa/Arquivo pessoal Jornada de estudos também contou com resolução de questões Além das aulas do cursinho online e todo o material gratuito encontrado na internet, Luanna também apostou na resolução de questões para fixar o conteúdo estudado. “Por em prática o que aprendeu é essencial para aprovação. Não adianta só o estudo passivo”, ressaltou. Foi assim que a estudante alcançou uma média de 739.1 e foi aprovada na cota para pessoas com deficiência, que foram estudantes de escola pública. Para quem vai começar a se preparar para o Enem, Luanna tem alguns conselhos: Quem não tem base alguma para o Enem deve estudar matemática básica, treinar redação e conciliar teoria e prática; Observar se a universidade de interesse tem pesos e focar nas áreas de maior peso; Se o candidato já tem uma boa base, mas não conseguiu a aprovação por pouco, deve focar no que tem mais dificuldade e praticar o que já sabe; Investir na redação que representa a possibilidade de aumentar a média final; Cuidar da saúde mental. ‘Nós autistas podemos ocupar os mesmos lugares’ Luanna tem consciência do capacitismo que ainda é presente em muitos lugares. “Mas nós autistas podemos ocupar os mesmos lugares e sermos excelentes tanto quanto os neurotípicos - pessoas que não possuem dificuldades relacionadas com sociabilidade, aprendizagem, atenção, humor e outras funções cognitivas. Não podemos deixar que pessoas preconceituosas limitem nossos sonhos e objetivos”, reforçou. Diante das dificuldades com que convive e das necessidade que tem, a estudante escolheu a UFPB para estudar. “A UFPB tem tido um excelente trabalho de apoio a nós PCDs. Vamos continuar ocupando mais e mais os espaços por direito nas universidades públicas do Brasil, em diversas profissões e em diversos níveis hierárquicos profissionais”, concluiu. Vídeos mais assistidos do g1 Paraíba
Veja Mais

02/02 - Rio proíbe celulares nas escolas até no recreio; veja exceções
A medida veio depois de uma consulta pública, aberta em dezembro, em que 83% dos respondentes concordaram com a restrição. Rio proíbe celulares nas escolas até no recreio Um decreto do prefeito Eduardo Paes (PSD) publicado no Diário Oficial desta sexta-feira (2) proíbe o uso de celulares nas escolas da rede municipal — inclusive no recreio. A medida entra em vigor em 30 dias. Desde agosto, o estudante da prefeitura já não podia pegar no telefone dentro da classe, somente nos intervalos. A partir de março, nem isso. Diz o decreto: “Fica proibida a utilização de celulares e outros dispositivos eletrônicos pelos alunos nas unidades escolares da rede pública municipal de ensino nas seguintes situações: dentro da sala de aula; fora da sala de aula quando houver explanação do professor e/ou realização de trabalhos individuais ou em grupo na unidade escolar; durante os intervalos, incluindo o recreio.” “Os celulares e demais dispositivos eletrônicos deverão ser guardados na mochila ou bolsa do próprio aluno, desligado ou ligado em modo silencioso e sem vibração”, especifica o decreto. “A gente acredita que a escola é um local de aprendizagem e interação social. As crianças não podem continuar ficando isoladas nas suas próprias telas, sem interagir umas com as outras, sem brincar. A escola precisa dessa interação humana”, disse o secretário municipal de Educação, Renan Ferreirinha. Oito em cada 10 pessoas são a favor de proibir o uso de celulares em escolas do Rio Reprodução/TV Globo Exceções O aluno poderá mexer no celular nas seguintes exceções: antes da primeira aula do dia, desde que fora da sala; após a última aula do dia, desde que fora da sala; quando houver autorização expressa do professor regente para fins pedagógicos, como pesquisas, leituras ou acesso ao material Rioeduca; para os alunos com deficiência ou com condições de saúde que necessitam destes dispositivos para monitoramento ou auxílio de sua necessidade; durante os intervalos, incluindo o recreio, quando a cidade estiver classificada a partir do Estágio Operacional 3; quando houver autorização expressa da equipe gestora da unidade escolar em casos que ensejem o fechamento ou interrupção temporária das atividades da unidade escolar, de acordo com o protocolo do programa Acesso Mais Seguro; durante os intervalos para os alunos da Educação de Jovens e Adultos; quando houver autorização expressa da equipe gestora da unidade escolar por motivos de força maior. Em caso de descumprimento pelo aluno, “o professor poderá advertir o aluno e/ou cercear o uso dos dispositivos eletrônicos em sala de aula, bem como acionar a equipe gestora da unidade escolar”. Justificativas A medida veio depois de uma consulta pública, aberta em dezembro, em que 83% dos respondentes concordaram com a restrição. O resultado saiu no último dia 23. Ao justificar o decreto, Paes citou a própria pesquisa da Secretaria Municipal de Educação e recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) sobre limites no tempo de tela para crianças. “A análise [da Unesco] de uma grande amostra de jovens com idades entre 2 e 17 anos nos Estados Unidos mostrou que um maior tempo de tela estava associado a uma piora do bem-estar; menos curiosidade, autodisciplina e estabilidade emocional; maior ansiedade e diagnósticos de depressão”, escreveu Paes. “A tecnologia pode ter um impacto negativo se for inadequada ou excessiva. Dados de avaliações internacionais em larga escala, tais como os fornecidos pelo Programa de Avaliação Internacional de Estudantes (Pisa) — maior avaliação mundial de estudantes —, sugerem uma correlação negativa entre o uso excessivo das tecnologias (...) e o desempenho acadêmico. Descobriu-se que a simples proximidade de um aparelho celular era capaz de distrair os estudantes e provocar um impacto negativo na aprendizagem em 14 países”, prosseguiu o prefeito. Paes afirmou ainda que “estudos da Bélgica, Espanha e Reino Unido mostram que proibir telefones celulares nas escolas melhora o desempenho acadêmico, especialmente para estudantes com baixo desempenho”. “Um relatório da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), responsável pelo Pisa, revela que 45% dos alunos relataram sentir-se nervosos ou ansiosos se seus telefones não estivessem perto deles, em média, nos países da OCDE, e 65% relataram serem distraídos pelo uso de dispositivos digitais em pelo menos algumas aulas de matemática. A proporção ultrapassou 80% na Argentina, Brasil, Chile, Finlândia e Uruguai”, detalhou.
Veja Mais

02/02 - 'Remigração' é eleita 'despalavra' do ano na Alemanha
Todos os anos, um termo em alemão é selecionado para representar expressões depreciativas. O vencedor de 2023 é utilizado pela extrema direita para se referir à deportação em massa e expulsão de migrantes. A “despalavra” do ano na Alemanha "Remigração" foi escolhida a pior palavra de 2023 na Alemanha, anunciou o júri da Unwort des Jahres ("despalavra do ano") no começo deste ano. 👉 O termo trata-se de um eufemismo utilizado pela extrema direita alemã para se referir à deportação em massa e expulsão de migrantes e seus descendentes. Em segundo lugar, ficou o termo Sozialklimbim ("parafernália social"), que surgiu durante a discussão em torno do bem-estar social básico para as crianças, representando uma retórica discriminatória que vem sendo utilizada com frequência cada vez maior. Na terceira colocação, ficou o termo Heizungs-Stasi ("Stasi do aquecedor"), em referência a uma campanha de propaganda política contra medidas de proteção ao clima. A Stasi era a antiga polícia secreta da Alemanha Oriental, conhecida pela vigilância excessiva dos hábitos cotidianos da população durante o regime comunista. O nome foi associado à palavra "aquecedor" em meio ao debate sobre a necessidade de economizar gás natural no país, utilizado no aquecimento das residências. Xenofobia e polêmica O termo "remigração" ganhou notoriedade nos últimos dias após o portal de jornalismo investigativo Correctiv denunciar que políticos do partido Alternativa para a Alemanha (AfD) – sigla que tem uma parcela de suas estruturas já sob observação da inteligência alemã por suspeita fundamentada de afronta à Constituição e à ordem democrática alemã – participaram de uma reunião na qual teria sido discutida a deportação em massa de milhões de imigrantes e "cidadãos não assimilados". No encontro, foi apresentado um projeto de "remigração", ou seja, o retorno, forçado ou por outros meios, de migrantes aos seus lugares de origem – independentemente de eles possuírem ou não a cidadania alemã e de terem ou não nascido e vivido a vida inteira na Alemanha. Na reunião, segundo o Colectiv, foram feitas referências à expulsão de requerentes de asilo, estrangeiros com títulos de residência e alemães com background migratório que não estiverem adaptados à sociedade alemã. 🚨 Segundo dados do Departamento de Estatística da Alemanha, praticamente um em cada quatro habitantes do país (24,3%) tem raízes migratórias. Isso inclui tanto pessoas que nasceram no país quanto aqueles que migraram para a Alemanha. Após a reunião vir à tona, o chanceler federal da Alemanha, Olaf Scholz, e a ministra alemã das Relações Exteriores, Annalena Baerbock, participaram de um protesto contra o extremismo de direita em Potsdam, ao lado de outras milhares de pessoas. Manifestantes saem às ruas de Frankfurt para protestar contra a AfD, de extrema-direita REUTERS/Kai Pfaffenbach Palavra depreciativa do ano A "despalavra do ano" visa promover a conscientização sobre termos que violam a dignidade humana e os princípios da democracia ou levam à discriminação. Escolhida na Alemanha desde 1991, a "despalavra" de ordem política foi selecionada pela Sociedade da Língua Alemã até 1994, quando um júri independente em Darmstadt assumiu o projeto anual. Qualquer pessoa pode propor uma palavra e cabe ao júri tomar a decisão final. Segundo os responsáveis pela seleção, entre sugestões enviadas ao colegiado pela população alemã, expressões linguísticas se tornam "despalavras" por serem pronunciadas de forma irrefletida ou com intenções dignas de crítica num contexto público. Ao longo do ano passado, os jurados receberam 2.301 propostas do público, somando 710 expressões diferentes. Entre estas, 110 se encaixavam no critério de ser uma "não palavra". Entre as candidatas também estavam termos como Kriegstüchtigkeit ("eficiência de guerra"), Gamechanger ("virada no jogo") e Klimakleber ("cola do clima"), que se refere aos ativistas do clima que colam suas mãos no asfalto durante protestos. VÍDEO Por que um copo plástico cheio de água não derrete no fogo?
Veja Mais

02/02 - Aposentado é aprovado para o curso de física na UFMT aos 66 anos: 'quero competir no mercado de trabalho'
Antônio Nazaré se inscreveu em um cursinho preparatório e realizou o Enem pela primeira vez. O professor do cursinho preparatório contou que Antônio era um aluno exemplar: chegava primeiro e era o último a sair. Antônio Nazaré da Costa foi aprovado para cursar física na UFMT Arquivo pessoal O aposentado Antônio Nazaré da Costa, de 66 anos, é o mais novo aluno do curso de física da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). Motivado pelo sonho de voltar ao mercado de trabalho, ele se inscreveu em um cursinho preparatório no ano passado e realizou, pela primeira vez, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), e foi aprovado. ✅ Clique aqui para seguir o canal do g1MT no WhatsApp Ao g1, Antônio contou que decidiu estudar, porque gosta muito da área de ciência e que o campo de pesquisa abordado pela física pode lhe render uma vaga em grandes empresas de refinaria. “Andei pesquisando e esse curso é voltado para área de pesquisa. Meu interesse é fazer pesquisa para se relacionar com grandes empresas. Então, vou estudar para isso e quero competir no mercado de trabalho para exercer a profissão”, contou. António Nazaré da Costa sonha em voltar ao mercado de trabalh Arquivo pessoal Casado há 38 anos, com dois filhos e um neto, Antônio tem um histórico de estudos. Nascido em uma fazenda da família em Santo Antônio de Leverger, a 35 km de Cuiabá, ele ingressou na Força Aérea em 1986, como inspetor de aviação civil. Formado em licenciatura de ciências, concluiu o curso em 1987 e, depois, atuou como professor de matemática. Atualmente, trabalha como produtor rural. No ano passado, Antônio iniciou o curso semiextensivo para o Enem em uma escola particular da capital, o que o ajudou a retomar algumas dúvidas em relação aos estudos. O professor Carlos Bidu disse que Antônio era o único aluno com a idade mais avançada na sala de aula e que, por isso, acabou se tornando a “atração” entre os jovens. “Ele era o primeiro a chegar e sentava na frente. É muito querido pelos colegas. Os jovens acharam diferente alguém com a idade do Antônio querer fazer faculdade. Lógico que no começo ele teve algumas defasagem, pois teve que compensar alguns assuntos do ensino médio, mas ele chegava cedo e só ia embora no final da aula”, relatou. ✅ Clique aqui para seguir o canal do g1MT no WhatsApp
Veja Mais

02/02 - Prouni 2024: prazo de inscrição termina nesta sexta
Programa oferece bolsas de estudo integrais e parciais em instituições particulares de ensino superior. Período de inscrição terminaria em 1º de fevereiro, mas foi prorrogado em um dia. Período de inscrição no Prouni termina na sexta-feira (2). Reprodução O período de inscrição no Programa Universidade Para Todos (Prouni) termina às 23h59 desta sexta-feira (2). Os inscritos têm até este horário para mudar as opções de curso se assim desejarem. (Veja mais abaixo.) O prazo da etapa na primeira edição do programa no ano foi ampliado pelo Ministério da Educação (MEC) após instabilidade e problemas técnicos no sistema de inscrição e o atraso nos resultados do Sisu 2024. Os interessados devem se inscrever pelo site http://acessounico.mec.gov.br/prouni. É preciso entrar no Acesso Único utilizando o login gov.br com CPF e senha. Para participar, o candidato deve ter realizado o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2022 ou 2023, ter obtido média mínima de 450 pontos nas áreas de conhecimento e nota superior a zero na redação. (Veja os critérios detalhados mais abaixo.) 📈 O que é o Prouni? Por meio do processo seletivo, alunos de baixa renda podem pleitear bolsas de estudo parciais e integrais em instituições de ensino superior privadas. 📅 Datas do ProUni 2024 Inscrições: de 29 de janeiro a 2 de fevereiro Resultado da primeira chamada: 6 de fevereiro Resultado da segunda chamada: 27 de fevereiro Manifestação de interesse na lista de espera: 14 e 15 de março Resultado da lista de espera: 18 de março 📝 Como funciona O candidato deve indicar, em ordem de preferência, até duas opções de curso (selecionando a instituição de ensino e o turno). Depois, é necessário marcar se quer participar na modalidade de ampla concorrência ou de cotas. Por fim, precisa monitorar, a cada dia, a nota parcial para aqueles cursos. Se quiser, pode mudar suas escolhas (valerá a última opção marcada antes do fim do período de inscrição). Se o candidato estiver dentro da nota de corte e conseguir uma das vagas ao final do prazo de inscrição, ele constará como pré-selecionado. 📚 Quem pode se inscrever Pode se inscrever o candidato que realizou o Enem 2022 ou 2023 e obteve média mínima de 450 pontos nas áreas de conhecimento e nota superior a zero na redação. Além disso, é preciso atender a pelo menos um dos pontos abaixo: Ter cursado o ensino médio completo em escola da rede pública; Ter cursado o ensino médio completo em escola privada como bolsista integral; Ter cursado o ensino médio parcialmente em escola da rede pública e parcialmente em instituição privada, na condição de bolsista integral; Ter cursado o ensino médio parcialmente em escola da rede pública e parcialmente em instituição privada com bolsa parcial ou sem a condição de bolsista; ou Ter cursado o ensino médio completo em escola privada com bolsa parcial da respectiva instituição ou sem a condição de bolsista; Ser pessoa com deficiência, na forma prevista na legislação; ou Ser professor da rede pública de ensino, exclusivamente para os cursos de licenciatura e pedagogia, destinados à formação do magistério da educação básica. 💰 Renda Para concorrer às bolsas integrais, o estudante deve ter renda familiar bruta mensal per capita de até um salário mínimo e meio (R$ 2.118 por pessoa). Para as bolsas parciais, o limite da renda familiar bruta mensal per capita é de três salários mínimos (R$ 4.236 por pessoa). 👉🏾 Como calcular a renda familiar bruta mensal por pessoa? Para saber se o aluno se encaixa nos critérios de renda, deve somar os salários de todos os que moram com ele e, depois, dividir pelo número de componentes do grupo. Por exemplo: pai (R$ 2,3 mil por mês), mãe (R$ 1,7 mil por mês), candidato do Prouni (sem renda) e irmão mais novo (sem renda). Somando os valores, chega-se ao total mensal de R$ 4 mil. Depois, dividindo pelos 4 membros da família, o resultado é R$ 1 mil. Esse é o valor que deve ser tomado como referência pelo Prouni. Como está abaixo de 1,5 salário mínimo per capita (R$ 2.118), o candidato poderá concorrer à bolsa de estudos integral.
Veja Mais

01/02 - Estudante da rede pública consegue aprovações nos cursos de direito da Ufba e medicina da Uneb
Cauã Góes Santos Nascimento, de 17 anos, optou por realizar sonho de ser médico. Lista de aprovados pelo Sisu foi divulgada pelo Ministério da Educação (MEC) na quarta-feira (31). Estudante da rede pública consegue aprovações nos cursos de direito na Ufba e medicina na Uneb Diulgação/SEC Cauã Góes Santos Nascimento, estudante da rede pública, conseguiu aprovações nos cursos de direito, na Universidade Federal da Bahia (Ufba), e medicina, na Universidade do Estado da Bahia (Uneb), por meio do processo seletivo de 2024 do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). 📱 NOTÍCIAS: faça parte do canal do g1BA no WhatsApp O adolescente de 17 anos concluiu o Ensino Médio no final de 2023, no Colégio de Aplicação Anísio Teixeira, em Salvador. A lista de aprovados pelo Sisu foi divulgada pelo Ministério da Educação (MEC) nessa quarta-feira (31). Após falha no site do Sisu, aprovados 'perdem' vaga no dia seguinte: 'Já tinha comemorado nas redes', diz aluna O estudante optou por cursar medicina na Uneb, já que não havia condições de estudar os dois cursos simultaneamente. “Vou cursar Medicina. Estou muito feliz com as minhas conquistas. Mas vou optar pelo curso da Uneb por ser a carreira médica um caminho mais seguro e gratificante”, disse o estudante. Segundo Cauã Góes, o curso de medicina foi escolhido porque ele é uma pessoa que "depende dos sistemas públicos de Educação e de Saúde". "Vejo de perto a necessidade de, ao me tornar médico, atuar nos serviços públicos para atender a população que deles necessita. A Medicina, na minha visão, tem um papel de transformar e proporcionar qualidade de vida para as pessoas". Veja mais notícias do estado no g1 Bahia. Assista aos vídeos do g1 e TV Bahia 💻
Veja Mais

01/02 - Após falha no site do Sisu, aprovados 'perdem' vaga no dia seguinte: 'Já tinha comemorado nas redes', diz aluna
Resultados foram divulgados na terça-feira (30), mas site do Sisu saiu do ar. MEC alegou "falha técnica" e adiou a publicação. No dia seguinte, alunos que achavam que tinham passado ficaram de fora da lista final. Khauany chegou a postar no Instagram que havia sido aprovada. No dia seguinte, seu nome saiu da lista de classificados. Arquivo pessoal/Reprodução/MEC Na manhã de terça-feira (30), Khauany Freitas, de 18 anos, entrou no site do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e viu a mensagem com que tanto sonhava: "Parabéns, você foi selecionada na chamada regular". Ela postou no Instagram: "Caloura da UFF [Universidade Federal Fluminense]!!!! Obrigada a Deus e a todas as pessoas que me ajudaram!". Nos braços, escreveu "ciências biológicas" com tinta (nome do curso em que havia sido aprovada na modalidade de cotas). Até que houve uma reviravolta: assim como outros candidatos, por um erro do Ministério da Educação (MEC), Khauany "perdeu" a vaga no dia seguinte. "O site mostrou que eu não tinha passado na faculdade. Fiquei muito frustrada, tive uma crise de ansiedade e só consegui controlar por meio de remédios", conta. Veja, em resumo, o que aconteceu: O resultado do Sisu, segundo o edital, estava marcado para sair em 30 de janeiro. Alguns estudantes conseguiram visualizar a lista de aprovados na manhã daquele dia, até que a página ficou instável e saiu do ar. Às 20h da mesma data, sem dar detalhes, o MEC informou que "identificou problemas técnicos no sistema e reiniciou os protocolos de homologação", adiando a divulgação dos resultados para quarta-feira (31). Quando, na quarta, as listas definitivas finalmente foram divulgadas, a classificação estava diferente da exibida no dia 30. Estudantes aprovados na véspera — e que chegaram a pintar o rosto com tinta, em comemoração, e a dividir a notícia com os amigos e familiares — caíram posições e descobriram que não haviam conquistado a vaga na universidade. Na sexta-feira (2), o MEC divulgou uma nota em que reconheceu que houve "uma divulgação indevida de resultados provisórios, ainda não homologados, durante 25 minutos" da manhã do dia 30 de janeiro. A pasta afirmou ainda que a "ocorrência está sendo rigorosamente apurada". A mesma frustração de perder a vaga foi sentida por Maria Eduarda Xavier, de 19 anos, que, de um dia para o outro, viu seu nome "desaparecer" da lista de aprovados em engenharia ambiental no Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (Cefet-MG). "Eu era a 3ª colocada de 3 vagas de cota [para alunos de escola pública]. Saí para comemorar com a família, mandei mensagem para as minhas melhores amigas, minha mãe postou nas redes... Minha avó [a entrevistada chora ao lembrar] ficou muito feliz de ver a última neta na faculdade. Até que, no dia seguinte, vi que não tinha passado", diz Maria Eduarda. "Meu mundo caiu." Maria Eduarda perdeu a vaga em engenharia ambiental e sanitária Arquivo pessoal/Reprodução/MEC 'Estou sem caminho', diz aluna que pensou ter sido aprovada No município de Lagarto (SE), Kamilly Giovanna, de 19 anos, ainda não teve coragem de contar para a mãe que, na verdade, não foi aprovada em estatística na Universidade Federal de Sergipe (UFS). No resultado de 30 de janeiro, o nome da jovem estava na 1ª colocação na modalidade de cotas. A página saiu do ar, mas Kamilly acreditou que estivesse tudo correto. No dia seguinte, no entanto, o site do Sisu passou a exibir a seguinte mensagem: "Você não foi selecionada na chamada regular". "Acabou meu dia. Estou péssima, muito angustiada. Estou sem caminho, sem direcionamento, não sei se volto a estudar ou se acredito na chance da lista de espera", diz, chorando. Kamilly pensou que tivesse passado em estatística na UFS Arquivo pessoal/Reprodução/MEC 'Obrigada por ser um lixo, Sisu, obrigada pelo sonho estragado', escreve candidata Em 30 de janeiro, Clara Letícia, de 18 anos, estava comemorando, no cursinho, a conquista da vaga em direito na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Foi nesse momento que descobriu que o site do Sisu estava fora do ar e que a lista de aprovados só voltaria a ser publicada no dia seguinte. Estudante tem nome retirado de lista de aprovados no Sisu no RN Quando, em 31 de janeiro, o MEC divulgou o resultado definitivo, Clara não estava mais classificada para sua 1ª opção — e nem tinha a possibilidade de tentar concorrer na lista de espera, porque havia sido selecionada na 2ª opção (relações internacionais). ➡️Pelas regras do Sisu, só pode concorrer à lista de espera quem não for aprovado em nenhuma das duas opções de curso marcadas na inscrição. "Eu me senti impotente e iludida. Não quis acreditar que aquilo estava acontecendo comigo", conta ao g1. Nas redes sociais, ela escreveu: "Obrigada por ser um lixo, SISU, obrigada pelo sonho estragado! Sonhei com minha aprovação À TOA. Tô devastada!". Clara Letícia havia até comemorado no cursinho sua aprovação em direito Arquivo pessoal/Reprodução/MEC 'Não tenho coragem de contar para as pessoas que, na verdade, não passei' Duas candidatas preferiram não ser identificadas na reportagem. "Não quero falar que sou eu. Eu já tinha postado e comemorado minha aprovação", diz uma das jovens, que ocupava, no dia 30, a última vaga de medicina de uma universidade federal. Em 31 de janeiro, o site do Sisu passou a mostrar que ela só terá chance se for convocada na lista de espera (ou seja, se algum dos classificados na 1ª chamada não fizer a matrícula). "Sempre participei do Sisu, e isso nunca tinha acontecido", conta. A outra estudante, de 17 anos, estava feliz com a aprovação em um curso de ciência e tecnologia no Rio Grande do Norte. Quando o MEC informou que os resultados "definitivos" sairiam só no dia seguinte, ela nem cogitou a possibilidade de ficar de fora. "Minha nota estava alta. Não me preocupei. Postei no Instagram e comecei a planejar minha mudança de cidade", diz. "Até que descobri, em 31 de janeiro, que meu nome não estava mais entre os aprovados. Chorei a noite toda. Agora, vou focar no Enem de novo." Na lista de espera, alunos caíram posições Em Macaé (RJ), Pedro Lora, de 19 anos, passou a manhã do dia 30 de janeiro atualizando a página do Sisu. Quando o resultado apareceu, ele descobriu que estava em primeiro lugar na reclassificação (ou seja, se alguém desistisse, ele seria o primeiro a ser chamado pela universidade). Chegou até a enviar uma mensagem para o pai: "Sou o 21º de 20. Uma única unidade de pessoa [na minha frente]". Só que, quando Pedro entrou novamente no site no dia seguinte, sua posição havia caído para 27º lugar. "Minhas chances diminuíram exponencialmente. A lista de engenharia elétrica não costuma 'rodar' tanto. Dá um sentimento de frustração: recebi uma injeção de expectativa e depois perdi tudo", afirma. Pedro Lora caiu posições na lista de espera para engenharia elétrica no Sisu Arquivo pessoal/Reprodução/MEC Vídeos
Veja Mais

01/02 - Estudante de Caruaru passa em 1º lugar em 4 instituições de ensino de Pernambuco
Ana Luísa também foi aprovada na Universidade de São Paulo (USP), em Ciências Sociais através do Enem-USP. Estudante de Caruaru foi aprovada em 3 universidades em primeiro lugar. Arquivo pessoal A estudante Ana Luísa Santos de França, de 18 anos, de Caruaru, Agreste de Pernambuco foi aprovada em primeiro lugar em quatro instituições de ensino de Pernambuco. A jovem é estudante de um escola particular do município e pretende cursar Direito. VEJA MAIS: Após anos estudando, jovem de Caruaru fica em 1º lugar em Medicina na UFPE: 'Sentimento indescritível' 'Quero lecionar e me tornar uma professora para ajudar outras pessoas', diz 1º lugar em medicina na UPE em Garanhuns Ana Luísa foi aprovada no curso de Direito, na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), no Recife, na Universidade de Pernambuco (UPE), em Sistema da Informação; e no curso de Engenharia Química, no Centro Universitário Tabosa de Almeida (Asces), em Caruaru. Ao g1, a estudante disse que no ano passado manteve uma rotina consistente de estudos na escola, prestando atenção nas aulas para revisar o que já havia aprendido em anos anteriores e absorver o conteúdo, para assim, não precisar estudar novamente com tanta intensidade para o Enem. "Ao longo do ano fiz cursinhos online de redação e matemática para ter um maior apoio. No segundo semestre intensifiquei as horas de estudo e passava aproximadamente 6 ou 7 horas fazendo exercícios, estudando os conteúdos mais importantes para o Enem", disse. Com todo o esforço, a recompensa chegou, e a estudante conta que além da aprovação em primeiro lugar em 4 instituições de ensino, ela também foi aprovada no curso de Ciências Sociais, na Universidade de São Paulo (USP), uma das mais concorridas do país, através do Enem-USP. "Deixei de sair diversas vezes para estudar, começava à tarde e terminava só de noite. A preparação mental foi construída com o tempo, meu esforço nos estudos me deu cada vez mais confiança de que conseguiria um bom resultado", contou.
Veja Mais

01/02 - Após anos estudando, jovem de Caruaru fica em 1º lugar em Medicina na UFPE: 'Sentimento indescritível'
Resultado da aprovação de Maria Kamyla foi divulgado na lista oficial do Sisu 2024, que saiu na última quarta-feira (31). Maria Kamyla foi aprovada em primeiro lugar em Medicina na UFPE em Caruaru Arquivo pessoal A estudante Maria Kamyla, de 21 anos, conquistou o primeiro lugar no processo seletivo do Sisu 2024 para o curso do Medicina da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), no campus de Caruaru, no Agreste. Há anos estudando e se preparando para o processo seletivo, a aluna não conseguiu passar por pouco em 2023, mas não desistiu do sonho. Maria Kamyla concluiu o curso técnico integrado de Segurança do Trabalho no Instituto Federal de Pernambuco (IFPE). Foi durante o curso que ela se apaixonou pela matéria de Atendimento Pré-Hospitalar. "Tínhamos a possibilidade de cuidar e melhorar a qualidade de vida das pessoas, isso me encantou", disse a estudante. Após concluir o curso, na metade de 2021, Maria continuou estudando em preparação para as provas do Enem. Ela contava com ajuda de professores de cursinhos preparatórios de redação e literatura, estudava também por meio de plataformas digitais e fazia simulados. No ano passado, Maria Kamyla chegou a ficar em terceiro lugar na lista de espera do curso de Medicina na UFPE em Caruaru. No entanto, só uma pessoa da lista entrou na vaga e a estudante ficou de fora. Começou então mais uma preparação para as provas do ano seguinte que, além dos estudos, contou com acompanhamento psicológico. "Acredito que um dos principais fatores que ajudaram meu crescimento foi mudar a forma que encarava o Enem, não como um inimigo mas sim como uma porta para alcançar meu sonho", afirmou Maria Kamyla. O resultado do Sisu foi publicado na última quarta-feira (31). O nome em primeiro lugar na lista foi, para Maria Kamyla, a recompensa pelo esforço de tantos anos estudando e se preparando. "Tudo isso é um sentimento indescritível, você ver todo seu esforço e dedicação enfim serem recompensados é muito especial", disse. Maria Kamyla foi aprovada em primeiro lugar em Medicina na chamada regular do Sisu Reprodução/Sisu O auxílio de quem estava perto durante os anos de preparação foi fundamental. A estudante contou que contou com a ajuda de professores e também da família e dos amigos que estavam por perto na torcida pela aprovação. "Sempre fui incentivada pelos meus pais e meu irmão a seguir meu sonho, seja qual fosse, eles acreditavam mais em mim do que eu mesma, por isso essa conquista não é só minha, mas deles também, que sempre deram tudo de si para que eu alcançasse meu sonho", disse Maria Kamyla. Ao observar os anos passados, eu percebo que foi um processo de desenvolvimento pessoal e acadêmico que me levou a essa conquista tão sonhada. No ano passado eu fiquei em terceiro na lista de espera, mas abriu apenas uma vaga , e percebi que estava muito próxima de realizar meu sonho. Então nesse ano de 2023 me dediquei em observar minhas dificuldades e trabalhar em cima delas.
Veja Mais

01/02 - MEC oficializa reajuste de 3,6% no piso salarial de professores; valor será de R$ 4.580,57
Salário é válido para rede pública de todo país, com jornada de ao menos 40 horas semanais. Pagamento é obrigatório, mas estados e municípios têm que republicar portarias; prefeituras têm ignorado reajuste do governo federal. Sala de aula Divulgação/Governo do Maranhão O Ministério da Educação (MEC) reajustou nesta quarta-feira (31) o piso salarial nacional de professores da educação básica. A portaria, que prevê um aumento de 3,62%, foi publicada em edição extra do “Diário Oficial da União”. O valor mínimo definido pelo governo para 2024 foi de R$ 4.580,57. Em 2023, vigorou um piso de R$ 4.420,55. Esse salário é válido para profissionais que lecionam na rede pública de ensino e cumprem jornada de ao menos 40 horas semanais. O reajuste percentual está abaixo do acumulado do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, no último ano — 4,62%. A atualização no salário dos professores é obrigatória, com base em uma lei sancionada em 2008, e ocorre anualmente, em janeiro. O percentual reajustado nesta quarta já era aguardado por entidades da educação desde o fim de 2023, quando o MEC e o Ministério da Fazenda publicaram o reajuste do Valor Aluno Ano do Fundeb (VAAF). Isso porque o cálculo da atualização do piso é baseado na diferença percentual do VAAF de dois anteriores. Neste ano, o reajuste foi calculado com base nos valores de 2022 (R$ 5.129,80) e de 2023 (R$ 5.315,56). Entenda como funciona o piso salarial dos professores Pagamento do piso O piso salarial, que é o valor mínimo que determinada categoria profissional deve ganhar, é definido pelo governo federal, mas os salários são pagos pelas prefeituras e pelos governos estaduais. O pagamento não é automático. Com a publicação do aumento pelo MEC, cada estado e município precisa oficializar o novo valor por meio de uma norma própria. Nos últimos anos, contrariados com o percentual de reajuste, municípios chegaram a ignorar o aumento. Em 2023, por exemplo, a Confederação Nacional dos Municípios (CNM) orientou os gestores municipais a ignorar o aumento anunciado pelo governo federal (entenda mais abaixo). Os salários da educação básica são pagos pelas prefeituras e estados, a partir de recursos do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) repassados pela União, além da arrecadação de impostos. Polêmica do reajuste em 2023 Ministro da Educação anuncia reajuste de quase 15% no piso salarial dos professores No ano passado, o reajuste definido pelo MEC foi de 14,95% com relação ao piso de 2022, valor considerado abusivo e questionável pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM), que orientou as prefeituras a não dar o reajuste. Na mesma ocasião, a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) defendeu que o reajuste era respaldo por lei, enquanto o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), que reúne as secretarias estaduais, ponderou que as regras que definem o aumento eram conhecidas desde a implementação legal do piso. Como as gestões municipais e estaduais têm liberdade para estabelecer seus reajustes, a saída foi variada. Enquanto em São Paulo, tanto a rede estadual quanto a municipal da capital autorizaram o reajuste integral recomendando pelo Ministério, em Campo Grande (MS), foi fatiado em três reajustes de 5%, 5% e 4,95% até atingir o aumento definido. Em alguns lugares, como Fortaleza (CE), professores a rede municipal chegaram a fazer uma paralização até que a prefeitura concordasse com o reajuste de 14,95%.
Veja Mais

01/02 - Jovem passa em medicina na UFCG após oito tentativas: 'Essa era a minha última'
Filho de uma professora e de um caminhoneiro, Emmanuel conta como a família foi importante, enfatiza a importância da saúde mental, dá dicas para o Enem e deixa mensagem para quem tem um sonho parecido. Emmanuel estudando com provas anteriores do Enem Emmanuel Almeida Carvalho/Arquivo pessoal "É justo que muito custe o que muito vale". Foi nessa frase de Santa Tereza D'ávila que Emmanuel Almeida Carvalho, de 24 anos, encontrou força e conforto para estudar até conseguir passar no curso dos sonhos. Após oito tentativas, ele foi aprovado no Sisu 2024 e ocupa a 3ª posição na lista de "feras" do curso de medicina na Universidade Federal de Campina Grande, cidade onde nasceu e mora. Compartilhe esta notícia pelo Whatsapp Compartilhe esta notícia pelo Telegram Ao todo, o jovem fez o Enem nove vezes. A primeira, em 2015, ainda no ensino médio em uma escola privada, foi apenas um treino. Entre 2016 e 2023 as provas foram feitas para valer. Depois de tanto esforço, em alguns momentos faltam até palavras que possam explicar a alegria de receber a notícia da aprovação. "É indescritível, é uma felicidade imensa. Parece que tirei uma tonelada das minhas costas. Cada frustração que senti, negação, pontuação que chegava perto. Bati muitas vezes na trave e era muito angustiante esse processo. Essa era a minha última tentativa, de fato", revelou. Estudar medicina é um sonho alimentando pelo jovem desde os 5 anos de idade. A admiração pela profissão surgiu por meio de familiares que são médicos. LEIA TAMBÉM: Estudante que tirou nota máxima em Matemática respondia 100 questões por dia Nota máxima em matemática, estudante dá dicas de como estudar "Eu via um atendimento altruísta, humanizado. Eles estavam sempre dispostos a ajudar outras pessoas. Achei uma profissão muito bonita. Desde criancinha sempre tive esse olhar apaixonado pela medicina", contou. Emmanuel passou em medicina na UFCG oitava tentativa Emmanuel Almeida Carvalho/Arquivo pessoal Se as notas atingidas no Enem não eram suficientes para alcançar o sonho do paraibano, eram o bastante para passar em outros cursos, a exemplo de odontologia e farmácia. Mesmo assim, o objetivo nunca mudou. "Depois de várias tentativas, a nota sempre dava pra passar em odonto. E muita gente ficava perguntando se eu não deveria fazer [odontologia]. Ficava pensativo, mas sempre buscando meu sonho", lembrou. A importância do apoio da família Desde que Emmanuel, que é filho de uma professora e de um caminhoneiro, começou a tentar ser aprovado em medicina, contou com um apoio especial e, além disso, essencial. A mãe, o pai e o irmão sempre tinham uma palavra de incentivo. "Principalmente da minha mãe. Quando tava prestes a desistir, estava triste, olhava pra ela, e ela falava coisas que me deixavam alegre. E isso mudava meu sentimento", detalhou. Emmanuel comemorando a aprovação em medicina com a mãe Emmanuel Almeida Carvalho/Arquivo pessoal O irmão do paraibano também o ajudou na caminhada, que não foi curta. Os filmes assistidos com ele foram usados como repertório em várias redações do Enem. Além disso, o jovem ainda tinha exemplos com quem contar. Dois tios dele, que hoje são médicos, levaram de seis a sete anos para que pudessem passar no vestibular. "Eu conhecia o processo e sabia que não seria fácil, que não era mágica e não aconteceria num estalar de dedos. Sabia que tinha que ter uma constância. Porque a hora chega pra todo mundo, mas você tem que estar preparado e não desperdiçar quando chegar a sua hora", destacou. Erros e acertos ao longo de oito tentativas Emmanuel tem certeza que o que mais o prejudicou durante os estudos para o Enem foi negligenciar os cuidados com a saúde mental que, para ele, se mostrou essencial para uma boa preparação e também para amenizar a ansiedade na hora da prova. O único ano em que esse aspecto foi trabalhado foi em 2023, que o levou até a aprovação. O suporte psicológico partiu da terapeuta da equipe de assessoria que Emmanuel fez parte como aluno e monitor, função que fez com que ele conseguisse um desconto e pudesse também ter acesso ao serviço. "Assim você tem um direcionamento pra fazer a prova, sobre o que funciona pra você", reforçou. Emmanuel comemorando a aprovação com a terapeuta Letícia, que o ajudou nos estudos Emmanuel Almeida Carvalho/Arquivo pessoal Dicas para quem está no processo de estudos Com anos de experiência acumulada, o "fera" de medicina tem dicas para compartilhar com quem vai começar a estudar ou quem ainda não alcançou o resultado que espera no Enem. "Quem tá começando tem que ter uma base, assistir aula, prestar atenção nos professores. Quem tá mais adiantando tem que fazer mais questões e simulados", recomendou. Os simulados surtiram um bom efeito nos estudos de Emmanuel. Somente em 2023, eles resolveu pelo menos 60 deles. Outras orientações do paraibano são identificar em qual horário do dia os estudos rendem mais, praticar atividades físicas e ter momentos de lazer. Para ele, funcionou bem ir ao cinema cerca de duas vezes por mês. "O importante é você aproveitar a jornada. Não adianta só pensar na aprovação. Sua hora chega. Estude, persista. Seu sonho é muito importante. Batalhe e conquiste e conquiste ele. A hora de cada um vai chegar", concluiu. Emmanuel comemorando a aprovação em medicina com o assessor Dyjavan, que o ajudou nos estudos Emmanuel Almeida Carvalho/Arquivo pessoal Vídeos mais assistidos do g1 Paraíba
Veja Mais

01/02 - Desafio LED + g1 abre inscrições para propostas de como resolver problemas educacionais com tecnologia; prêmios somam R$ 300 mil
Pela primeira vez, Desafio LED será feito em parceria com o g1. Inscrições são gratuitas e ficam abertas até o dia 31 de março. Desafio Led + g1 Divulgação As inscrições para a terceira edição do Desafio LED + g1, que vai premiar ideias para ajudar a solucionar problemas na educação, foram abertas nesta quinta-feira (1º). Os cinco projetos finalistas vão dividir, de forma não igualitária, o prêmio no valor de R$ 300 mil. Quem pode se inscrever? Todos os estudantes maiores de idade, residentes no Brasil, com comprovação de matrícula ativa no primeiro semestre de 2024 em cursos com grade curricular mínima de 100 horas/aula. O que é preciso? Os estudantes devem atender a todos os pré-requisitos do regulamento e responder à seguinte questão: “Partindo da sua experiência pessoal, qual solução você desenvolveria para melhorar a utilização da tecnologia na educação?” Qual o prêmio? As cinco melhores soluções criativas para problemas educacionais serão premiadas com um valor total de R$ 300 mil. Onde fazer a inscrição? As inscrições para a terceira edição do Desafio LED são gratuitas e ficam abertas até 31 de março, no site www.movimentoled.com.br. O desafio é parte do Movimento LED - Luz na Educação, iniciativa da Globo e da Fundação Roberto Marinho com parceria da Mastertech, escola de pensamento digital, ágil, lógico e humano. Neste ano, pela primeira vez, o Desafio LED será feito também em parceria com o g1, que vai contar com uma cobertura exclusiva para os inscritos acompanharem todas as etapas do processo. O objetivo do Desafio LED + g1 é desenvolver soluções educacionais que sejam baseadas em questões reais, que afetem o dia a dia dos alunos e seu impacto no cotidiano pessoal, familiar e social de todos. Como será a seleção dos projetos vencedores? Uma equipe especializada da Mastertech vai analisar as soluções inscritas, seguindo o seguinte cronograma: Na primeira etapa, serão selecionados 80 projetos; Durante quase três meses, os escolhidos serão capacitados e receberão mentoria por meio de acompanhamentos, workshops e uma oficina de inovação sobre modelagem, concedidos por especialistas da Mastertech; Ao final, cinco finalistas são levados ao Festival LED, evento gratuito que acontece no Rio de Janeiro, onde terão a oportunidade de apresentar suas ideias a um corpo de jurados; A banca escolherá a classificação e os prêmios serão divididos assim: R$ 85 mil para os dois primeiros lugares, R$ 60 mil para o terceiro, R$ 40 mil para o quarto e R$ 30 mil para o quinto. Acesse o regulamento completo neste link (https://docs.google.com/document/d/e/2PACX-1vTiexhiAdelUtL7qXEZpPMKZZd0y0_PpX2CqBKIFOIgyAjHfyx0jB72yw3xUql8DBfpyhq6XXI7Blch/pub)
Veja Mais

31/01 - Prouni 2024: MEC prorroga prazo de inscrição até sexta-feira
Programa oferece bolsas de estudo integrais e parciais em instituições particulares de ensino superior. Prazo aumentou em um dia após atraso no Sisu. Sala de aula da rede municipal de Vitória André Sobral/Prefeitura de Vitória O Ministério da Educação prorrogou para até sexta-feira (2) o período de inscrição para o processo seletivo do Programa Universidade Para Todos (Prouni). A prorrogação acontece após instabilidade e problemas técnicos no sistema de inscrição e o atraso nos resultados do Sisu 2024. Os interessados devem se inscrever pelo site http://acessounico.mec.gov.br/prouni até às 23h59. É preciso entrar no Acesso Único, utilizando o login gov.br com CPF e senha. Para participar, o candidato deve ter realizado o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2022 ou 2023, ter obtido média mínima de 450 pontos nas áreas de conhecimento e nota superior a zero na redação. (Veja os critérios detalhados mais abaixo.) 📈O que é Prouni? Por meio do processo seletivo, alunos de baixa renda podem pleitear bolsas de estudo parciais e integrais em instituições de ensino superior privadas. 📅 Datas do ProUni 2024 Inscrições: de 29 de janeiro a 2 de fevereiro Resultado da primeira chamada: 6 de fevereiro Resultado da segunda chamada: 27 de fevereiro Manifestação de interesse na lista de espera: 14 e 15 de março Resultado da lista de espera: 18 de março 📝 Como funciona O candidato deve indicar, em ordem de preferência, até duas opções de curso (selecionando a instituição de ensino e o turno). Depois, é necessário marcar se quer participar na modalidade de ampla concorrência ou de cotas. Por fim, precisa monitorar, a cada dia, a nota parcial para aqueles cursos. Se quiser, pode mudar suas escolhas (valerá a última opção marcada antes do fim do período de inscrição). Se o candidato estiver dentro da nota de corte e conseguir uma das vagas ao final do prazo de inscrição, ele constará como pré-selecionado.
Veja Mais

31/01 - Sisu 2024: resultados estão disponíveis; saiba como consultar lista de aprovados
Pela primeira vez, o programa terá apenas uma edição no ano. Para quem não for aprovado, ainda será possível participar da lista de espera. Página do MEC mostra a lista de selecionados na chamada regular do SISU 2024. Reprodução Os resultados do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) 2024 foram divulgados na tarde desta quarta-feira (31), após adiamento de um dia pelo Ministério da Educação (MEC). Para consultar as listas de aprovados, é preciso entrar site do programa (https://acessounico.mec.gov.br/sisu). A publicação deveria ter sido feita na tarde de terça-feira (30), mas acabou adiada por problemas técnicos. Para que serve? Por meio da nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), o Sisu seleciona candidatos para universidades públicas do país. 📊 Neste ano, o programa trouxe duas mudanças importantes: Apenas uma edição: haverá uma edição no ano, só agora em janeiro. Não ocorrerá mais o processo seletivo que era realizado no meio do ano. As regras para a adesão por meio de cotas também mudaram (veja mais abaixo). Abaixo, veja o que fazer caso você: ➡️seja aprovado: Faça a matrícula na instituição de ensino de 2 a 7 de fevereiro de 2024. ➡️não seja aprovado: No site do Sisu, manifeste interesse em participar da lista de espera entre 31 de janeiro e 7 de fevereiro de 2024. Os resultados serão divulgados por cada faculdade. 5 cuidados para tomar ao se inscrever no Sisu 🗓️ Datas do Sisu Pela primeira vez, o Sistema de Seleção Unificada terá uma edição única. Com isso, a seleção de candidatos para o segundo semestre letivo de 2024 vai acontecer nas mesmas datas da seleção para o primeiro semestre. Portanto, para todos que quiserem se candidatar a vagas em universidades públicas pelo Sisu neste ano, o cronograma será o seguinte: Resultados da 1ª chamada: inicialmente previsto para 30 de janeiro de 2024, foi adiado para 31 de janeiro Matrículas: 2 a 7 de fevereiro de 2024 Participação na lista de espera: manifestar interesse entre 31 de janeiro e 7 de fevereiro de 2024 Resultado das listas de espera: datas serão definidas por cada universidade ➡️ Quem está apto a participar? Alunos que tenham feito o Enem 2023 e tirado nota acima de zero na redação. Treineiros não serão aceitos. ➡️ Posso escolher em qual semestre vou entrar na faculdade? Não. Caberá à universidade, por meio da ordem da lista de classificação de candidatos, selecionar quem estudará em cada semestre. 📚 Opções de vaga No ato da inscrição, o candidato teve de selecionar até duas opções de curso ou universidade, que puderam ser alteradas até as 23h59 da última quinta-feira (25), quando o prazo de inscrição se encerrou. Valeram as últimas opções marcadas no sistema. Entenda aqui como as notas de corte parciais do Sisu são calculadas 📝 Mudança nas cotas O Sisu oferece vagas via Lei de Cotas para pretos, pardos, indígenas, quilombolas e pessoas com deficiência. Mas, neste ano, foram anunciadas algumas mudanças para a candidatura a essas vagas: Todos os candidatos concorrerão, primeiramente, às vagas de ampla concorrência. Caso não alcancem as notas nesta modalidade e façam parte de algum dos grupos de cotas (os critérios são de raça e de renda), aí, sim, entrarão na disputa pelo benefício. Com isso, se uma pessoa autodeclarada preta, por exemplo, tirar uma nota mais alta que a exigida na ampla concorrência, será aprovada na "lista geral" e não tirará a vaga de um cotista com desempenho mais baixo. Até o Sisu 2023, quem tinha direito às cotas já participava, desde o início, de uma classificação à parte, separada da ampla concorrência. 📌 Total de vagas do Sisu Neste ano, o Sisu contará com 264.181 vagas, distribuídas entre 6.827 cursos de 127 instituições de educação superior. A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) lidera a lista com 9.240 vagas. Quantitativo de vagas por instituição Vídeos Em 2024, SISU terá apenas uma edição Neste ano, o r terá apenas uma edição — só em janeiro, sem o processo seletivo que usualmente ocorre no meio do ano.
Veja Mais

31/01 - Unesp 2024: lista de aprovados em primeira chamada é divulgada; veja como consultar
Matrícula deverá ser feita de forma on-line no site da Vunesp ou da Sigrad. Campus da Unesp em Rio Claro Reprodução/EPTV/Arquivo A Universidade Estadual Paulista (Unesp) divulgou nesta quarta-feira (31) a lista de aprovados em primeira chamada do Vestibular 2024. CLIQUE AQUI PARA VER A LISTA DE APROVADOS EM 1ª CHAMADA A previsão era que a divulgação fosse feita às 10h, mas o site da Unesp chegou a ficar congestionado e a normalização foi feita por volta das 10h40. A consulta dos aprovados também pode ser feita na página da Fundação Vunesp. CLIQUE AQUI PARA VER A LISTA GERAL DOS CANDIDATOS CLASSIFICADOS NO VESTIBULAR UNESP 2024 Quando será e como fazer a matrícula na Unesp? A matrícula da 1ª chamada será realizada de 1º a 5 de fevereiro, de forma virtual, pelo site da Vunesp ou diretamente pelo Sistema de Graduação da Unesp (Sigrad), no endereço http://sistemas.unesp.br/calouros. No mesmo período, também de 1º a 5 de fevereiro, serão feitas as matrículas dos aprovados na 1ª chamada da 'Olimpíadas Científicas Unesp 2024'. LEIA TAMBÉM: Sisu 2024 na UFSCar: confira lista dos 2.917 aprovados em 66 cursos 'Unesp 2024': resultado do vestibular é divulgado nesta quarta-feira (31) Os cursos do Vestibular Unesp 2024 são oferecidos nas seguintes cidades: Araçatuba - 26 vagas; Araraquara - 764 vagas; Assis- 352 vagas; Bauru- 992 vagas; Botucatu - 538 vagas; Dracena - 70 vagas Franca - 369 vagas; Guaratinguetá - 274 vagas; Ilha Solteira - 265 vagas; Itapeva - 66 - vagas; Jaboticabal - 252 vagas; Marília - 400 vagas; Ourinhos - 54 vagas; Presidente Prudente - 529 vagas; Registro - 64 vagas; Rio Claro - 423 vagas; Rosana - 58 vagas; São João da Boa Vista - 70 vagas; São José do Rio Preto - 391 vagas; São José dos Campos - 108 vagas; São Paulo - 185 vagas; São Vicente - 72 vagas; Sorocaba - 72 vagas; Tupã - 102 vagas. LEIA TAMBÉM: Enem USP 2024: pré-matrículas começam nesta terça; veja lista de aprovados em primeira chamada Prouni 2024: região tem mil bolsas em diversos cursos de faculdades; veja como se inscrever Enem PPL: Araraquara e região têm 140 presos aprovados no Enem PPL: 'início da realização do sonho', diz detento Calendário das próximas chamadas da Unesp 🗓️ 2ª Chamada: 7 de fevereiro Matrícula 2ª Chamada: das 16h do dia 7 até às 18h do dia 9 de fevereiro Período para inclusão de curso de 2ª opção: de 7 a 14 de fevereiro, os candidatos classificados e não matriculados poderão se inscrever para uma segunda opção de curso. Exclusivamente pela internet no endereço eletrônico www.vunesp.com.br. 3ª Chamada: 15 de fevereiro Matrícula 3ª Chamada: das 16h do dia 15 até às 18h do dia 16 de fevereiro 4ª Chamada: 19 de fevereiro Matrícula 4ª Chamada: das 16h do dia 19 até às 18h do dia 20 de fevereiro 5ª Chamada: 21 de fevereiro Matrícula 5ª Chamada: das 16h do dia 21 até às 18h do dia 22 de fevereiro 6ª Chamada: 23 de fevereiro Matrícula 6ª Chamada: das 16h do dia 23 até às 18h do dia 26 de fevereiro 7ª Chamada: 27 de fevereiro Matrícula 7ª Chamada: das 16h do dia 27 até às 18h do dia 28 de fevereiro 8ª Chamada: 29 de fevereiro Matrícula 8ª Chamada: das 16h do dia 29 de fevereiro até às 18h do dia 5 de março Preenchimento de vagas remanescentes pelas notas do Enem: de 29 de fevereiro a 5 de março, interessados podem declarar interesse em vagas remanescentes utilizando as notas obtidas no Enem. A seleção será tratada em um edital que ainda será publicado. 9ª Chamada: 6 de março Matrícula 9ª Chamada: das 16h do dia 6 até às 18h do dia 8 de março 10ª Chamada: 11 de março Matrícula 10ª Chamada: das 16h do dia 11 até às 18h do dia 12 de março Vagas remanescentes Candidatos que fizeram o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2022 ou 2023 também podem tentar pleitear uma vaga na Unesp por meio das vagas remanescentes. Nessa modalidade, o candidato não precisa ter feito o vestibular da Unesp. O período para os interessados declararem interesse e participarem das chamadas seguintes vai de 29 de fevereiro a 5 de março, após a sétima chamada regular do Vestibular Unesp. O cadastramento será feito pelo site da Vunesp. A Unesp Campus Unesp de Bauru. Paola Patriarca/ g1 A Unesp é uma universidade pública e gratuita que está entre as maiores e melhores do país e da América Latina. Presente em 24 cidades do Estado de São Paulo, com 34 unidades universitárias, desenvolve atividades de ensino, pesquisa e extensão universitária em todas as grandes áreas do conhecimento. Criada em 1976, a Universidade tem aproximadamente 54 mil estudantes, entre alunos de graduação e pós-graduação (stricto sensu). Oferece ainda cursos pré-vestibulares gratuitos e mantém programas de extensão abertos para a comunidade. Três escolas de ensino médio/técnico também são mantidas pela Unesp, que possui cerca de 1.900 laboratórios e 33 bibliotecas, além de cinco fazendas de ensino e pesquisa e três hospitais veterinários. REVEJA VÍDEOS DA EPTV: Veja mais notícias da região no g1 São Carlos e Araraquara.
Veja Mais

31/01 - Sensor de fumaça, câmeras escondidas: contra onda de vape, escolas dos EUA usam tecnologia de vigilância para castigar alunos
Os cigarros eletrônicos inundaram escolas de ensino fundamental e médio dos Estados Unidos. Os dispositivos possuem um vapor contendo concentrações mais elevadas de nicotina do que os cigarros de tabaco. Os dispositivos possuem um vapor contendo concentrações mais elevadas de nicotina do que os cigarros de tabaco. Jornal Nacional/ Reprodução Quando a estudante Aaliyah Iglesias foi pega fumando cigarro eletrônico em uma escola no Texas, nos Estados Unidos, ela não imaginou o que poderia acontecer. De uma hora para outra, seu trajetória no ensino médio— que incluía ser presidente do Conselho Estudantil, capitã da equipe de debates e ter bolsa de estudo — estavam em risco. Ao ser pega, Iglesias foi enviada para uma escola alternativa por 30 dias, onde os alunos fazem os cursos regulares, mas não frequentam as aulas. E foi informada de que poderia enfrentar acusações criminais. ✅ Clique aqui para seguir o canal de notícias internacionais do g1 no WhatsApp Assim como milhares de outros estudantes em todo os EUA, ela foi pega fumando na escola por equipamentos de vigilância que as instituições de ensino têm instalado — muitas vezes sem informar os alunos. Os cigarros eletrônicos inundaram escolas de ensino fundamental e médio dos Estados Unidos. Os dispositivos possuem um vapor contendo concentrações mais elevadas de nicotina do que os cigarros de tabaco. Escolas em todo o país têm investido milhões de dólares em tecnologia de monitoramento, incluindo verbas federais de ajuda emergencial de combate ao coronavírus para comprar sensores de fumaça. Esses sensores, com um custo de aproximadamente US$ 1.000 cada (cerca de R$ 4.900), auxiliavam no combate a pandemia, já que conseguem medir a qualidade do ar. Os estudantes podem receber US$ 50 por denunciarem colegas que usam vape. PF/Divulgação Algumas instituições também emparelharam câmeras de vigilância aos sensores. Dessa forma, quando o sensor é ativado, as câmeras capturam os estudantes saindo do banheiro, por exemplo. Aaliyah Iglesias se formou em maio em sua escola, e só descobriu que havia sensores na instituição de ensino depois que um supervisor entrou no banheiro enquanto ela usava o cigarro eletrônico. "Fiquei pasma", disse. O episódio que gerou a punição à estudante ocorreu em outra escola do Texas, a Athens High School, onde sua equipe de debate estava competindo em fevereiro. Iglesias foi ao banheiro fumar e, mais tarde, seu treinador disse que ela havia sido pega. Iglesias foi imediatamente retirada do torneio, e seu treinador disse que Aaliyah poderia enfrentar acusações porque já tinha 18 anos, idade de maioridade penal nos EUA. Ela foi enviada à escola alternativa porque era a punição mínima para alunos pegos fumando. Os estudantes pegos usando cigarro eletrônico também podem receber uma citação criminal de contravenção e ser multados em até US$ 100 (cerca de R$ 496). Estudantes com vapes contendo THC — substância psicoativa encontrada na planta da cannabis — podem ser presos. “Os sensores têm sido eficientes na detecção quando os alunos estão usando vape, permitindo-nos resolver o problema imediatamente”, afirmou uma instituição de ensino consultada pela agência de notícias Associated Press. As consequências para Aaliyah foram: renunciar ao cargo de presidente do Conselho Estudantil; deixar o posto de capitã; sair da National Honor Society, instituição que reconhece os estudantes que se destacam em assuntos escolares. Mesmo assim, ela ainda pôde fazer a formatura e permanecer na maioria de seus clubes estudantis, bem como manteve sua bolsa de estudos e agora estuda na faculdade Tyler Junior College. "Nunca mais farei algo assim, porque as repercussões que enfrentei foram horríveis", afirmou a estudante. "[Mesmo assim], as pessoas que fazem estas políticas e implementam estas coisas sentam-se numa sala e não andam pelos campi, nem veem se os resultados da ideia são eficazes". Venda dos sensores Os sensores não têm câmeras nem gravam áudio, mas podem detectar aumentos de ruído no banheiro de uma escola e "enviar um alerta de texto aos funcionários da escola", disse Rick Cadiz, vice-da HALO Smart Sensors, que vende 90% a 95% dos seus sensores para escolas. “Com o sensor, é possível combater a Covid-19 nas escolas e criar um ambiente de trabalho e aprendizado seguro, ao mesmo tempo que colhe os benefícios da detecção de vapor [do vape]”, afirmou a empresa. Agora, os sensores são vendidos para detectar fumaça do cigarro eletrônico e também para monitorar sons como tiros ou palavras-chave que indiquem possível prática de bullying. O vice-presidente da HALO disse estar ciente das preocupações com a privacidade em torno dos sensores. “[Mesmo assim], tudo o que estamos fazendo é alertar que algo está acontecendo. Você [só] precisa de alguém para investigar o ocorrido, após o alerta ser emitido.” Cigarro eletrônico. Reprodução/Jornal Nacional Estudantes x escolas Pelas redes sociais, estudantes de todo o país têm descrito formas de enganar os sensores. Alguns relatam cobri-los com filme plástico, enquanto outros dizem que sopram a fumaça nas roupas. E mesmo que algumas "saídas" não sejam tão eficazes, os aparelhos de monitoramento disparavam com tanta frequência que os supervisores das instituições achavam que era inútil revisar as imagens de segurança todas às vezes. Tanto que, na Coppell Independent School District, no Texas, por exemplo, os sensores fazem parte de uma estratégia de prevenção que inclui vídeos educativos e uma linha de denúncias. E, além disso, os estudantes podem receber US$ 50 por denunciarem colegas que usam vape. "Eles estavam se entregando a torto e a direito”, disse Jennifer Villines, diretora distrital de serviços para estudantes e funcionários.
Veja Mais

31/01 - Sisu 2024: após adiamento, MEC deve divulgar resultados nesta quarta-feira
Ministro informou que a divulgação será "no início da tarde". Pela primeira vez, programa terá só uma edição no ano. Quem não for aprovado pode participar da lista de espera. Os resultados do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) 2024 devem ser divulgados nesta quarta-feira (31). A publicação deveria ter sido feita na tarde de terça-feira (30), mas acabou adiada pelo Ministério da Educação (MEC) por problemas técnicos. Até a publicação desta reportagem, os resultados ainda não haviam sido divulgados. Em entrevista a um programa de rádio do governo na manhã desta quarta, o ministro Camilo Santana informou que a divulgação será feita "no início da tarde". As listas de aprovados ficarão disponíveis no site do programa (https://acessounico.mec.gov.br/sisu). Sobre o Sisu 2024 Para que serve? Por meio da nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), o Sisu seleciona candidatos para universidades públicas do país. São mais de 260 mil vagas em disputa. 📊 Neste ano, o programa trouxe duas mudanças importantes: Apenas uma edição: haverá uma edição no ano, só agora em janeiro. Não ocorrerá mais o processo seletivo que era realizado no meio do ano. As regras para a adesão por meio de cotas também mudaram (veja mais abaixo). Abaixo, veja o que fazer caso você: ➡️seja aprovado: Faça a matrícula na instituição de ensino de 1º a 7 de fevereiro de 2024. ➡️não seja aprovado: No site do Sisu, manifeste interesse em participar da lista de espera entre 30 de janeiro e 7 de fevereiro de 2024. Os resultados serão divulgados por cada faculdade. 5 cuidados para tomar ao se inscrever no Sisu 🗓️ Datas do Sisu Pela primeira vez, o Sistema de Seleção Unificada terá uma edição única. Com isso, a seleção de candidatos para o segundo semestre letivo de 2024 vai acontecer nas mesmas datas da seleção para o primeiro semestre. Portanto, para todos que quiserem se candidatar a vagas em universidades públicas pelo Sisu neste ano, o cronograma será o seguinte: Resultados da 1ª chamada: 30 de janeiro de 2024 (adiado para 31 de janeiro) Matrículas: 1º a 7 de fevereiro de 2024 Participação na lista de espera: manifestar interesse entre 31 de janeiro e 7 de fevereiro de 2024 Resultado das listas de espera: datas serão definidas por cada universidade ➡️ Quem está apto a participar? Alunos que tenham feito o Enem 2023 e tirado nota acima de zero na redação. Treineiros não serão aceitos. ➡️ Posso escolher em qual semestre vou entrar na faculdade? Não. Caberá à universidade, por meio da ordem da lista de classificação de candidatos, selecionar quem estudará em cada semestre. 📚 Opções de vaga No ato da inscrição, o candidato teve de selecionar até duas opções de curso ou universidade, que puderam ser alteradas até as 23h59 da última quinta-feira (25), quando o prazo de inscrição se encerrou. Valeram as últimas opções marcadas no sistema. Entenda aqui como as notas de corte parciais do Sisu são calculadas 📝 Mudança nas cotas O Sisu oferece vagas via Lei de Cotas para pretos, pardos, indígenas, quilombolas e pessoas com deficiência. Mas, neste ano, foram anunciadas algumas mudanças para a candidatura a essas vagas: Todos os candidatos concorrerão, primeiramente, às vagas de ampla concorrência. Caso não alcancem as notas nesta modalidade e façam parte de algum dos grupos de cotas (os critérios são de raça e de renda), aí, sim, entrarão na disputa pelo benefício. Com isso, se uma pessoa autodeclarada preta, por exemplo, tirar uma nota mais alta que a exigida na ampla concorrência, será aprovada na "lista geral" e não tirará a vaga de um cotista com desempenho mais baixo. Até o Sisu 2023, quem tinha direito às cotas já participava, desde o início, de uma classificação à parte, separada da ampla concorrência. 📌 Total de vagas do Sisu Neste ano, o Sisu contará com 264.181 vagas, distribuídas entre 6.827 cursos de 127 instituições de educação superior. A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) lidera a lista com 9.240 vagas. Quantitativo de vagas por instituição Vídeos Em 2024, SISU terá apenas uma edição Neste ano, o r terá apenas uma edição — só em janeiro, sem o processo seletivo que usualmente ocorre no meio do ano.
Veja Mais

31/01 - Como escrita à mão beneficia o cérebro e ganha nova chance em escolas
Aprender a escrever em cursivo parece ativar caminhos neurais importantes ao aprendizado; Califórnia volta a adotar a técnica em escolas a partir deste ano. Especialista diz que 'escrever letras em cursivo, especialmente em comparação com digitar, ativa caminhos neurais específicos que facilitam e otimizam o aprendizado'. GETTY IMAGES via BBC A partir de 2024, crianças do primeiro ao sexto ano de escolas públicas da Califórnia (EUA) estão novamente tendo de aprender a escrever em letra cursiva. Essa escrita à mão havia saído do currículo californiano em 2010, mas agora está de volta — movimento semelhante ao que ocorre em mais de 20 Estados americanos, em diferentes graus. A escrita cursiva — em que se escreve em uma letra parecida à itálica, sem necessariamente tirar o lápis do caderno — chegou a ser vista como uma técnica moribunda nos EUA. Agora, a decisão na Califórnia reacende debates educacionais e científicos a respeito do valor da escrita à mão, bem como dos benefícios ao cérebro e das implicações globais se essa técnica acabar caindo no esquecimento. A neurocientista Claudia Aguirre, que mora na Califórnia, diz que "mais e mais pesquisas sustentam a ideia de que escrever letras em cursivo, especialmente em comparação com digitar, ativa caminhos neurais específicos que facilitam e otimizam o aprendizado e o desenvolvimento da linguagem". No Brasil, a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) prevê o ensino da habilidade de se escrever em letra cursiva nos primeiros anos do ensino fundamental. Aprovação da Base Curricular do ensino médio leva desafio a estados; veja análise de nove especialistas Karin James, professora de Ciências Cerebrais e Psicológicas na Universidade de Indiana (EUA), aplica suas pesquisas em crianças de 4 a 6 anos. Ela identificou que aprender as letras por meio da escrita à mão ativa redes do cérebro que não são ativadas pela digitação num teclado. Isso inclui áreas cerebrais que têm papel crucial no desenvolvimento da leitura. Outra pesquisa, de autoria de Virginia Berninger (Universidade de Washington), também mostrou que a escrita cursiva, os materiais impressos e a digitação usam funções cerebrais relacionadas, porém diferentes. Além disso, no caso da digitação em teclado, os movimentos do dedo são os mesmos para qualquer tecla de letra. Como consequência, se apenas aprenderem a digitar, as crianças perderão a chance de desenvolver habilidades obtidas ao compreenderem e dominarem a capacidade de escrever. Um pequeno estudo italiano aponta que o ensino da cursiva a alunos de primeiro ano podem melhorar as habilidades de leitura. A despeito disso, o ensino da letra cursiva para crianças pequenas vinha se tornando mais raro. Em vários países, essa técnica não é mais obrigatória. Nos EUA, embora o ensino da cursiva esteja voltando à luz, ele não é padronizado — o que traz desafios aos professores. "Mais de 20 Estados acrescentaram a suas diretrizes educacionais a exigência da escrita cursiva entre o 3° e o 5° anos", explica Kathleen S. Wright, fundadora e diretora-executiva do Colaborativo de Escrita à Mão, organização que ensina boas práticas nessa área. "Mas essa exigência não é imposta nem recebe financiamento, então o ensino da escrita à mão não é endereçado de forma consistente." Dessa forma, professores californianos terão agora de descobrir como integrar a cursiva a suas aulas. Mesmo assim, a iniciativa do Estado é vista como benéfica, num momento pós-pandemia em que se buscam formas de ensinar habilidades que reduzam a dependência das telas entre crianças. "Temos visto cada vez mais pais reclamando que seus filhos estão tendo dificuldades na escola, que não foram ensinados a escrever porque usam principalmente computadores e outros aparelhos", diz Kelsey Voltz-Poremba, professora-assistente de terapia ocupacional da Universidade de Pittsburgh (EUA). A escrita cursiva ainda é amplamente ensinada na Europa Ocidental, em particular em países como Reino Unido, Espanha, Itália, Portugal e França. Já a Finlândia pôs fim à exigência da escrita cursiva de suas escolas em 2016. O Canadá tentou descartar a escrita cursiva, mas voltou a ensiná-la em 2023. O Ministério de Educação da província de Ontário restabeleceu a exigência da escrita cursiva e agora está virando uma espécie de laboratório para outras regiões que tentam entender quais as melhores práticas para esse ensino, quanto tempo devem durar as aulas e com qual frequência essa técnica deve ser ensinada. Em meio a tantas diferenças globais, as pesquisas ressaltam que não há lado negativo em aprender letra cursiva. E embora a ligação entre escrever à mão e melhorar a leitura não sejam necessariamente causais, alguns educadores temem que o abandono da letra cursiva pode piorar o desempenho de alunos em sua capacidade de ler textos. Além disso, o mero ato de escrever ajuda a memória e o aprendizado de palavras. "É importante achar um equilíbrio para garantir que os alunos tenham habilidades que sejam obtidas sem o uso da tecnologia", opina a especialista Voltz-Poremba. Com reportagem de Nafeesah Allen, da BBC Future Leia a reportagem original (em inglês) no site da BBC Future
Veja Mais

30/01 - Sisu 2024: MEC adia divulgação de resultados por problemas técnicos
Pela primeira vez, o programa terá apenas uma edição no ano. Para quem não for aprovado, ainda será possível participar da lista de espera. A divulgação dos resultados do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) 2024 foi adiada por problemas técnicos. A previsão era que a publicação ocorresse na tarde da terça-feira (30). De acordo com o Ministério da Educação (MEC), os resultados devem ser divulgados nesta quarta-feira (31), ainda sem horário determinado. Em nota, o MEC informou que "a Subsecretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação do MEC, área responsável pela operacionalização do Sistema de Seleção Unificada, identificou problemas técnicos no sistema e reiniciou os protocolos de homologação". As listas de aprovados ficarão disponíveis no site do programa (https://acessounico.mec.gov.br/sisu). Sobre o Sisu 2024 Para que serve? Por meio da nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), o Sisu seleciona candidatos para universidades públicas do país. São mais de 260 mil vagas em disputa. 📊 Neste ano, o programa trouxe duas mudanças importantes: Apenas uma edição: haverá uma edição no ano, só agora em janeiro. Não ocorrerá mais o processo seletivo que era realizado no meio do ano. As regras para a adesão por meio de cotas também mudaram (veja mais abaixo). Abaixo, veja o que fazer caso você: ➡️seja aprovado: Faça a matrícula na instituição de ensino de 1º a 7 de fevereiro de 2024. ➡️não seja aprovado: No site do Sisu, manifeste interesse em participar da lista de espera entre 30 de janeiro e 7 de fevereiro de 2024. Os resultados serão divulgados por cada faculdade. 5 cuidados para tomar ao se inscrever no Sisu 🗓️ Datas do Sisu Pela primeira vez, o Sistema de Seleção Unificada terá uma edição única. Com isso, a seleção de candidatos para o segundo semestre letivo de 2024 vai acontecer nas mesmas datas da seleção para o primeiro semestre. Portanto, para todos que quiserem se candidatar a vagas em universidades públicas pelo Sisu neste ano, o cronograma será o seguinte: Resultados da 1ª chamada: 30 de janeiro de 2024 (adiado para 31 de janeiro) Matrículas: 1º a 7 de fevereiro de 2024 Participação na lista de espera: manifestar interesse entre 31 de janeiro e 7 de fevereiro de 2024 Resultado das listas de espera: datas serão definidas por cada universidade ➡️ Quem está apto a participar? Alunos que tenham feito o Enem 2023 e tirado nota acima de zero na redação. Treineiros não serão aceitos. ➡️ Posso escolher em qual semestre vou entrar na faculdade? Não. Caberá à universidade, por meio da ordem da lista de classificação de candidatos, selecionar quem estudará em cada semestre. 📚 Opções de vaga No ato da inscrição, o candidato teve de selecionar até duas opções de curso ou universidade, que puderam ser alteradas até as 23h59 da última quinta-feira (25), quando o prazo de inscrição se encerrou. Valeram as últimas opções marcadas no sistema. Entenda aqui como as notas de corte parciais do Sisu são calculadas 📝 Mudança nas cotas O Sisu oferece vagas via Lei de Cotas para pretos, pardos, indígenas, quilombolas e pessoas com deficiência. Mas, neste ano, foram anunciadas algumas mudanças para a candidatura a essas vagas: Todos os candidatos concorrerão, primeiramente, às vagas de ampla concorrência. Caso não alcancem as notas nesta modalidade e façam parte de algum dos grupos de cotas (os critérios são de raça e de renda), aí, sim, entrarão na disputa pelo benefício. Com isso, se uma pessoa autodeclarada preta, por exemplo, tirar uma nota mais alta que a exigida na ampla concorrência, será aprovada na "lista geral" e não tirará a vaga de um cotista com desempenho mais baixo. Até o Sisu 2023, quem tinha direito às cotas já participava, desde o início, de uma classificação à parte, separada da ampla concorrência. 📌 Total de vagas do Sisu Neste ano, o Sisu contará com 264.181 vagas, distribuídas entre 6.827 cursos de 127 instituições de educação superior. A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) lidera a lista com 9.240 vagas. Quantitativo de vagas por instituição Vídeos Em 2024, SISU terá apenas uma edição Neste ano, o r terá apenas uma edição — só em janeiro, sem o processo seletivo que usualmente ocorre no meio do ano.
Veja Mais

30/01 - Araraquara e região têm 140 presos aprovados no Enem PPL: 'início da realização do sonho', diz detento
Assim como o Enem tradicional, processo seletivo permite acesso ao ensino superior pelos programas do governo federal. Araraquara e mais 3 cidades tem 140 presos aprovados no Enem PPL Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) O Exame Nacional do Ensino Médio para Pessoas Privadas de Liberdade (Enem PPL) aprovou 140 presos de unidades prisionais de Araraquara, Casa Branca, Itirapina e Rio Claro (SP). (veja abaixo da relação dos aprovados nas unidades.) 📲 Participe do canal do g1 São Carlos e Araraquara no WhatsApp De acordo com a Secretaria de Administração Penitenciária (SAP), é considerado aprovado o reeducando cuja nota final ficou acima de 450 pontos e não zerou na redação. Segundo a SAP, nessa fase o setor de educação da unidade prisional irá mostrar as opções de cursos para cada interno. Após a escolha, os presos podem estudar remotamente ou presencialmente (para quem estiver no regime semiaberto) com autorização judicial. LEIA TAMBÉM: Enem USP 2024: pré-matrículas começam nesta terça; veja lista de aprovados em primeira chamada Prouni 2024: região tem mil bolsas em diversos cursos de faculdades; veja como se inscrever Provão Paulista: 1ª lista tem 292 estudantes aprovados em cursos da Fatec, USP e Unesp na região Preso em Araraquara desde 2022, Augusto* (nome fictício) afirmou que sua expectativa é conseguir uma vaga no ensino superior e, depois de formado, ter uma oportunidade de trabalhar na área. “Meu sonho é cursar administração de empresas e trabalhar em uma multinacional. Ser aprovado no Enem é o início da realização desse sonho”, disse. Confira o número de aprovados nas unidades da região: Araraquara e mais 3 cidades tem 140 presos aprovados no Enem PPL ecretaria de Administração Penitenciária (SAP) Araraquara Penitenciária Dr. Sebastião Martins Silveira - 11 Centro de Ressocialização Masculino - 17 Centro de Ressocialização Feminino - 3 Casa Branca Penitenciária Joaquim de Sylos Cintra - 40 Itirapina Penitenciária Dr. Antônio de Queiróz Filho (P1) - 8 Penitenciária João Batista de Arruda Sampaio (P2) - 6 Rio Claro Centro de Ressocialização Masculino - 45 Centro de Ressocialização Feminino - 10 Reintegração social Araraquara e mais 3 cidades tem 140 presos aprovados no Enem PPL Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) Em todo o estado de São Pulo, 1.566 foram aprovados no exame que, assim como o Enem comum, possibilita a entrada no ensino superior por meio de iniciativas como o Sisu (Sistema de Seleção Unificada), no qual é possível disputar vagas em universidades públicas e no Programa Universidade para Todos (Prouni), para concorrer a bolsas integrais ou parciais em universidades particulares. A avaliação de desempenho tem a mesma dificuldade da aplicada aos estudantes do ensino regular fora dos presídios. O exame foca nos encarcerados que concluíram o ensino médio e é composto por quatro provas, que juntas somam 180 questões, e uma redação em língua portuguesa. A realização é do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) e, além de auxiliar para a chegada à universidade, também colabora para análise da educação como um todo. Para o diretor do Grupo Regional de Ações de Trabalho e Educação (Grate) da Coordenadoria da Região Noroeste (CRN), Janser Gonçalves, a Educação é um dos pilares para a reintegração social dos custodiados da SAP. “Ela [educação] auxilia na transformação e no resgate social da pessoa privada de liberdade, preparando esses indivíduos para o retorno ao seio da sociedade”, disse. *O nome do preso foi modificado para preservar a identidade. REVEJA VÍDEOS DA EPTV: Veja mais notícias da região no g1 São Carlos e Araraquara
Veja Mais

30/01 - Quais as metas para a educação até 2034? Com atraso, texto final do novo PNE será apresentado nesta terça; MEC encaminhará ao Congresso
Sociedade civil, incluindo professores, alunos e entidades de educação, discutiu quais devem ser as estratégias nas escolas e universidades nos próximos 10 anos. Pasta deveria ter entregado texto ao Congresso até junho de 2023. Presidente Lula participa da Conae 2024 Reprodução Com atraso, o texto final que servirá como base para a criação do Plano Nacional de Educação (PNE) 2024-2034 — documento que traça as metas e a estratégias para a melhoria da educação brasileira — foi discutido por representantes da sociedade civil nos últimos dias e será apresentado nesta terça-feira (30), na Conferência Nacional de Educação (Conae), em Brasília. ⌚Corrida contra o relógio: Pelo prazo previsto em lei, o Ministério da Educação (MEC) já deveria ter analisado o resultado desse debate e entregado um projeto de lei ao Congresso Nacional em junho de 2023. No último ciclo do PNE, de 2014 a 2024, a tramitação do texto começou em 2010 e demorou quase 4 anos até a aprovação. Metas para a educação O ministro da Educação, Camilo Santana, afirmou que o objetivo do futuro PNE é "acabar com as diferenças entre pobres e ricos do Brasil". "Nosso compromisso é universalizar toda a bolsa-permanência para indígenas nas universidades brasileiras. O que nós estamos fazendo aqui, além de trazer o debate de volta para educação, é estar contribuindo para a formulação do PNE", disse. No último ciclo do PNE, de 2014-2024, havia 20 metas, como: universalizar o acesso à educação infantil até 2016 (objetivo ainda não alcançado; índice atual é de 93%); oferecer educação integral em, no mínimo, 50% das escolas públicas (patamar de 2022 era de 34,4%); elevar a taxa de alfabetização da população para mais de 93,5% até 2015 (meta alcançada em 2017); aumentar a escolaridade média dos brasileiros de 18 a 29 anos para no mínimo 12 anos de estudo (resultado de 2022 foi de 11,7 anos). 👨‍👩‍👦‍👦Após 7 anos, discussão volta a ter participação da sociedade civil A Conae de 2024 representa a volta da participação da sociedade civil no debate do PNE: A conferência é organizada pelo Fundo Nacional de Educação (FNE), criado pelo MEC em 2010 para representar diferentes setores da sociedade (havia movimentos sociais envolvidos, por exemplo). Em 2017, o então presidente Michel Temer interferiu na composição do FNE e deixou de fora estudantes, professores e organizações relacionadas a pesquisas acadêmicas. A Conae de 2018 e a de 2022 não tiveram participação significativa da sociedade civil, portanto. Em março de 2023, por meio de decreto, o presidente Lula determinou que a Conae 2024 seria "realizada com o objetivo de viabilizar a participação representativa dos segmentos educacionais e setores da sociedade civil na elaboração do PNE". Vídeos
Veja Mais

30/01 - Prouni: mais de 425 mil candidatos já se inscreveram no 1º dia; veja ranking dos cursos com mais participantes
Programa oferece bolsas de estudo integrais e parciais em instituições particulares de ensino superior. Inscrições começaram nesta segunda-feira (29) e vão até 1º de fevereiro. Prouni abre inscrições nesta terça (29) Reprodução Segundo o Ministério da Educação (MEC), 425.617 pessoas já haviam se inscrito no Programa Universidade Para Todos (Prouni) do 1º semestre de 2024, até as 19 horas de segunda-feira (29). O prazo para participar termina na próxima quinta-feira, 1º de fevereiro. 📈O que é Prouni e quantas bolsas serão ofertadas? Por meio do processo seletivo, alunos de baixa renda podem pleitear 406.428 bolsas de estudo em instituições de ensino superior privadas. Dessas, 308.977 são integrais (cobrem 100% da mensalidade) e 97.451, parciais (dão 50% de gratuidade). Ranking dos cursos com mais inscritos Abaixo, veja quais graduações receberam mais inscrições no primeiro dia do processo seletivo, segundo o MEC: 🥇medicina: 83.830 inscrições; 🥈direito: 57.440 inscrições; 🥉psicologia: 44.253 inscrições; 🎖️enfermagem: 39.844 inscrições; 🎖️fisioterapia: 22.030 inscrições. 📝 Como fazer a inscrição? Para se inscrever, é preciso entrar no Acesso Único (acessounico.mec.gov.br/prouni), utilizando o login gov.br com CPF e senha. O candidato deve indicar, em ordem de preferência, até duas opções de curso (selecionando a instituição de ensino e o turno). Depois, é necessário marcar se quer participar na modalidade de ampla concorrência ou de cotas. Por fim, o aluno precisa monitorar, a cada dia, a nota parcial para aqueles cursos. Se quiser, pode mudar suas escolhas (valerá a última opção marcada antes do fim do período de inscrição). Se o candidato estiver dentro da nota de corte e conseguir uma das vagas ao final do prazo de inscrição, ele constará como pré-selecionado. 📚 Quem pode se inscrever? Para participar, o candidato deve ter realizado o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2022 ou 2023, ter obtido média mínima de 450 pontos nas áreas de conhecimento e nota superior a zero na redação. Há, ainda, os seguintes critérios de renda: 💰Bolsas integrais (cobrem 100% da mensalidade): o estudante deve ter renda familiar bruta mensal per capita de até 1,5 salário mínimo (R$ 1.412 x 1,5 = R$ 2.118 por pessoa, nos valores de 2024). 💰Bolsas parciais (cobrem 50% da mensalidade): o limite da renda familiar bruta mensal per capita é de 3 salários mínimos (R$ 1.412 x 3 = R$ 4.236 por pessoa, em 2024). Além disso, é preciso atender a pelo menos um dos pontos abaixo: Ter cursado o ensino médio em escola pública ou privada, sem diploma de educação superior; ou Ser uma pessoa com deficiência, na forma prevista na legislação, também sem ter feito graduação; ou Exercer a função de professor da rede pública de ensino (exclusivamente para quem busca cursos de licenciatura e pedagogia, destinados à formação do magistério da educação básica). 📅 Datas do ProUni 2024 Inscrições: de 29 de janeiro a 1º de fevereiro Resultado da primeira chamada: 6 de fevereiro Resultado da segunda chamada: 27 de fevereiro Manifestação de interesse na lista de espera: 14 e 15 de março Resultado da lista de espera: 18 de março 🧑‍🏫O que significa ser 'pré-selecionado'? O candidato pré-selecionado ainda não é "dono" da vaga. Ela está reservada para ele, mas, antes de assumi-la, é necessário cumprir com as últimas etapas de seleção. Ainda será preciso comprovar as informações prestadas no ato da inscrição (como a renda familiar per capita e o certificado de conclusão de curso em escola pública, por exemplo). Isso é feito na instituição de ensino na qual o aluno estudará no prazo indicado no edital. Se não houver formação de turma, o aluno perderá a vaga. Poderá tentar participar da segunda chamada e da lista de espera (caso manifeste interesse). 🧮Quais são os critérios de desempate? Maior nota na prova de ciências humanas e suas tecnologias Maior nota na prova de ciências da natureza e suas tecnologias Maior nota na prova de matemática e suas tecnologias Maior nota na prova de linguagens, códigos e suas tecnologias Maior nota na prova de redação No caso de notas idênticas na média aritmética das notas do Enem, o desempate entre os candidatos será determinado de acordo com a seguinte ordem de critérios: Pode se inscrever o candidato que realizou o Enem 2022 ou 2023 e obteve média mínima de 450 pontos nas áreas de conhecimento e nota superior a zero na redação. Além dos critérios de renda explicados mais acima, é preciso atender a pelo menos um dos pontos abaixo: 👉🏾 Como calcular a renda familiar bruta mensal por pessoa? Para saber se o aluno se encaixa nos critérios de renda, deve somar os salários de todos os que moram com ele e, depois, dividir pelo número de componentes do grupo. Por exemplo: pai (R$ 2,3 mil por mês), mãe (R$ 1,7 mil por mês), candidato do Prouni (sem renda) e irmão mais novo (sem renda). Somando os valores, chega-se ao total mensal de R$ 4 mil. Depois, dividindo pelos 4 membros da família, o resultado é R$ 1 mil. Esse é o valor que deve ser tomado como referência pelo Prouni. Como está abaixo de 1,5 salário mínimo per capita (R$ 2.118), o candidato poderá concorrer à bolsa de estudos integral. 🧾 É possível usar Prouni e Fies ao mesmo tempo? E Prouni e Sisu? Fies e Prouni: Sim. Se o candidato conseguir a bolsa de estudos parcial do Prouni, que cobre apenas 50% da mensalidade, poderá financiar a outra metade pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). Sisu e Prouni: Não. O aluno até pode se inscrever nos dois programas, mas precisará escolher apenas um ao efetivar a matrícula. Lembrando que o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) oferece vagas em instituições de ensino públicas, e o Prouni, em particulares.
Veja Mais

30/01 - Enem USP 2024: pré-matrículas começam nesta terça; veja lista de aprovados em primeira chamada
Candidatos deve fazer procedimentos on-line em duas etapas para efetivação da matrícula. USP Enem oferece 1,5 mil vagas a partir da nota do Enem ALOISIO MAURICIO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO Começam nesta terça-feira (30), às 8h, as pré-matrículas dos 1,5 mil estudantes aprovados no processo seletivo Enem USP. Essa é a forma de ingresso na universidade que considera as notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para classificação. CONFIRA AQUI A LISTA DE APROVADOS Como fazer a pré-matrícula do Enem USP? Os candidatos aprovados deverão realizar a pré-matrícula virtual até o dia 1º de fevereiro, às 16h. O link de pré-matrícula é encaminhado no e-mail cadastrado no momento da inscrição. Durante o processo, o ingressante deve preencher um formulário eletrônico além do envio da documentação exigida em formato digital (PDF, JPG, PNG, GIF). Em caso de dúvida, é possível consultar a Central Unificada de Matrículas da USP, das 8h às 18h, de segunda a sexta-feira, pelos telefones (11) 3091-3403 e (11) 3091-3442, ou pelo e-mail centraldematriculas@usp.br. Campus I da USP em São Carlos Marcos Santos/USP Imagens LEIA TAMBÉM: Provão Paulista: veja a 1ª lista de aprovados Prouni 2024: região tem mil bolsas; veja como se inscrever Como fazer a efetivação da matrícula? Uma segunda etapa virtual consiste na efetivação de matrícula pelo candidato de 26 a 28 de fevereiro. Para mais informações o candidato deve consultar o respectivo edital do seu processo de ingresso, consultando a sua unidade de ensino. As duas etapas (pré-matrícula e efetivação de matrícula) são obrigatórias e serão consolidadas apenas após a validação dos documentos. Uma segunda chamada de candidatos no processo seletivo Enem USP será divulgada no dia 14 de fevereiro. Quem não for aprovado nessas duas chamadas pode manifestar interesse em participar da lista de espera. Para participar é preciso fazer a manifestação na Área do Candidato das 8h do dia 26 de fevereiro até às 17h do dia 27 de fevereiro. Como solicitar auxílio estudantil? Após fazer a matrícula, os estudantes com dificuldades socioeconômicas podem se inscrever no Programa de Apoio à Permanência e Formação Estudantil (PAPFE), que disponibiliza o valor de R$ 800 mensais, pagos durante todo o tempo de realização do curso. Podem se inscrever no programa estudantes com renda familiar per capita abaixo de 1,5 salário mínimo paulista, que não tenham concluído outra graduação na USP e que não recebem outro auxílio da Universidade. Haverá dois períodos para inscrição: o primeiro período vai até o dia 16 de fevereiro, e o segundo período vai de 26 de fevereiro a 29 de março. As inscrições devem ser feitas pelo Portal de Serviços Computacionais da USP. Para os alunos contemplados com vagas nas moradias estudantis da USP, o valor do auxílio é parcial, de R$ 300. A concessão dos auxílios depende da análise socioeconômica do candidato e, no caso de vaga em moradia estudantil, da disponibilidade de vagas de cada campus. O edital do PAPFE 2024 pode ser consultado na página da Pró-Reitoria de Inclusão e Pertencimento neste link. Para mais informações e esclarecimento de dúvidas, os alunos interessados devem entrar em contato pelo e-mail papfe.prip@usp.br. Para mais informações sobre o Enem USP, acesse o site da Fuvest. 1ª chamada da Fuvest 2024 1ª fase Fuvest 2024: candidatos se preparam para fazer a prova em São Carlos Fabiana Assis/g1 A Fuvest divulgou no dia 22 de janeiro a lista de primeira chamada dos aprovados do vestibular 2024. No total, 8.147 vagas de graduação estão em disputa. Consulte aqui No total, a Fuvest 2024 recebeu mais de 110 mil inscrições, sendo 10.826 treineiros e 99.573 candidatos. Os candidatos aprovados devem realizar a matrícula virtual entre as 8h de 29 de janeiro e as 16h de 1º de fevereiro de 2024. A divulgação da lista dos aprovados em 2ª chamada ocorre no próximo dia 14 de fevereiro. REVEJA VÍDEOS DA EPTV: Veja mais notícias da região no g1 São Carlos e Araraquara.
Veja Mais

30/01 - Sisu 2024: resultados serão divulgados nesta terça
Pela primeira vez, o programa terá apenas uma edição no ano. Para quem não for aprovado, ainda será possível participar da lista de espera. Os resultados do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) 2024 serão publicados nesta terça-feira (30), no site do programa (https://sisualuno.mec.gov.br/#/login). Segundo o Ministério da Educação (MEC), as listas de aprovados sairão durante a tarde. Para que serve? Por meio da nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), o Sisu seleciona candidatos para universidades públicas do país. 📊 Neste ano, o programa trouxe duas mudanças importantes: Apenas uma edição: haverá uma edição no ano, só agora em janeiro. Não ocorrerá mais o processo seletivo que era realizado no meio do ano. As regras para a adesão por meio de cotas também mudaram (veja mais abaixo). Abaixo, veja o que fazer caso você: ➡️seja aprovado: Faça a matrícula na instituição de ensino de 1º a 7 de fevereiro de 2024. ➡️não seja aprovado: No site do Sisu, manifeste interesse em participar da lista de espera entre 30 de janeiro e 7 de fevereiro de 2024. Os resultados serão divulgados por cada faculdade. 5 cuidados para tomar ao se inscrever no Sisu 🗓️ Datas do Sisu Pela primeira vez, o Sistema de Seleção Unificada terá uma edição única. Com isso, a seleção de candidatos para o segundo semestre letivo de 2024 vai acontecer nas mesmas datas da seleção para o primeiro semestre. Portanto, para todos que quiserem se candidatar a vagas em universidades públicas pelo Sisu neste ano, o cronograma será o seguinte: Resultados da 1ª chamada: 30 de janeiro de 2024 Matrículas: 1º a 7 de fevereiro de 2024 Participação na lista de espera: manifestar interesse entre 30 de janeiro e 7 de fevereiro de 2024 Resultado das listas de espera: datas serão definidas por cada universidade ➡️ Quem está apto a participar? Alunos que tenham feito o Enem 2023 e tirado nota acima de zero na redação. Treineiros não serão aceitos. ➡️ Posso escolher em qual semestre vou entrar na faculdade? Não. Caberá à universidade, por meio da ordem da lista de classificação de candidatos, selecionar quem estudará em cada semestre. 📚 Opções de vaga No ato da inscrição, o candidato teve de selecionar até duas opções de curso ou universidade, que puderam ser alteradas até as 23h59 da última quinta-feira (25), quando o prazo de inscrição se encerrou. Valeram as últimas opções marcadas no sistema. Entenda aqui como as notas de corte parciais do Sisu são calculadas 📝 Mudança nas cotas O Sisu oferece vagas via Lei de Cotas para pretos, pardos, indígenas, quilombolas e pessoas com deficiência. Mas, neste ano, foram anunciadas algumas mudanças para a candidatura a essas vagas: Todos os candidatos concorrerão, primeiramente, às vagas de ampla concorrência. Caso não alcancem as notas nesta modalidade e façam parte de algum dos grupos de cotas (os critérios são de raça e de renda), aí, sim, entrarão na disputa pelo benefício. Com isso, se uma pessoa autodeclarada preta, por exemplo, tirar uma nota mais alta que a exigida na ampla concorrência, será aprovada na "lista geral" e não tirará a vaga de um cotista com desempenho mais baixo. Até o Sisu 2023, quem tinha direito às cotas já participava, desde o início, de uma classificação à parte, separada da ampla concorrência. 📌 Total de vagas do Sisu Neste ano, o Sisu contará com 264.181 vagas, distribuídas entre 6.827 cursos de 127 instituições de educação superior. A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) lidera a lista com 9.240 vagas. Quantitativo de vagas por instituição Vídeos Em 2024, SISU terá apenas uma edição Neste ano, o r terá apenas uma edição — só em janeiro, sem o processo seletivo que usualmente ocorre no meio do ano.
Veja Mais

29/01 - Prouni 2024: região tem mil bolsas em diversos cursos de faculdades; veja como se inscrever
Para concorrer, os candidatos devem ter feito o Enem em 2022 ou 2023. Período de inscrição termina na quinta-feira (1º). Prouni 2024 Ana Marin/g1 O Programa Universidade para Todos (Prouni) está com inscrições abertas a partir desta segunda-feira (29). Os interessados devem se candidatar até o dia 1º de fevereiro, pelo portal Acesso Único. Na região de cobertura do g1 São Carlos e Araraquara há mais de mil bolsas em diversos cursos de universidades e faculdades. Veja os detalhes na tabela abaixo. 📲 Participe do canal do g1 São Carlos e Araraquara no WhatsApp 'Prouni': inscrições começam nesta segunda-feira e seguem até quinta (1º) O Prouni é o programa que oferece bolsas de estudo integrais, com 100% de desconto, e parciais, de 50%, em instituição particulares de ensino superior. (Veja abaixo quem pode concorrer.) No momento da inscrição, o candidato pode escolher duas opções de curso, de acordo com a sua ordem de preferência. É preciso escolher também de qual modalidade deseja participar: Ampla concorrência (AC); PPI: Oferta para autodeclarados Pretos, Pardos ou Indígenas; PCD: Oferta para autodeclarados Pessoas com Deficiência. Veja as bolsas disponíveis na região: Bolsas do Prouni ofertadas na região LEIA MAIS: Prouni 2024: inscrições começam nesta segunda; saiba quem pode pedir bolsa Durante o período de inscrição no Prouni, o candidato deve monitorar diariamente a nota parcial do curso escolhido, podendo alterá-lo até 1º de fevereiro. Se a nota do candidato for superior à nota parcial ao final do prazo de inscrição, ele constará como pré-selecionado. Quem pode participar do Prouni?👩🏽‍🏫 Para participar, é preciso que o candidato tenha feito o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), em 2022 ou 2023. A média mínima nas áreas de conhecimento deve ser de 450 pontos, e a nota na redação tem que ser superior a zero. Os candidatos também precisam atender a pelo menos um dos pontos abaixo: Ter cursado o ensino médio completo em escola da rede pública; Ter cursado o ensino médio completo em escola privada como bolsista integral; Ter cursado o ensino médio parcialmente em escola da rede pública e parcialmente em instituição privada, na condição de bolsista integral; Ter cursado o ensino médio parcialmente em escola da rede pública e parcialmente em instituição privada com bolsa parcial ou sem a condição de bolsista; ou Ter cursado o ensino médio completo em escola privada com bolsa parcial da respectiva instituição ou sem a condição de bolsista; Ser pessoa com deficiência, na forma prevista na legislação; ou Ser professor da rede pública de ensino, exclusivamente para os cursos de licenciatura e pedagogia, destinados à formação do magistério da educação básica. Quando serão divulgados os resultados do Prouni? ✅ A primeira chamada dos aprovados no Prouni será divulgada no dia 6 de fevereiro. A segunda está prevista para o dia 27 de fevereiro. Os estudantes que não forem aprovados devem manifestar interesse na lista de espera nos dias 14 e 15 de março. O resultado será divulgado no dia 18 de março. REVEJA VÍDEOS DA EPTV: .eja mais notícias da região no g1 São Carlos e Araraquaraa
Veja Mais

29/01 - Site do Prouni 2024 está instável e considera valores desatualizados do salário mínimo, afirmam candidatos
Programa oferece bolsas de estudo integrais e parciais em instituições particulares de ensino superior. Inscrições começaram nesta segunda-feira (29) e vão até 1º de fevereiro. Prouni abre inscrições nesta terça (29) Reprodução O site do Programa Universidade Para Todos (Prouni) do 1º semestre de 2024 apresentou instabilidade e problemas técnicos nesta segunda-feira (29), no primeiro dia de inscrições. ATUALIZAÇÃO: Às 19h42, o Ministério da Educação informou ao g1 que o acesso havia sido normalizado. Candidatos relataram as seguintes falhas: ➡️Assim que o participante começa a preencher os dados pessoais, aparece uma janela no navegador com a mensagem "object object". Initial plugin text ➡️O cálculo de renda familiar per capita estaria levando em conta o valor do salário mínimo de 2023 (R$ 1.320), e não o de 2024 (R$ 1.412), que passa a valer nesta semana. Essa falha excluiria parte dos alunos que teriam direito à bolsa (veja mais abaixo). 📈O que é Prouni? Por meio do processo seletivo, alunos de baixa renda podem pleitear bolsas de estudo parciais e integrais em instituições de ensino superior privadas. 'É muito frustrante': alunos reclamam de erro no cálculo de renda Adriana enfrenta dificuldades para se inscrever no Prouni Arquivo pessoal Pelo edital do Prouni 2024, há os seguintes critérios de renda: 💰Bolsas integrais (cobrem 100% da mensalidade): o estudante deve ter renda familiar bruta mensal per capita de até 1,5 salário mínimo (R$ 1.412 x 1,5 = R$ 2.118 por pessoa, nos valores de 2024). 💰Bolsas parciais (cobrem 50% da mensalidade): o limite da renda familiar bruta mensal per capita é de 3 salários mínimos (R$ 1.412 x 3 = R$ 4.236 por pessoa, em 2024). De acordo com candidatos, o sistema está levando em conta os valores de referência do salário mínimo de 2023 (R$ 1.320). Com isso, teriam direito às bolsas integrais aqueles participantes cuja renda familiar per capita seja de até R$ 1.980 (R$ 1.320 x 1,5), e às parciais, até R$ 3.960 (R$ 1.320 x 3). Essa falha deixa de fora alunos como Adriana Mazac, de 19 anos, que busca uma bolsa em medicina no Rio de Janeiro: ➡️ A renda familiar per capita da candidata é de R$ 1.996,00. Renda familiar per capita da estudante é de R$ 1.996 Reprodução ➡️Pelos valores de 2024, como ela fica abaixo do patamar de R$ 2.118, teria direito à bolsa integral. ➡️O sistema, porém, só permite que ela se inscreva para bolsas parciais, já que a renda está R$ 16 acima do teto na referência de salário mínimo de 2023 (R$ 1.980). Sistema não deixa que aluna se inscreva para bolsas integrais Reprodução "Estamos ansiosos com o Sisu, e o Prouni acaba sendo nossa segunda chance. Essa ansiedade é frustrante", afirma Adriana. Nas redes sociais, há outros relatos semelhantes: Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Como fazer a inscrição? As inscrições do Prouni começam nesta segunda-feira (29) e vão até quinta-feira (1º). É preciso entrar no Acesso Único (acessounico.mec.gov.br/prouni), utilizando o login gov.br com CPF e senha. Para participar, o candidato deve ter realizado o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2022 ou 2023, ter obtido média mínima de 450 pontos nas áreas de conhecimento e nota superior a zero na redação. (Veja os critérios detalhados mais abaixo.) 📅 Datas do ProUni 2024 Inscrições: de 29 de janeiro a 1º de fevereiro Resultado da primeira chamada: 6 de fevereiro Resultado da segunda chamada: 27 de fevereiro Manifestação de interesse na lista de espera: 14 e 15 de março Resultado da lista de espera: 18 de março 📝 Como funciona O candidato deve indicar, em ordem de preferência, até duas opções de curso (selecionando a instituição de ensino e o turno). Depois, é necessário marcar se quer participar na modalidade de ampla concorrência ou de cotas. Por fim, precisa monitorar, a cada dia, a nota parcial para aqueles cursos. Se quiser, pode mudar suas escolhas (valerá a última opção marcada antes do fim do período de inscrição). Se o candidato estiver dentro da nota de corte e conseguir uma das vagas ao final do prazo de inscrição, ele constará como pré-selecionado. O que significa ser 'pré-selecionado'? O candidato pré-selecionado ainda não é "dono" da vaga. Ela está reservada para ele, mas, antes de assumi-la, é necessário cumprir com as últimas etapas de seleção. Ainda será preciso comprovar as informações prestadas no ato da inscrição (como a renda familiar per capita e o certificado de conclusão de curso em escola pública, por exemplo). Isso é feito na instituição de ensino na qual o aluno estudará no prazo indicado no edital. Se não houver formação de turma, o aluno perderá a vaga. Poderá tentar participar da segunda chamada e da lista de espera (caso manifeste interesse). Quais são os critérios de desempate? No caso de notas idênticas na média aritmética das notas do Enem, o desempate entre os candidatos será determinado de acordo com a seguinte ordem de critérios: Maior nota na prova de redação Maior nota na prova de linguagens, códigos e suas tecnologias Maior nota na prova de matemática e suas tecnologias Maior nota na prova de ciências da natureza e suas tecnologias Maior nota na prova de ciências humanas e suas tecnologias 📚 Quem pode se inscrever Pode se inscrever o candidato que realizou o Enem 2022 ou 2023 e obteve média mínima de 450 pontos nas áreas de conhecimento e nota superior a zero na redação. Além dos critérios de renda explicados mais acima, é preciso atender a pelo menos um dos pontos abaixo: Ter cursado o ensino médio completo em escola da rede pública; Ter cursado o ensino médio completo em escola privada como bolsista integral; Ter cursado o ensino médio parcialmente em escola da rede pública e parcialmente em instituição privada, na condição de bolsista integral; Ter cursado o ensino médio parcialmente em escola da rede pública e parcialmente em instituição privada com bolsa parcial ou sem a condição de bolsista; Ter cursado o ensino médio completo em escola privada com bolsa parcial da respectiva instituição ou sem a condição de bolsista; Ser pessoa com deficiência, na forma prevista na legislação; ou Ser professor da rede pública de ensino, exclusivamente para os cursos de licenciatura e pedagogia, destinados à formação do magistério da educação básica. 👉🏾 Como calcular a renda familiar bruta mensal por pessoa? Para saber se o aluno se encaixa nos critérios de renda, deve somar os salários de todos os que moram com ele e, depois, dividir pelo número de componentes do grupo. Por exemplo: pai (R$ 2,3 mil por mês), mãe (R$ 1,7 mil por mês), candidato do Prouni (sem renda) e irmão mais novo (sem renda). Somando os valores, chega-se ao total mensal de R$ 4 mil. Depois, dividindo pelos 4 membros da família, o resultado é R$ 1 mil. Esse é o valor que deve ser tomado como referência pelo Prouni. Como está abaixo de 1,5 salário mínimo per capita (R$ 2.118), o candidato poderá concorrer à bolsa de estudos integral. 🧾 É possível usar Prouni e Fies ao mesmo tempo? E Prouni e Sisu? Fies e Prouni: Sim. Se o candidato conseguir a bolsa de estudos parcial do Prouni, que cobre apenas 50% da mensalidade, poderá financiar a outra metade pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). Sisu e Prouni: Não. O aluno até pode se inscrever nos dois programas, mas precisará escolher apenas um ao efetivar a matrícula. Lembrando que o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) oferece vagas em instituições de ensino públicas, e o Prouni, em particulares.
Veja Mais

29/01 - Prouni 2024: inscrições começam nesta segunda; saiba quem pode pedir bolsa
Programa oferece bolsas de estudo integrais e parciais em instituições particulares de ensino superior. Candidato deve ter feito o Enem em 2022 ou 2023 e ter obtido nota mínima. Inscrições do Prouni do primeiro semestre de 2024 começam nesta segunda-feira (29). Foto: Emily Santos/g1 As inscrições para o processo seletivo do Programa Universidade Para Todos (Prouni) do 1º semestre de 2024 começam nesta segunda-feira (29). Os interessados devem se inscrever até a quinta-feira (1º) pelo portal Acesso Único (acessounico.mec.gov.br/prouni), utilizando o login gov.br com CPF e senha. O Prouni é um programa do Ministério da Educação (MEC) que oferece bolsas de estudo integrais (cobrem 100% da mensalidade) e parciais (50%) em instituições particulares de ensino superior. 👉 Na manhã desta segunda, o site apresentava instabilidade e problemas técnicos. Para se inscrever, o candidato deve ter realizado o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2022 ou 2023, ter obtido média mínima de 450 pontos nas áreas de conhecimento e nota superior a zero na redação. (Veja os critérios detalhados mais abaixo.) 📅 Datas do ProUni 2024 Inscrições: de 29 de janeiro a 1º de fevereiro Resultado da primeira chamada: 6 de fevereiro Resultado da segunda chamada: 27 de fevereiro Manifestação de interesse na lista de espera: 14 e 15 de março Resultado da lista de espera: 18 de março 📝 Como funciona O candidato deve indicar, em ordem de preferência, até duas opções de curso (selecionando a instituição de ensino e o turno). Depois, é necessário marcar se quer participar na modalidade de ampla concorrência ou de cotas. Por fim, precisa monitorar, a cada dia, a nota parcial para aqueles cursos. Se quiser, pode mudar suas escolhas (valerá a última opção marcada antes do fim do período de inscrição). Se o candidato estiver dentro da nota de corte e conseguir uma das vagas ao final do prazo de inscrição, ele constará como pré-selecionado. O que significa ser 'pré-selecionado'? O candidato pré-selecionado ainda não é "dono" da vaga. Ela está reservada para ele, mas, antes de assumi-la, é necessário cumprir com as últimas etapas de seleção. Ainda será preciso comprovar as informações prestadas no ato da inscrição (como a renda familiar per capita e o certificado de conclusão de curso em escola pública, por exemplo). Isso é feito na instituição de ensino na qual o aluno estudará no prazo indicado no edital. Se não houver formação de turma, o aluno perderá a vaga. Poderá tentar participar da segunda chamada e da lista de espera (caso manifeste interesse). Quais são os critérios de desempate? No caso de notas idênticas na média aritmética das notas do Enem, o desempate entre os candidatos será determinado de acordo com a seguinte ordem de critérios: Maior nota na prova de redação. Maior nota na prova de linguagens, códigos e suas tecnologias. Maior nota na prova de matemática e suas tecnologias. Maior nota na prova de ciências da natureza e suas tecnologias. Maior nota na prova de ciências humanas e suas tecnologias. 📚 Quem pode se inscrever Pode se inscrever o candidato que realizou o Enem 2022 ou 2023 e obteve média mínima de 450 pontos nas áreas de conhecimento e nota superior a zero na redação. Além disso, é preciso atender a pelo menos um dos pontos abaixo: Ter cursado o ensino médio completo em escola da rede pública; Ter cursado o ensino médio completo em escola privada como bolsista integral; Ter cursado o ensino médio parcialmente em escola da rede pública e parcialmente em instituição privada, na condição de bolsista integral; Ter cursado o ensino médio parcialmente em escola da rede pública e parcialmente em instituição privada com bolsa parcial ou sem a condição de bolsista; ou Ter cursado o ensino médio completo em escola privada com bolsa parcial da respectiva instituição ou sem a condição de bolsista; Ser pessoa com deficiência, na forma prevista na legislação; ou Ser professor da rede pública de ensino, exclusivamente para os cursos de licenciatura e pedagogia, destinados à formação do magistério da educação básica. 💰 Renda Para concorrer às bolsas integrais, o estudante deve ter renda familiar bruta mensal per capita de até um salário mínimo e meio (R$ 2.118 por pessoa). Para as bolsas parciais, o limite da renda familiar bruta mensal per capita é de três salários mínimos (R$ 4.236 por pessoa). 👉🏾 Como calcular a renda familiar bruta mensal por pessoa? Para saber se o aluno se encaixa nos critérios de renda, deve somar os salários de todos os que moram com ele e, depois, dividir pelo número de componentes do grupo. Por exemplo: pai (R$ 2,3 mil por mês), mãe (R$ 1,7 mil por mês), candidato do Prouni (sem renda) e irmão mais novo (sem renda). Somando os valores, chega-se ao total mensal de R$ 4 mil. Depois, dividindo pelos 4 membros da família, o resultado é R$ 1 mil. Esse é o valor que deve ser tomado como referência pelo Prouni. Como está abaixo de 1,5 salário mínimo per capita (R$ 2.118), o candidato poderá concorrer à bolsa de estudos integral. 🧾 É possível usar Prouni e Fies ao mesmo tempo? E Prouni e Sisu? Fies e Prouni: Sim. Se o candidato conseguir a bolsa de estudos parcial do Prouni, que cobre apenas 50% da mensalidade, poderá financiar a outra metade pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). Sisu e Prouni: Não. O aluno até pode se inscrever nos dois programas, mas precisará escolher apenas um ao efetivar a matrícula. Lembrando que o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) oferece vagas em instituições de ensino públicas, e o Prouni, em particulares.
Veja Mais

27/01 - Pé-de-meia: quando começa, como se inscrever e como receber a bolsa do ensino médio
Objetivo é garantir que concluam o ensino médio os estudantes de famílias inscritas no Bolsa Família. Veja como solicitar, os requisitos para receber e a previsão de pagamentos. Governo anuncia valores de programa que cria bolsa contra evasão escolar no ensino médio Alunos de famílias inscritas no Bolsa Família poderão receber, a partir de março deste ano, um incentivo financeiro do governo federal de até R$ 9,2 mil em um formato de "poupança" para que concluam o ensino médio. O dinheiro virá do programa Pé-de-Meia, que vai recompensar estudantes de baixa renda pela matrícula no 1º, 2º e 3º ano, pela frequência nas aulas, pela participação no Enem e pela conclusão do ensino médio. De acordo com o que já foi divulgado pelo Ministério da Educação (MEC) desde o lançamento na sexta-feira (26), as principais medidas que o aluno e sua família devem tomar é fazer a matrícula em uma escola da rede pública e realizar o Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico), além de garantir que o estudante tenha um CPF. Caberá ao MEC definir ou confirmar quais alunos têm situação financeira dentro da faixa alvo do programa. Ainda não foi divulgada a data em que os depósitos ocorrerão a cada mês. "As redes (estaduais) serão responsáveis por captar e informar ao Ministério os dados dos estudantes (pessoais, escolares e aqueles necessários para aberturas das contas). Assim, o MEC filtrará os alunos elegíveis e enviará as folhas de pagamento para a Caixa Econômica Federal, que abrirá as contas e fará os pagamentos e a gestão das poupanças", afirma o MEC. Abaixo, o g1 explica em detalhes os seguintes tópicos: Qual será o valor pago? Quem receberá o valor? Como serão os depósitos e saques? Quais são os requisitos para receber? Como emitir o CPF? Como fazer o Cadastro Único? Alunos da EJA terão direito ao Pé-de-Meia? Pé-de-Meia pode ser somado a outros benefícios sociais? ✅ g1 está nos Canais do WhatsApp; veja como participar 1. Qual será o valor pago? O Pé-de-meia prevê pagar até R$ 9,2 mil para cada estudante que concluir o ensino médio. Sendo assim, o benefício será concedido: Quando aluno se matricular no início do ano: R$ 200, em parcela única; Se o estudante apresentar a frequência escolar adequada (acima de 80% das horas letivas): total de R$ 1,8 mil, que serão pagos em 9 parcelas de R$ 200. Os 10 depósitos mensais (incluindo a matrícula) serão pagas de março a junho e de agosto a dezembro; Não há previsão de pagamentos retroativos: alunos que estão no 3º ou 2º ano não receberão valores referentes a etapas anteriores cursadas em 2023 ou 2022. 💵 Além das parcelas mensais, haverá também um bônus: a cada ano letivo concluído com aprovação, aluno também terá R$ 1 mil depositado em uma poupança. Segundo o MEC, dois terços desse valor poderão ser usados assim que recebidos. "O outro terço ficará guardado para saque quando o estudante se formar na última etapa da educação básica", afirma o MEC. O estudante que fizer o Enem ao final do 3º ano receberá ainda R$ 200 em parcela única. Vale lembrar que alunos de escola pública não pagam a inscrição no Enem no ano em que estiverem concluindo esta etapa do ensino. Como funciona o programa Pé-de-Meia g1 2. Quem receberá o valor? Os valores serão depositados em uma conta em nome do estudante beneficiário, de natureza pessoal e intransferível, que poderá ser do tipo poupança social digital. O benefício é ligado ao aluno: não haverá restrição ao acesso ao benefício para estudantes cujas famílias têm mais de um integrante matriculado no ensino médio. 🗓️ O governo federal afirma que o início dos depósitos na "poupança" está previsto para março, mas não detalhou qual será o dia do depósito. ⚠️ A conta bancária será criada automaticamente pela Caixa Econômica Federal, segundo o governo. Ou seja, não é necessário comparecer à agência bancária, basta incluir o CPF do aluno no ato da matrícula. 3. Como serão os depósitos e saques? Serão duas formas de depósito, com regras de movimentação distintas: ➡️ Na primeira, os depósitos ocorrerão mensalmente, ao longo de cada ano letivo, para alunos que efetivarem a matrícula e comprovarem a frequência mínima nas aulas. Esses valores poderão ser movimentados a qualquer momento, ou seja, sacados, investidos em títulos públicos ou mantidos na poupança. ➡️ Já na segunda, relativa aos bônus pela aprovação no ano letivo e à participação do Enem, os valores só serão transferidos no fim do ensino médio. 4. Quais são os requisitos para receber? Os valores do Programa Pé-de-Meia serão depositados na conta bancária apenas dos estudantes de baixa renda do ensino médio público. O governo definiu o público-alvo como "estudantes de baixa renda matriculados no ensino médio regular das redes públicas e pertencentes a famílias inscritas no Programa Bolsa Família" Para receber, os estudantes devem: ter um CPF; estar inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico); o sistema já é usado para acesso ao Bolsa Família; estar matriculado no início do ano letivo; alcançar frequência escolar de pelo menos 80% das horas letivas; participar do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb). No caso do bônus, é exigido que: não tenham sido reprovados no fim do ano letivo; façam o Enem no fim do 3º ano do ensino médio. 5. Como emitir o CPF? Para receber o benefício, os alunos devem apresentar Cadastro de Pessoas Físicas (CPF). O documento trata-se de "um banco de dados" gerenciado pela Receita Federal, utilizado para vários fins – seja para identificação, declarar Imposto de Renda ou para compras e contratações de serviços. Não há idade mínima para a inscrição e cada pessoa pode se cadastrar apenas uma vez. Ou seja, o número do CPF é único e definitivo para cada um. Para solicitar, basta preencher o formulário online disponibilizado pela Receita Federal. Para cidadão brasileiro residente no país, clique aqui. Para cidadão brasileiro residente no exterior, clique aqui. Para cidadão estrangeiro, clique aqui. ⚠️ O cartão físico do CPF – aquele de plástico azul – não é mais emitido. Os comprovantes de inscrição impressos e o CPF Digital têm o mesmo valor jurídico. Leia também: Quais documentos apresentar para emitir o CPF? 6. Como fazer o Cadastro Único? É preciso que uma pessoa da família procure o Centro de Referência de Assistência Social (Cras) do município onde vive. Essa pessoa, que deve ter pelo menos 16 anos, será responsável por prestar as informações de todos os membros da família. Porém, antes de procurar o Cras, é necessário baixar o App Cadastro Único na loja de aplicativo dos celulares e fazer um pré-cadastro. Esse serviço também está disponível na internet. No momento da inscrição, o representante deve apresentar pelo menos um documento dos seguintes documentos para cada pessoa da família: Certidão de Nascimento; Certidão de Casamento; CPF; Carteira de Identidade – RG; Carteira de Trabalho; Título de Eleitor; Registro Administrativo de Nascimento Indígena (RANI) – somente se a pessoa for indígena. 7. Alunos da EJA terão direito ao Pé-de-Meia? Matriculados na Educação para Jovens e Adultos (EJA) também podem fazer parte do programa, desde que tenham de 19 a 24 anos. No caso deles, o bônus será pago se fizerem o Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja). "Os parâmetros para elegibilidade, verificação de condicionalidades, concessão e pagamento dos incentivos aos estudantes matriculados na educação de jovens e adultos (EJA) serão disciplinados em ato do Ministro da Educação", afirmou o governo. 8. O Pé-de-Meia pode ser somado a outros benefícios sociais? ➡️ O dinheiro que será pago aos alunos não entrará no cálculo de renda familiar per capita (ou seja, nenhuma família vai deixar de ter direito ao Bolsa Família por causa da verba depositada pelo Pé-de-Meia). ➡️ O projeto de lei, aprovado em dezembro, proibia que alunos com deficiência pudessem receber ao mesmo tempo o Pé-de-Meia e o Benefício de Prestação Continuada (BPC). O trecho foi vetado pelo presidente Lula. ➡️ Para famílias de baixa renda formadas apenas pelo estudante, o Pé-de-Meia não poderá ser acumulado com determinados "bônus" do Bolsa Família, como Benefício de Renda de Cidadania, Benefício Complementar, Benefício Primeira Infância e Benefício Variável Familiar. Vídeos Pé-de-Meia: Lula sanciona programa que prevê poupança para alunos do ensino médio
Veja Mais

27/01 - Estudante da rede pública de SP se emociona ao descobrir que foi o primeiro da família aprovado na universidade
Filho de uma diarista e um alterador de mercadorias, Matheus da Silva, de 18 anos, estudou em escola estadual em Santo André, e conquistou nesta sexta (26) uma vaga no curso de estatística da USP, pelo Provão Paulista. 1º da família na faculdade: veja a reação de aluno ao descobrir a aprovação na USP Sozinho em casa, pouco depois de acordar e cheio de ansiedade. Foi assim que Matheus da Silva, estudante de 18 anos de Santo André, na Grande São Paulo, descobriu que foi aprovado em uma vaga para o curso de graduação em estatística no campus Butantã da Universidade de São Paulo (USP), na manhã desta sexta-feira (26), via Provão Paulista. A reportagem do SP2 registrou por videochamada o momento da conquista do jovem (assista no vídeo acima). Consulte a lista de aprovados no Provão Paulista Matrículas dependem da universidade escolhida; veja calendário Antes, ele havia ficado longe das notas mínimas exigidas para garantir a vaga pela Fuvest, pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) e pelo processo Enem-USP, no qual a instituição seleciona estudante com base na pontuação do Exame Nacional do Ensino Médio. "Eu fiz a Unesp, a Fuvest o Enem. A Unicamp eu não consegui fazer porque não tive dinheiro para pagar a inscrição", lembra ele. Mesmo com 880 pontos na prova de redação do Enem 2023, Matheus não conseguiu ficar dentro da nota de corte em estatística na sua modalidade do Enem-USP, pela cota de escola pública para pretos, pardos e indígenas. Se inscreva no canal do g1 SP no WhatsApp aqui Por isso, ele acabou optando no Enem-USP pelo curso de geologia, para o qual foi aprovado no resultado divulgado na última quarta (24). Mas, apesar da alegria de ter conseguido uma vaga na faculdade, o sonho dele, de seguir alguma carreira envolvendo matemática aplicada, agora sobrevivia apenas no resultado do Provão Paulista. A escolha da carreira, segundo ele, ocorreu ainda no primeiro ano do ensino médio. "Eu estava pensando em ser engenheiro civil, mas não curti muito a área quando pesquisei. Aí vi que tenho um olhar mais analítico, então pensei: 'matemática aplicada'." Todas as fichas no Provão No novo vestibular da Secretaria Estadual da Educação (Seduc-SP), ele colocou ciências da computação na USP como primeira opção, estatística na USP como a segunda opção e engenharia da computação na Unesp como terceira opção. Escolheu, ainda, o curso tecnológico de sistemas embarcados, na Fatec de Santo André. Na primeira vez que bateu o olho no seu boletim de desempenho, Matheus inclusive achou que não tinha passado. "Nossa, em estatística quase cheguei perto, fiquei na segunda colocação." Passados cerca de 20 segundos, ele chegou até o fim do boletim, onde estava escrito que ele fora convocado para matrícula em sua segunda opção: estatística. Os olhos arregalaram, o sorriso resignado sumiu e ele levou as duas mãos à boca e se afastou do computador. "Não posso acreditar", disse Matheus, que chegou perto para ler de novo a frase. "Convocado para matrícula na segunda opção, como ampla concorrência", leu o estudante em voz alta, engatando com um grito pela mãe. Matheus da Silva, no momento em que descobriu que passou no curso que queria, estatística, na Universidade de São Paulo Reprodução Na manhã desta sexta, o jovem estava sozinho em casa. Sua mãe, diarista, e o pai, que trabalha como alterador de mercadoria em uma empresa, já haviam saído. A irmã mais nova também não estava por lá, e Matheus já começou a planejar os próximos passos. Primeiro, ligar para todo mundo e avisar do sonho realizado. Depois, passar na Escola Estadual Educador Pedro Cia, a escola do Programa de Ensino Integral onde ele cursou o ensino médio e se formou em dezembro, para buscar os documentos de que precisa para fazer sua matrícula na USP na próxima segunda (29). Por fim, retirar na parede do quarto todos os materiais de estudo pré-vestibular que o acompanharam por tanto tempo. Caminho até a aprovação No ensino fundamental, Matheus estudou em outra escola de tempo integral, que era voltada à preparação para o vestibulinho das Etecs. Mas, na Hora H, ele acabou perdendo o prazo para se inscrever. No fim, acabou indo estudar na escola mais próxima, que também era em tempo integral. "Eu ficava pensando que, se eu não conseguisse nem passar no vestibulinho, não iria conseguir passar em vestibular. Aí eu fiquei bem desanimado. E comecei a estudar bastante. Agora estou aqui." (Matheus da Silva, aprovado na USP pelo Provão Paulista) Sua estratégia de aprovação foi aproveitar as oportunidades que a escola oferecia, inclusive a frequência de simulados de redação, que, segundo ele, paralisam toda a escola para garantir a participação dos estudantes. "Eu não estudei de forma tradicional, que é você estudar a teoria e depois aplicar aos exercícios", explicou ele. "Eu fazia os exercícios direto, pegava as questões que estavam erradas e estudava por elas, aí eu aumentava bastante os meus acertos." Aproximação entre escola e universidade Em entrevista ao SP2, o professor Aluisio Segurado, pró-reitor de Graduação da USP, explicou que a universidade está contente com o resultado da primeira edição do Provão Paulista. De acordo com ele, a ideia do novo vestibular é reagir à baixa participação de estudantes de escolas estaduais paulistas nos processos seletivos para o ensino superior. Segurado diz que um levantamento da USP mostrou que, na edição 2023 da Fuvest, apenas 8% dos estudantes da rede estadual participaram das provas. Já no Enem 2022, que deveria ser mais acessível, essa taxa foi de apenas 16%, a segunda pior participação entre todas as redes estaduais e distrital do país. "O grande objetivo é dar mais oportunidades a jovens independentemente da sua origem familiar, da sua situação socioeconômica", explicou Segurado. "E reconhecer os talentos, porque a prova é competitiva e o mérito é sempre imprescindível. Mas que os talentos sejam reconhecidos e que lhes seja dada a oportunidade que merecem para construir um projeto de vida que inclua a USP, a Unicamp e a Unesp como uma possibilidade."
Veja Mais

26/01 - Prazo para matrícula de aprovados no Provão Paulista se encerra nesta quarta; veja calendário
Quem foi convocado em duas vagas só poderá se matricular em uma delas. Matrículas já começam neste sábado (27), no caso dos candidatos convocados para a Unesp, e segunda chamada sai na próxima sexta (2). Os milhares de estudantes de escolas públicas aprovados no Provão Paulista agora têm poucos dias para realizar a matrícula e garantir a vaga de graduação em uma das cinco instituições paulistas de ensino superior. Os resultados foram divulgados na manhã desta sexta-feira (26) e dizem respeito apenas às vagas para início no primeiro semestre letivo de 2024. No total, isso representa 7.623 das 15.369 vagas oferecidas nas provas. O resultado para a entrada no segundo semestre será conhecido em abril. O processo de matrícula é feito de forma virtual, mas no site de cada instituição. Na Universidade Estadual Paulista (Unesp), por exemplo, as matrículas já podem ser feita a partir das 8h deste sábado (27). Veja abaixo as datas e sites para a matrícula, segundo as orientações divulgadas no site oficial: Unesp: das 8h de sábado (27) até quarta (31) no site https://sistemas.unesp.br/calouros/ USP: segunda a quarta-feira (29 a 31 de janeiro) no site https://www5.usp.br/ Fatecs: segunda a quarta-feira (29 a 31 de janeiro) no site https://siga.cps.sp.gov.br/matricula/matricularemota.aspx Unicamp: terça e quarta-feira (30 e 31 de janeiro), segundo as regras da página de instruções de matrícula. No caso da Unicamp, em 30 de janeiro os candidatos aprovados para as cotas étnico-raciais terão entrevista on-line com a Comissão de Averiguação. Univesp: segundo a portaria divugada pela Univesp, neste mês os candidatos aprovados serão convocados via e-mail para realizar a matrícula pelo site. O portal de matrículas da Univesp é https://sei.univesp.br/processoSeletivo/#/. Candidato só pode se matricular em uma vaga Segundo a Secretaria Estadual da Educação (Seduc-SP), caso o estudante tenha sido convocado para duas vagas diferentes, ele só poderá se matricular em uma delas. "O Provão Paulista Seriado buscou proporcionar aos estudantes a oportunidade de escolha após a divulgação dos resultados, evitando eliminações imediatas", explicou a pasta, em nota à TV Globo. "Os candidatos que foram aprovados em duas opções de escolha poderão se matricular em apenas uma delas. Cabe a eles decidir com qual se identificam mais. Uma vez que o estudante confirme a matrícula em uma universidade, será automaticamente eliminado da outra, e a vaga será preenchida por outro aluno do mesmo grupo na próxima chamada." Próximas chamadas A segunda chamada do Provão Paulista será divulgada na próxima sexta (2). Já a terceira será publicada na sexta seguinte, dia 9. Essa é a primeira edição do vestibular realizado pela secretaria e voltado para aumentar a participação de estudantes de escolas públicas, principalmente as da rede estadual paulista, nas universidades do estado. No total, 15 mil vagas serão ofertadas para o primeiro e segundo semestres de 2024. Os resultados divulgados nesta sexta são referentes a 10.232 vagas oferecidas nas cinco instituições: Universidade de São Paulo (USP): 1.500 vagas Universidade Estadual Paulista (Unesp): 934 vagas Universidade Estadual de Campinas (Unicamp): 325 vagas Universidade Virtual do Estado de São Paulo (Univesp): 2.620 vagas (com início das aulas no segundo semestre) Faculdades de Tecnologia de São Paulo (Fatecs): 4.864 vagas (para início no primeiro semestre) Em abril, um novo processo de escolha de vagas será feito para outras 5.136 vagas com início no segundo semestre. Participação na primeira edição Segundo a Seduc-SP, 386 mil estudantes do terceiro ano do ensino médio estavam inscritos no Provão Paulista. Desse total, 89% eram da rede estadual de ensino, 9% estavam matriculados nas Etecs, as escolas de tecnologia do Centro Paula Souza. O restante foi composto de alunos dos institutos e escolas federais, das redes municipais e estaduais de foram do estado. Cerca de dois terços deles (260 mil) de fato fizeram os dois dias de prova. Mas só 184 mil chegaram a se manter na disputa, selecionando pelo menos uma de 11 opções possíveis de vagas nas instituições participantes, no período entre o início de novembro de o fim de dezembro. Os estudantes que não escolheram vagas acabaram de fora da concorrência. Já entre os aprovados na lista divulgada nesta sexta, a secretaria disse que 74% são estudantes formados em escolas estaduais paulistas. Outros 17% são das Etecs e 9% estudaram nas demais redes públicas de ensino. Provão Paulista em números Lista de aprovados Consulte abaixo todos os nomes convocados na primeira chamada do Provão Paulista, ou clique aqui para conferir. Alunos da rede pública durante Provão Paulista Divulgação Leia também 'Mais difícil do que o Enem': alunos do 3º ano relatam como foi 1º dia de provas Tema da redação vaza na véspera do exame; governo de SP diz que irá investigar Governo de SP nega fraude em vazamento de tema da redação Ao todo, serão divulgadas três chamadas unificadas para as matrículas dos aprovados, com a nota e as opções determinadas pelos estudantes. Todas as matrículas, com exceção da Univesp, são para início das aulas no primeiro semestre deste ano. Na Universidade Virtual do Estado de São Paulo, os cursos terão início no segundo semestre deste ano letivo. O que é o Provão Paulista? O Provão Paulista é um novo vestibular seriado anunciado pelo governo estadual em julho, voltado especificamente para estudantes matriculados na rede pública de ensino. Cinco instituições de ensino paulistas aderiram ao processo seletivo, somando cerca de 15 mil vagas que serão disputadas pelos candidatos. Como se trata de uma prova seriada, os estudantes fazem o vestibular todos os anos ao longo do ensino médio. Isso quer dizer que um aluno que está no primeiro ano em 2023 precisará fazer a prova também em 2024 e 2025. Só então sua nota final, baseada no desempenho das três edições, será calculada para a disputa por uma vaga na graduação. Quem cursa o segundo ano precisará fazer o Provão em 2023 e 2024. Já os que estão no terceiro ano do ensino médio terão apenas as notas desta edição como base de cálculo na concorrência. De acordo com o governo de São Paulo, cerca de 1,2 milhão de alunos se inscreveram para realizar o Provão. Desses, 1,7 mil estudam em outros estados.
Veja Mais

26/01 - Programa Pé de Meia: governo vai pagar R$ 2 mil por ano, além de bônus, a alunos do ensino médio público
Presidente Lula e ministro Camilo Santana dão entrevista coletiva em Brasília. Programa Pé de Meia: governo vai pagar R$ 2 mil por ano, além de bônus, a alunos do ensino médio público Presidente Lula e ministro Camilo Santana dão entrevista coletiva em Brasília. Entrou em vigor nesta sexta-feira (26) a lei que institui o Programa Pé de Meia.. O programa é um incentivo financeiro para que alunos de baixa renda, do ensino médio público, concluam a educação básica.. Em Brasília, o presidente e o ministro da Educação detalham como o programa vai funcionar.
Veja Mais

26/01 - Provão Paulista 2024: governo de SP divulga 1ª lista de aprovados
Primeira etapa de matrícula acontece até esta quarta (31); próximas chamadas acontecem nos dias 2 e 9 de fevereiro. São 15 mil vagas para USP, Unesp, Unicamp, Fatec e Univesp. Provão Paulista: governo de SP divulga primeira lista de aprovados A Secretaria Estadual da Educação divulgou nesta sexta-feira (26) o resultado do Provão Paulista, aplicado para alunos do primeiro ao terceiro ano do ensino médio da rede pública do estado de São Paulo. São cerca de 15 mil vagas para USP, Unesp, Unicamp, Fatec e Univesp. A lista da primeira chamada está disponível no site do exame. Veja abaixo ou clique aqui para conferir. A iniciativa do governo de São Paulo garante vagas no ensino superior nas universidades e faculdades estaduais para alunos que concluíram o ensino médio no ano passado. As vagas disponíveis são: Universidade de São Paulo (USP): 1.500 vagas Universidade Estadual Paulista (Unesp): 934 vagas Universidade Estadual de Campinas (Unicamp): 325 vagas Universidade Virtual do Estado de São Paulo (Univesp): 2.620 vagas Faculdades de Tecnologia de São Paulo (Fatecs): 10 mil vagas Além dos resultados, a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo irá divulgar a primeira chamada unificada. O período de matrículas se encerra nesta quarta-feira (31). Cada instituição de ensino superior tem regras próprias para o processo de matrícula. A Secretaria da Educação de São Paulo sugere aos estudantes que consultem as regras que já estão disponíveis no portal do Provão Paulista. Alunos da rede pública durante Provão Paulista Divulgação Leia também 'Mais difícil do que o Enem': alunos do 3º ano relatam como foi 1º dia de provas Tema da redação vaza na véspera do exame; governo de SP diz que irá investigar Governo de SP nega fraude em vazamento de tema da redação Ao todo, serão divulgadas três chamadas unificadas para as matrículas dos aprovados, com a nota e as opções determinadas pelos estudantes. Todas as matrículas, com exceção da Univesp, são para início das aulas no primeiro semestre deste ano. Na Universidade Virtual do Estado de São Paulo, os cursos terão início no segundo semestre deste ano letivo. O que é o Provão Paulista? O Provão Paulista é um novo vestibular seriado anunciado pelo governo estadual em julho, voltado especificamente para estudantes matriculados na rede pública de ensino. Cinco instituições de ensino paulistas aderiram ao processo seletivo, somando cerca de 15 mil vagas que serão disputadas pelos candidatos. Como se trata de uma prova seriada, os estudantes fazem o vestibular todos os anos ao longo do ensino médio. Isso quer dizer que um aluno que está no primeiro ano em 2023 precisará fazer a prova também em 2024 e 2025. Só então sua nota final, baseada no desempenho das três edições, será calculada para a disputa por uma vaga na graduação. Quem cursa o segundo ano precisará fazer o Provão em 2023 e 2024. Já os que estão no terceiro ano do ensino médio terão apenas as notas desta edição como base de cálculo na concorrência. De acordo com o governo de São Paulo, cerca de 1,2 milhão de alunos se inscreveram para realizar o Provão. Desses, 1,7 mil estudam em outros estados.
Veja Mais

26/01 - Pé-de-Meia: alunos de baixa renda do ensino médio público receberão R$ 2 mil por ano, além de bônus, diz ministro da Educação
Incentivo financeiro busca reduzir a evasão escolar. Quem fizer o Enem no fim do 3º ano receberá um complemento de R$ 200. Pé-de-Meia: alunos de baixa renda do ensino médio público receberão R$ 2 mil por ano O valor pago pelo Programa Pé-de-Meia aos alunos de baixa renda do ensino médio público será de R$ 2 mil por ano (R$ 200 na matrícula + 9 parcelas de R$ 200), afirmou o ministro da Educação, Camilo Santana, nesta sexta-feira (26), em Brasília. Também serão depositados bônus para quem for aprovado a cada ano e prestar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) ao final do ensino médio (leia mais abaixo). A lei que institui esse incentivo financeiro para reduzir a evasão escolar entrou em vigor nesta sexta, dez dias após ser sancionada pelo presidente Lula. Governo anuncia valores de programa que cria bolsa contra evasão escolar no ensino médio 🗓️ Quando o dinheiro cairá na conta? Até a última atualização desta reportagem, o governo federal ainda não havia definido uma data para o início dos depósitos na "poupança". "O esforço é para que o primeiro pagamento seja feito até o final de março", afirmou Santana. Lula e o ministro Camilo Santana (à direita do presidente) apresentam políticas na área de educação Luiza Tenente/g1 Veja abaixo os valores que serão pagos pelo programa: Quando o aluno se matricular no início do ano: R$ 200, em parcela única; Se o estudante apresentar a frequência escolar adequada (acima de 80% das horas letivas): total de R$ 1.800, que serão pagos em 9 parcelas de R$ 200. 💰 Além das parcelas mensais, haverá também um bônus, equivalente a pelo menos um terço do total pago ao aluno, se o jovem: não for reprovado em cada ano do ensino médio (R$ 1.000 por ano, sacados em parcela única ao final do ensino médio); fizer o Enem ao final do 3º ano (R$ 200, em parcela única). Tire suas dúvidas abaixo: ✏️Quais os pré-requisitos? Os valores do Programa Pé-de-Meia serão depositados na conta bancária apenas dos estudantes de baixa renda do ensino médio público, desde que eles: possuam CPF; estejam cadastrados no CadÚnico (instrumento do governo federal para coleta de dados de pessoas em vulnerabilidade); tenham se matriculado no início do ano letivo; alcancem frequência escolar de pelo menos 80% das horas letivas; participem do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb). No caso do bônus, é exigido que: não tenham sido reprovados no fim do ano letivo; façam o Enem no fim do 3º ano do ensino médio. ✒️Por que o programa foi criado? Segundo o governo Lula, os objetivos do programa são: reduzir a evasão escolar, já que especialmente os alunos de baixa renda correm um risco maior de abandonar os estudos e entrar precocemente no mercado de trabalho, para ajudar financeiramente a família; incentivar que os jovens de escola pública façam o Enem (em 2023, por exemplo, apenas 46,7% dos concluintes de colégios públicos se inscreveram na prova); diminuir a desigualdade no acesso à universidade e ao mercado de trabalho formal. 🧑‍🎓 Quantos alunos serão atendidos? E quando o benefício começará a ser pago? Segundo o Ministério da Educação (MEC), a expectativa é atender cerca de dois milhões e meio de estudantes já em 2024. Como dito no início da reportagem, o ministro Camilo Santana afirmou que a intenção é depositar o primeiro pagamento até março. 🧍‍♂️ Alunos da EJA terão direito ao Pé-de-Meia? Sim. Matriculados na Educação para Jovens e Adultos (EJA) também podem fazer parte do programa, desde que tenham de 19 a 24 anos. No caso deles, o bônus será pago se fizerem o Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja). 💲O Pé-de-Meia pode ser somado a outros benefícios sociais? ➡️ O dinheiro que será pago aos alunos não entrará no cálculo de renda familiar per capita (ou seja, nenhuma família vai deixar de ter direito ao Bolsa Família por causa da verba depositada pelo Pé-de-Meia). ➡️ O projeto de lei, aprovado em dezembro, proibia que alunos com deficiência pudessem receber ao mesmo tempo o Pé-de-Meia e o Benefício de Prestação Continuada (BPC). O trecho foi vetado pelo presidente Lula. ➡️ Para famílias de baixa renda formadas apenas pelo estudante, o Pé-de-Meia não poderá ser acumulado com determinados "bônus" do Bolsa Família, como Benefício de Renda de Cidadania, Benefício Complementar, Benefício Primeira Infância e Benefício Variável Familiar. 🏦 Será possível movimentar o dinheiro ao longo do ensino médio? Serão duas formas de depósito, com regras de movimentação distintas: ➡️ Na primeira, os depósitos ocorrerão mensalmente, ao longo de cada ano letivo, para alunos que efetivarem a matrícula e comprovarem a frequência mínima nas aulas. Esses valores poderão ser movimentados a qualquer momento, ou seja, sacados, investidos em títulos públicos ou mantidos na poupança. ➡️ Já na segunda, relativa aos bônus pela aprovação no ano letivo e à participação do Enem, os valores só serão transferidos no fim do ensino médio. Outras políticas na área de educação No balanço que fez sobre as demais políticas educacionais, o ministro Camilo Santana ainda afirmou que: haverá bolsas de assistência estudantil para indígenas e quilombolas em todas as universidades federais em 2024; foi registrado o maior número de inscritos no Sisu desde 2017. O programa seleciona estudantes para universidades públicas do país. As inscrições terminaram na quinta (25). mudanças no Fies estão em discussão na pasta para resolver o que ele chamou de "grave problema do endividamento dos jovens" com o programa; só houve de 10 a 12% de adesão no Desenrola do Fies no primeiro mês; o objetivo é que todas as escolas públicas do país estejam conectadas à internet até 2026; a meta é criar 3,2 milhões de novas vagas em escolas de tempo integral; a participação do Pisa, em 2025, deve ter resultados por estado, para que o retrato seja mais fiel às realidades de cada região; livros serão comprados para bibliotecas comunitárias pelo Programa Nacional do Livro Didático (PNLD). Vídeos Pé-de-Meia: Lula sanciona programa que prevê poupança para alunos do ensino médio
Veja Mais

25/01 - As novas descobertas científicas que explicam superinteligência em crianças
Uma mistura de fatores genéticos e ambientais é decisiva para o desenvolvimento de habilidades excepcionais nos primeiros anos de vida. Especialista aponta que pais devem ter cuidado para que genialidade não vire um fardo que se prolonga por infância, adolescência e até a vida adulta. Conexões fortes entre os neurônios parecem ser um dos ingredientes-chave de uma superinteligência na infância. GETTY IMAGES via BBC Você certamente já conheceu — na própria família, na vizinhança ou em programas de televisão — crianças que têm habilidades extraordinárias e surpreendentes para a idade delas. Algumas são excelentes em Matemática, outras nasceram com uma aptidão excepcional para tocar um instrumento musical. Há também aquelas que superam todas as expectativas num esporte ou fazem desenhos com a habilidade de um mestre das belas artes. Mas quais são os fatores que influenciam na formação de um "pequeno gênio"? E será que é possível estimular a inteligência — ou ao menos determinadas capacidades — desde cedo? Para encontrar respostas a essas e outras perguntas, a BBC News Brasil conversou com a médica Magda Lahorgue Nunes, professora titular de Neurologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS) e pesquisadora do Instituto do Cérebro (InsCer), em Porto Alegre. A especialista, que também coordena o Departamento de Neurologia da Sociedade Brasileira de Pediatria, aponta que o conceito de genialidade infantil passou por uma série de transformações nos últimos anos — e hoje há mais maneiras de entender e avaliar a inteligência nos primeiros anos de vida. Ela também alerta para o risco de determinados dons e habilidades se tornarem um peso, caso a criança passe a ser reconhecida e cobrada em excesso por eles. Por que algumas pessoas são gênios esquecidos Onde nasce o gênio Nunes lembra que, durante muitas décadas, o teste de QI (quociente de inteligência) era a principal — senão a única — maneira de medir a capacidade cognitiva de alguém. Vale destacar aqui que o QI é uma espécie de prova que avalia uma série de habilidades. Ela é aplicada em centenas ou milhares de indivíduos de diferentes faixas etárias. A partir daí, é possível definir um resultado médio para cada idade e destacar aqueles que fogem da curva — ou seja, se saem melhor ou pior no teste. "Mais recentemente, começamos a observar a genialidade em indivíduos que possuem habilidades criativas e inovadoras, que são fora do comum", diz ela. "O teste de QI segue como uma das ferramentas, mas a definição dessa genialidade ficou mais ampla e um tanto mais ambígua." Mas de onde vem e como surge essa inteligência fora do comum? As evidências científicas mais recentes apontam que há uma série de fatores que, juntos, explicam esses casos, segundo a neuropediatra. "Evidentemente, deve existir alguma base genética para isso, embora ainda não tenhamos encontrado genes específicos relacionados a essa questão", pontua ela. "Em segundo lugar, precisamos levar em conta o ambiente em que a criança é criada, que tem um impacto direto nas questões comportamentais e cognitivas dela", complementa a neuropediatra. Em termos práticos, se o indivíduo recebe desde cedo estímulos intelectuais adequados à idade, isso ajuda a estimular o cérebro e determinadas capacidades. "Um ambiente favorável não é necessariamente lotado de brinquedos caros. O mais importante é crescer em uma casa onde essa criança é estimulada, cuidada e amada", ensina Nunes. Um estudo feito por instituições finlandesas, suecas, austríacas, espanholas e alemãs publicado em 2022 tentou explicar quais eram os determinantes de uma performance cognitiva avançada de crianças e adolescentes. Os autores concluem que um mix de atividades traz benefícios em termos de inteligência, especialmente quando elas são desafiadoras do ponto de vista cognitivo. "A leitura está positivamente associada ao desempenho cognitivo, independentemente da idade, e deve ser promovida", destacam eles. Ainda na seara dos fatores externos, não dá para ignorar o impacto da boa alimentação e da prática de atividade física. Estudos sugerem que ambos influenciam no desenvolvimento cognitivo em qualquer faixa etária. Por fim, há também o papel do reforço positivo. Pais que observam nos filhos uma certa aptidão para a música ou o futebol, por exemplo, tendem a presenteá-los com instrumentos ou bolas de futebol e prestam mais atenção em como essas habilidades se desenvolvem. Uma janela valiosa Mas existe alguma área do cérebro que está super desenvolvida nesses pequenos gênios? Nunes aponta que, durante muito tempo, acreditava-se que a inteligência acima da média estava relacionada ao nível de maturação de uma região da massa cinzenta chamada córtex pré-frontal, que fica na região próxima à testa. "Mas, hoje em dia, graças aos estudos com ressonância magnética funcional e outras técnicas, sabemos que esse local relacionado à inteligência é muito mais amplo", explica a médica. "Na verdade, não se trata de um lugar específico. O mais relevante aqui é a rede de neurônios e como essas células se conectam e interagem entre si", complementa ela. Uma das pesquisas a detalhar esses aspectos foi publicada em 2014 por especialistas do Centro Basco de Cognição, Cérebro e Linguagem, na Espanha, e das universidades da Califórnia em Berkeley e Davis, nos Estados Unidos. "As melhoras nas funções cognitivas superiores desde a infância até a idade adulta refletem a integração de sistemas cerebrais complexos e amplamente distribuídos", escrevem os cientistas. Ou seja, a forma como os neurônios — responsáveis por transmitir impulsos nervosos relacionados ao raciocínio e à memória, entre outras funções — "conversam" e criam conexões fortes parece ser determinante por aqui. Aliás, a formação de uma rede neuronal sólida desde a infância é algo importante por toda a vida, segundo pesquisadores — e pode até retardar o aparecimento dos sinais de demência na velhice. Nunes acrescenta que, durante a nossa formação, existe uma janela valiosa, em que os estímulos cognitivos trazem impactos ainda mais profundos. "Essa plasticidade cerebral está no seu máximo de ação até os três anos de idade", aponta ela. Nesse contexto, o termo plasticidade se refere justamente a essa capacidade das células nervosas de se modificarem e firmarem conexões fortes por meio do aprendizado e dos estímulos externos. Nunes destaca os trabalhos do economista americano James Heckman. Ele defende a ideia de que investir na primeira infância, nesses primeiros anos de vida, é a principal estratégia para formar cidadãos com mais habilidades e capacidades. É possível criar filhos mais inteligentes? Saiba o que fazer "E isso tem um fundamento na neurociência, porque estamos falando do período de maior habilidade cerebral", diz ela. "Portanto, se o indivíduo receber esse apoio inicial, fica mais fácil para ele ter um melhor desempenho e uma maior qualidade de vida lá na frente." E, para alguém que já possui naturalmente uma inteligência fora do comum ou uma habilidade específica excepcional, esses estímulos podem representar o salto necessário para alcançar um certo status de genialidade numa determinada área do conhecimento. "Por outro lado, a pessoa pode até possuir uma determinada habilidade, mas, se ela cresce num ambiente desfavorável, ela não a desenvolve", observa Nunes. Vale ponderar aqui que, por mais que os três primeiros anos de vida representem de fato essa janela valiosa, exercitar o cérebro em qualquer faixa etária é fundamental para manter a memória e o raciocínio afiados. Quando a genialidade vira um fardo Nunes alerta que, a depender de como a inteligência fora da curva da criança é vista pelos mais velhos, ela pode se tornar uma fonte de aflição para os mais jovens. "É positivo que os pais reconheçam as habilidades dos filhos e a estimulem", pontua ela. "Mas a criança não pode se tornar apenas aquela habilidade. Podemos estar diante de um gênio da Matemática, mas ele ainda é uma criança." Isso acontece quando o menino ou a menina são apenas reconhecidos pelo dom que possuem, e não podem mais fazer outra coisa ou são até desencorajados a explorar outras áreas do conhecimento. "Nesse momento, aquilo deixa de ser algo que a criança gosta, se alegra em fazer, para virar um fardo", destaca a neuropediatra. "A função dos pais aqui é buscar um equilíbrio e nunca jogar em cima de crianças pequenas responsabilidades ou expectativas tão grandes", conclui ela.
Veja Mais

25/01 - Sisu 2024: inscrições terminam nesta quinta; veja o que é preciso saber sobre o programa
Pela primeira vez, o programa terá apenas uma edição no ano. Candidatos reclamaram de erro no sistema durante dois dos quatro dias do período de inscrições. MEC diz que erro foi corrigido. 5 cuidados para tomar ao se inscrever no Sisu 5 cuidados para tomar ao se inscrever no Sisu As inscrições para o processo seletivo do Sisu 2024, programa do Ministério da Educação (MEC) que seleciona estudantes para universidades públicas do país, terminam às 23h59 desta quinta-feira (25). Até terça-feira (23), mais de 1 milhão de alunos já haviam se candidatado às 264.181 vagas, distribuídas entre 6.827 cursos de 127 instituições de educação superior. 📊 Neste ano, programa trouxe duas mudanças importantes: Apenas uma edição: haverá uma edição no ano, só agora em janeiro. Não haverá mais o processo seletivo que era realizado no meio do ano. Além disso, as regras para a adesão por meio de cotas também mudaram (veja mais abaixo). A seguir, confira os detalhes do Sisu: Período de inscrições do Sisu 2024 termina na quinta-feira (25). Reprodução 🗓️ Datas do Sisu Pela primeira vez, o Sistema de Seleção Unificada terá uma edição única. Com isso, a seleção de candidatos para o segundo semestre letivo de 2024 vai acontecer nas mesmas datas da seleção para o primeiro semestre. Portanto, para todos que quiserem se candidatar a vagas em universidades públicas pelo Sisu neste ano, o cronograma será o seguinte: Inscrições: 22 a 25 de janeiro de 2024 Resultados da 1ª chamada: 30 de janeiro de 2024 Matrículas: 1º a 7 de fevereiro de 2024 Participação na lista de espera: manifestar interesse entre 30 de janeiro e 7 de fevereiro de 2024 Resultado das listas de espera: datas serão definidas por cada universidade ➡️ Quem está apto a participar? Alunos que tenham feito o Enem 2023 e tirado nota acima de zero na redação. Treineiros não serão aceitos. ➡️ Posso escolher em qual semestre vou entrar na faculdade? Não. Caberá à universidade, por meio da ordem da lista de classificação de candidatos, selecionar quem estudará em cada semestre. 📚 Opções de vaga No ato da inscrição, o candidato deve selecionar até duas opções de curso ou universidade, que podem ser alteradas quantas vezes quiser até 23h59 desta quinta-feira, quando o prazo de inscrição se encerra. Valerão as últimas opções marcadas no sistema. 💡 Uma dica é monitorar as notas de corte parciais divulgadas pelo Inep à meia-noite de cada dia do período de inscrições. A última atualização estava prevista para a 0h desta quinta-feira. Essas notas dão uma boa noção das chances de classificação em cada curso, mas candidatos reclamaram de erro entre terça (23) e quarta (24). (Veja mais abaixo.) 👉🏾 Notas de corte parciais: a cada dia do período de inscrições, o sistema calcula uma nota de corte parcial para cada curso, com base no número de vagas e no desempenho de quem já se inscreveu até aquele momento. Assim, a nota de corte sempre dependerá da nota do candidato que ocupa a última posição dentro do número de vagas disponíveis. Entenda aqui como as notas de corte parciais do Sisu são calculadas 📝 Mudança nas cotas O Sisu oferece vagas via Lei de Cotas para pretos, pardos, indígenas, quilombolas e pessoas com deficiência. Mas, neste ano, foram anunciadas algumas mudanças para a candidatura a essas vagas: Todos os candidatos concorrerão, primeiramente, às vagas de ampla concorrência. Caso não alcancem as notas nesta modalidade e façam parte de algum dos grupos de cotas (os critérios são de raça e de renda), aí, sim, entrarão na disputa pelo benefício. Com isso, se uma pessoa autodeclarada preta, por exemplo, tirar uma nota mais alta que a exigida na ampla concorrência, será aprovada na "lista geral" e não tirará a vaga de um cotista com desempenho mais baixo. Até o Sisu 2023, quem tinha direito às cotas já participava, desde o início, de uma classificação à parte, separada da ampla concorrência. 📌 Total de vagas do Sisu Neste ano, o Sisu contará com 264.181 vagas, distribuídas entre 6.827 cursos de 127 instituições de educação superior. A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) lidera a lista com 9.240 vagas. Quantitativo de vagas por instituição ❌ Erro no sistema do Sisu Entre terça (23) e quarta-feira (24), candidatos reclamaram de problemas no sistema do Sisu: Em um dos erros, inscritos com nota suficiente para a primeira opção de curso estavam sendo alocados na segunda opção, o que não deveria acontecer. Um outro problema impedia o candidato de ver sua colocação nos cursos escolhidos, o que comprometia a decisão de permanecer concorrendo àquelas opções, na esperança de estar em uma boa colocação, ou de mudar as opções em busca de uma melhor posição. Procurado, o MEC declarou que "detectou casos pontuais de inconsistência na alocação de inscritos" no Sisu, e que "ajustou o sistema, que opera normalmente". A pasta informou ainda que uma equipe estava trabalhando para garantir a "transparência e normalidade do processo seletivo", além de garantir que "nenhum inscrito será prejudicado". Apesar disso, ainda na tarde de quarta-feira, candidatos voltaram a reclamar dos erros. Vídeos Em 2024, SISU terá apenas uma edição Neste ano, o r terá apenas uma edição — só em janeiro, sem o processo seletivo que usualmente ocorre no meio do ano.
Veja Mais

24/01 - Sisu 2024: entenda como as notas de corte parciais são calculadas; inscrições encerram na quinta
Após atualização diária nas notas de corte, candidatos reclamaram de erro no sistema do programa. Em nota, o MEC declarou que o problema foi identificado e corrigido. Sisu libera a nota de corte dos cursos das universidades públicas. Reprodução Com a atualização das notas de corte parciais no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) 2024 nesta quarta-feira (24), candidatos que antes estavam dentro da nota de corte caíram algumas colocações, enquanto outros ganharam vantagem. Isso gerou dúvidas nas redes sociais, e internautas chegaram a reclamar da definição das notas pelo sistema. As inscrições abriram na segunda-feira (22) e vão até quinta-feira (25). O Sisu é um programa do Ministério da Educação (MEC) que oferece vagas em universidades públicas. Podem participar alunos que fizeram a edição mais recente do Enem e tiraram nota superior a 0 na redação. 👉 Como funciona: No processo de inscrição, os alunos podem selecionar até dois cursos de interesse. Eles também podem conferir suas colocações no sistema, o que é importante para saber as suas chances de classificação. As opções podem ser alteradas quantas vezes o candidato quiser, desde que até as 23h59 de quinta, quando as inscrições se encerram. Valerão as escolhas que estiverem marcadas no sistema nesse horário. Mas, afinal, como as notas de corte são definidas? Elas são mesmo tão aleatórias quanto alguns candidatos acham? Notas de corte parciais A cada dia do período de inscrições, o sistema calcula uma nota de corte parcial para cada curso, com base no número de vagas e no desempenho de quem já se inscreveu até aquele momento. Por exemplo: Suponha que Universidade Federal de Pelotas (UFPel) tem 5 vagas para o curso de odontologia, e, no primeiro dia, 6 candidatos com as seguintes médias se inscreveram para elas: Candidato 1: 892,13 Candidato 2: 870,79 Candidato 3: 846,45 Candidato 4: 838,62 Candidato 5: 825,09 Candidato 6: 815,80 Quando o sistema atualizou no segundo dia, a nota de corte parcial para as cinco vagas era 825,09, igual a média do quinto candidato, que estava, naquele momento, ocupando a última vaga disponível. Com isso, o sexto candidato estava abaixo da nota de corte parcial. Ainda no segundo dia, um novo candidato se inscreveu para uma daquelas vagas: Candidato 1: 892,13 Candidato 2: 870,79 Novo candidato: 865,40 Candidato 3: 846,45 Candidato 4: 838,62 Candidato 5: 825,09 Candidato 6: 815,80 Quando a nota de corte atualizou no terceiro dia, havia aumentou para 838,62, igual a nota do Candidato 4, que estava, então, ocupando a quinta colocação na disputa pelas vagas. Assim, a nota de corte sempre dependerá da nota do candidato que ocupa a última posição dentro do número de vagas disponíveis. Candidata ao Sisu 2024 ocupa a última posição dentre as vagas disponíveis; média dela é definica como nota e corte. Reprodução/Redes sociais 🚨 Fique atento! Da mesma maneira que a nota de corte parcial pode aumentar ao longo dos dias, também pode diminuir caso um candidato bem colocado mude a opção de curso, por exemplo. Por isso, a dica é conferir diariamente a nota de corte dos cursos escolhidos. 5 cuidados para tomar ao se inscrever no Sisu Candidatos reclamam de erro Um erro percebido por candidatos do Sisu na terça-feira (23), persistiu ao longo desta quarta-feira. A reclamação dos inscritos dizia respeito a uma indicação do sistema de que, mesmo com nota suficiente para passar na primeira opção de curso, os candidatos teriam sido temporariamente classificados para a segunda opção — o que não deveria acontecer. Candidato fica confuso com classificação no Sisu. Reprodução/Redes sociais O g1 apurou que o erro afeta também quem está fora da nota de corte dos cursos escolhidos, uma vez que o sistema não indica a colocação do candidato na lista de interessados. "O problema é que não dá para saber se vale tentar a lista de espera do curso quando a inscrição terminar ou se devemos mudar a opção de curso antes disso. É um problema que afeta muito nossa escolha", diz a recifense Victória Anne Almeida, de 23 anos, que notou o erro na inscrição do namorado, Victor Eduardo Santos, de 22 anos. Em nota, o Ministério da Educação (MEC) declarou que detectou problemas "pontuais" e que o sistema foi ajustado e "opera normalmente". "A equipe segue trabalhando, em regime de plantão, para garantir a transparência e normalidade do processo seletivo. Nenhum inscrito será prejudicado", concluiu a pasta. VÍDEOS DE EDUCAÇÃO
Veja Mais

23/01 - Sisu: candidatos reclamam que, mesmo com nota suficiente para a primeira opção de curso, são alocados na segunda
Estudantes usam a nota do Enem para disputar uma das 264 mil vagas das instituições públicas participantes. Inscrição vai até quinta. Procurado, MEC ainda não se manifestou. Candidatos que tentam uma vaga em uma universidade pública pelo Sisu 2024 têm relatado nas redes sociais que, nesta terça-feira (23), primeiro dia de classificação, tiveram a primeira opção de curso escolhida desconsiderada mesmo com nota suficiente para passar. Eles teriam sido temporariamente classificados para a segunda opção. Candidato fica confuso com classificação no Sisu. Reprodução/Redes sociais O g1 procurou o Ministério da Educação (MEC) para saber o motivo disso estar acontecendo, mas não havia recebido retorno até a última atualização desta reportagem. As inscrições para o Sistema de Seleção Unificada abriram na segunda-feira (22) e vão até quinta-feira (25). Como funciona a inscrição: Os estudantes se inscrevem usando a nota do Enem 2023. Pelo sistema, ele deve selecionar até duas opções de curso ou universidade - são cerca de 264 mil vagas. A primeira é na qual ele mais tem interesse. Todo dia, à 0h, durante o prazo de inscrição, o MEC divulga as notas de corte parciais para cada curso - que variam conforme a pontuação dos inscritos até aquele momento. Se a nota do candidato não for suficiente, o sistema automaticamente avalia a segunda opção. O estudante, então, pode acompanhar se conseguiu se classificar ou não - e, neste caso, decidir se tenta outra vaga. As opções podem ser alteradas quantas vezes o candidato quiser dentro do período de inscrição. Valerão as que estiverem marcadas no sistema às 23h59 do dia 25, quando o prazo se encerra. No entanto, há relatos de candidatos que, mesmo com nota no Enem acima da nota de corte da primeira opção de curso, receberam a mensagem: "Sua posição não foi considerada, pois você estava temporariamente classificado em sua segunda opção". Candidato questiona classificação no Sisu. Reprodução/Redes sociais 5 cuidados para tomar ao se inscrever no Sisu d o Novidades do Sisu 2024 📊 O programa neste ano tem duas mudanças importantes: Haverá apenas uma edição em 2024: só agora em janeiro. Não haverá mais o processo seletivo que era realizado no meio do ano. Além disso, as regras para a adesão por meio de cotas também mudaram (veja mais abaixo). A seguir, confira os detalhes do Sisu: 🗓️ Datas do Sisu Pela primeira vez, o Sistema de Seleção Unificada terá uma edição única. Com isso, a seleção de candidatos para o segundo semestre letivo de 2024 vai acontecer nas mesmas datas da seleção para o primeiro semestre. Portanto, para todos que quiserem se candidatar a vagas em universidades públicas pelo Sisu neste ano, o cronograma será o seguinte: Inscrições: 22 a 25 de janeiro de 2024 Resultados da 1ª chamada: 30 de janeiro de 2024 Matrículas: 1º a 7 de fevereiro de 2024 Participação na lista de espera: manifestar interesse entre 30 de janeiro e 7 de fevereiro de 2024 Resultado das listas de espera: datas serão definidas por cada universidade ➡️ Quem está apto a participar? Alunos que tenham feito o Enem 2023 e tirado nota acima de zero na redação. Treineiros não serão aceitos. ➡️ Posso escolher em qual semestre vou entrar na faculdade? Não. Caberá à universidade, por meio da ordem da lista de classificação de candidatos, selecionar quem estudará em cada semestre. 📝 Mudança nas cotas O Sisu oferece vagas via Lei de Cotas para pretos, pardos, indígenas, quilombolas e pessoas com deficiência. Mas, neste ano, foram anunciadas algumas mudanças para a candidatura a essas vagas: Todos os candidatos concorrerão, primeiramente, às vagas de ampla concorrência. Caso não alcancem as notas nesta modalidade e façam parte de algum dos grupos de cotas (os critérios são de raça e de renda), aí, sim, entrarão na disputa pelo benefício. Com isso, se uma pessoa autodeclarada preta, por exemplo, tirar uma nota mais alta que a exigida na ampla concorrência, será aprovada na "lista geral" e não tirará a vaga de um cotista com desempenho mais baixo. Até o Sisu 2023, quem tinha direito às cotas já participava, desde o início, de uma classificação à parte, separada da ampla concorrência. 📌 Total de vagas do Sisu Neste ano, o Sisu contará com 264.181 vagas, distribuídas entre 6.827 cursos de 127 instituições de educação superior. Inicialmente, o MEC havia informado que seriam 264.360 vagas, mas a informação foi corrigida em 22 de janeiro. A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) lidera a lista com 9.240 vagas. Quantitativo de vagas por instituição Prouni 2024: edital é divulgado com datas de inscrição| em G1 / Educação Vídeos Em 2024, SISU terá apenas uma edição o
Veja Mais

23/01 - Michael Jackson, Fernando Braga e José Saramago: veja o que disseram os estudantes de MT que 'bateram na trave' e fizeram 980 pontos na redação do Enem
Um seleto grupo de 18 candidatos de escolas públicas de Mato Grosso contabilizou mais de 900 pontos. O estado não teve registro de nota mil. Estudantes de MT fizeram 980 pontos na redação do Enem montagem Mato Grosso não registrou nenhuma das 60 redações nota mil no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) contabilizados no Brasil em 2023, no entanto, um seleto grupo de 18 candidatos de escolas públicas contabilizou mais de 900 pontos, sendo que alguns 'bateram na trave' da nota máxima, registrando 980 pontos. O g1 conversou com três estudantes, e as inspirações para a construção do texto foram de Michael Jackson a Fernando Braga. O tema da redação foi: "Desafios para o enfrentamento da invisibilidade do trabalho de cuidado realizado pela mulher no Brasil”. Pablo Henrique Silva Pinheiro, de 18 anos, estudante da Escola Estadual Conquista D’ Oeste, município que fica a 771 km de Cuiabá, contou que se preparou com cursos de escrita e que a professora trabalhou a trajetória do psicólogo social Fernando Braga da Costa, que foi gari por dez anos e varria as ruas da Universidade de São Paulo. “Quando me deparei com o tema fiquei super tranquilo, pois naquela mesma semana minha professora Priscila Germosgeschi trouxe em sua aula Fernando Braga para conversarmos e tirarmos dúvidas em relação a invisibilidade do trabalho de cuidado, então, quando vi o tema, fiquei feliz, pois conseguia escrever muitas coisas e tinha muitos repertórios”, contou. Pablo usou a história do psicólogo Fernando Braga para citar em sua redação Reprodução As notas do Enem foram divulgadas no último dia 17 e mesmo sem a pontuação máxima, o desempenho próximo de uma nota mil é motivo de superação. Para a estudante Elisabella de Lima Mendes, de 17 anos, de Campos de Júlio, a 692 km de Cuiabá, a nota 980 na redação foi um alívio. A adolescente sempre fez o Enem como treineira e quando estava no segundo ano alcançou a nota de 840 na redação. Ela contou que estudou 12 horas, não saía de casa e garante que não foi saudável, por isso, precisou mudar a estratégia. “Quero frisar que passar 12 horas estudando é doentio, só consegui evoluir com a minha nota quando percebi que passar 12 horas sentada na cadeira, com a cara em uma tela, não ia me ajudar em nada. Aprendi a organizar meu tempo e reservar apenas 4 horas do dia para estudar. Isso me fez bem e melhorou meu foco", explicou. Elisabella de Lima Mendes usou frases ditas no clipe do Reprodução Na redação, ela disse que usou como referência a música do Michael Jackson, They Don’t Care About Us, que teve um videoclipe gravado no Brasil, em 1995. “Assim que li o tema da redação fiquei assustada, mas de cara já lembrei do clipe do Michael gravado no Brasil, onde no início aparece um moça falando “Maycon, Maycon, eles não ligam pra gente”. Explorei profundamente as raízes históricas e sociais. Destaquei a necessidade de promover uma mudança cultural que reconheça e valorize os trabalhos mencionados nos textos de apoio. Utilizei exemplos concretos, dados estatísticos e referências a políticas públicas, proporcionando uma análise abrangente e embasada”, contou. Por outro lado, a estudante da Escola Estadual Angelina Franciscon Mazutti, disse que o nervosismo pode ter tirado seus “20 pontinhos”. “Ainda não sei onde errei para tirar aqueles 20 pontos, mas tem uma coisa que eu fiz por causa do nervosismo, na hora da conclusão eu fiquei paralisada e sem saber argumentar, aquilo tomou o meu tempo, que é essencial na hora de fazer a prova. Por causa da tremedeira, acredito ter errado algumas palavras", comentou. Thiago Henrique Pinheiro da Costa não teve tempo de revisar prova. Reprodução Em Cuiabá, Thiago Henrique Pinheiro da Costa, estudante de uma das escolas públicas mais tradicionais, Escola Estadual Liceu Cuiabano Maria de Arruda Müller, contou que citou vários autores ao longo do texto. "Na introdução usei o 'Ensaio sobre a Cegueira', de José Saramago, e minha argumentação tive como base o machismo estrutural e a falta de oportunidades que as cuidadoras têm. No desenvolvimento, usei Djamila Ribeiro e Daniela Arbex para ajudar na argumentação, sempre reforçando a negligência e o preconceito e suas consequências", explicou. Thiado acredita que não alcançou a nota mil porque teria passado por um estresse na prova, o que o deixou sem tempo para revisar o texto. “Quando olhei o tema da redação travei um pouco, mas logo após ler os textos motivadores já sabia do que se tratava e do que precisava falar, fiz meu projeto estratégico no rascunho e passei a limpo para a folha. Porém, tive estresse com o horário de prova. Fiquei muito nervoso e não tive tempo para revisar a redação, corrigir os erros superficiais, que eram meus principais erros, mas, no geral, foi tudo muito tranquilo”, contou.
Veja Mais

23/01 - Por que Canadá vai limitar entrada de estudantes estrangeiros
Limite anunciado nesta segunda-feira (22) deve reduzir em 35% o número de permissões para estudo no país em programas de bacharelado internacional e graduação. O limite deve reduzir em 35% o número de permissões para estudo aprovadas no Canadá Getty Images/Via BBC O Canadá decidiu limitar, durante dois anos, o número de estudantes estrangeiros que poderão entrar no país — em uma tentativa de conter a pressão nos preços de moradia e saúde em seu território. O limite deve reduzir em 35% o número de permissões para estudo aprovadas. O ministro da Imigração, Marc Miller, anunciou a medida na segunda-feira (22), acrescentando que o Canadá pretende aprovar esse ano cerca de 360.000 permissões para estrangeiros na graduação. O Canadá abrigava mais de 800 mil estudantes estrangeiros em 2022, enquanto uma década antes esse número era de 214 mil. O limite se aplicará a estudantes de programas de bacharelado internacional e de graduação, mas não afetará estudantes que solicitarem a renovação de permissões já concedidas. No novo modelo, cada província e território receberá uma parcela determinada de permissões que poderão ser concedidas — a distribuição regional foi definida a partir do tamanho da população local e do volume atual de matrículas. As províncias decidirão então como distribuir internamente estas permissões para as universidades. Como parte da mudança, a partir de setembro, o governo também deixará de conceder mais permissões para trabalho para estudantes formados em faculdades com modelo público-privado, que é mais comum na província de Ontário. "É inaceitável que algumas instituições privadas venham se aproveitando dos estudantes estrangeiros, operando campi com poucos recursos, sem dar apoio aos estudantes e cobrando mensalidades elevadas, enquanto aumentam significativamente a entrada de estudantes de fora do país", disse Miller. O ministro defendeu que as novas medidas "não são contra estudantes estrangeiros individualmente", mas destinam-se a garantir que os futuros estudantes recebam a "educação de qualidade para a qual se matricularam". 'É inaceitável que algumas instituições privadas venham se aproveitando dos estudantes estrangeiros', argumentou o ministro Marc Miller Patrick Doyle/Reuters/Via BBC O anúncio ocorre em um momento que o governo do primeiro-ministro Justin Trudeau enfrenta pressão crescente para conter um mercado imobiliário cada vez mais inacessível. Os preços dos imóveis no Canadá atualmente custam em média C$ 750.000 (cerca de R$ 2,7 milhões) e o aluguel aumentou 22% nos últimos dois anos. Alguns economistas têm associado o preço da habitação a um aumento na imigração, já que a construção de casas não acompanhou o crescimento populacional sem precedentes do Canadá. Em 2022, pela primeira vez, o país viu sua população aumentar em mais de 1 milhão de pessoas no período de um ano — um crescimento impulsionado em grande parte pelos recém-chegados. No ano passado, a população do Canadá atingiu um recorde de 40 milhões de pessoas. A Canada Mortgage and Housing Corporation (agência nacional de habitação) estima que o país necessita de mais 3,5 milhões unidades habitacionais até 2030 para resgatar a acessibilidade do mercado. Embora o crescimento populacional seja parte do problema, especialistas apontam para outros fatores que interferem na disponibilidade de habitação acessível, como taxas de juros elevadas. O custo dos materiais de construção também segue alto devido à inflação e às interrupções no abastecimento causadas pela pandemia de coronavírus. A redução na entrada de estudantes representa uma mudança significativa na política do Canadá, que historicamente tem dependido da imigração para preencher vagas de emprego e lidar com a sua força de trabalho, que envelhece rapidamente. Miller já havia sugerido reduzir o número de estudantes internacionais admitidos no Canadá, despertando preocupação de algumas universidades canadenses. Na semana passada, o reitor da Universidade McMaster, em Hamilton, disse que o projeto de limite significaria "uma perda" para a sua instituição. "Se perdêssemos os nossos estudantes internacionais, não seríamos tão ricos do ponto de vista do ambiente de aprendizagem", afirmou David Farrar à emissora pública CBC. Farrar acrescentou que as mensalidades pagas por estudantes estrangeiros ajudam a compensar os custos para alguns estudantes canadenses, à medida que as universidades lutam com restrições no orçamento governamental. Um limite para estudantes de fora, argumentou o reitor da universidade, significaria que a universidade teria de reduzir o número de estudantes canadenses admitidos.
Veja Mais

22/01 - Unicamp divulga aprovados em 1ª chamada no vestibular 2024; veja quem está na lista
Universidade convocou 2.527 candidatos para 69 cursos. Aprovados devem realizar a matrícula pela internet das 9h do dia 30 de janeiro às 17h do dia 31. Candidatos concentrados na prova, no campus I da PUC-Campinas Leandro Ferreira/ g1 A Unicamp divulgou, na manhã desta segunda-feira (22), a lista de aprovados na primeira chamada do vestibular 2024 da instituição. Clique aqui ou pesquise abaixo. ⏬ A universidade convocou 2.527 candidatos para 69 cursos nos campi de Campinas (SP), Limeira (SP) e Piracicaba (SP). Os aprovados devem realizar a matrícula pela internet das 9h do dia 30 de janeiro às 17h do dia 31. Para fazer o cadastro, o estudante deve utilizar o número de inscrição, data de nascimento e senha de acesso. De acordo com a comissão organizadora do processo seletivo (Comvest), quem não realizar a matrícula eletrônica será excluído da lista. As notas vão estar disponíveis para consulta nesta terça-feira (23). A segunda chamada será em 5 de fevereiro. 📲 Participe do canal do g1 Campinas no WhatsApp Cotas étnicos-raciais A Comvest informou ainda que os candidatos selecionados pelo sistema de cotas étnico-raciais, que autorizaram o uso de fotografia com parte do processo de validação do benefício, vão receber um e-mail com instruções para a matrícula. Já os estudantes que não autorizaram, deverão comparecer à banca antes de iniciar a matrícula. A validação da autodeclaração apresentada pelos candidatos que optaram pelas cotas étnico-raciais só acontece após a avaliação de fenótipo realizada pela comissão de averiguação. Candidatos durante aplicação da prova Unicamp 2024 Leandro Ferreira/g1 Segunda opção Os candidatos convocados para o curso escolhido como segunda opção também devem fazer a matrícula pela internet e optar ou não por aguardar uma possível remanejamento para o curso de primeira opção. Se o candidato não fizer a matrícula, ele perde a vaga, mas continua concorrendo normalmente ao curso de primeira opção, conforme forem acontecendo outras chamadas. Interesse por vagas Entre os dias 9 e 15 de fevereiro, a Comvest vai receber as declarações de interesse por vagas em aberto do vestibular. O formulário pode ser acessado no site da comissão. LEIA MAIS: Segundo dia da 2ª fase tem Nêgo Bispo, garimpo ilegal e machismo 2ª fase encerra com abstenção de 8,7%, abaixo da média dos últimos dez anos Primeira fase da Unicamp exigiu leitura atenta, raciocínio lógico e atualidades Com 6,9% de ausentes, vestibular da Unicamp 2024 tem menor abstenção em dez anos O candidato só pode declarar interesse na vaga se tiver feito a segunda fase, não for eliminado por nota zero e que não tenha sido convocado para nenhuma das opções até a terceira chamada. Os candidatos que concorrem em mais de uma modalidade de ingresso para 2024 (Enem-Unicamp, Vagas Olímpicas, Vestibular Indígena e ProFis) deverão aguardar as chamadas, conforme as datas divulgadas no cronograma da instituição. [veja abaixo] Candidatos durante aplicação da prova Unicamp 2024 Leandro Ferreira/g1 Cursos mais concorridos 🥇 Medicina (295 c/v) Arquitetura e Urbanismo (88 c/v) Ciência da Computação (82 c/v) Ciências Biológicas (54 c/v) Engenharia da Computação (48 c/v) Comunicação Social-Midialogia (41 c/v) Farmácia (36 c/v) História (30 c/v) Ciências Econômicas - Integral e Noturno (30 e 29 c/v) Enfermagem (28 c/v) Cronograma 📆 Matrícula online da primeira chamada: 30 e 31/01 Divulgação da segunda chamada: 05/02 Matrícula online da segunda chamada: 06/02 Divulgação da terceira chamada: 09/02 Matrícula online da terceira chamada: 15/02 Declaração de Interesse por Vagas: de 09/02 a 15/02 Divulgação da quarta chamada: 20/02 Matrícula online da quarta chamada: 21/02 Divulgação da quinta chamada: 26/02 Matrícula online da quinta chamada: 27/02 Divulgação da sexta chamada: 01/03 Matrícula online da sexta chamada: 04/03 Divulgação da sétima chamada e Lista de Espera: 08/03 Matrícula online da sétima chamada e Declaração de Interesse por Vagas: 11/03 Divulgação da oitava chamada: 14/03 Matrícula online da oitava chamada: 15/03 VÍDEOS: saiba tudo sobre Campinas e Região Veja mais notícias da região no g1 Campinas
Veja Mais

22/01 - Universidades e instituições de ensino de SC oferecem vagas pelo Sisu; veja editais
UFSC, Udesc, UFFS, IFSC e IFC têm oportunidades. Sisu têm inscrições entre terça (22) e sexta-feira (25). Entrada do campus Florianópolis da Universidade Federal de Santa Catarina UFSC/Divulgação Universidades e instituições de ensino públicas de Santa Catarina oferecem cursos de graduação com vagas pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu). Ao todo, são oportunidades para quem já fez o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). As inscrições devem ser feitas de 22 a 25 de janeiro pelo site do Ministério da Educação. ✅Clique e siga o canal do g1 SC no WhatsApp Confira abaixo os detalhes para cada instituição e os respectivos editais. UFSC A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) oferece 1.926 vagas em 99 cursos nos cinco campi. As oportunidades equivalem a 30% do total de vagas da instituição. Serão 1.234 vagas destinadas para Políticas de Ações Afirmativas e 692 para a classificação geral. Confira o edital e o quadro de vagas Udesc A Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) oferece 415 vagas em 44 cursos de graduação para este semestre em Balneário Camboriú, Caçador, Chapecó, Florianópolis, Ibirama, Joinville, Lages, Laguna, Pinhalzinho e São Bento do Sul. Das vagas de cada curso da Udesc, 20% delas estão destinadas para candidatos que tenham feito integralmente o ensino médio na rede pública e 10% são oferecidas para candidatos negros. Confira o edital UFFS A Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS) disponibiliza 2.272 vagas via Sisu para 54 cursos em seis campi, incluindo medicina. Confira o edital IFSC O Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) disponibilizou 1.472 vagas no primeiro e segundo semestres. As oportunidades são para os campi de Araranguá, Caçador, Canoinhas, Chapecó, Criciúma, Florianópolis, Florianópolis-Continente, Garopaba, Gaspar, Itajaí, Jaraguá do Sul-Centro, Jaraguá do Sul-Rau, Joinville, Lages, Palhoça Bilíngue, São Carlos, São José, São Miguel do Oeste, Tubarão, Urupema e Xanxerê. O IFSC oferece cursos superiores de tecnologia (CST), cursos de licenciatura e cursos de bacharelado. Confira o edital e a lista de cursos IFC O Instituto Federal Catarinense (IFC) também faz ofertas de vagas. São 953 em cursos de graduação, distribuídos entre os 15 campi do IFC, localizados em Abelardo Luz, Araquari, Blumenau, Brusque, Camboriú, Concórdia, Fraiburgo, Ibirama, Luzerna, Rio do Sul, Santa Rosa do Sul, São Bento do Sul, São Francisco do Sul, Sombrio e Videira. Do total de vagas, 853 são para o primeiro semestre, em todos os campi. As outras 100 são para o segundo semestre. Confira o edital ✅Clique e siga o canal do g1 SC no WhatsApp VÍDEOS: mais assistidos do g1 SC nos últimos 7 dias
Veja Mais

22/01 - Sisu 2024: inscrições da única edição do ano vão até quinta; veja regras, número de vagas e mais dicas
Pela primeira vez, o programa terá apenas uma edição no ano. Processo seletivo iniciado nesta segunda (22) também será válido para candidatos a cursos iniciados no segundo semestre. 5 cuidados para tomar ao se inscrever no Sisu As inscrições no processo seletivo para o Sisu 2024, programa do Ministério da Educação (MEC) que seleciona estudantes para universidades públicas do país, começam nesta segunda-feira (22) e vão até quinta-feira (25). 📊 O programa tem duas mudanças importantes: Este ano terá apenas uma edição: só agora em janeiro. Não haverá mais o processo seletivo que era realizado no meio do ano. Além disso, as regras para a adesão por meio de cotas também mudaram (veja mais abaixo). A seguir, confira os detalhes do Sisu: 🗓️ Datas do Sisu Pela primeira vez, o Sistema de Seleção Unificada terá uma edição única. Com isso, a seleção de candidatos para o segundo semestre letivo de 2024 vai acontecer nas mesmas datas da seleção para o primeiro semestre. Portanto, para todos que quiserem se candidatar a vagas em universidades públicas pelo Sisu neste ano, o cronograma será o seguinte: Inscrições: 22 a 25 de janeiro de 2024 Resultados da 1ª chamada: 30 de janeiro de 2024 Matrículas: 1º a 7 de fevereiro de 2024 Participação na lista de espera: manifestar interesse entre 30 de janeiro e 7 de fevereiro de 2024 Resultado das listas de espera: datas serão definidas por cada universidade ➡️ Quem está apto a participar? Alunos que tenham feito o Enem 2023 e tirado nota acima de zero na redação. Treineiros não serão aceitos. ➡️ Posso escolher em qual semestre vou entrar na faculdade? Não. Caberá à universidade, por meio da ordem da lista de classificação de candidatos, selecionar quem estudará em cada semestre. 📚 Opções de vaga No ato da inscrição, o candidato deve selecionar até duas opções de curso ou universidade, que podem ser alteradas quantas vezes quiser, desde que entre 22 e 25 de janeiro. Valerão as opções que estiverem marcadas no sistema às 23h59 do dia 25, quando o prazo de inscrição se encerra. Uma dica é monitorar as notas de corte parciais divulgadas pelo Inep a cada madrugada. Elas dão uma boa noção das chances de classificação em cada curso. 📝 Mudança nas cotas O Sisu oferece vagas via Lei de Cotas para pretos, pardos, indígenas, quilombolas e pessoas com deficiência. Mas, neste ano, foram anunciadas algumas mudanças para a candidatura a essas vagas: Todos os candidatos concorrerão, primeiramente, às vagas de ampla concorrência. Caso não alcancem as notas nesta modalidade e façam parte de algum dos grupos de cotas (os critérios são de raça e de renda), aí, sim, entrarão na disputa pelo benefício. Com isso, se uma pessoa autodeclarada preta, por exemplo, tirar uma nota mais alta que a exigida na ampla concorrência, será aprovada na "lista geral" e não tirará a vaga de um cotista com desempenho mais baixo. Até o Sisu 2023, quem tinha direito às cotas já participava, desde o início, de uma classificação à parte, separada da ampla concorrência. 📌 Total de vagas do Sisu Neste ano, o Sisu contará com 264.181 vagas, distribuídas entre 6.827 cursos de 127 instituições de educação superior. Inicialmente, o MEC havia informado que seriam 264.360 vagas, mas a informação foi corrigida em 22 de janeiro. A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) lidera a lista com 9.240 vagas. Quantitativo de vagas por instituição Vídeos Em 2024, SISU terá apenas uma edição Neste ano, o r terá apenas uma edição — só em janeiro, sem o processo seletivo que usualmente ocorre no meio do ano.
Veja Mais

20/01 - Sisu 2024 tem mais de 7 mil vagas em cursos de graduação em AL
Universidade Federal de Alagoas tem o maior número de vagas, 5.423. IFAL, UNCISAL e UNEAL também fazem parte do programa. Sisu 2024: UFAL, IFAL, UNCISAL E UNEAL ofertam 7.558 vagas em cursos de graduação As quatro instituições públicas de ensino superior de Alagoas vão ofertar 7.558 vagas no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) 2024 (veja mais abaixo a quantidade de vagas por instituição). Compartilhe no WhatsApp Compartilhe no Telegram As inscrições do processo de seleção para o Sisu 2024 acontecem de 22 a 25 de janeiro pelo site https://acessounico.mec.gov.br/sisu. Podem concorrer os alunos que tenham feito o Enem 2023 e tirado nota acima de zero na redação. Como não haverá uma segunda edição do programa no meio do ano, como ocorreu até 2023, essas serão as únicas vagas em universidades e institutos públicos ofertadas pelo Sisu no ano. A seletiva reunirá cursos cujas aulas podem começar no primeiro ou no segundo semestre letivo. UFAL A Universidade Federal de Alagoas (UFAL) é a instituição de Alagoas com o maior número de vagas. São 5.423 vagas para 109 cursos de graduação. A UFAL concede bonificação na nota final para candidatos da ampla concorrência. De acordo com resoluções aprovadas pelo Conselho Universitário (Consuni) é possível ter bônus de 10% na nota pelo critério de inclusão regional em alguns cursos dos campi Ceca, Arapiraca e do Sertão, além de 3% no curso de Medicina do Campus A. C. Simões (Maceió). Clique aqui para conferir todas as vagas ofertadas pela UFAL IFAL O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Alagoas (IFAL) oferta 620 vagas distribuídas em 14 cursos. Há vagas para os campi Maceió, Satuba e Penedo. Clique aqui para conferir todas as vagas ofertas pelo IFAL UNCISAL Na Universidade Estadual de Ciências da Saúde Alagoas (UNCISAL), são 400 vagas para 10 cursos de graduação. Clique aqui para conferir todas as vagas ofertas pela UNCISAL UNEAL A Universidade Estadual de Alagoas (UNEAL) oferta 1.115 vagas em 33 cursos de graduação. Clique aqui para conferir todas as vagas ofertas pela UNEAL ➡️Qual o cronograma? Inscrições: de 22 a 25 de janeiro de 2024 Resultados da 1ª chamada: 30 de janeiro de 2024 Matrículas: 1º a 7 de fevereiro de 2024 Participação na lista de espera: manifestar interesse entre 30 de janeiro e 7 de fevereiro de 2024 Resultado das listas de espera: datas serão definidas por cada universidade Assista aos vídeos mais recentes do g1 AL Veja mais notícias da região no g1 AL
Veja Mais

20/01 - Vídeo em que copo de plástico descartável com água não derrete ao ser colocado no fogo viraliza; entenda por que isso acontece
Internautas ficaram cheios de dúvida e até teorizaram para descobrir por que o copo fica intacto. O g1 conversou com um professor de física para entender o 'mistério'. É natural pensar que, se colocarmos um copo de plástico descartável cheio de água diretamente no fogo, ele vai derreter. Mas, ao contrário do que se espera, isso não acontece! Na internet, um vídeo que mostra essa experiência viralizou, e os internautas, espantados com o resultado, pensaram em várias teorias para tentar explicar esse "mistério": "O fogo não é nem doido de derreter o copo que tem água, porque senão a água apaga a chama. Simples assim. Chama-se 'entender seus limites'", brincou uma usuária no X (antigo Twitter). ❌ Apesar de divertida, essa ideia, claro, não é verdadeira. 📽️ VEJA A EXPLICAÇÃO NO VÍDEO ABAIXO: Por que um copo plástico cheio de água não derrete no fogo? ✔️ "O fogo passa o calor para o plástico que está em contato com a água. Quando o plástico recebe esse calor, ele passa [o calor] para a água. Mesmo assim, a água não esquenta a ponto de deixar o copo derreter", explica Enio Kaufmann, professor de física do colégio Unificado de Porto Alegre (RS). Isso se deve ao calor específico da água — que é a quantidade de calor necessária para que uma substância sofra uma variação de temperatura —, além da própria temperatura necessária para derreter o copo. Considere o seguinte: A água entra em ebulição aos 100ºC O copo começa a derreter a partir dos 107ºC O fogo queima a cerca de 300ºC Apesar de o fogo ser quente o bastante para derreter o copo, a água fica fria o suficiente para impedir o plástico de derreter. Ou seja, o copo só derreteria depois que a água evaporasse completamente, e o copo não tivesse mais para onde transmitir o calor do fogo. VÍDEOS DE EDUCAÇÃO
Veja Mais

18/01 - Enem 2023: ‘foquei nos detalhes’, diz sergipano nota mil na redação
Jovem de 21 anos diz que estudou para as provas em casa. Em Sergipe, três candidatos alcançaram a nota. Sergipano tirou nota mil na redação do Enem 2023 Arquivo Pessoal O sergipano, Paulo Henrique, de 21 anos, foi um dos três representantes do estado que alcançaram a nota mil na redação do Enem 2023. Em Sergipe, três candidatos tiraram a nota máxima e em todo o país foram 60 pessoas. ✅ Clique aqui para seguir o novo canal do g1 SE no WhatsApp Com uma rotina de estudos criada por ele mesmo, após concluir o ensino médio na rede pública em 2019, Paulo disse que conseguiu conciliar o foco no Enem e o trabalho até o mês de julho. “Depois desse período eu fiquei só estudando”, disse. Sonhando em cursar medicina ele contou que se dedicou às matérias de exatas, mas não se descuidou da redação. “Para exatas eu fiz cursos na Internet, e para a redação eu estudei por conta própria e foquei nos detalhes: gramática, crase e vírgula. Acho que isso fez a diferença”. Para Paulo, que nasceu em Itabaiana e mora em Aracaju, a nota mil também reflete em uma conquista familiar. “Na minha família, somente um tio passou para uma universidade e está cursando educação física. Agora estou perto de ser a segunda pessoa”. Foi durante a coletiva de divulgação do resultado, que ele fez a consulta e descobriu a nota mil: "minha mãe, antes do natal, já tinha me dito que eu tiraria nota mil. Foi uma surpresa quando descori que ela estava certa", contou. Otimista, ele falou que está aguardando as notas de corte para traçar os novos passos. “Estou esperançoso, a medicina sempre foi um desejo muito além da minha realidade. Por ser um curso caro e que exigia um investimento maior”, finalizou. Sergipana desistiu de doutorado para tentar medicina Leia também: Sergipana que tirou nota mil na redação diz que estudou nas horas vagas do trabalho Três candidatos de Sergipe tiraram nota mil na redação Enem
Veja Mais

18/01 - Três candidatos do Enem denunciam Inep por suposta desclassificação injusta na mesma escola em Cuiabá
Marcela dos Santos Bertazzo, de 17 anos, Maria Vitória Tertuliano Rodrigues e Marco Antônio Soave Rodrigues, de 18 anos, estavam na mesma sala e só souberam que foram eliminados após o Inep divulgar o resultado, nessa terça-feira (16). Alunos só souberam da desclassificação no Enem nessa terça-feira (16) Arquivo pessoal Três estudantes que prestaram o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2023, na mesma sala em Cuiabá, tiveram uma surpresa negativa ao abrirem o sistema do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) para verificar a nota, divulgada nessa terça-feira (16), e verem que estavam desclassificados por, supostamente, terem se recusado a entregar o cartão-resposta e a folha de redação após o término do teste. Uma denúncia foi registrada pelos candidatos por meio da ouvidoria do Inep. Ao g1, O Inep informou que o instituto segue o protocolo de monitoramento da divulgação das notas do Enem e que monitora o trabalho exercido pela empresa contratada, que aplicou o exame. "A autarquia monitora o trabalho executado pela instituição aplicadora contratada para a operacionalização do Exame, e garante a disponibilização dos resultados de todos os participantes que realizaram as provas e não descumpriram as regras previstas no edital", disse em nota. Já a responsável pela organização do Enem, em Mato Grosso, Maria Fernanda, disse que a coordenadora da escola onde os candidatos fizeram a prova informou que não houve eliminação por parte da unidade. Mensagem que os estudantes receberam ao acessarem o sistema do Inep para ver a nota do Enem Reprodução Ao g1, Marcela dos Santos Bertazzo, de 17 anos, Maria Vitória Tertuliano Rodrigues e Marco Antônio Soave Rodrigues, de 18 anos, contaram que fizeram a prova na Escola Estadual Leovegildo de Melo e foram os últimos a deixar a sala. Segundo eles, só descobriram que estavam desclassificados quando foram verificar as notas no sistema. “Fomos os últimos a sairem da sala, tanto que assinamos um documento informando que a prova foi entregue no horário. Não fui informada que havia sido desclassificada, só soube porque busquei minha pontuação. Eles alegam que eu não entreguei o cartão, mas isso não aconteceu. Queria cursar história e estou muito angustiada, só não surtei porque tomo remédio para a ansiedade e depressão”, contou Marcela. LEIA MAIS: Enem 2023: saiba como consultar a nota no Inep 60 redações tiraram nota mil O caso ganhou repercussão nas redes sociais após Marcela Bertazzo divulgar um vídeo contando sobre De acordo com Marcela, foi necessário publicar um vídeo nas redes sociais para entender se o caso havia ocorrido apenas com ela, já que a estudante saiu da sala junto com outros dois candidatos e não houve intercorrências. Com a repercussão, a estudante recebeu diversos relatos contando que outros candidatos também haviam sido desclassificados do exame pelo mesmo motivo, em outros estados do país. “Quero uma resposta do porquê isso aconteceu. Passei muito tempo da minha vida me preparando para o Enem. É meu direito saber qual a minha nota e o porquê da minha desclassificação, sendo que não fiz nada de errado, ressaltou. Já Maria Vitória relatou que o sonho dela era ingressar em medicina e que estava se preparando desde o 9° ano do ensino fundamental, quando ainda tinha 14 anos. Com a desclassificação, ela afirmou que não sabe o que vai fazer para entrar na faculdade, já que não tem condições de pagar uma instituição privada. “Estou em choque e muito triste com toda essa situação. Já tinha visto que outras pessoas tinham sido eliminadas, mas nunca imaginei que eu seria uma delas, já que terminei a prova no horário e entreguei o cartão e a redação. Estudei o ano todo para chegar lá e não passar por um erro que não cometi. Já chorei muito”, desabafou. Marco, diferente das outras duas candidatas, só soube que havia sido desclassificado nessa quarta-feira (17), quando viu o vídeo de Marcela. “Entreguei a prova nos 15 minutos finais. O Inep está alegando que eu me neguei a entregar o cartão-resposta, mas nem o chefe de sala informou que eu estava desclassificado. Estava estudando desde o começo de 2023 e pretendia cursar medicina. Perdi um ano inteiro de esforço para no fim ser eliminado injustamente”, pontuou.
Veja Mais

18/01 - Estudante de 16 anos que acumula 73 medalhas em olimpíadas conquista nota máxima de matemática no Enem
Alexandre Andrade de Almeida mora em São Paulo e sonha ser médico. Aluno prestou Enem 2023 enquanto cursava o 2º ano do ensino médio para treinar; ele já conquistou medalhas em olimpíadas nacionais e internacionais. Alexandre Andrade de Almeida conquistou nota máxima na prova de matemática no Enem Divulgação/Colégio Objetivo O estudante Alexandre de Andrade de Almeida tem apenas 16 anos, mas já acumula uma série de conquistas em sua jornada acadêmica. A mais recente foi ter alcançado nota máxima (958,6) na prova de Matemática e suas Tecnologias no Enem 2023. O resultado foi disponibilizado aos alunos na terça-feira (16). "Eu já tinha feito no ano anterior e resolvi fazer em 2023, mesmo estando no 2º ano do ensino médio. As questões que vieram na prova de matemática eram coisas que já tinha tido contato, então foi mais tranquilo. Eu estou muito feliz e mostra que estou no caminho certo para conseguir ser médico. Agora, só continuar estudando." Se inscreva no canal do g1 SP no WhatsApp aqui Alexandre acumula 73 medalhas em olimpíadas científicas no Brasil e no exterior, sendo 36 de ouro, 20 de prata, 10 de bronze e sete de honra ao mérito, segundo conta a mãe dele, Paula Almeida. Em setembro do ano passado, por exemplo, conquistou medalha de ouro na Olimpíada Ibero-americana de Biologia, realizada na Espanha. No mesmo mês, foi medalha de ouro na 28ª Olimpíada Ibero-Americana de Física, organizada pela Costa Rica e de forma online. "Apenas nas olimpíadas de matemática são 19 medalhas, sendo seis de ouro, seis de prata, quatro medalhas de bronze e três menções honrosas. Ele é um orgulho para nós. E costumo dizer que por onde ele passa, ele vai compartilhando suas conquistas, o que ele é", disse a mãe ao g1. LEIA TAMBÉM: Jovem de SP comemora aprovação em 11 universidades no exterior Brasileiro de 17 anos é ouro na Olimpíada Internacional de Astronomia e acumula 21 premiações: 'É surreal', diz mãe Paula contou que o filho sempre gostou da parte científica, seja a área de robótica, de matemática ou biologia. Foi no 5º ano do ensino fundamental que ele conquistou as primeiras medalhas de ouro, sendo uma na Olimpíada Paulista de Física Júnior e a outra na Olimpíada Brasileira de Astronomia. Depois da conquista, por sugestão de uma professora de matemática, ele passou a assistir a aulas de biologia preparatórias para olimpíadas científicas ao lado de estudantes do ensino médio. Na época, estava no 6º ano. "Ele sempre gostou muito dessa parte de ciência. No começo, achávamos diferente, até porque eu e meu falecido marido somos da área jurídica, mas sempre incentivamos porque ele falava que gostava muito. E a escola dele também sempre deu muito apoio e de mostrar que era preciso investir por ser superdotado", ressalta a mãe. Alexandre Andrade de Almeida conquistou 73 medalhas em olimpíadas científicas Arquivo Pessoal/Paula Almeida Aos 13, Alexandre foi diagnosticado com autismo. A mãe afirma que o hiperfoco dele sempre foi o estudo. "Uma nutricionista disse que era para eu levá-lo a um profissional para verificar a possibilidade do autismo. E ele foi diagnosticado mesmo, em grau leve. Mas com acompanhamento certo de profissional, ele consegue fazer tudo normalmente. O hiperfoco sempre foi o estudo. Ama estudar." Paula ainda conta que o marido dela morreu em 16 de maio de 2023. No dia, Alexandre participava de uma seletiva para uma olimpíada e estava em concentração. "Mesmo com a perda do pai ele se saiu bem. Ele consegue encarar de forma racional e conseguiu se sair bem nas competições, apesar de tudo o que aconteceu." Leia mais: Mineira tira nota máxima em Matemática no Enem: 'não virava noite estudando nem nada disso' Enem 2023: O que dizem os alunos que tiraram nota mil na redação Para 2024, Alexandre diz que pretende prestar os vestibulares da Fuvest, da Unicamp e da Unifesp. O segredo para se sair bem, de acordo com ele, é manter o foco nos estudos. "Mesmo ainda não sendo para valer, ele prestou Fuvest e Unicamp neste ano e passou para a segunda fase. Então, é ótimo ele já ter tido contato com essas provas e também com o Enem, porque ele já fica mais preparado. No terceiro ano já tem a pressão de ser para valer. Então, vale a pena treinar", ressalta a mãe.
Veja Mais

17/01 - Prouni 2024: edital é divulgado com datas de inscrição
Prazo de inscrições começa a partir da 0h do dia 29 de janeiro e vai até 1º de fevereiro. O resultado da primeira chamada será divulgado em 6 de fevereiro. Edital do Prouni 2024 é divulgado. Foto: Emily Santos/g1 O edital do ProUni, com as datas e condições para o processo seletivo do primeiro semestre de 2024, foi publicado nesta quarta-feira (17) em edição extra do "Diário Oficial da União". O Programa Universidade para Todos é uma iniciativa do governo federal que oferece bolsas integrais (100%) e parciais (50% de desconto) em instituições de ensino particulares. As inscrições começam a partir da 0h do dia 29 de janeiro no portal Acesso Único (acessounico.mec.gov.br/prouni), utilizando o login gov.br com CPF e senha. 📅 Datas do ProUni 2024 Inscrições: de 29 de janeiro a 1º de fevereiro Resultado da primeira chamada: 6 de fevereiro Resultado da segunda chamada: 27 de fevereiro Manifestação de interesse na lista de espera: 14 e 15 de março Resultado da lista de espera: 18 de março 📝 Como funciona O candidato deve indicar, em ordem de preferência, até duas opções de curso (selecionando a instituição de ensino e o turno). Depois, é necessário marcar se quer participar na modalidade de ampla concorrência ou de cotas. Por fim, precisa monitorar, a cada dia, a nota parcial para aqueles cursos. Se quiser, pode mudar suas escolhas (valerá a última opção marcada no período de inscrições). Se o candidato estiver dentro da nota de corte e conseguir uma das vagas ao final do prazo de inscrição, ele constará como pré-selecionado. O que significa ser 'pré-selecionado'? O candidato pré-selecionado ainda não é "dono" da vaga. Ela está reservada para ele, mas, antes de assumi-la, é necessário cumprir com as últimas etapas de seleção. Ainda será preciso comprovar as informações prestadas no ato da inscrição (como a renda familiar per capita e o certificado de conclusão de curso em escola pública, por exemplo). Isso é feito na instituição de ensino na qual o aluno estudará no prazo indicado no edital. Se não houver formação de turma, o aluno perderá a vaga. Poderá tentar participar da segunda chamada e da lista de espera (caso manifeste interesse). Quais são os critérios de desempate? No caso de notas idênticas na média aritmética das notas do Enem, o desempate entre os candidatos será determinado de acordo com a seguinte ordem de critérios: Maior nota na prova de redação. Maior nota na prova de linguagens, códigos e suas tecnologias. Maior nota na prova de matemática e suas tecnologias. Maior nota na prova de ciências da natureza e suas tecnologias. Maior nota na prova de ciências humanas e suas tecnologias. 🎓 Cotas no Prouni As bolsas separadas para pessoas com deficiência e para autodeclarados pretos, pardos ou indígenas. A quantidade de vagas de cotas é equivalente à porcentagem que cada grupo representa na população do estado, segundo o último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os cotistas têm ainda que, obrigatoriamente, se encaixar nos demais critérios de exigência do Prouni. 📚 Quem pode se inscrever Pode se inscrever o candidato que realizou o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2022 ou 2023 e obteve média mínima de 450 pontos nas áreas de conhecimento e nota superior a zero na redação. Confira aqui como consultar as suas notas no Enem 2023 Além disso, é preciso atender a pelo menos um dos pontos abaixo: Ter cursado o ensino médio completo em escola da rede pública; Ter cursado o ensino médio completo em escola privada como bolsista integral; Ter cursado o ensino médio parcialmente em escola da rede pública e parcialmente em instituição privada, na condição de bolsista integral; Ter cursado o ensino médio parcialmente em escola da rede pública e parcialmente em instituição privada com bolsa parcial ou sem a condição de bolsista; ou Ter cursado o ensino médio completo em escola privada com bolsa parcial da respectiva instituição ou sem a condição de bolsista; Ser pessoa com deficiência, na forma prevista na legislação; ou Ser professor da rede pública de ensino, exclusivamente para os cursos de licenciatura e pedagogia, destinados à formação do magistério da educação básica. 💰 Renda Para concorrer às bolsas integrais, o estudante deve ter renda familiar bruta mensal per capita de até um salário mínimo e meio (R$ 2.118 por pessoa). Para as bolsas parciais, o limite da renda familiar bruta mensal per capita é de três salários mínimos (R$ 4.236 por pessoa). 👉🏾 Como calcular a renda familiar bruta mensal por pessoa? Para saber se o aluno se encaixa nos critérios de renda, deve somar os salários de todos os que moram com ele e, depois, dividir pelo número de componentes do grupo. Por exemplo: pai (R$ 2,3 mil por mês), mãe (R$ 1,7 mil por mês), candidato do Prouni (sem renda) e irmão mais novo (sem renda). Somando os valores, chega-se ao total mensal de R$ 4 mil. Depois, dividindo pelos 4 membros da família, o resultado é R$ 1 mil. Esse é o valor que deve ser tomado como referência pelo Prouni. Como está abaixo de 1,5 salário mínimo per capita (R$ 2.118), o candidato poderá concorrer à bolsa de estudos integral. 🧾 É possível usar Prouni e Fies ao mesmo tempo? E Prouni e Sisu? Fies e Prouni: Sim. Se o candidato conseguir a bolsa de estudos parcial do Prouni, que cobre apenas 50% da mensalidade, poderá financiar a outra metade pelo Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). Sisu e Prouni: Não. O aluno até pode se inscrever nos dois programas, mas precisará escolher apenas um ao efetivar a matrícula. Lembrando que o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) oferece vagas em instituições de ensino públicas, e o Prouni, em particulares. Estudantes com notas máximas comentam preparação para prova e resultado do Enem VÍDEOS DE EDUCAÇÃO: O
Veja Mais

17/01 - Enem 2023: Alunos de escola pública de Belém viralizam com vídeo e plaquinhas de notas da redação: 'sentimento inexplicável de felicidade'
Ao menos 75 estudantes conquistaram nota acima de 900, sendo que cinco deles tiveram nota 980 na redação. Imagens de comemoração viralizaram nas redes sociais. Alunos de escola pública do Pará comemoram notas no Enem e cantam 'Marcha do vestibular' Alunos do ensino médio da Escola Albanízia de Oliveira Lima, em Belém, viralizaram nas redes sociais ao comemorarem boas notas na redação do Enem 2023. Eles publicaram um vídeo nesta quarta-feira (17) em que seguram suas plaquinhas exibindo as notas conquistadas. Ao menos 75 estudantes conquistaram nota acima de 900, sendo que cinco deles tiveram nota 980 na redação. No vídeo eles também cantam a "Marcha do Vestibular", tradicional música do compositor Pinduca usada em comemorações de aprovações - veja no vídeo acima. As imagens viralizaram nas redes sociais. Alunos da escola Albanízia Lima exibem as notas na prova de redação do Enem Ascom/Seduc ✅Clique e siga o canal do g1 Pará no WhatsApp LEIA TAMBÉM: Paraense nota mil na redação do Enem fez prova quatro vezes até tirar nota máxima: 'emoção única' Adolescente tira nota mil na redação do Enem: 'meu coração quase pulou quando vi o resultado' Muito entusiasmada e sem acreditar na pontuação, a estudante Joana Monteiro está com uma expectativa muito grande para realizar o seu sonho, que é o curso de Medicina. "É um sentimento inexplicável de felicidade, eu não esperava, eu estava bem ansiosa e o resultado para mim foi de muita felicidade. Minha maior incentivadora foi a minha mãe. Tudo que eu me empenho a fazer, ela me incentiva", diz. Joana Monteiro Ascom/Seduc "O que eu queria mesmo era vencer ele e seguir no curso de Medicina, no qual sempre sonhei, desde pequena, agora é só aguardar pelos outros resultados", completa a estudante que alcançou a nota de 980. Outro destaque foi Guilherme Alves. O estudante também conseguiu 980 pontos na redação do Enem. "Estou muito feliz, principalmente porque quero cursar Direito, e seguir os passos dos meus primos, além de ser uma área que gosto muito. Quando eu recebi minha nota, depois de tentar o site várias vezes, fiquei feliz, principalmente com a nota da redação, que eu não esperava, eu pensava que seria um pouquinho menos, mas fiquei extremamente feliz", frisa o estudante. Apoio emocional e muito treinamento de escrita Admirada pelos estudantes, a professora de redação, Ione Franco, durante as aulas, utilizou temas variados que foram fundamentais para a preparação dos estudantes. "O treinamento é intenso, construir e reconstruir muitas e muitas vezes um texto, sem estar necessariamente preocupado com nota mil" "Todos os repertórios, elementos coesivos são todos importantes e terem aquele pensamento crítico, prepará-los para isso, para conhecer o que de fato a sociedade enfrenta, como que eles devem olhar, como eles devem pensar, como eles devem refletir e assim aplicar dentro do texto", frisa a professora. Professora de redação, Ione Franco, ao lados dos alunos da Albanízia Lima Ascom/Seduc Com a nota 920 na redação, a estudante Julianna Lopes afirma que a preparação na sala de aula e as dicas da professora de redação, Ione Franco, foram fundamentais na hora da prova. “A escola me ajudou no apoio emocional. Eu acredito que tendo o emocional bom, você consegue ir muito mais além, até porque a mente é incorporada nos estudos. Também tivemos um apoio enorme por parte do corpo docente, que sempre esteve procurando ver quais são as nossas falhas e assim melhorarmos, principalmente a professora Ione, que nos mostrou como poderíamos melhorar. Eu fiquei muito emocionada com a minha nota, porque foi um trabalho tanto emocional em casa, quanto aqui na escola, além do meu esforço individual. E eu só tenho que agradecer a Deus e a todos", conta a estudante. Em 2022, a escola também teve alunos com bons resultados e comemoração. A expectativa agora da professor a e alunos é que cada vez mais alunos alcancem notas acima de 900. No Pará, três estudantes estão entre os 60 no país que alcançaram nota mil na redação: Três candidatos paraenses tiram nota máxima na redação do Enem 2023 Veja outras notícias do estado no g1 Pará
Veja Mais

17/01 - Nota mil: estudante de São Bernardo do Campo é uma das 7 a atingir nota máxima na redação do Enem em SP
Sonhando em cursar medicina, Luana Pizzolato, de 20 anos, se preparava para o exame escrevendo dois textos por semana. Segundo ela, hábito de leitura e repertório amplo contribuíram para o resultado. Redação que recebeu nota mil no Enem e reação de Luana ao saber sobre o desempenho no exame Reprodução/Redes sociais A estudante Luana Pizzolato, de 20 anos, foi uma das sete pessoas do estado de São Paulo a tirar nota mil na redação do Enem 2023. A moradora de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, sonha com uma vaga no curso de medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Quando o resultado das provas foi divulgado, na terça-feira (16), Luana teve dificuldade em acessar o site do Inep e só conseguiu conferir seu desempenho cerca de duas horas depois, com a ajuda de uma amiga. As duas se falavam por videochamada quando veio a notícia tão esperada. "Eu só queria saber disso. [A nota da redação] era o que mais me preocupava. Quando veio o mil, eu simplesmente não acreditei, é uma coisa que nunca pensei que fosse acontecer comigo. Quando fiz meu texto, estava tranquila, mas, quando saí da prova, eu comecei a pensar em mil coisas que poderiam ter dado errado. Então, [quando recebi a notícia] eu gritei, chorei, deitei no chão chorando, estava muito feliz", contou ao g1. Em todo o Brasil, apenas 60 candidatos tiveram 100% de aproveitamento na produção de texto do Exame Nacional do Ensino Médio, sendo quatro deles da rede pública — nenhum desses de São Paulo. Rotina de estudos Luana prestou o Enem por cinco anos seguidos, dois como treineira e três como candidata, e foi em 2023 que conseguiu seu melhor desempenho. Até então, sua nota mais alta em redação havia sido 920, três anos antes. "Eu sempre gostei de ler, a minha infância inteira, então eu nunca tive dificuldade em escrever, só que eu tinha notas que eram medianas. Para medicina, conseguir um notão é algo que te dispara [à frente] dos concorrentes", afirmou. Notas de Luana Pizzolato no Enem 2023 Reprodução/Arquivo pessoal Mesmo com o hábito de leitura, ela contou que sua maior dificuldade no Enem foi na área de linguagens, que tradicionalmente envolve enunciados longos e uma grande quantidade de textos interpretativos. Neste último ano, além de cursinho a distância, a jovem fez aulas extras de redação, escrevendo dois textos por semana para praticar o controle de tempo durante a prova. Ela também passou a compartilhar a rotina de estudos nas redes sociais, em uma conta dedicada somente a isso. "Foi um refúgio para mim ano passado, porque eu me senti compreendida. Meus amigos de escola já estavam em outra fase, na faculdade, em outros cursos, então é muito difícil. Só quem faz cursinho é que entende. Na conta de estudos, você está rodeado de gente que também está nesse meio", relatou Luana. Luana Pizzolato compartilhando na internet sua rotina de estudos para o vestibular Reprodução/Redes sociais Ao todo, Luana prestou nove vestibulares em 2023. Nos anos anteriores, ela já havia sido aprovada em duas universidades particulares, mas seu objetivo é conquistar uma vaga em uma instituição pública. Por isso, está bastante ansiosa quanto à inscrição no Sisu e à divulgação dos resultados, que vai ocorrer em 30 de janeiro. "Eu nunca tive chances reais no Sisu, sabe? Ano passado, lembro que nem fiquei ansiosa com o Enem, porque não tinha chance. Neste ano estou bem ansiosa porque me sinto muito mais confiante", contou. Conselhos nota mil Luana Pizzolato, uma das estudantes que tirou nota mil na redação do Enem 2023 Reprodução/Arquivo pessoal Luana acredita que sua facilidade em escrever está relacionada a um fator que vai além da prática: o contato desde muito cedo com o universo literário. "Quando a gente lê livro, é muito mais fácil ter uma fluidez na hora de escrever, já que a gente está em contato com textos de forma mais frequente. Pode ser um livro mais do seu gosto, uma coisa como lazer", aconselha a estudante. Outro aspecto que a jovem considera relevante para a elaboração de textos é a diversidade de repertório. "O pessoal fica bem travado — 'ah, só posso citar um repertório pertinente se for um sociólogo e tal', mas isso não é verdade. Eu acho que um sociólogo pode, sim, te ajudar em redação, mas não em todas. Livro, filme, série, história, notícia, tudo é repertório. É uma coisa muito ampla, só que eu sinto que as pessoas se concentram muito em usar alguma coisa intelectual." Campinas (SP): Estudante nota mil na redação do Enem sonha ser juiz e fez oficinas de escrita: 'nunca fui aluno exemplar'
Veja Mais

17/01 - Enem 2023: sergipana que tirou nota mil na redação diz que estudou nas horas vagas do trabalho
Jovem de 19 anos diz que estou sozinha e fez cursinho para reforçar rotina de estudos; Em Sergipe, três candidatos alcançaram a nota máxima. Heloísa Vitória tirou nota mil na redação do Enem 2023 Arquivo pessoal Conciliando estudo e trabalho e com o suporte de um cursinho de redação online, a sergipana Heloisa Vitória Santos Silva, de 19 anos, alcançou a nota mil na prova de redação do Enem 2023. Em Sergipe, três candidatos tiraram a nota máxima e em todo o país foram 60 pessoas. ✅ Clique aqui para seguir o novo canal do g1 SE no WhatsApp Nascida na cidade de Lagarto e criada em Poço Verde, a 145 km da capital, Heloísa conta que estudou em escola pública desde o quinto ano do ensino fundamental. Ela concluiu o ensino médio em 2021 e, ano passado se preparou para o Enem sozinha, em casa, e nas horas vagas do trabalho, revisando o que já sabia. Próximo à prova, Heloísa começou um curso online de redação. “Em 2023 comecei a trabalhar na papelaria dos meus pais e tive que conciliar o trabalho do dia todo com a preparação para o Enem. Nas horas em que o movimento estava mais tranquilo eu conseguia estudar um pouco e algumas noites fazia as redações e enviava para o site para corrigir”. Nessa segunda (16), ela soube do resultado da exame através do irmão, que conseguiu acessar o site do Inep antes dela. “Foi ele quem viu primeiro e veio me mostrar. Eu esperava tirar mais que 900, só que não não quis criar a expectativa de fazer mil e me frustrar, mas acreditava que tinha potencial. Na minha família está todo mundo eufórico com o resultado, tenho recebido muitas mensagens de carinho”, falou. Sobre que curso pretende fazer ela respondeu que ainda não decidiu entre nutrição e medicina veterinária, pois admira as duas áreas e acredita que o ensino superior pode trazer novas oportunidades. "Não vim de uma família privilegiada e vejo que o ensino superior pode me ajudar a alcançar meus objetivos. Digo para quem estuda não desistir da nota mil independente das condições que tiverem, pois foi o que fiz". "Desafios para o enfrentamento da invisibilidade do trabalho de cuidado realizado pela mulher no Brasil” foi o tema da redação. 65.542 pessoas se inscreveram para fazer o Enem em Sergipe. Leia também: 'Desisti do doutorado para tentar medicina', diz sergipana que tirou nota mil na redação do Enem 2023 Três candidatos de Sergipe tiraram nota mil na redação Enem
Veja Mais

17/01 - Enem 2023: aluno nota máxima em matemática 'deu aula pra parede' nos estudos e planejou tempo de prova
Pedro Fabrino, de Ribeirão Preto (SP), foi um dos estudantes a tirar 958,6 na disciplina, além de 980 em redação. Durante preparação, ele chegou a estudar 11 horas por dia e ficou longe do celular. Pedro Bardella Fabrino, de 18 anos, gabaritou matemática no Enem 2023 Arquivo pessoal Planejamento nos estudos, gestão do tempo de prova, a hora certa para folgar, uso consciente do celular... Não foi por sorte que o jovem Pedro Bardella Fabrino, de Ribeirão Preto (SP), está entre os que gabaritaram as questões de matemática no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem 2023). Siga o canal g1 Ribeirão e Franca no WhatsApp Com uma rotina de estudos de 11 horas por dia, de manhã até o início da noite, o estudante de 18 anos viu seu esforço recompensado pelos 958,6 na disciplina - que não teve nota 1 mil devido à anulação de uma das 45 questões -, e também ficou perto de bater a nota máxima na redação, com 980. "Eu pegava a matéria e ia revisando, dando aula pra parede para ficar na cabeça. Era isso”, lembra. Feliz com o resultado, ele espera obter pontuação suficiente para a faculdade de medicina na USP de Ribeirão Preto, que oferece acesso por meio da nota do Enem. “Estou otimista. Vendo as notas do ano passado, todos os alunos que estão estudando lá têm tido notas parecidas com a minha. A USP é primeira vez que abre vaga para ampla concorrência, não dá pra fazer comparativo, mas eles dão peso maior pra matemática, redação e ciências da natureza, onde fui bem. Acho que tenho uma chance.” Enem 2023: resultado da prova já está disponível; saiba como acessar Rotina de estudos: revisões diárias e 'aulas pra parede' Com ensino médio completo, Pedro passou os últimos meses em uma rotina dividida entre o cursinho e o expediente extra em casa. Além das cinco horas de aulas, ele dedicava outras seis, até o início da noite, para reforçar tudo o que havia aprendido nas disciplinas, recorrendo a listas com tópicos e a exercícios. Com essa rotina, chegava a ver o mesmo conteúdo até três vezes no mesmo dia. "Assistia a todas as aulas, almoçava e começava a estudar, revisava e fazia todos os exercícios e, no final do dia, lá pelas sete da noite, eu revisava de novo a matéria depois de ter feito os exercícios", explica. Nessa revisão final do dia, ele revela que o segredo foi ter simulado que estava ensinando aquele conteúdo ao mesmo tempo em que anotava o que dizia. Tudo isso sozinho, no quarto, tendo a parede como "interlocutora". De quebra, todo domingo, tudo aquilo que era anotado ao longo da semana voltava a ser revisado, garantindo ainda mais a fixação dos conhecimentos. "Eu anotava também, fazia dando essa aula pra parede, anotando, porque eu consigo lembrar escrevendo, anotava os tópicos principais e no fim de semana garantia o domingo e pegava tudo que eu via na semana e dava uma lida." Na reta final de preparação, a uma semana do exame, o jovem também resolveu provas antigas do Enem para fixar a dinâmica da prova. Pedro, de Ribeirão Preto (SP), conta que deixou celular em outro quarto para não checar redes sociais durante os estudos para o Enem 2023 Arquivo pessoal Distância do celular e hora certa para descansar O estudante confirma que, ao longo de sua rotina, foi determinante a decisão de se afastar ao máximo do telefone celular. Na hora dos estudos, ele deixava o aparelho fora do quarto para não cair na tentação de checar as redes sociais. O app da calculadora, até então usado no smartphone, deu lugar às contas de cabeça e à mão, o que resultou em uma mudança significativa no desempenho das provas, sobretudo de matemática. "Ajudou muito, no começo do ano eu ficava usado calculadora do celular, e via a diferença, no simulado errava um monte, parei de usar", diz. E se havia hora certa para usar o celular, em uma sequência tão cansativa de estudos as folgas eram primordiais e reservadas aos sábados. Pedro se reunia com amigos, para pegar uma piscina ou simplesmente não fazer nada, tudo para dar um tempo necessário para a mente. "Tinha simulado de manhã. Depois do meio-dia era só folga. Eu combinava de almoçar com amigos saindo do simulado às vezes só pra ficar de bobeira." Resultado do Enem 2023 já está disponível. Na imagem, candidato mostra prova do 2º dia Érico Andrade/g1 A prova: gestão do tempo e hora reservada para revisão Assim como no período de estudos, a execução do Enem 2023 também foi planejada o que fez toda a diferença, segundo Pedro. Nos dois dias de prova, o estudante entrou determinado a resolver as questões de cada área em períodos pré-estabelecidos. "Eu vi um monte de vídeo no Youtube de um pessoal aprovado em medicina dando as estratégias deles, fui conciliando com que eu preferia e deu certo." No primeiro dia, ele dedicou uma hora e meia para humanas, outras duas para redação, porque não se sentia tão à vontade com produção de textos, e outras duas horas para a prova de linguagens. No segundo dia, ele dedicou cerca de quatro horas para concluir as questões de ciências da natureza e de matemática e ainda reservou o tempo restante para revisar a resolução da prova de matemática. LEIA TAMBÉM Enem 2023: resultado já está disponível para consulta, diz Inep; saiba como acessar e usar a nota Ele adotou essa tática por entender que, apesar de ter facilidade com a disciplina, ela tem muitas pegadinhas, tanto nas contas quanto nos enunciados dos exercícios. "Em matemática, foi a estratégia de prova que me ajudou." A estratégia por fim deu certo, já que, segundo Pedro, nessa etapa final de revisão ele corrigiu duas questões que fariam muita diferença no resultado geral da prova. Ao gabaritar matemática e ir bem em redação, ficou com média final de 824 no Enem 2023, diante de 730 obtidos na prova do ano anterior. "Eu consegui achar duas questões em que tinha errado a conta. O enunciado eu li, só que que pulei uma informação. Aí consegui mudar e acertar. Eram questões fáceis que, se eu errasse, diminuiriam minha nota", diz. Veja mais notícias da região no g1 Ribeirão Preto e Franca VÍDEOS: Tudo sobre Ribeirão Preto, Franca e região
Veja Mais

17/01 - Olimpíadas de Matemática foram base para estudante que gabaritou prova no Enem 2023: ‘Capacidade de raciocínio’
Preparação para o vestibular do ITA, considerado um dos mais difíceis do Brasil, também contribuiu com o resultado de Matheus Nóbrega. Matheus Nóbrega na frente do ITA Matheus Nóbrega / Arquivo pessoal As participações em olimpíadas de Matemática fizeram Matheus Nóbrega, de 18 anos, amadurecer estratégias e resultados na área. O jovem, de João Pessoa, foi um dos candidatos que gabaritaram a prova da disciplina no Enem 2023. “Me deu uma base muito boa e a capacidade de raciocínio para resolver questões tranquilhamente e rápido. Você já tem as estratégias, você conhece muito bem a Matemática quando faz olimpíadas porque elas puxam muito do aluno. Você tem que pensar bastante [para resolver questões]”, explicou. 🤳🏽 Compartilhe esta notícia pelo Whatsapp 📲 Compartilhe esta notícia pelo Telegram Foi a primeira vez que o estudante fez o Enem. Além das olimpíadas, Matheus também se prepara o vestibular do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), considerado um dos processos seletivos mais difíceis do Brasil, onde quer estudar Engenharia da Computação. Mesmo com tanta dedicação, fechar a prova de Matemática foi uma surpresa para ele. “Eu fiquei muito eufórico. Fiquei muito feliz. Eu esperava tirar uma boa nota, mas não contava com a possibilidade de fechar. Foi uma surpresa”, revelou. O paraibano também resolveu muitas questões da disciplina. Mais do que isso, só sossegava quando entendia, de fato, no que estava errando. LEIA TAMBÉM: ✏️ Estudante que gabaritou prova de Matemática do Enem respondia 100 questões por dia 📐 Estudante que tirou nota máxima em Matemática no Enem 2023 dá dicas de como estudar Apesar disso, o jovem não se cobrava mais do que o necessário. Em média, ele estudava 12 horas por dia. Mas quando estava cansado não insistia, pois tinha consciência que o rendimento dele seria menor. Enquanto isso, conversava com amigos, descansava de outra forma ou se parava para de alimentar. Matheus também não priorizou um método específico. Ele se esforçava para acompanhar o que era dado em sala de aula e também estudava o que achava interessante. Isso servia de estímulo para que não ficasse entediado com o conteúdo. Para quem vai começar a encarar a jornada de estudos para o Enem, o estudante deu algumas ficas que funcionaram para ele: Focar em entender e corrigir os erros; Conhecer o estilo da prova; Ler e entender bem as questões; Tentar não perder tempo na hora da prova; Buscar o que é mais importante na prova em relação ao conteúdo; Resolver questões; Descansar. Vídeos mais assistidos do g1 Paraíba
Veja Mais

17/01 - Enem 2023: O que dizem os alunos que tiraram nota mil na redação
Segundo Inep, 60 estudantes atingiram nota máxima na redação do Enem em 2023; g1 reúne histórias de quem conseguiu essa pontuação. Estudantes com notas máximas comentam preparação para prova e resultado do Enem Os resultados individuais do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2023 foram divulgados nesta terça-feira (16). No total, 60 candidatos conseguiram tirar nota mil na redação - quatro da rede pública, segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Para conhecer os alunos que têm em comum a nota mil, o g1 ouviu relatos de candidatos de diferentes partes do país (veja mais abaixo). Em 2023, o tema da redação do Enem foi "Desafios para o enfrentamento da invisibilidade do trabalho de cuidado realizado pela mulher no Brasil”. Considerada decisiva, a nota da redação tem um peso importante na pontuação final do exame e é usada como critério de desempate em diversos programas de acesso de universidades. LEIA TAMBÉM: Enem 2023: resultado já está disponível para consulta, diz Inep; saiba como acessar e usar a nota Veja como as notas podem ser utilizadas no Brasil e no exterior O que disseram os alunos que tiraram nota mil Estudante de Belém obtém nota máxima na redação do Enem. Reprodução / Arquivo Pessoal "Fiquei em choque, meu coração quase pulou", disse estudante do Pará. O adolescente Arthur Sanches Sales, de 17 anos, é autor de uma das 60 redações nota máxima no Enem neste ano. Ele quer passar no curso de medicina na Universidade do Estado do Pará (Uepa) ou na Universidade Federal do Pará (UFPA). O sonho do curso já o acompanhava durante o ensino médio, que concluiu em 2022. Estudante nota 1000 na redação do Enem 2023 estudava 10 horas por dia Arquivo pessoal Estudante nota 1000 na redação do Enem 2023 do Piauí estudava 10 horas por dia. A estudante Millena Martins, de 19 anos, contou que estudava 10 horas por dia durante a preparação."A prova estava no nível padrão, já a redação achei um tema extremamente necessário, mas bem amplo, então fácil de tangenciar", disse. Ela deseja estudar medicina. No texto, Milena disse ter citado escritores como Gilberto Dimenstein, jornalista, e Cecília Meireles. Beatriz é uma das quatro pessoas na Bahia a atingir a nota máxima na redação do Enem 2023 Arquivo pessoal "Eu esperava 900, mas mil foi realmente uma surpresa. Fiquei muito feliz", comemorou a estudante baiana. Beatriz Medeiros dos Santos Tudella, de 20 anos, de Salvador, foi uma das quatro pessoas na Bahia a conseguir a nota máxima na redação. Com o objetivo de cursar medicina na Universidade Federal da Bahia (Ufba), a nota máxima na redação coloca Beatriz ainda mais próxima do curso, que tem nota de corte para ampla concorrência superior a 780 pontos. Maria Laura Santin Klein, que tirou nota mil na redação do Enem Maria Laura Santin Klein/Arquivo pessoal "2023 foi, com certeza, o ano que eu mais estudei de todos", diz catarinense nota mil na redação. A chapecoense Maria Laura Santin Klein, de 20 anos, conta que dedicava de oito a 10 horas por dia para se preparar para as provas. Ela quer usar o resultado para cursar medicina. "Como já era meu segundo ano de cursinho, eu aprendi muito a estudar sozinha, então eu acabava ficando na salinha de estudo e estudando por lá mesmo". Karolina Soares foi uma das únicas quatro candidatas do Ceará a tirar a nota máxima na redação do Enem 2023 Arquivo pessoal "Nunca esperei que viria para mim", diz aluna do Ceará nota mil na redação. Karoline Soares Teixeira, de 20 anos, foi uma das quatro candidatas do estado que tirou a nota mil na redação do Enem 2023. Ela disse que se assustou quando viu o tema da prova. "É o sonho, eu acredito, de todo estudante, de todo vestibulando que presta o Enem porque é um texto que exige muita concentração, exige que a gente lembre de muitos detalhes do que a gente estudou; lembrar até de conteúdos culturais para enriquecer nosso texto". A sergipana Indira Morgana de Araújo Silva, de 31 anos, tirou nOta mil na redação do Enem 2023. Arquivo pessoal "Desisti do doutorado para tentar medicina", diz sergipana que tirou nota mil na redação. A estudante Indira Morgana de Araújo Silva, de 31 anos, já cursou agronomia, faz mestrado e foi aprovada no doutorado e, agora, conta que arriscou o certo pelo duvidoso em busca da realização de um sonho antigo: a medicina. Estava com minha mãe ao lado e o olho bateu logo na nota mil. Eu nem acreditei. Suei bastante, fui logo falar para meu namorado e minha irmã. Meus pais estão muito felizes", disse. Amanda Teixeira Zampiris, 18 anos, estudante de escola pública no ES e nota mil na redação do Enem 2023 Divulgação "Não me privava de ter uma vida social, de viver", diz Amanda Teixeira Zampiris, de 18 anos, do Espírito Santo. Ela é uma das quatro estudantes de escolas públicas que tiraram nota mil na redação do Enem 2023. Amanda conta que se preparou assistindo videoaulas e com uma média de quatro horas de estudos por dia. Estudante da Escola Estadual Marcondes de Souza, em Muqui, no Sul do Espírito Santo, a jovem disse que chegou a fazer um cursinho de redação, mas que acredita que o diferencial foi a dedicação em casa A candidata Yasmin Raiana Viana dos Anjos Duarte, uma jovem de 20 anos Yasmim Raiana/Arquivo Pessoal "Não duvide de si mesmo", diz aluna da rede pública de Santarém (PA) nota mil na redação do Enem. Yasmin Raiana Viana dos Anjos Duarte, de 20 anos, quer cursar medicina e se surpreendeu com a nota na redação. Esperava ter uma avaliação boa, mas nunca a nota máxima. Sua dedicação, especialmente nas disciplinas de matemática e redação, visando cursar medicina, refletiu em sua pontuação. Matheus Almeida, de 17 anos, foi o único que tirou a nota máxima na redação do Enem 2023 no Tocantins Reprodução/TV Anhanguera Aluno nota mil na redação do Enem do Tocantins estudou 7 horas por dia. Matheus Almeida, de 17 anos, é natural de Paraíso do Tocantins. Com 7 horas de estudo por dia, o sonho de Matheus é usar as notas para entrar no curso de medicina. "A minha rotina se resumiu a frequentar a escola de manhã e também de tarde algumas vezes. Eu estudava mais ou menos umas 5 horas pela manhã, no colégio mesmo. E quando eu não ia para a escola à tarde, eu estudava umas duas horinhas ou três". Luana Pizzolato, uma das estudantes que tirou nota mil na redação do Enem 2023 Reprodução/Arquivo pessoal "Quando veio [a nota] mil, eu simplesmente não acreditei", diz estudante de São Bernardo do Campo (SP). A estudante Luana Pizzolato, de 20 anos, foi uma das sete pessoas do estado de São Paulo a tirar nota mil na redação do Enem 2023. Ela sonha com uma vaga no curso de medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). "Quando fiz meu texto, estava tranquila, mas, quando saí da prova, eu comecei a pensar em mil coisas que poderiam ter dado errado. Então, [quando recebi a notícia] eu gritei, chorei, deitei no chão chorando, estava muito feliz", contou ao g1. Heloísa Vitória tirou nota mil na redação do Enem 2023 Arquivo pessoal Sergipana conciliou trabalho todos os dias com a preparação para o Enem e conseguiu tirar nota mil na redação. Heloisa Vitória Santos Silva, de 19 anos, se preparou para o Enem sozinha, em casa, e nas horas vagas do trabalho, revisando o que já sabia. Próximo à prova, Heloísa começou um curso online de redação. "Não vim de uma família privilegiada e vejo que o ensino superior pode me ajudar a alcançar meus objetivos. Digo para quem estuda não desistir da nota mil independente das condições que tiverem, pois foi o que fiz". Estudante do DF, Lucca Santos Aguilar, tirou nota máxima na redação do Enem Arquivo pessoal "Não consegui acreditar, conferi três vezes antes de falar", diz estudante do DF. Lucca Santos Aguilar, de 17 anos, de Sobradinho, tirou nota mil na redação do Enem. Ele espera realizar o sonho de estudar engenharia da computação na Universidade de Brasília (UnB). "Depois das aulas da escola, eu costumava tirar duas horas para fazer os deveres de casa e trabalhos, depois, separava mais três ou quatro horas para resolver questões ou assistir videoaulas voltadas para vestibulares e, por fim, ao longo de duas horas, eu me dedicava aos meus projetos extracurriculares". LEIA MAIS: PARÁ: Paraense que tirou nota mil na redação fez Enem 4 vezes até tirar nota máxima: 'emoção única' UBERLÂNDIA: Estudante mineira nota mil na redação do Enem diz que viveu o tema em casa GOIÁS: Estudante nota mil na redação do Enem 2023 ficou em choque ao ver resultado: ‘Achei que fosse 100’ BAHIA: Filho de professora de redação é um dos quatros baianos a tirar mil na redação do Enem; conheça história PERNAMBUCO: Professora tira mil na redação do Enem pela segunda vez após criar método para fazer textos
Veja Mais

17/01 - Paraense nota mil na redação do Enem fez prova quatro vezes até tirar nota máxima: 'emoção única'
Yasmin Damasceno tem 19 anos e mora em Ananindeua, na Grande Belém. A jovem quer usar a nota para tentar passar no curso de medicina Veterinária. Yasmin Damasceno, de 19 anos, tira nota mil na redação do Enem 2023. Divulgação/Arquivo Pessoal Três estudantes no Pará tiraram nota mil na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2023. Yasmin Damasceno, de 19 anos, é um deles. A jovem diz que pretende usar a nota para passar no “curso dos sonhos”: medicina Veterinária. “⁠Eu já esperava uma boa nota, pois no meu ano de convênio eu consegui tirar 960. Mas, apesar disso, foi uma emoção única, fiquei extremamente feliz”, diz. As notas do Enem foram divulgadas nesta terça-feira (16), pelo Inep. No total, 60 candidatos no Brasil conseguiram tirar nota mil na redação. Yasmin Damasceno, que mora em Ananindeua, no bairro da Cidade Nova, na Grande Belém, fez quatro vezes o exame. “Duas como treineira e duas como vestibulanda”, afirma. Em 2019, ela zerou a redação. Em 2020, tirou 800 e em 2021 alcançou os 960 pontos. A nota máxima veio em 2023, com os mil pontos. “⁠Eu fazia de 2 a 4 redações por semana. Estudava muito a parte gramatical da língua portuguesa, para não cometer erros de norma-padrão na redação (algo que faz muita diferença na nota)”, conta. Estudante do Expert Cursos Específicos, a jovem não fez o Enem em 2022 porque começou a cursar agronomia na Universidade Federal Rural da Amazônia. Yasmin afirma que a redação, por ser uma área do conhecimento assim como qualquer outra, exige muita prática. “Treine bastante com base nos seus erros e faça muitas redações! tenha conhecimento de citações de filósofos e sociólogos renomados para ter um repertório produtivo ao realizar suas redações”, diz. Outra dica infalível, segundo a jovem, é o uso de “repertórios coringas” na redação, pois ajuda a ganhar tempo na hora de produzir os textos. “É legal pensar em um repertório para cada tema. Usei “Ensaio sobre a cegueira”, que é um livro do escritor José Saramago. Você consegue introduzir o contexto desse livro em qualquer tema”, revela. LEIA TAMBÉM: Estudante paraense tira nota mil na redação do Enem: 'meu coração quase pulou quando vi o resultado' ✅Clique e siga o canal do g1 Pará no WhatsApp VÍDEOS: veja todas as notícias do Pará Confira outras notícias do estado no g1 PA
Veja Mais

17/01 - Com cerca de 10 horas de estudos por dia e rotina de exercício físico, aluna do Paraná tira nota máxima em duas áreas do conhecimento do Enem 2023
Resultado foi divulgado nesta terça-feira (16). Larissa Caballero Rodel, de 19 anos, conta que estudo associado a tempo de lazer e atividade física contribuíram para resultado. Estudante que tirou notas mais altas do país em áreas do Enem comenta sobre rotina A estudante Larissa Caballero Rodel, de 19 anos, moradora de Cascavel, no oeste do Paraná, tirou as notas mais altas do país nas provas de "Ciências da Natureza e suas tecnologias" e "Matemática e suas tecnologias" no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2023. ✅ Siga o canal do g1 PR no WhatsApp ✅ Siga o canal do g1 PR no Telegram O resultado foi divulgado na terça-feira (16) e deixou a jovem surpresa. Veja a seguir como acessar as notas. "Eu fiquei bem feliz, assim, e já esperava notas altas pela quantidade de acertos, mas foi até maior do que eu imaginei." Notas da Larissa: Desempenho da moradora de Cascavel (PR) no Enem 2023 Reprodução Notas máximas por prova no Enem no país, segundo o Inep: Ciências da Natureza e suas tecnologias: 868,4 Matemática e suas tecnologias: 958,6 Linguagens, códigos e suas tecnologias: 820,8 Ciências Humanas e suas tecnologias: 823,0 Redação: 1000 Leia também: Resultado: UTFPR divulga lista dos aprovados no Vestibular 2024 Guaíra: Fachin determina intervenção de comissão fundiária em conflito de terra Investigação: O que se sabe sobre criança que estava com família acolhedora e desapareceu Em busca do sonho Aluna de Cascavel estuda cerca de 10 horas por dia Imagem cedida/João Kothe/Fleming A estudante conta que cursou o ensino médio em uma escola particular e que, apesar da dedicação, não conseguiu atingir boas notas. Em 2023, ela decidiu ingressar em um cursinho particular na cidade para tentar novamente a aprovação em Medicina - sonho de infância dela. Larissa relata que estudou diariamente cerca de seis horas no cursinho e mais uma média de quatro horas em casa. Mas, para alcançar a meta, a estudante relata que também criou uma rotina de atividade física para "liberar o estresse e ansiedade" que ia acumulando durante os estudos. "Eu acompanhava todas as aulas, eu fazia o integral aqui na unidade. Quando a aula acabava, eu tinha aula de tarde também. [depois] Eu ia para casa, fazia alguns exercícios do dia e sempre foquei também em atividade física, porque, para mim, fazia muito bem para a saúde mental, me ajudou bastante", conta Larissa. "Eu tinha muita ansiedade, faz parte do processo. Acho que todos os estudantes, principalmente, quem foca num curso tão concorrido, sempre sofre com ansiedade, nervosismo, tem seus medos, então a atividade física me ajudava, a, sabe, a me afastar pouco disso", relembrou a estudante. Para ela, associar a disciplina diária com os estudos e ter tempo para descanso e lazer resultaram nas notas que agora a aproximam de cursar Medicina. Saúde mental: exercício físico ajuda estudante a desestressar Imagem cedida/João Kothe/Fleming "Não adianta eu passar horas e horas estudando sem ter momento de descanso, porque senão não rende. Vai chegar algum momento que não vai funcionar e vai acabar mais atrapalhando do que ajudando", disse a aluna. Questionada sobre os próximos passos, ela comenta que vai usar a nota para tentar vaga em universidades federais e estudais que oferecem o curso de Medicina no estado. Como consultar resultado do Enem 2023 O resultado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2023 já está disponível para consulta na Página do Participante, segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Para acessar o resultado do Enem 2023, é necessário primeiro acessar a Página do Participante. Acesse aqui a página do participante Depois, clique em "Página do Participante - entrar com gov.br". Insira seu CPF, clique em "Continuar", coloque sua senha e selecione "Entrar". Clique na aba "Resultado" e selecione a opção correspondente a 2023. Os treineiros (alunos que ainda não concluíram o ensino médio e fizeram a prova apenas para testar seus conhecimentos) devem ter suas notas divulgadas em até 60 dias. Sobre o Enem O Enem é a principal porta de entrada para o ensino superior no Brasil, pois permite a seus participantes concorrer a vagas em universidades públicas e privadas, e até a financiamento e bolsas privadas, além de também ser aceito em dezenas de instituições internacionais. As provas foram aplicadas em 5 e 12 de novembro na versão regular do exame, e em 12 e 13 de dezembro na versão PPL (para pessoas privadas de liberdade) e reaplicação. VÍDEOS: Mais assistidos g1 PR Leia mais notícias da região em g1 Oeste e Sudoeste.
Veja Mais

16/01 - Aluna de escola pública que tirou nota mil na redação do Enem estudou por videoaula em casa, no ES
Amanda Teixeira tem 18 anos e mora em Muqui, no Sul do Espírito Santo. Só quatro estudantes de escolas públicas no país conseguiram atingir nota máxima no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2023. Amanda Teixeira Zampiris, 18 anos, estudante de escola pública no ES e nota mil na redação do Enem 2023 Divulgação Assistindo videoaulas e com uma média de quatro horas de estudos extras por dia, fora o horário escolar. Esta foi a fórmula de sucesso que a jovem Amanda Teixeira Zampiris, de 18 anos, desenvolveu para ser uma das quatro estudantes de escolas públicas do país inteiro a tirar nota mil na redação no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2023. Compartilhe no WhatsApp Compartilhe no Telegram "Eu estudava na escola de manhã. Então, quando eu chegava em casa, já almoçava e ia estudando até por volta das 18h. Fazia só uma pausa pra lanchar. Quando eu estava em casa no final de semana, estudava um pouco mais, mas não me privava de ter uma vida social, de viver", disse Amanda. Estudante da Escola Estadual Marcondes de Souza, em Muqui, no Sul do Espírito Santo, a jovem disse que chegou a fazer um cursinho de redação, mas que acredita que o diferencial foi a dedicação em casa, com as videoaulas. Ela contou que pretende curar Medicina Veterinária, mas ainda não escolheu a instituição de ensino. "Tô avaliando. Agora tenho um pouco mais de possibilidades", disse. Amanda Teixeira Zampiris, 18 anos, foi uma das quatro estudantes de escolas públicas do país a tirar nota máxima no Enem Arquivo pessoal "Eu estava bem focada no meu objetivo. Tirava o máximo de distrações de perto de mim, como o celular, por exemplo", disse a estudante. A estudante disse ainda que desenvolveu uma maneira própria de estudar, conciliando as videoaulas com a realização de simulados. "Eu peguei os assuntos que mais caem em cada disciplina e toda semana eu focava em um deles. Foi assim que me preparei", disse Amanda. Amanda Teixeira Zampiris, 18 anos, estudante de escola pública no ES e nota mil na redação do Enem 2023 Divulgação No total, 60 candidatos no país inteiro conseguiram tirar nota mil na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2023 - dessas, quatro eram da rede pública, segundo informou o Inep nesta terça-feira (16). Em 2022, o número de redações com pontuação máxima tinha sido de 18. Em 2023, o tema da redação foi "Desafios para o enfrentamento da invisibilidade do trabalho de cuidado realizado pela mulher no Brasil". No geral, os candidatos tinham que escrever um texto dissertativo-argumento de até 30 linhas, com caneta de tinta preta e de forma legível, a partir do tema proposto. 📲 Clique aqui para seguir o canal do g1 ES no WhatsApp A dica é "não abrir mão do convívio social" Além do foco nos estudantes, Amanda disse que o convívio social durante a preparação foi fundamental para que ela conseguisse realizar uma prova tranquila. Amanda Teixeira Zampiris, 18 anos, estudante de escola pública no ES e nota mil na redação do Enem 2023 Divulgação "Se eu puder dar um dica é para não perder o convívio social. Tem que estudar ao máximo, testar, mas também não pode viver em função disso, não pode perder o convívio da família, dos amigos. Isso sobrecarrega a gente, que fica nervoso, e acaba que não dá certo. Eu controlava bem a minha vida social e minha vida estudantil", destacou a jovem. A surpresa da nota máxima Para a estudante nota mil no Enem, o resultado foi uma surpresa, apesar de toda a dedicação. "Foi um tema desafiador. Quando eu vi a nota, fiquei em êxtase. Não apenas eu, mas meu pai, minha mãe. Todo mundo chorou. Eu lembro que dissertei sobre o machismo que existe na sociedade, sobre o essa sociedade patriarcal que faz com que o trabalho das mulheres seja menos valorizado", disse a estudante. ENEM 2023 - DOMINGO (5) - Ribeirão Preto (SP): Caderno de prova do primeiro dia de exame Érico Andrade/g1 ES oferece mais de 5 mil vagas no Sisu 2024 A Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) vai ofertar 5.026 vagas para cursos superiores no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) 2024, a principal porta de entrada para as universidades federais utilizando a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2023. O participante não pode ter zerado a redação e treineiros não serão aceitos. As inscrições para o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) serão abertas entre os dias 22 e 25 de janeiro. Em 2024, pela primeira vez, o Sisu vai ter apenas uma edição, sem o outro processo seletivo que usualmente ocorre no meio do ano. Confira o cronograma do Sisu: Inscrições: de 22 a 25 de janeiro de 2024 Resultados da 1ª chamada: 30 de janeiro de 2024 Matrículas: 1º a 7 de fevereiro de 2024 Participação na lista de espera: manifestar interesse entre 30 de janeiro e 7 de fevereiro de 2024 Resultado das listas de espera: datas serão definidas por cada universidade Vídeos: tudo sobre o Espírito Santo Veja o plantão de últimas notícias do g1 Espírito Santo
Veja Mais

16/01 - 'Desisti do doutorado para tentar medicina', diz sergipana que tirou nota mil na redação do Enem 2023
Em Sergipe, três candidatos alcançaram a nota máxima. Sergipana Indira Morgana de Araújo Silva tirou nata mil na redação do Enem 2023. Arquivo pessoal A estudante Indira Morgana de Araújo Silva, de 31 anos, está entre os três candidatos de Sergipe que tiraram a nota máxima na prova de redação do Enem 2023. Após cursar agronomia, fazer mestrado e ser aprovada no doutorado, ela conta que arriscou o certo pelo duvidoso em busca da realização de um sonho antigo, a medicina. ✅ Clique aqui para seguir o novo canal do g1 SE no WhatsApp “Em 2010, tentei cursar medicina, mas desisti . Em 2017, fui aprovada no doutorado em duas universidades, sendo uma delas a UFV. Quando precisei viajar para assumir o doutorado em Viçosa, fiquei em dúvida se era essa a decisão certa. Foi quando procurei apoio, na família e na psicóloga, para me ajudar a passar por esse processo de transição da vida acadêmica para a volta aos vestibulares, porque ainda não tinha esquecido da medicina. Então decidi não fazer o doutorado para tentar de novo, agora com mais coragem. Foram sete tentativas até chegar à nota mil, agora estou mais confiante", disse Morgana. Nesta terça-feira (16), ela contou ao g1 que conferiu o resultado em casa, ao lado da mãe. “Estava na minha escrivaninha de estudos, já estudando para concurso, preocupada se não desse certo. Seria a última tentativa. Estava com minha mãe ao lado e o olho bateu logo na nota mil. Eu nem acreditei. Suei bastante, fui logo falar para meu namorado e minha irmã. Meus pais estão muito felizes", disse. Morgana disse que estudou em um cursinho particular, na Zona Sul de Aracaju e sempre foi aluna de escola particular na cidade de Simão Dias, a 104 Km da capital, onde passou grande parte de sua vida. Para ela, o ensino superior significa a porta de entrada para uma carreira profissional, que deveria ser uma oportunidade para todos. Em todo o país, 60 pessoas conseguiram tirar nota máxima. "Desafios para o enfrentamento da invisibilidade do trabalho de cuidado realizado pela mulher no Brasil” foi o tema da redação. 65.542 pessoas se inscreveram para fazer o Enem em Sergipe. Três candidatos de Sergipe tiraram nota mil na redação Enem
Veja Mais

16/01 - Estudante que tirou nota máxima na prova de Matemática do Enem 2023 respondia 100 questões por dia
Quantidade de questões resolvidas variava para mais ou menos dependendo do dia. Társis estuda há três anos para passar em Medicina, curso dos sonhos dele. Társis tirou nota máxima na prova de Matemática do Enem respondia 100 questões por dia Társis Soares Gomes/Arquivo pessoal 📝 Cem questões por dia. Essa foi a média de resolução de perguntas durante a jornada de estudos de Társis Soares Gomes, de 20 anos, para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2023. O método surtiu efeito, tanto que o paraibano atingiu nota máxima na prova de Matemática, com 958,6 pontos. “Teve muito estudo teórico, mas principalmente resolução de questões, o estudo prático. Não só resolver a questão, mas corrigir. Saber o que errou e acertar na próxima. Fazendo isso diariamente, várias vezes”, contou. ➗ Como cada dia tem as duas facilidades e dificuldades, a quantidade de questões resolvidas variava. Em uns mais, em outros menos. Em todos os sábados um gabarito com 90 perguntas também era respondido. 🤳🏽 Compartilhe esta notícia pelo Whatsapp 📲 Compartilhe esta notícia pelo Telegram ➕ Embora seja uma disciplina temida por muitos, Matemática sempre foi a preferida do jovem e também a que ele tem mais afinidade. Mesmo assim, o resultado ainda foi uma surpresa, e das boas! “Foi algo que a gente esperava. Mas ao mesmo tempo ficava receoso de como saber como seria a nota. É um resultado que traz muita alegria, satisfação, gratidão pelas coisas que passaram”, explicou. Társis Soares tirou nota máxima na prova de Matemática do Enem 2023 Colégio Motiva/Divulgação VEJA TAMBÉM: Sisu: veja maiores e menores notas de corte nas universidades da Paraíba Oportunidades: Universidades da PB oferecem mais de 21 mil vagas no Sisu 📐 As estratégias de estudos de Társis foram lapidadas ao longo do tempo. O sonho dele é cursar Medicina para ajudar pessoas. O jovem tenta a aprovação desde que terminou o ensino médio, em Campina Grande, no ano de 2020. “É um sonho, sempre foi um sonho”, reforçou. 🧮 A rotina de estudos durava o dia inteiro, começava pela manhã e acaba no início da noite. Tudo isso durante a semana. Os domingos eram reservados para o descanso. “Não deixei de aproveitar e curtir. Tirava o domingo para descansar, ir para a igreja”, revelou. ✏️As notas nas outras provas também foram altas. Na redação, por exemplo, ele tirou 960 pontos. 🧘🏻‍♂️Além dos momentos de descanso, Társis também atribui a nota máxima ao apoio que teve ao longo da jornada de estudos. “Toda rede de apoio que eu tive, tanto da escola como da minha família e dos meus amigos. Uma rede de apoio que nunca deixou de existir”, declarou. Para quem ainda vai encarar a preparação para o Enem, o paraibano dá algumas dicas: Não desistir; Procurar uma rede de apoio; Resolver e corrigir muitas questões. Paraíba oferece mais de 21 mil vagas no Sisu 2024 As universidades públicas da Paraíba vão oferecer, juntas, 21.673 vagas para cursos superiores no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) 2024. A seleção deve acontecer em uma edição única no início do ano que vem. A seleção para concorrer às vagas do Sisu 2024 será feita com base nas notas do Enem 2023. As inscrições podem ser feitas entre os dias 22 e 25 de janeiro. A partir de 2024, o processo seletivo vai acontecer apenas em uma edição por ano. Por outro lado, não há redução no número de vagas. Vídeos mais assistidos do g1 Paraíba
Veja Mais

16/01 - Estudante que tirou nota máxima em Matemática no Enem 2023 dá dicas de como estudar: 'Correção bem feita'
Victor priorizou a disciplina e também redação, que têm mais peso da média geral, para ter um resultado melhor. Victor França tirou maior nota na prova de Matemática do Enem 2023 Colégio Motiva/Divulgação Victor França, de 19 anos, é um dos estudantes que tiraram a nota máxima em Matemática no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2023, 958,6 pontos. Com a experiência conquistada ao longo da jornada de estudos e também como monitor de outros candidatos, o jovem de Campina Grande dá dicas sobre como ter um bom resultado. Dicas de Victor França: Responder e corrigir questões; Reservar tempo para descanso e lazer; Conta com o apoio de um assessor ou monitor nos estudos. “Eu acredito que trabalho duro traz resultado. Mas quanto mais você se desgasta, talvez aprenda menos com esse excesso. [É necessário] aproveitar bem os finais de semana e finais de noite com a família”, destacou. 🤳🏽 Compartilhe esta notícia pelo Whatsapp 📲 Compartilhe esta notícia pelo Telegram A resolução de questões, por outro lado, vai além. Segundo Victor, o mais importante é corrigi-las para entender onde está o erro. “Em Matemática não tem outro segredo. Existe um outro mundo que é a correção bem feita. Apurar acertos e erros. O que está errando e o que precisa melhorar. Fiz muitos simulados. Se fazia as questões de tarde, no mesmo dia ou no outro dia de manhã já ia corrigir”, explicou. VEJA TAMBÉM: Sisu: veja maiores e menores notas de corte nas universidades da Paraíba Oportunidades: universidades da PB oferecem mais de 21 mil vagas no Sisu Matemática não é a disciplina preferida, mas ganhou prioridade As disciplinas favoritas de Victor são Filosofia e Sociologia. Com Matemática, por outro lado, ele tem mais afinidade desde o ensino fundamental. “As [matérias] que têm mais peso são Matemática e Redação. Então tem que dar uma importância maior pra elas. Eu sempre me preparo mais para Matemática e Redação". A surpresa da nota máxima Quando gabarito do Enem saiu em novembro do ano passado Victor já soube que se saiu bem em Matemática. “E eu não podia ficar mais feliz. Acho que ninguém espera fechar uma competência. Fiquei muito feliz de verdade”, reforçou. Rotina de trabalho x estudos e nova tentativa Victor trabalha como assessor em curso preparatório para o Enem em Campina Grande. O jovem foi aprovado no curso de Direito no ano passado. Mas não se identificou. Por isso, resolveu tentar uma nova profissão. Dessa vez, vai concorrer a uma vaga em Ciência da Computação. Vídeos mais assistidos do g1 Paraíba
Veja Mais

16/01 - Única candidata de SC a tirar nota mil na redação do Enem estudava até 10 horas por dia: 'ano que mais me preparei'
Maria Laura Santin Klein é de Chapecó e quer fazer medicina. Maria Laura Santin Klein, que tirou nota mil na redação do Enem Arquivo pessoal O dia da estudante Maria Laura Santin Klein, de 20 anos, começou com uma surpresa. Ela, que é de Chapecó, foi a única candidata em Santa Catarina a tirar nota mil na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). As notas foram divulgadas nesta terça-feira (16) pelo Inep. ✅Clique e siga o canal do g1 SC no WhatsApp Em todo o Brasil, foram 60 estudantes que atingiram a nota máxima. Maria Laura conta que dedicava de oito a 10 horas por dia para se preparar para as provas. Ela quer usar o resultado para cursar medicina. "De manhã, geralmente umas 7h, eu já saía de casa. E eu passava o dia todo no cursinho, de manhã e tarde. Só que não indo para aula. Como já era meu segundo ano de cursinho, eu aprendi muito a estudar sozinha, então eu acabava ficando na salinha de estudo e estudando por lá mesmo". Maria Laura passava muito tempo nas salas do cursinho estudando Arquivo pessoal "Voltava para casa por volta das 18h30, mais ou menos, ia para a academia e depois eu passava tempo com a minha família. De noite era bem difícil estudar", completa. Maria Laura já era formada no ensino médio e fez dois anos de cursinho. "2023 foi, com certeza, o ano que eu mais estudei de todos". Ela fazia de uma a duas redações por semana para treinar. "Para conseguir notas tão altas assim, o segredo é constância. Não adianta, você precisa escrever toda semana", diz. Além de produzir pelo menos um texto semanal, ela sempre levava para correção no cursinho para receber feedback. "E não é só levar pra correção. Tu precisas analisar depois o que tu estás errando e essas coisas, porque senão tu só cometes os mesmos erros de novo. Então, sempre isso, constância na escrita e sempre voltando e revendo depois o que eu tinha escrito". Ela também conta o que fez no dia da prova. "Foi muita questão realmente de preparo, de simular as coisas e saber exatamente em que hora eu ia fazer de tudo para não me perder". O tema da redação foi "Desafios para o enfrentamento da invisibilidade do trabalho de cuidado realizado pela mulher no Brasil”. "Eu fiquei surpresa quando li a frase temática pela primeira vez. De início, fiquei preocupada com repertório, mas os textos-base ajudaram bastante a clarear as ideias. Costumava fazer simulados modelo Enem com redações praticamente toda semana, então a organização na hora da prova foi bem tranquila, apenas segui o que sempre fazia e isso me ajudou muito a permanecer calma". Surpresa A estudante conta que não esperava a nota mil. "É muito doido. Eu realmente esperava que minha nota fosse boa porque eu me dediquei muito e merecia, mas... Não sei. Quando tu bates o olho, eu olhei mil... Não sei, é muito, muito doido. Na verdade, eu nunca tinha sentido isso antes". Maria Laura estudou em escola particular no ensino fundamental. O ensino médio fez no Senai e o cursinho, no Fleming. ✅Clique e siga o canal do g1 SC no WhatsApp VÍDEOS: mais assistidos do g1 SC nos últimos 7 dias
Veja Mais

16/01 - UnB divulga resultado do vestibular: 13,2 mil estudantes disputaram 2 mil vagas
Apenas 1.821 candidatos foram selecionados; 291 vagas não foram preenchidas porque não houve aprovados com nota mínima. Universidade de Brasília divulga resultado do vestibular O resultado do vestibular da Universidade de Brasília (UnB) foi divulgado nesta terça-feira (16). Ao todo, foram 16.757 inscrições e 13.261 estudantes realizaram a prova na disputa por uma das 2.112 vagas. ✅ Clique aqui para seguir o novo canal do g1 DF no WhatsApp. Apenas 1.821 foram aprovados, segundo o Centro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos (Cebraspe), responsável pela aplicação da prova. Nas 291 vagas que não foram preenchidas, não houve aprovados com nota mínima. 👩‍🎓👨‍🎓 Para conferir o resultado, clique neste link Além de ter sido divulgado no site do Cebraspe, a lista de aprovados foi impressa e colocada no Teatro de Arena, no campos da Asa Norte, para os estudantes conferirem e comemorarem com os colegas de curso. 🎉🎉 As vagas estão distribuídas nos campi Darcy Ribeiro (Asa Norte), Ceilândia, Gama e Planaltina. Ao todo, são 100 cursos disponíveis. Universidade de Brasília divulga resultado do vestibular Cursos mais disputados As provas da UnB foram aplicadas nos dias 25 e 26 de novembro do ano passado. Além do Distrito Federal, os testes puderam ser feitos nas cidades de Formosa, Goiânia e Valparaíso, em Goiás, e Uberlândia, em Minas Gerais. 📍 Os cursos com maior concorrência no Campus Darcy Ribeiro, localizado na Asa Norte, foram: Medicina: 211,75 candidatos inscritos por vaga Psicologia: 39,44 inscritos por vaga Ciência da Computação: 32,30 inscritos por vaga Os candidatos optaram entre um dos três sistemas de acesso disponíveis: Universal, de Cotas para Escolas Públicas e o de Cotas para Negros. Para ser selecionado, o estudante precisa ter concluído o ensino médio ou estudos equivalentes até a data do registro acadêmico online na UnB. Universidade de Brasília divulgada resultado do vestibular Anastácia Vaz e Luis Gustavo Prado/Secom UnB. LEIA TAMBÉM: VEJA COMO PARTICIPAR: Projeto oferece curso gratuito de redação para idosos, no DF; veja como participar A VIDA COMEÇA AOS 60: UnB abre processo seletivo para idosos entrarem na universidade Leia mais notícias sobre a região no g1 DF.
Veja Mais

16/01 - Pé de Meia: entenda como será o programa de incentivo financeiro a alunos do ensino médio público; valor não está definido
Objetivo é garantir a permanência dos estudantes na escola até que completem o ensino básico. Serão priorizados alunos cuja renda familiar per capita mensal seja igual ou menor a R$ 218. Lula sanciona lei que cria poupança para estimular alunos de baixa renda a concluírem ensino médio O programa Pé de Meia, sancionado pelo presidente Lula nesta terça-feira (16), prevê o pagamento de um incentivo financeiro mensal para alunos de baixa renda matriculados no ensino médio público. 💰💰💰 Os repasses serão feitos diretamente para a conta do estudante ao longo do ano letivo de 2024, na forma de uma espécie de poupança, mas os valores ainda não foram definidos. Há ainda a previsão de um depósito extra após a aprovação no ano letivo e um bônus para quem fizer o Enem. O projeto de lei havia sido aprovado no Congresso em dezembro. Abaixo, entenda mais sobre o novo programa: 1 - O que é o programa Pé de Meia? O Pé de Meia é um programa criado pelo governo federal que viabiliza a criação de poupança para estudantes de ensino médio inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico). O objetivo é que incentivar a permanência deles na escola até que completem o ensino básico. Serão feitos depósitos em uma conta do próprio aluno, mas as regras de uso ainda serão detalhadas. Segundo dados do governo, o primeiro ano do ensino médio é o que tem maior registro de evasão, abandono e reprovação. No Brasil, terminar ou não a educação básica tem uma correlação muito grande com a renda. (...) A evasão e o abandono escolar mais do que dobraram na pandemia, ainda não foi possível reverter isso e vale a pena investir, literalmente, para manter os jovens na escola. Presidente Lula sanciona programa Pé de Meia, com base em lei de coautoria da deputada Tabata Amaral. Ricardo Stuckert 2 - Quem tem direito à poupança? Terão direito ao auxílio estudantes de baixa renda matriculados na rede pública e que pertençam a famílias inscritas no CadÚnico. Serão priorizados os alunos cuja renda familiar per capita mensal seja igual ou inferior a R$ 218. Estudantes de 19 a 24 anos na modalidade Educação de Jovens e Adultos (EJA) também poderão aderir ao programa. Os critérios de elegibilidade ainda serão detalhados em um decreto, mas segundo o texto sancionado por Lula, o estudante somente terá direito ao benefício se: efetivar a matrícula no início de cada ano letivo; tiver frequência escolar de 80% das horas letivas; for aprovado ao fim de cada ano letivo; participar de exames do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) e de avaliação dos estados para o ensino médio; participar do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) no último ano letivo do curso. 3 - De quanto será o auxílio do Pé de Meia? O valor do repasse para cada aluno ainda será definido pelos ministérios da Educação e da Fazenda, assim como as formas de pagamento, os critérios de operacionalização e o uso da poupança. O governo já autorizou, por meio de uma medida provisória, que a União direcionasse até R$ 20 bilhões em um fundo para o programa, que será operado e gerenciado pela Caixa Econômica Federal. Pelos cálculos do Executivo, seria possível dar um incentivo de cerca de R$ 200 por mês a partir da matrícula em cada ano letivo, além de um aporte anual de R$ 1.000, uma espécie de poupança que só poderia ser resgatada após a conclusão do ensino médio. No entanto, esse valor ainda será fixado pelo governo. No início deste mês, o ministro da Educação, Camilo Santana, declarou que pagamento aos alunos deve começar em março. 4 - Como o valor será pago? O programa prevê que os valores sejam depositados em uma conta a ser aberta no nome do estudante, mas isso ainda não foi definido. Serão duas formas de depósito, com regras de movimentação distintas: ➡️ Na primeira, os depósitos ocorrerão mensalmente, ao longo de cada ano letivo, para alunos que efetivarem a matrícula na série e comprovarem frequência mínima nas aulas. Esses valores poderão ser movimentados a qualquer momento. ➡️ Já na segunda, valores adicionais serão depositados em duas ocasiões: quando o estudante for aprovado no ano letivo e quando o aluno participar do Enem Esses recursos — que serão equivalentes a, no mínimo, um terço do total pago a cada estudante — poderão ser movimentados somente após a obtenção do certificado de conclusão do ensino médio. O ministro da Educação, Camilo Santana, afirmou que essa modalidade é um bônus para estimular a participação no Enem. Nós vamos ter um auxílio também, um 'plus' a mais, no terceiro ano, para quem fizer o Enem. Dessa forma, o beneficiário poderá, se quiser, aplicar os recursos da poupança em títulos públicos federais ou valores mobiliários, especialmente os formatados para os estudos realizados na educação superior.
Veja Mais

16/01 - Lula sanciona lei que cria poupança para manter no ensino médio estudantes inscritos no CadÚnico
Participação dependerá de critérios, como aprovação e realização do Enem. Valores e periodicidade dos depósitos ainda serão definidos. MEC espera iniciar pagamentos em março. O presidente Lula (PT) sanciona, ao lado do ministro Camilo Santana (Educação), a lei que cria a poupança para estudantes do ensino médio Ricardo Stuckert/Presidência da República O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) sancionou nesta terça-feira (16) a lei que cria uma poupança financeira para estudantes de baixa renda que cursam o ensino médio na rede pública. A informação foi divulgada pelo Palácio do Planalto. Segundo o ministro da Educação, Camilo Santana, Lula vetou trechos da proposta, entre os quais um aumento do percentual mínimo de frequência escolar. O programa, chamado pelo Ministério da Educação como Pé de Meia, tem o objetivo de estimular a permanência de adolescentes na escola e a conclusão do ensino médio. De acordo com o texto aprovado pelo Congresso, o benefício será pago a estudantes de baixa renda matriculados na rede pública e com famílias inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico) do governo federal. A proposta não estabelece valores e as formas de pagamento e saque do benefício. Esses pontos serão definidos posteriormente pelo governo, em um ato conjunto dos ministérios da Fazenda e da Educação. Na última semana, Camilo Santana sinalizou que os pagamentos devem ter início no mês de março. Em declaração à imprensa, nesta terça, o ministro disse que a pasta ainda elabora um decreto, que deve estabelecer critérios de elegibilidade dos estudantes. Ele não adiantou qual será o valor e a periodicidade dos depósitos. Segundo Camilo Santana, o programa deve beneficiar cerca de 2,5 milhões de estudantes. A expectativa é que, anualmente, sejam gastos R$ 7 bilhões com a iniciativa. "É um programa que vai atender milhões de estudantes do ensino médio, que é o período que mais tem evasão e abandono na educação básica — principalmente no primeiro ano do ensino médio", disse Camilo Santana. Governo anuncia bolsa para frear evasão do ensino médio A poupança De acordo com o texto sancionado por Lula, o estudante somente terá direito ao benefício se: efetivar a matrícula no início de cada ano letivo tiver frequência escolar de 80% das horas letivas for aprovado ao fim de cada ano letivo participar de exames do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) e de avaliação dos estados para o ensino médio participar do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) no último ano letivo do curso A proposta também estende o benefício a estudantes matriculados na Educação de Jovens e Adultos (EJA), que tenham entre 19 e 24 anos. De acordo com o ministro da Educação, o presidente Lula vetou um trecho da proposta que estabelecia um aumento, após três anos de funcionamento do programa, do mínimo de frequência escolar. O texto aprovado pelo Congresso determinava que o percentual subiria de 80% para 85%. Depósitos Os depósitos da poupança serão feitos em uma conta no nome do estudante beneficiado. Os valores serão repassados por etapas e terão restrições de movimentação. De acordo com o texto, haverá duas modalidades de aporte. Na primeira, os depósitos ocorrerão mensalmente, ao longo de cada ano letivo, para alunos que efetivarem a matrícula na série e comprovarem frequência mínima nas aulas. Esses valores poderão ser movimentados a qualquer momento. Já na segunda, valores adicionais serão depositados em duas ocasiões: quando o estudante for aprovado no ano letivo e quando o aluno participar do Enem Esses recursos — que serão equivalentes a, no mínimo, um terço do total pago a cada estudante — poderão ser movimentados somente após a obtenção do certificado de conclusão do ensino médio. O ministro da Educação, Camilo Santana, afirmou que essa modalidade é um bônus para estimular a participação no Enem. "Nós vamos ter um auxílio também, um 'plus' a mais, no terceiro ano, para quem fizer o Enem", disse. O beneficiário poderá, se quiser, aplicar os recursos da poupança em títulos públicos federais ou valores mobiliários, especialmente os formatados para os estudos realizados na educação superior. A poupança não será considerada para o cálculo de renda familiar em benefícios sociais. O Pé de Meia será financiado por um fundo administrado pela Caixa Econômica Federal, que terá participação do governo federal. No fim de 2023, o Ministério da Educação, que será responsável por avaliar as condicionantes do programa, depositou R$ 6,1 bilhões para viabilizar a operação da poupança neste ano.
Veja Mais

16/01 - MEC e Inep divulgam balanço do Enem 2023
Exame é a principal porta de entrada para o ensino superior no país e também é aceito em dezenas de instituições internacionais. Notas dos treineiros serão divulgadas em 60 dias. MEC e Inep divulgam balanço do Enem 2023 Exame é a principal porta de entrada para o ensino superior no país e também é aceito em dezenas de instituições internacionais. Notas dos treineiros serão divulgadas em 60 dias. Os resultados individuais do Enem 2023 foram divulgados nesta terça-feira (16);. No total, 60 candidatos conseguiram tirar nota mil na redação, sendo 4 alunos da rede pública;. Em 2022, o número de redações que haviam tirado a pontuação máxima tinha sido de 18;. Veja como as notas podem ser utilizadas no Brasil e no exterior.
Veja Mais